Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2010

NOTHING MAN

Na verdade, o que irritava demais era que o sujeito parecia uma caneta muito gasta e quase seca, de design ultrapassado, tampa mordida e serventia duvidosa até para a própria mãe, os irmãos e os vizinhos da frente que o ajudaram a criar.

Dava aflição e pena só de passar o olho no sempre esticado ser humano, mole ali no sofá mais mole ainda, feito boi na engorda – com a diferença que o quadrúpede, ao contrário dele, costuma passar a maior parte do tempo de pé. E não é mentira dizer que bastava terminar o almoço pro elemento já ir tratando de cavar espaço no bucho pra caber a janta, na adivinhação do que teria à mesa pra se refestelar até que não houvesse mais vaga disponível para um tremoço ou uma mísera azeitona sem caroço.

Com essa vida sem prestança o moço durou pouco sendo moço e logo logo rendeu-se ao definhamento, pelo uso muito continuado de certas partes do corpo e pelo desuso completo de outras. Ficou aquele velho que é ancião de tenra idade, acabado antes da hora, alvo de comen…

DUELO À FRENTE DE UM PRATO DE COXINHAS

- Tim-tim!
- Saúde!
- Bom, onde é que a gente tinha parado mesmo?
- Sócrates e seus seguidores.
- Ah sim, claro. Numa perspectiva hedonista, é evidente a influência do iluminismo como mola propulsora da morfologia intramolecular...
- Ok, da qual derivou, décadas mais tarde, a hermenêutica mineira contemporânea. Tudo bem, isso é óbvio e incontestável para qualquer guri de 5 anos. Mas daí você generalizar, atribuindo a Cervantes a fundamentação da hidrofobia, vai uma enorme distância...
- Permita-me discordar. Veja por exemplo a exegese adstringente dos sonetos de Petrarca. No estrito sentido do léxico, conjectura-se ser pura fenomenologia endógena, pelo menos numa primeira análise.
- Em termos, em termos. Afinal, Donaldson é quem efetivamente fez a ponte entre o parnasianismo tardio e Paulo Coelho. Isso dentro da retórica fonética do ser, enunciada por Kant com muita propriedade.
- Contanto que fosse uma suposição empírica, comumente compreendida na estética gamaglobulínica.
- Mas as mutações n…

É O AMOR

- Tá fazendo 12 graus e esse ar condicionado ligado no extra cool. A ideia é me matar mesmo, docinho de coco?
- Se quisesse te matar de verdade usaria um expediente mais assertivo e de curto prazo, uns três ou quatro comprimidinhos de alta eficácia diluídos no seu Martini das seis e meia ou algo assim. Pra que ter que aguentar você reclamando, balbuciando um discurso patético antes de morrer? Uma pneumonia, se instalada, custaria a te matar. Não, não. Prefiro uma estrebuchada só, sem muito resmungo.
- Bom, se ainda te sobrar um quezinho de cavalheirismo e puder me dar a chance de escolher, espere que eu durma e meta-me de uma vez um tiro no ouvido. Pelo menos é indolor. Li numa reportagem que nesta modalidade não dá tempo do cérebro da vítima ordenar para que o organismo sinta dor. Você se livra de mim mas não me faz sofrer. Tudo bem assim?
- Ok, e você acha que a essa altura da nossa falência afetiva ainda há espaço para direitos humanos? Morrer tem que ser doloroso, pelo menos em se tr…

DÚVIDAS FREQUENTES (FAQ) SOBRE NOSSAS CORRENTES

Pergunta
Para mim, esse negócio de corrente é ignorância e falta do que fazer. Ninguém vai morrer, perder o emprego, levar uma série de bofetões, desenvolver micose nos calcanhares ou engasgar com o palito do bife a rolê se interromper a brincadeira, concorda?

Resposta
Eu não estaria tão certo disso. Aliás, se você estivesse convicto da própria imunidade não estaria escrevendo para o FAQ, o que demonstra uma certa aflição sua em relação ao assunto. Não quero assustá-lo, mas citarei um exemplo, dentre muitos dos que se tornaram vítimas do pouco caso. Joaquim Alfredo Parnaso recebeu uma corrente e em seguida saiu de casa, no dia 12 de maio de 1978, para comprar 750g de tilápia. Não retornou até agora. O local onde funcionava a peixaria desde então já se transformou em casa de fogos, lotérica, sorveteria, Auto Elétrica Zé Chupeta e fábrica de fios de ovos, e nada do Joaquim voltar. Faz tanto tempo que a tilápia, abundante em qualquer córrego da época, hoje está quase extinta naquela região.