Pular para o conteúdo principal

DÚVIDAS FREQUENTES (FAQ) SOBRE NOSSAS CORRENTES


Pergunta
Para mim, esse negócio de corrente é ignorância e falta do que fazer. Ninguém vai morrer, perder o emprego, levar uma série de bofetões, desenvolver micose nos calcanhares ou engasgar com o palito do bife a rolê se interromper a brincadeira, concorda?

Resposta
Eu não estaria tão certo disso. Aliás, se você estivesse convicto da própria imunidade não estaria escrevendo para o FAQ, o que demonstra uma certa aflição sua em relação ao assunto. Não quero assustá-lo, mas citarei um exemplo, dentre muitos dos que se tornaram vítimas do pouco caso. Joaquim Alfredo Parnaso recebeu uma corrente e em seguida saiu de casa, no dia 12 de maio de 1978, para comprar 750g de tilápia. Não retornou até agora. O local onde funcionava a peixaria desde então já se transformou em casa de fogos, lotérica, sorveteria, Auto Elétrica Zé Chupeta e fábrica de fios de ovos, e nada do Joaquim voltar. Faz tanto tempo que a tilápia, abundante em qualquer córrego da época, hoje está quase extinta naquela região.

Pergunta
Recebi uma corrente me ameaçando de morte súbita caso não encaminhasse a mesma, em até 48 horas, a 20 amigos. Ocorre que 3 dos 20 emails voltaram, e só vi isso após as 48 horas regulamentares. Corro risco de vida, ou melhor, de morte?

Resposta
Corre. E corre pra enviar a corrente para outros 3, por garantia. Vai que...

Pergunta
Quando repasso uma corrente, um sujeito chamado Undelivery me manda o email de volta. Como dar um corretivo nesse safado?

Resposta
Esse tal de Undelivery é um dos maiores quebra-correntes que a internet já conheceu. Centenas de milhares de correntes são interrompidas por este sacrílego fanfarrão, que não parece temer a ira divina. Saiba que estamos empreendendo buscas no sentido de capturá-lo ou pelo menos de repreendê-lo sobre o péssimo hábito de retornar o email a quem o enviou.

Pergunta
Estava passando pra frente uma corrente quando houve um apagão. Na caixa do outlook, consta como item enviado. Posso confiar cegamente de que cumpri minha parte?

Resposta
Pode. Se o corte de energia afetou o recebimento do(s) destinatário(s), o problema é com outro tipo de corrente, a corrente elétrica. Assim, o castigo vai recair sobre a concessionária e seus (ir)responsáveis.

Pergunta
Outro dia chegou uma corrente pra mim e esqueci de enviar. Comigo não aconteceu nada, mas uma tia minha teve toda a metade esquerda do corpo amputada, do dia pra noite.

Resposta
Parentes são entes queridos, e isso é sinal de castigo para você. Mas antes meia tia que tia nenhuma. Da próxima vez repasse o email, para que a outra metade permaneça intacta. Aliás, já ouviu falar da expressão “meio parente”? Acho que é nesta categoria que se encaixa sua infortunada tia, doravante.

Pergunta
Recebi no email da firma, às 9h45, uma corrente dizendo que, se desse andamento na coisa até mais tardar na hora do almoço, receberia um grande e inesperado volume de dólares. Fiz direitinho e até agora nada. Como é que fica?

Resposta
Provelmente você mandou por mandar, por desencargo de consciência. Assim não vale. Tem que ter convicção, acreditar que vai acontecer para que a coisa de fato vingue. Além disso, os dólares não chegarão até você via Sedex, meu camarada. Fique atento às oportunidades de negócios, às intuições no jogo do bicho, às propostas de sociedade que venha a receber. Sua fortuna pode estar nestes avisos do destino e você nem perceber.

Pergunta
Às vezes eu recebo a mesma corrente vinda de 3 amigos diferentes. Se eu passar adiante as 3 ao invés de só uma delas, terei o triplo de bênçãos? Acho que seria o justo, pois tive 3 vezes mais trabalho, concorda comigo?

Resposta
Boa pergunta. E mereceria uma boa resposta, se a tivesse. Nem eu nem ninguém pode garantir a tríplice bem-aventurança, porém, a julgar pela lógica corrêntica, se passar pra frente as 3 com certeza terá 3 vezes menos chance de ser amaldiçoado. Já ajuda.

Observação da equipe FAQ das Correntes: o não encaminhamento destas instruções poderá ter conseqüências desastrosas. Repasse-o a pelo menos 3 centenas de amigos. Só a consciência e a mobilização coletiva poderão evitar o derramamento de sangue causado pela omissão preguiçosa e pela negligência.

© Direitos Reservados

Comentários

  1. Belvedere Bruno8:52 AM

    Uai, cliquei em bumbus assassinos e vi essa tb......

    ResponderExcluir
  2. Cris Gracioli1:15 PM

    Ótimo Marcelo, gostoso se divertir com as correntes da internet que para mim são os “trotes” para os “calouros” da rede!

    hahahaha

    ResponderExcluir
  3. Ana Christina Victorelli2:57 PM

    Sensacional... eu mandei, viu? Fiz a minha parte, ahahhhahah !!!!! Boa Páscoa, bjos

    ResponderExcluir
  4. Almir da Silva Lima - Macaé3:45 PM

    Com sua habitual capacidade Sguassábia tira sarros hilariantes sobre os adeptos e as adeptas desta chatices chamadas 'corrente' as quais, somente repasso por consideração a quem as me enviaram !

    ResponderExcluir
  5. Nilza Amaral6:46 AM

    Marcelo, veja meu romance O florista (EL fLORISTA) lançado este mês na Espanha.
    Abraços
    Nilza amaral

    ResponderExcluir
  6. Amigo Marcelo, o seu texto foi luz sobre o tal Undelivery. O meliante vive a interromper a distribuição de meus textos. Se descobrir onde ele toma uns goles, me avisa. Quero dar um pau nesse sujeito que tanto interrompe o salutar fluxo de bobagens virtuais.
    abs

    ResponderExcluir
  7. Marco Antonio Rossi8:05 AM

    MAIS UMA BELA CRÔNICA!
    ESSAS CORRENTES DEVERIAM SER USADAS PARA AMARRAR UMA BOLA DE AÇO NAS PERNAS OU NOS BRAÇOS DE QUEM INICIA OS EMAILS.
    ABRAÇO
    ROSSI

    ResponderExcluir
  8. Evelyne8:07 AM

    Show!Texto ideal para uma noite de domingo! Dei risadas com seu humor inteligente! Parabéns e feliz páscoa, Marcelo! P.S Lembranças ao Undelivery.

    ResponderExcluir
  9. Sandra Nogueira8:08 AM

    Caríssimo Marcelo, espero que esteja tendo uma boa páscoa. Por via das dúvidas enviarei este texto como corrente para todos os meus amigos e pedir que façam o mesmo, sob pena de não conseguirem descobrir o grande escritor que nos emociona e faz gargalhar. abração Sandra

    ResponderExcluir
  10. Cissa de Oliveira8:08 AM

    Oi Marcelo! Eu que já era "meio assim" com as correntes, agora fiquei totalmente "assim" - perplexa! (risos). Adorei. Beijos Cissa

    ResponderExcluir
  11. Belvedere Bruno8:09 AM

    Vc é demais! Me faz rir, coisa difícil.....Sou bem humorada, mas de riso difícil. Com vc a trava fica sem graça e destrava....rsssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssss

    ResponderExcluir
  12. UNDELIVERY, meu amigo... já te usei de bode expiatório umas poucas mas sensatas vezes que hoje não me atrevo a te culpar de nada não...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…