Pular para o conteúdo principal

O ZEN NECESSÁRIO


Bem, ao que tudo indica o seu caso é bastante simples, embora as abordagens mais recentes recomendem uma conduta multidisciplinar com observação constante e rigorosa. Comece com três horas semanais do velho, bom e inescapável divã, nas velhas, boas e inescapáveis sessões de 50 minutos cada. Olhando para o teto, a parede, a micose na unha do mindinho ou qualquer outra coisa que não seja a cara do analista, vá desembuchando o que der na cachola. Mesmo que em doses homeopáticas, lembrando que homeopatia séria exige acompanhamento de médico habilitado e uma farmácia de manipulação de absoluta confiança. Acredite no que a numerologia e o baralho cigano profetizam para os seus próximos dez minutos de vida, transcenda os véus ilusórios da razão e visualize o terceiro chakra cercado de runas e patuás de Oxóssi por todos os lados. Caso não consiga visualizar nitidamente, é aconselhável consultar um iridólogo que prescreva shiatsu e florais concomitantemente à terapia de vidas passadas. Leia o Livro dos Espíritos da página 129 até a 354 no mínimo duas vezes ao dia, logo após o Bhagavad-Gita, enquanto banha-se de luz azul num ofurô de bom tamanho - mantendo obviamente a face voltada para Meca e o pensamento focado em Buda. Inspire pelo nariz e expire pela boca, em movimentos abdominais ritmados e profundos, tendo em mente que o alcaçuz in natura apresenta propriedades terapêuticas conhecidas desde os tempos do império asteca, o que pode ser particularmente benéfico no seu caso. Repouse suavemente os braços sobre as pernas, diga “OM” enquanto faz do-in e conserve atitude positiva diante dos percalços, ainda que você deva estar o tempo todo sem sapatos para captar da terra a energia telúrica. Contudo, jamais encare descalço o Caminho de Santiago, mesmo que o referido caminho seja para você uma excursão de 3 dias para a capital do Chile, com traslado, café da manhã e city tour. Em seguida, para saber se está ou não sob efeito hipnótico, ordene que sua mão esquerda comece a formigar. Formigando, junte-a com a direita em posição de prece acima da cabeça, mantendo a postura de lótus e o ambiente aromatizado com incensos de sândalo, rosa branca e limão cravo. Qualquer que seja a resposta do organismo, a radiestesia xamânica é não apenas útil como enfaticamente recomendada, tanto pelos monges tibetanos quanto pelos frades da Ordem Terceira do Divino Sacramento. Terminado o procedimento e feita a pós-assepsia prescrita na segunda série de exercícios de pilates, repita a operação todas as vezes em que, a leste da constelação de Andrômeda, surgir uma estrela âmbar. Persistindo o estado inicial, é hora de lançar mão do reiki, da yoga, do feng shui, da mandala, da massagem ayurvédica, da cabala, da cura prânica, da terapia holística, do mapa astral, do tarô, da gnose, da massoterapia e da acupuntura, necessariamente nesta ordem. Ou não, se assim sentir-se mais confortável.


Minha homenagem ao Jornalzen, que há 5 anos vem conseguindo colocar ordem e sentido na bagunça aí de cima.


© Direitos Reservados


Comentários

  1. Caio Rothje1:25 AM

    .. não esquecendo o tradicional chazinho do Santo Daime, em meio a músicas e percussão desafinada..

    rs

    ResponderExcluir
  2. Louvo mais uma vez a pena lúdica e cheia de graça do amigo, mas, sob protesto, lamento a exclusão da terapia tereziânica, aquela que é a panacéia pra todos os males e que consiste na dieta quarentênica apenas ingerindo o denso mingau da macaúba.
    abs

    ResponderExcluir
  3. Mary Maia9:06 AM

    Tenho te lido, viu? Quando não dá pra ler na hora, guardo na ''sua pastinha'' e o faço depois. E leio sempre com aquele olhar e sorriso que você sabe como é, né? Aquele que não dizendo diz: "Ah, esse meu amigo! Escreve pra "C....!". (Eu ia dizer "caramba!") Ando ''zen'' tempo para escrever, mesmo aos que amo de paixão, como você. Mas, como hoje é sábado (mesmo, mesmo, mesmo...etc...etc..e etc...), estou aqui olhando mais de perto as minhas coisinhas.
    Feliz em receber mais um texto seu (continuo pedindo: não me prime de nenhum) e por estar tendo esse tempinho para te dar um alô!
    Parabéns, de novo!
    Te gosto muitão.
    Beijos,
    Mary
    (Ah! Eu sou Reikiana...rssss)

    ResponderExcluir
  4. José Carlos Carneiro9:08 AM

    Desculpe o palavrão, além de não ser dirigido à sua pessoa. Mas puta que pariu! Divagou mesmo, indo lá nos confins das "soluções alternativas", para as mazelas dos nossos tempos. E que esforço Hercúleo para garimpar as tantas coisas que citou, tudo recheado com seu requintado senso de humor. Divertidíssimo ler suas fugas ao lugar-comum e navegar em mares "nunca d'antes navegados". Essas suas bem-vindas inovações, tudo faz crer, são coisas de quem preserva com seriedade um constante estado de espírito zen. Bom saber que no meu cículo de amigos há pessoas como você. Tenha um ótimo final de semana, você e família.

    ResponderExcluir
  5. Muito bom!
    Bom Natal pra vc!!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  6. Namastê!
    Axé!
    Paz Profunda!
    Hare Krishna!

    Adoro a ordem da desordem da bagunça aí de cima....

    ResponderExcluir
  7. Sayonara Lino9:43 PM

    Marcelo, amei seu texto! Até tornar-se zen nos dias de hoje está demais para minha mente! São tantas opções e até mesmo imposições...

    Feliz Natal e um ano com muita properidade!

    Sayonara

    ResponderExcluir
  8. Marco Antonio Rossi7:17 AM

    caro marcelo

    zeniÂnicamente? falando ou escrevendo, a unha encravada do dedão do pé esquerdo, a unha roida da mão direita e uma benção especial para todos com um FELIZ NATAL E UM 2010 MARAVILHOSO........
    ABRAÇO
    ROSSI

    ResponderExcluir
  9. Eduardo Lara Resende7:18 AM

    O Jornalzen está de parabéns por manter engre seus articulistas um Jornalistazen com a sua competência. Transfira a eles os meus cumprimentos.
    A V., o melhor aplauso e votos de Ano Novo tão perfeito quanto possível.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  10. Ana Christina Victorelli10:38 AM

    E não é bem isso ????? Muito bom !!! Bjao !!

    ResponderExcluir
  11. Ana Maria4:29 PM

    O seu tipo de Zen é ótimo, Marcelo!

    beijão!

    Ana

    ResponderExcluir
  12. Evelyne Furtado9:24 PM

    Se nada disso funcionar, leia O Zen Necessário, texto de Marcelo Sguassábia e solte o riso. Faz um bem enorme! Adorei, Marcelo! Bjs e ótima semana!
    Evelyne.

    ResponderExcluir
  13. Belvedere Bruno8:40 AM

    Muito bom!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  14. Anônimo2:24 PM

    Como sempre seu modo único, inteligente e bem-humorado de expressar suas ideias me agradou demais neste texto. A forma de nos parabenizar pelo trabalho é das mais originais e sensatas.
    E quero que saiba que nos sentimos muito satisfeitos e honrados em tê-lo como nosso colaborador.

    Gratíssima.

    Silvia Lá Mon
    diretor
    JORNALZEN

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…