Pular para o conteúdo principal

PROVADOR NO ANALISTA

O PROVADOR
O emergente nicho de provadores é um mundo à parte. Muito à parte. Imune às oscilações do mercado de trabalho, ao desempenho dos fundos de renda fixa e ao terremoto do Haiti, não consta até hoje nem nas Delegacias Regionais do Trabalho nem na Caixa Econômica um único pedido de seguro-desemprego dessa categoria profissional. Ultraespecializados, sua sensibilidade peculiar em um dos cinco sentidos lhes garante a chamada jornada 8 x 4 – oito meses de trabalho e quatro de Club Med em sistema All Inclusive.

A habilidade inata para uma coisa só os torna, não raro, insensíveis a todas as outras. O resultado é uma autoestima exacerbada que fatalmente desencadeia algum distúrbio emocional ou neurológico. Basta citar as multidões de provadores de cerveja, vinho, perfume e sopa de cebola nos consultórios dos psicanalistas, alguns deles pagando fortunas por um encaixe emergencial na quarta-feira às 12h30.

À parte o egoísmo natural ou adquirido, são extremamente sociáveis. Entre eles, bem entendido. Possuem comunidades no Orkut, seguem uns aos outros no Twitter e organizam encontros na vida real várias vezes ao ano. No mais recente, realizado em Boiçucanga, fizeram até uma camiseta com os dizeres: “Encontro de Provadores 2009. Provei e aprovei!”. Foi vestindo uma delas que Sara chegou para sua consulta na clínica da Dra. Maria Carolina.


NO ANALISTA
- Fale-me mais sobre ele.
- É provador de café. E sofre de insônia, obviamente. Fico imaginando a cesta básica que a empresa dá para o cara todo mês. Deve ter Frontal, Valium, Dormonid, Rivotril, tudo quanto é tarja preta. A última vez foi horrível, doutora. Depois de um sexozinho bem Nescafé aguado, que tive que fingir ser um autêntico Arabica Coffee, ficou a noite inteira falando de um colega seu italiano, também provador de café, que fez um seguro da própria língua por 10 milhões de libras. Eu morrendo de sono e ele falando que no seu caso as papilas gustativas são tão importantes quanto as pernas para um jogador de futebol e as mãos para um pianista. E que eu, como provadora de perfume, tinha que fazer uma apólice do meu nariz...
- Prossiga.
- Então, mas no começo era bem diferente. E a doutora nem imagina onde tudo começou.
- Onde?
- No provador da M.Officer. Rolou o maior amasso. No auge da coisa, me segurei na cortininha e as argolas foram arrebentando uma a uma, descortinando tudo.
- Isso parece “Psicose”.
- Tá me chamando de louca?
- Não, tô falando da cena do chuveiro do filme do Hitchcock.
- Bom, mas aí ele começou a falar que na outra encarnação ele queria nascer classificador de pintos.
- Como é que é o negócio?
- Não deixa de ser uma espécie de provador. É um sujeito que usa a ponta do indicador esquerdo para determinar se o pintinho recém-nascido é galo ou galinha. Só de passar o dedo na genital do bichinho ele já sabe. A margem de acerto de um profissional de primeira linha é de 98 por cento, contra 76 por cento dos classificadores visuais. Vivem viajando mundo afora de granja em granja, ganhando o que querem. No Brasil tem um japonês famoso, que só faz isso. Três da manhã e ele me dizendo essas coisas...
- Ah.
- É estranho esse seu risinho de canto de boca. Parece até que você conhece o Diogo.
- E conheço mesmo, só não sabia da história do classificador de pintos. Aliás, ele tem consulta comigo amanhã.

© Direitos Reservados

Comentários

  1. E pensar que na semana que vem estarei operando o meu nariz, justamente por perda do meu olfato/paladar!!!
    Só você Marcelo, para me alegrar e me conformar, que nem tudo pode ser perfeito...eheheheh

    ResponderExcluir
  2. Liana Brunini12:51 PM

    Muito boa esta... Beijos
    Liana

    ResponderExcluir
  3. Ana Maria3:26 PM

    vamos marcar uma consulta também???

    Beijão!

    ResponderExcluir
  4. KKKKKKKKK, com o perdão desta gargalhada ridícula do internetês, ri muito do texto. consta, aliás, que um do ofício está hospedado num hotel aqui em Sanja, para provar e catalogar os tipos e subtipos do coquinho gosmento. quando ele descobrir que as implicações culturais da macaúba vão muito além da gastronomia, uma junta psiquiátrica vai ser nada...

    ResponderExcluir
  5. Bárbara Lima11:14 PM

    Desculpe se é grosseria, mas fiquei imaginando um provador de merda - prá constatar que tipo de nutrientes a população A B ou C está disperdiçando....

    ResponderExcluir
  6. Gisela Gold4:24 AM

    Muito bom. Isso ésitcom ou curta. Vc e ótimo dialoguista.

    ResponderExcluir
  7. Ana Christina Victorelli7:17 AM

    Ótimo !!!!!!! bjos !!!!

    ResponderExcluir
  8. Cidade pequena!!!! rs rs rs

    ResponderExcluir
  9. Eduardo Lara Resende2:26 PM

    Aplauso!
    Caramba, V. é psicólogo? :)
    Abraço

    ResponderExcluir
  10. Belvedere Bruno10:10 AM

    Mas vc é demais, Marcelo!!!!!!!!!!! Vc escreve em jornal conhecido da cidade ? Devia.
    Bjs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…