Pular para o conteúdo principal

COM VOCÊS, WALDERLEY CAMARGO


- Walderley Camargo é WC. Só podia dar merda...
- Do jeito que você fala, parece que a culpa é só minha. Se tem um culpado nessa história é o Dezão da rádio. Ele jurou que o besta era um arrasa-quarteirão, que juntava 20, 30 mil na praça facinho e sem propaganda nenhuma.
- E o cara, além de não vender ingresso, ainda pendurou um monte de despesas no nosso nome. Era tudo o que a gente precisava, começar o ano na lista do Serasa. O pior é a desproporção – os extras dão quase quatro vezes o valor dos cachês.
- É, mas isso não tem jeito, estava no contrato. A gente sabia desde o começo que era R$750 do cachê do Walderley, R$230 dos músicos mais as despesas de hotel e alimentação.
- Fora o pedágio, que de Presidente Epitácio até aqui deu mais do que a bilheteria toda. Tamo na roça, mano. E tem o aluguel do ginásio de esportes, mais 12 copinhos de água Prata, mais uma caixinha de tic-tac, mais uma dose de Fernet com mel, mais cinco marmitex do Skinão da Costela... de onde é que vai sair o dinheiro?
- Estaria bom se a coisa parasse por aí. Diz que o Walderley levou uma diarista pra dentro da Variant dele e fez o serviço na pobre, assim que acabou o show. Agora a mulher anda dizendo que está grávida e que assim que a criança nascer vai fazer o exame de paternidade pra provar que o Wal é o pai dela.
- Perda de tempo. Vai exigir o que daquele sujeito? Alguém tem que falar pra ela que metade de nada é nada...
- Negócio tá sério, Mano. Daqui a pouco chega intimação do delegado no escritório, decerto a gente vai ter que depor sobre o caso.
- Walderley Camargo, clone do Wanderley Cardoso... onde é que a gente estava com a cabeça, meu Deus do céu? Até o Lindomar Castilho Cover era melhor que isso.
- A gente quase escolheu o show do Herondilson, lembra? Primo-irmão do Herondi, aquele da dupla.
- Então, mas ainda se a Jane viesse junto. Ou a prima-irmã dela, que fosse. Ficava o parzinho, né.
- Mas foi aí que a gente se ferrou. Miopia de marketing, mano. Olha só: Wanderley Cardoso, Lindomar Castilho, Jane & Herondi, esse povo aí tá animando baile no retiro dos artistas. Quem curtiu essa turma é tudo vovó, que não sai mais de casa por causa do reumatismo. Por isso é que estava baratinho. Vai ver quanto é que custa a Ivete Sangalo, vai lá ver...
- O jeito vai ser passar o mico pra frente. Apareceu credor a gente manda pro Dezão, não foi ele que fez a gente trazer esse bosta pra cá?
- E com certeza ainda levou bola do cara. Dos setecentos e cinquenta do cachê, uns quinzinho o Walderley separou pra ele.
- Daí pra mais.
- É, daí pra mais.
- Da próxima vez, se houver próxima, a gente tem que investir na certeza. Eu por mim trazia o “Indicador”. É tudo ao vivo, não tem nada de playback, e os caras ainda trazem umas quinze menininhas de perna de fora, mais gelo seco, canhão de luz igual o do Orlando Orfei, globo espelhado. Superprodução, mano, até ônibus os caras têm.
- Tá vendo só, se deixa você já apronta outra besteira. “Indicador”, o cover do “Polegar”? Tenha dó, meu. Eu vou interditar você, mano, você solto na praça é uma ameaça à economia popular.
- Mas esse não tem erro, vai por mim. E com a grana que der a gente cobre o prejú do Walderley. Aí pronto, a coisa entra no eixo de novo. Melhor negócio que isso, só abrindo um xerox do lado do Fórum. Heim, que me diz, heim???

© Direitos Reservados

Comentários

  1. Wagner Bastos3:15 AM

    Ahaaaa.....

    Abraço

    ResponderExcluir
  2. Carlos Eduardo Bernardes4:05 AM

    Hehehe, boa Marcelo!
    Sinal dos tempos, quando tudo é parametrizado pela grana.
    Belos e arcaicos tempos onde a diversão imperava e o que se gastava sequer era mencionado.
    Os Demônios da Garoa cantavam em qualquer boteco, os Golden Boys animavam matinês em clubes... Todos se divertiam, ao invés de computar o 'investimento'.

    FABraços!

    Carlos Edu
    www.beatlesouttakes.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Sandra Nogueira6:56 AM

    Marcelo, meu amigo, que bom receber de novo suas palavras cheias de humor. Adorei. Aliás, tenho um convite: venha conhecer Prudente que eu te levo até Presidente Epitácio para resolver essas pendengas rsrsrsrs
    beijão
    Sandra

    ResponderExcluir
  4. Evelyne Furtado8:42 AM

    Grande Marcelo! A crise no mercado cover é inversamente proporcional ao seu talento.Show! Parabéns, meu amigo! Bjs

    ResponderExcluir
  5. xerox ao lado do forum com cobrança de ingresso para WC, vão ter trabalho até nas férias forenses... agora vou descansar que meus ossos estão doendo... deve ser o tal do reumatismo... rs rs

    ResponderExcluir
  6. Cara, vc tá chique agora no portal da EPTV. É macaúba botando pra quebrar! Do texto irreparável, passeio pelos detalhes: botar a água Prata foi inequívoca reverência à região metropolitana de Sanja; e falar do Orlando Orfei me fez lembrar da vó Fiuca, que nos levava no outrora renomado circo nos janeiros passados em São Vicente. abs

    ResponderExcluir
  7. Ana Christina Victorelli11:35 PM

    Prende esse cara !!! ahahaha bejos !!!

    ResponderExcluir
  8. Marco Antonio Rossi1:31 PM

    xerox é boa dentro do cartório.....
    a Joelma quer uma boquinha no show e o RC - RICARDÃO CANTOR vai estar presente.....
    Abç

    ResponderExcluir
  9. Ana Maria Pereira1:32 PM

    muito divertido, Marcelo!

    Grande Beijop!

    ResponderExcluir
  10. Rosa Pena4:06 AM

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    to me acabando aqui.
    Você é ótimo!
    beijos
    rosa
    www.rosapena.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…