Pular para o conteúdo principal

MELHOR ASSIM


Na vida real o calor é irreal. Você precisa calçar a cara, ver se não tem ninguém olhando e estacionar o carro na vaga dos deficientes. E antes da cara calçar os sapatos, as meias e tudo o mais pra se apresentar apresentável, aproveitável, apetecível e sugável, banho tomado e perfume passado, combustível completado e uma ou duas camisinhas – na eventualidade de uma troca mais intensa de bactérias e fluidos. Isso caso a carne e o osso correspondam ao avatar em alta resolução, aquela coisa linda que encantou você na véspera, ali na esquina do Facebook com o Picasa, travessa da Avenida Google.

********

Com 140 caracteres meus mais 140 seus a gente junta os Twitters. Enquanto pensa na proposta, um instante de atenção para o bannerzinho piscando: Faça suas compras com toda comodidade no virtualshopping.net, a um clique e meio do cyber25demarco. Escolha seu par perfeito no conforto da sua poltrona e com milhares de opções divididas por região do planeta, cor do cabelo, escolaridade e jogo de tabuleiro favorito.

********

Lasque-se a ramela aí pendendo do seu olho, seu hálito de quem acabou de acordar agora, estes farelos de bolacha entre o “D” e o “F” do teclado. Veja como tudo fica mais prático e rápido com 4 GB RAM DDR2. Dando certo com a cara metade escolhida, há na certa um “Priests at Home”, quiçá um “Wedding Delivery” que chega de moto à casa dos nubentes, com alianças e água benta no baú. Aí imagina depois, o gozo eterno: a dois em rede na varanda da casinha de pau a pixel.

********

Enquanto teclamos despudoradamente, roda um defrag básico e depois põe pra tocar um “escaneia, mulata, escaneia” – na malemolência do myspace deste que vos fala. Ainda é cedo pra ligar a webcam, temos que nos conhecer melhor, não acha? Além do mais, estou do jeito que vim ao mundo e com uma preguiça incomensurável de ir até o quarto botar uma roupa. Fiquemos assim, minha rainha pontocom, até que um encontro real nos separe. Melhor desse jeito, dois perfis fakes neste mundão fake sem porteira.

© Direitos Reservados

Comentários

  1. Aí, Marcelo, parabéns pelos dados de realidade dessa aqui... perfeita!!!!

    Tem um conto muito legal (que não me lembro a Autora e nem o título... pffff... depois acho e te mando) de uma escritora brasileira dessas da última leva falando justamente de um desses relacionamentos que se iniciam e terminam via email, com uma veia cômica muito boa.

    E, em outra linha, né, tem também o outro lado da moeda... você conhece, por acaso, o dito cujo ao vivo e em cores no restaurante da esquina primeiro, e só depois descobre que ele é só uma realidade virtual de múltiplas comunidades na internet... melhor pular fora, trocar o telefone e mudar de endereço... e, só para garantir, desligar a câmera, bloquear o perfil e emigrar para o orkut! :D

    Bom final de semana, espero que você possa aproveitá-lo mesmo sem energia elétrica!

    ResponderExcluir
  2. Liana Smith8:49 AM

    Muito bm... bom demais.
    Liana

    ResponderExcluir
  3. Sayonara Lino9:38 AM

    Muuuuuuuuito bom, Marcelo1 Estou rindo aqui, me diverti com seu texto! Ótimo! Bjos! Sayonara

    ResponderExcluir
  4. Eduardo Lara Resende9:49 AM

    Com todas as vogais, consoantes, sem fakes e sem reticências: parabéns pela oportunidade e atualidade do humor na medida certa.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  5. Belvedere Bruno9:50 AM

    Uai, doida pra ler............................

    ResponderExcluir
  6. Pedro Marcelo10:07 AM

    Tchê, Marcelo! Este teu site na EPTV é muito legal. Acabei de elogiá-lo para a Ione. Totalmente clean. Parabéns!

    abs.

    MQ

    ResponderExcluir
  7. Cara :), vc tc bem pra kct... e um txt bacana como esse só podia estar num blog, encontros e desencontros cibernéticos. estes últimos 5/10 anos, quando olhados sob uma perspectiva histórica, vão ficar gravados como a revolução digital, e muito provavelmente nos museus de HDs e sites vintage MPS vai ser um dos caras que melhor retrataram essa transição. e retrato com humor.
    :) :)

    ResponderExcluir
  8. Ana Christina Victorelli4:07 AM

    ótimo !!!!!!

    ResponderExcluir
  9. Marco Antonio Rossi4:53 AM

    vc esta chic demais......
    rede globo....plim,plim.....
    abç
    Rossi

    ResponderExcluir
  10. Ricardo Paoliello6:59 AM

    Muito bem meu caro Sguassabia.

    Grande abraço

    Ricardo D. Paoliello

    ResponderExcluir
  11. Felippe Alves8:12 AM

    "Melhor Assim: grande texto. É um mundo virtual a qual estamos presos e não há centro de reabilitação que cure. E não é só o Google, o Facebook, o Twitter, o Picasa não... o Tumblr, o Google Talk, o Formspring... hahaha, são tantas coisas. Às vezes fúteis, admito, mas que ainda assim, todos entram e deixam sua marca.

    PS.: Adorei o trocadilho: pau a pixel. Outro ponto muito criativo foi o 'na eventualidade de uma troca mais intensa de bactérias e fluidos'. Muito casto, muito educado. Bem diferente de 'no caso de uma noite TÓRRIDA de sexo'.

    Mais uma vez, parabéns. Grande texto."

    ResponderExcluir
  12. Carlos Edu Bernardes10:31 AM

    Marcelo, sensacional! Já coloquei o Consoantes Reticentes nos favoritos!

    Qual é o seu twitter?

    O meu é www.twitter.com/careduber



    FABraços!



    Carlos Edu – (arlã()

    www.beatlesouttakes.blogspot.com

    (hoje com um Long Tall Sally ao vivo no Washington Coliseum!)

    .

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…