Pular para o conteúdo principal

OCORRÊNCIAS POLICIAIS DA PROVÍNCIA - PARTE II


Por Laudilene Elizandra, da Reportagem Local

Um prato raso de fios de ovos e uma porção de lasanha à bolonhesa por pouco não levam à morte dois dos nossos mais respeitáveis munícipes – o Dr. Draconiano de Campos Pimentel, chefe do Posto de Arrecadação Tributária local, e o conhecido “Ditinho Puxa-Uma-Perna”, dono da fábrica de gatilhos.


Após chegarem às vias de fato em plena Praça da Matriz, por motivos até aquele momento não elucidados, as partes beligerantes dirigiram-se engalfinhadas à sede da “Tribuna Varonil” e transformaram em ringue a redação deste matutino. Os sopapos e insultos de baixo calão comeram soltos até a chegada o cabo Edélcio, que convertido ao islamismo tentava apaziguar os ânimos segurando numa das mãos o Corão (pela capa dura e espessura do volume, era quase um escudo à prova de balas) e na outra um par de algemas em aço temperado de marca Alcatraz.


Acender velas e entoar ladainhas talvez pouco valesse nessa hora de fúria cega e juras de morte, mas ainda assim se tentou. Dona Benedita, cônjuge do Dr. Draconiano, armou um altarzinho improvisado entre a mesa do editor adjunto e a do revisor. Terço à mão, entoava em rodízio Ave-Marias e Salve-Rainhas, invocando a intercessão do Santo Espírito ou de alguém em carne e osso, com osso e carne suficientes para apartar os dois desafetos.


Visivelmente consternada e com o raciocínio turvado pelas fortes emoções, Dona Benedita posteriormente relatou à reportagem a causa da desavença.


Como é de conhecimento geral, a indústria de “Puxa-Uma-Perna” andava tão claudicante quanto o seu malfadado proprietário. De acordo com Dona Benedita, a crise no setor de armas atravessa uma reação em cadeia. Do coldre ao cão, da alça de mira ao tambor – passando por uma infinidade de projéteis de calibres variados - um fornecedor vai transferindo o calote ao outro. O resultado são pistolas, rifles e metralhadoras com canos mas sem gatilhos, com tambores em perfeito estado mas sem balas que os alimentem. Dono de um estoque de 24,5 toneladas de gatilhos, e mantendo o quadro de funcionários em férias coletivas desde julho do ano passado, Ditinho não teve outra alternativa a não ser recorrer a subterfúgios emergenciais de sobrevivência. Foi quando lhe ocorreu a ideia da rifa, pomo da discórdia dos quase-óbitos. Ofereceu em permuta ao Buffet da Dinorah 750g de gatilhos em troca das porções de fios de ovos e de lasanha para serem rifadas junto aos moradores, à razão de 5 reais o número. Quando da divulgação do resultado, na quinta-feira passada, “Ditinho Puxa-Uma-Perna” anunciou que o contemplado era ele mesmo, que empenhara os últimos 5 reais que tinha no bolso para fazer também sua fezinha.


“Não tenho culpa se fiquei com o prêmio. Não existe no regulamento das rifas cláusula que impeça o próprio rifador de adquirir um ou mais números para si próprio”, justificou-se ele ao nosso jornal. Chamado de “cafajeste” e “ordinário” pelo coletor de impostos, “Puxa-Uma-Perna” retrucou o insulto com uma risadinha sarcástica. Num acesso de desatino, Dr. Draconiano sacou de sua garrucha, absolutamente íntegra por ter sido fabricada antes da crise da indústria bélica. Ditinho teria visto Nossa Senhora mais cedo não fosse o tambor descarregado da arma do Doutor. A risadinha do rifador transformou-se em gargalhada, que acabou por contagiar todas as testemunhas da cena. A humilhação fez com que o Dr. Draconiano partisse para a luta corporal, única forma de reverter a peleja a seu favor.


O caso está nas mãos do Juiz de Pequenas Causas, que deverá dar seu parecer quando da volta de suas férias na Praia Grande. Mais notícias na próxima edição da “Tribuna Varonil”.



©
Direitos Reservados

Comentários

  1. Marco Antonio Rossi4:13 PM

    LASANHAS E FIOS DE OVOS A PARTE, TERMINARÁ TUDO EM PIZZA????????
    ABÇ
    ROSSI

    ResponderExcluir
  2. Ana Maria12:31 PM

    Me parece bem familiar esta sorte danada destas pessoas aí descritas, não?

    \abração, Marcelo!

    ResponderExcluir
  3. Celi Gustafson Estrada12:32 PM

    AH! AH! AH! contos e desencontros! Obrigada,
    Celi

    ResponderExcluir
  4. Pela sua hilária pena conhecemos o Ditinho Manco, que recorreu à rifa de forma pontual para sair da pindaíba momentânea, mas aqui em Sanja conheço uma figura que vive na Ademar de Barros e arredores. O seu ganha-pão há trocentos anos é vender rifa, de frango assado a televisor usado. Figuraça!

    ResponderExcluir
  5. Evelyne9:11 AM

    Que delícia de reportagem policial! Maravilha de província onde gatilhos são permutados por fios de ovos. Só você Marcelo! Adorei! Parabéns e beijos.
    Evelyne

    ResponderExcluir
  6. Luciana Sleiman9:15 AM

    Olá Marcelo,

    comentar no teu blog é só o natural depois de ler os teus ótimos textos.

    Tem mais foto no facebook;- por força dos conhecidos acabei migrando para lá.

    Tudo de bom pra você e sua família -

    Luciana

    ResponderExcluir
  7. Regina Costa10:21 AM

    Olá Marcelo
    Que coisa boa começar o ano lendo seus textos e dando risada!
    seu bom humor é contagiante!
    Beijo e boa semana

    ResponderExcluir
  8. Belvedere Bruno3:24 AM

    Só rindo muito......

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…