Pular para o conteúdo principal

BUMBUM ASSASSINO


Estávamos em meados de fevereiro do ano passado quando disse-me meu amigo, em reserva, que considerava suas nádegas de uma formosura extrema e inigualável, bem mais vistosas, fornidas e desejáveis que a média dos assentos das moças da sua idade. Concordei por concordar, sem muita convicção e sem saber que aquela observação picante era o começo de um caminho sem volta, o primeiro capítulo de uma novela de trágico final.

Não exagero. Este amigo, que prefiro não citar o nome, acabou indo parar no hospício por sua causa. Ou, melhor dizendo, por culpa de sua região glútea. Um pouco antes de ganhar camisa de força, era triste vê-lo ao telefone rabiscando indecorosamente o seu traseiro num bloco de anotações enquanto conversava com a mãe, que do outro lado da linha, em João Pessoa, jamais poderia imaginar a compulsão que assolava o filho. O seu popô, minha cara, era invariavelmente o assunto único, da mesa de trabalho à mesa de bar, passando pela arquibancada do estádio, pelas conversas no ônibus e até pela sessão espírita. Convertido devotamente à carne que a senhora faz questão de avantajar com suas calças apertadas, é lógico que o meu amigo teve desmoronados os alicerces da moral e da religiosidade. E ergueu em sua casa um altar, o mais profano dos altares, onde ultimamente ele passava as 24 horas do dia ajoelhado, cultuando seus fundilhos através de uma foto digital fora de foco que ele conseguiu tirar às escondidas de sua formidável parte, num dia em que a senhora passava distraída com uma sacola de laranjas na mão e um chumaço de algodão doce na outra, a caminho sabe-se lá de onde.

Homem casado – e bem casado, de papel passado e tudo aqui no Cartório de Barbacena – admito que vez ou outra também olhava de soslaio à sua passagem. Porém com olhar clínico e crítico, de quem olha para fazer o reconhecimento do objeto que desgraçou a alma e a vida digna de um inocente, um sujeito que até o seu aparecimento considerava a nádega uma parte anatômica como outra qualquer, com funções fisiológicas bem definidas (muitíssimo bem definidas, para se dizer a verdade, em se tratando do seu caso). E não havia mulher e respectivo traseiro que substituísse a senhora e o dote que o Criador lhe concedeu na ambição e na imaginação do infeliz. O sentido da vida começava e terminava ali, onde a senhora tem o cóccix.

Aquela sua coisa, que o Mussum chamava em rede nacional de “forévis”, selou para sempre o destino do meu amigo. E seu tenro lombo recebeu um número incalculável de homenagens solitárias da parte do adorador supracitado, às vezes dezenas ao dia, tributos que ele ia computando com risquinhos de pincel atômico nos azulejos dos banheiros – os vários a testemunharem aquele ritual escravizante. Renunciava à conjunção carnal com quem quer que fosse, em favor de mais e mais adorações onanistas. A situação se agravava a cada dia, e ia tomando proporções jamais relatadas nos anais da psicologia ou da literatura médica. Ao entrar na casa do meu amigo para buscar o pijama e levar ao sanatório, deparei-me com outras excentricidades. Sua poupança ilustrava tanto o papel de parede do quarto quanto o do computador, e uma reprodução do seu playground ganhou moldura e lugar nobre na sala de estar do coitado. Debaixo do travesseiro encontrei um envelope, com algumas poucas instruções caso acontecesse algo que levasse meu amigo deste mundo. Dentre elas, a forma e as curvas inusitadas que deveriam ter o seu túmulo.

© Direitos Reservados

Comentários

  1. João8:52 AM

    gostei do " Bumbum assassino". Divertida. Feliz
    fim de semana

    ResponderExcluir
  2. Brasileiro o amigo, com certeza, pois dificilmente teria ensandecido se morasse nos EUA! Mas será que sorte melhor tem o narrador, que no olhar de soslaio aproxima-se da Medusa sem encará-la de frente??? É... difícil!!!! :)
    Beijo, Marcelo!

    ResponderExcluir
  3. Marcelo, o macaúbico aqui não nega o solo-mãe e também aprecia uma bela garupa juvenil. Acho que as suas linhas poderiam inspirar o Buttman em mais uma das suas películas eivadas de lombos atrevidos. Vivas a sua ode às tanajuras!!!!!

    ResponderExcluir
  4. Ana Christina Victorelli11:13 AM

    Coitadinho do nosso amigo... bjos

    ResponderExcluir
  5. Isabel Ibañez5:26 AM

    Parabéns, irmão!



    Bel Ibañez

    GHT IBIS

    ResponderExcluir
  6. Marco Antonio Rossi5:31 AM

    apesar de sonhador com a protuberância bem formada, um acesso de loucura mansa.......
    abç
    Rossi

    ResponderExcluir
  7. Mayra Boók8:12 AM

    Parabéns pelo novo espaço.... muito sucesso pra vc...

    bjo
    Mayra

    ResponderExcluir
  8. Marcelo de Quadro8:31 AM

    "Cabra bom! Que Deus continue iluminando-te e estimulando o teu talento. Feliz aniversário!

    Marcelo de Quadro - Jornal Polegar"

    ResponderExcluir
  9. Marcelo de Quadro8:32 AM

    "Cabra bom! Que Deus continue iluminando-te e estimulando o teu talento. Feliz aniversário!

    Marcelo de Quadro - Jornal Polegar"

    ResponderExcluir
  10. Catia - Imediata8:10 AM

    parabéns pela materia e pelo dia de hoje..
    bjs
    Catia

    ResponderExcluir
  11. muito bom pelo artigo

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…