Pular para o conteúdo principal

CEIAS



I


Ana Carolina parecia particularmente bela naquele Natal. Havia algo na proximidade do advento que lhe dava um frescor extra, de imediato percebido até pelos cachorros da vizinhança. Olhava sua imagem disforme numa das bolas da árvore, e só nas bolas da árvore se via deformidade. Ela, a perfeitíssima da vez, tenra como um tender. Era só a polpa da carne do mundo, mas uma carne casta de 14 anos, que até o Natal passado ainda acreditava no bom velhinho. O mesmo Papai Noel oficial do quarteirão que agora cofia a longa barba com olhares pouco cristãos para suas pernas. “Ho, ho, ho, que ceia” – pensa quase em voz alta.


II


Por mais bem feito que seja, o melhor dos pudins comuns não iguala o pior Christmas Pudding, alteza das mesas todas, de South Kensington a Windsor. Mildred e Richard dividem o sofá, aprumados e solenes como numa foto de colégio. Todos os botões fechados até os pulsos e pescoços, pelo frio e pelo recato. A guirlanda na porta data da primeira grande guerra, quase um escudo de família. Às 18h16, na Abadia para os ofícios litúrgicos, honrariam a tradição dos McCalister. Nunca em mais de 800 anos alguém do clã deixou de comparecer, à noite e na missa solene pela manhã, já com o Jesus nascido e sorrindo para as vaquinhas. Enquanto isso, ele a ler e ela a tricotar. Sobravam nozes, mas faltavam dentes. Fome também não havia.


III


Damasco seco seria azia na certa. Melhor evitar. Para uma véspera de Natal, a temperatura nunca esteve tão amena em Roma. Junte esse calor inesperado com os holofotes cegantes, o mundo em torno dele dentro de uma hora e meia. Precisava se paramentar, mas deixava-se ir ficando um pouco mais sob os linhos. Este sucessor de Pedro é humano antes de ser qualquer outra coisa. Um frango grelhado com arroz branco, e mais não queira inventar, Bento. A noite e a idade já vão avançadas. Cheio de vida, hoje, só o filho de Deus que nasce daqui a pouco para a redenção da humanidade.


© Direitos Reservados

Comentários

  1. Marco Antonio Rossi3:24 PM

    que jesus nos abençoe e que venha o peru......
    abç

    ResponderExcluir
  2. Barata Cicheto3:27 PM

    Marcelo:
    Muito bom... Esse CV parece o meu... Tá no ar!
    Abrazzzzzzzzzzzzzzzzzzz

    ResponderExcluir
  3. Barata Cicheto3:27 PM

    Marcelo:
    Muito bom... Esse CV parece o meu... Tá no ar!
    Abrazzzzzzzzzzzzzzzzzzz

    ResponderExcluir
  4. João Batista3:28 PM

    Achei excelente
    sua crônica "Ceia", Parabéns!!! Um beijo

    ResponderExcluir
  5. Ana Christina Victorelli10:08 PM

    Liiindoooo !!!!!! Bjos, Ana

    ResponderExcluir
  6. Nilsa Amaral Antunes de Souza8:58 AM

    Perfeito,como sempre.

    ResponderExcluir
  7. Quando li o título pensei que vc faria uma incursão sobre os comes clichês das ceias. Alguma crônica em que os fios condutores do texto seriam os de ovos. Gastronomicamente decepcionado, mas as letras são tão saborosas como aquela leitoa que pururuca e engordura a barba alva do bom velhinho. abs

    ResponderExcluir
  8. Excelente, três natais.

    ResponderExcluir
  9. Eduardo Lara Resende3:13 AM

    Ceias de reflexões... Competente, como sempre.

    Acabo de postar 'Esforço compensado' em Pretextos-elr - um agradecimento a leitores como V.

    Abraço.
    Eduardo LR

    ResponderExcluir
  10. Maria Ester Esteves7:29 AM

    Bem bonitas mini crônicas!

    ResponderExcluir
  11. Evelyne7:30 AM

    CEIAS INSPIRADISSIMAS EM UM TEXTO PRIMOROSO! AMEI, MARCELO!
    BJS E BOA SEMANA, AMIGO!

    ResponderExcluir
  12. Cristina Siqueira12:33 PM

    Ótima trilogia1

    Beijos,

    Cris

    Apareça!

    ResponderExcluir
  13. Sandra Nogueira3:24 AM

    oi Marcelo, os "retratos" de diversas ceias, mostram a sua perspicácia em captar o que nós, comuns mortais, dificilmente notamos. Muito bom texto.Um grande abraço desta amiga que ainda acredita na redenção da humanidade.
    Sandra

    ResponderExcluir
  14. Regina Costa10:46 AM

    oi Marcelo,
    As ceias ao redor do mundo estão deliciosas! A inglesa, então...saudades do Christmas pudding!bj

    ResponderExcluir
  15. Ana Maria3:33 AM

    No fim o que importa é só o filho mesmo não é Marcelo!

    Um Grande Beijo!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…