Pular para o conteúdo principal

ELVIS - DIREITO DE RESPOSTA


Estou morto, muito morto mesmo. Diria que nunca estive tão morto em toda a minha vida. Na verdade, estou mais morto que Janis Joplin, Charles Chaplin e John Kennedy juntos. Enfim, ou estou morto ou não me chamo Elvis.

Semana passada John Lennon enviou uma mensagem a vocês, terráqueos, insinuando que eu não tinha ainda batido as botas. Logo eu, que cheguei por aqui 3 anos antes dele. O fato é que John tem lá seus motivos para inventar coisas a meu respeito. Mesmo sendo quatro disputando comigo sozinho, os Beatles não conseguiram tirar minha coroa de rei do rock, pois é assim que continuam me chamando aí embaixo, certo? Isso pode ter mexido com os nervos de John, embora não seja frequente nos mortos o destempero emocional.

John afirma em seus garranchos psicografados (que já devem estar indo a leilão na Sotheby’s por milhões de libras) que eu não morri coisa nenhuma ou devo estar nos quintos dos infernos comendo sanduíche de pasta de amendoim. Estou sim, devorando essa iguaria, e por isso mesmo estou no céu, pois é minha comida favorita. Aliás, aproveito para dizer que foi a pasta de amendoim que me tornou gordo nos últimos anos, e não o coquetel de tranquilizantes – que erroneamente atribuem como desencadeadores do meu inchaço e de minha causa mortis.

Tempo houve em que os Beatles formavam um verdadeiro fã-clube deste que vos fala. Lembro nitidamente daqueles quatro cabeludos chegando embasbacados à minha mansão em Los Angeles, ansiosos por me conhecerem de perto e me adorando como se eu fosse um profeta do Antigo Testamento. Estava dedilhando meu contrabaixo deitado no sofá e nem dei muita bola quando anunciaram sua chegada e os despejaram no meio da sala. Continuei tocando e olhando a TV, de chinelo e bermuda, alheio completamente ao que se passava, como se eles fizessem parte da mobília ou da criadagem. Contaram umas piadas, tocaram umas musiquinhas, olhando pra mim com cara de quem aguarda a aprovação paterna. Na tentativa de quebrar o gelo, o mais narigudo deles (esqueci o nome) ficou fazendo uns malabarismos com as baquetas, até que eu disse: “Puxa, você é bom mesmo nisso. E o que mais sabe fazer?”. Ficaram mais um tempo e enfim se escafederam, depois que eu olhei para o relógio e disparei sem pestanejar: “Bem garotos, se me dão licença, eu não tenho o dia todo...”.

Falar é fácil. O que Lennon não disse é que ele e George tentaram formar um trio comigo, por esses rincões celestes. Recusei polidamente: “Forget about, acho que nossos estilos não se bicam”. George entendeu, mas John me pareceu indignado com a recusa e inventou essa coisa toda de que não me viu por aqui.

O que interessa é que meu túmulo está lá em Memphis, e meus ossos podem ser exumados a qualquer momento. E você, John? Onde está seu túmulo? Para quem não sabe, John não tem túmulo, suas cinzas foram espalhadas sei lá onde. Isso significa que, se há alguém nessa história que pode ter sua morte questionada, esse alguém é John. Quem me garante que ele não continua firme e forte em seu apartamento no Dakota, sem botar a fuça pra fora de casa, isento das responsabilidades e obrigações que pesam sobre qualquer encarnado e deixando tudo a cargo de sua gueixa septuagenária?

É, John, mesmo morto devo admitir que você foi vivo, mas ninguém há de cair na sua conversa. Quanto a vocês, mortais, continuem mandando suas orações e fazendo suas peregrinações anuais a Graceland.

© Direitos Reservados

Comentários

  1. Erika9:58 AM

    Genial!

    Um beijo grande.

    ResponderExcluir
  2. Maria Amélia Pedroso10:02 AM

    SENSACIONAL!!!

    ResponderExcluir
  3. Cichetto10:03 AM

    http://abarata.com.br/Colunas_MarceloSguassabia_Detalhe.asp?Codigo=130
    Abrazzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
    Barata Cichetto
    Escritor, Poeta e Artesão
    A Barata:
    www.abarata.com.br
    Twitter
    www.twitter.com/baratacichetto
    Celular: (11) 6358-9727

    ResponderExcluir
  4. Cris Gracioli10:04 AM

    Muito bom!!!!



    Parabéns, Haha

    ResponderExcluir
  5. Eduardo Lara Resende10:41 AM

    "... mesmo morto devo admitir que você foi vivo".

    Eta, sô! - diria toda uma geração de mineiros embasbacados (como aqueles rapazes cabeludos na sala da mansão do vivo..., digo, do morto) ao ler essa 'suspeita' bem tramada e bem arrematada.

    Eta, sô!

    Abraço.

    ResponderExcluir
  6. Belvedere Bruno11:19 AM

    Muito bommmmmmmmmmmmm!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  7. Ana Christina Victorelli12:10 AM

    ahahahaha, joia!!! bjos e boa semana !!!

    ResponderExcluir
  8. Cristina Siqueira4:50 AM

    Oi Marcelo,

    Adorei este direito a inveja entre os mortos.
    Como é de seu estilo, a arte de ser hilário ,trouxe risos gostosos nesta manhã de domingo.

    Beijos,

    Cris

    ResponderExcluir
  9. Marco Antonio Rossi8:52 AM

    pela conversa, a SEGURADORA DEVE TOMAR CUIDADO........CERTO JOHN?
    deixando a brincadeira de lado, tempo bom dos dois, certo?

    ResponderExcluir
  10. Nelson Marchetti11:33 AM

    Ótimo!

    rssrsrsrs

    ResponderExcluir
  11. Ana Maria3:23 AM

    muito bom, Marcelo!

    abração!

    ResponderExcluir
  12. Marcelo Meneghetti3:24 AM

    Muito bom esse diálogo dos mortos!

    ResponderExcluir
  13. Patrícia6:54 AM

    ahahahahaha!!! essa sua fase roqueira está muito boa!!!

    ResponderExcluir
  14. Evelyne6:57 AM

    Elvis, mandou muito bem, mas o show foi seu Marcelo! Adorei! Beijos e boa semana.

    ResponderExcluir
  15. Os 14 primeiros comentários esgotaram o estoque de adjetivos ao (escolha um dos já citados) texto.
    Fico aqui na expectativa de uma (escolha um dos já citados)tréplica do marido da japa.

    ResponderExcluir
  16. oi Marcelo,

    De novo para reiterar o gosto.
    Te espero www.cristinasiqueira.blogspot.com

    Beijos,

    Cris

    ResponderExcluir
  17. Regina Costa10:27 PM

    Marcelo,
    A idéia do "Trio Celeste"é genial! Afinal, um bebeu na fonte do outro, não é mesmo?
    Adorei o texto! Bjs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…