Pular para o conteúdo principal

ÁTOMOS DESEMBESTADOS


Podem tachar-me de saudosista, mas existem coisas que o chamado mundo moderno só fez involuir ao invés de aprimorar. E escrevo isso com as mãos trêmulas, os olhos saltando das órbitas e a justificada ira dos que se sentem logrados e cansados de levar gato por lebre. Não é a primeira vez que isso acontece no semestre, nem provavelmente será a última até que chegue a primavera por esses meridianos. Mas desta feita as consequências beiraram o intolerável.

Explico. Ainda anteontem, no meu costumeiro caminho de volta do trabalho para casa, apeei meu pangaré na venda do Agenorzinho Ulceroso a fim de repor uns gêneros de primeira necessidade em minha modesta e desfalcada despensa. Coisa trivial: três quartos de um queijo meia-cura, um palmo e dois dedos de fumo de rolo, grampos de cabelo para a patroa e um punhadinho de átomos para distrair a gurizada.

Já em casa, e desembrulhados os pacotes na mesa da copa, vi que estava tudo nos conformes com os grampos, o queijo e o fumo. Mas havia algo de muito estranho com os átomos. Pasmem: os elétrons de um dos ditos cujos giravam ao redor do núcleo em sentido anti-horário, ou seja, em absoluta não-conformidade com os dados técnicos informados no manual do fabricante. Ora, na escola rural aprendi que um elétron que gira ao contrário é energeticamente desequilibrado e pode provocar uma balbúrdia sem precedentes num lar pacato e cristão como o meu, com crucifixo na parede da sala e uma pá de santos espalhados pelos cômodos. Pois foi o que aconteceu. Até meu cachorro pôs-se a piruetar feito doido em volta do bidê ao estranhar (com toda razão que um ser irracional pode ser capaz de demonstrar) aquela aberração zombando da ordem do universo. Não foi nada fácil assimilar o engodo. Mal comparando, é a mesma coisa que comprar um teco de Molibdênio com peso atômico 94,95 e te enfiarem no embornal uma lasca de Zircônio cheirando a Césio estragado. Não obstante os nêutrons e prótons do referido átomo apresentarem boa aparência, elétrons enguiçados são pragas mais daninhas que pulgões no algodoeiro. Ô trem ruim.

O fato é que, minutos após aberto o saquinho pardo do empório, a roça toda entrou em colapso convulsivo. Os mal-formados átomos foram se multiplicando em outros ainda mais aleijados estruturalmente, e o desequilíbrio reinante dentro de casa logo tomou conta do terreirão, da tulha, do retiro das novilhas e das hortas suspensas de alface – não necessariamente nesta sequência. Os desastres se sucediam igual uma manta de crochê que se desmancha com a lã enroscada na pata de um marreco bêbado. A coisa foi indo até que o redemoinho de anomalias chegasse ao poço artesiano, quando a mutação atômica mergulhou na água e a transformou em H18O, uma geleca gosmenta que perfurava o fígado de quem tentasse matar a sede com ela.

Disse à meia voz aos meus botões: “Com mil batatas doces de quermesse, se não podemos confiar no bom funcionamento de um prosaico átomo à venda em qualquer birosca de arrabalde, que dirá quando precisarmos de uma molécula inteira?”
E olhe que não são raras as ocasiões em que precisamos de moléculas em bom estado e sempre à mão para qualquer eventualidade, como nas viagens ao litoral catarinense, ao alvejar roupa no tanque e mesmo nos estouros de boiada, onde são largamente empregadas para recolher pacificamente o gado ao seu confinamento.

Ah, meu pai, que saudade dos ioiôs de Neônio e os bilboquês de Silício. Tempo em que por aqui ainda se amarrava cachorro com linguiça.

© Direitos Reservados

Comentários

  1. Grande texto, Marcelo!

    O mundo anda mesmo de ponta-cabeça!
    Ser cristão atualmente é uma ameaça e por aí vai.

    Esses seres alienígenas que nos empurram sem o pedirmos, atrapalham e complicam mais a ciência humana.

    Espero que melhore, ou sucumbiremos!

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  2. Maria Teresa Fornaciari5:06 AM

    Olá, Marcelo:
    Convido-o a visitar o blog http://www.mteresahf.blogspot.com/

    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. EU estou me apaixonando cada vez mais pelo homem prehistorico.....

    ResponderExcluir
  4. João Batista9:01 AM

    Gostei da crônica. Bem escrita e engraçada. Parabéns.
    Feliz fim de semana. Beijos de seu pai.

    ResponderExcluir
  5. Muito bem escrito, cômico sem cair no ridículo e trazendo um 'causo' muito interessante, Marcelo mostra a sabedoria no escrever sem ser maçante.

    Abraço forte,
    Jorge

    ResponderExcluir
  6. Oi Marcelo, que delícia te ler.
    Menino... até eu tive um "nistagmo"(movimento involuntário dos globos oculares[rsrsrs] só em imaginar esses átomos . Que estrago!!!
    Adorei sua crônica!!!Parabéns!!!

    Beijoss

    E.T.Gosto que me enrosco de batata doce e queijo de meia-cura. Comia muito em Barrrrrbacena.[rs]

    ResponderExcluir
  7. oi,Marcelo!
    Com medo dos átomos desembestados, bebo, na simplicidade, o oculto mel!... Suponho-o puro,pois creio que a sabedoria divina ainda encontra espaço nas "colmeias"!...
    Nosso mundo está mesmo amargo, até minha pequena Felixlândia,outrora cidade feliz, já sente o impacto negativo de "fórmulas venenosas".
    Vai ver, os átomos desembestados estão às soltas por aqui também!!!
    Valeu o alerta!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  8. Meu caro, seu talento demasiadamente humano não encontra explicações na ciência. Atomicamente letrado é Marcelo Pirajá Sguassábia.

    ResponderExcluir
  9. Marcelo,
    Que texto maravilhoso! Humor e inteligência divididos em cada palavra formando uma molécula inteira...
    ótimo, parabéns!
    Abraço

    ResponderExcluir
  10. Marco Antonio Rossi8:30 AM

    UAI, SÔ.
    A MÓ DE QUE SUA PESSOA SE ESPECIALIZÔ EM QUÍMICA E FÍSICA?
    ACHO QUE SÓ PRA TIRA UM TREM BÃO DESSE COMO FOI ESCRITO.
    ABRAÇO
    ROSSI

    ResponderExcluir
  11. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  12. Marcelo, adorei. Criativo, inusitado. Onde já se viu comprar átomos para a gurizada? É o risco que se corre.

    abrs!

    ResponderExcluir
  13. Evelyne8:20 AM

    Atómos em biroscas e desembestados? Gosto muito desses encontros de mundos opostos.Você ainda consegue nos surpreender, Marcelo! Parabéns e boa semana, amigo.

    ResponderExcluir
  14. Até que enfim, átomos na blogolândia!

    Bem-vindo(s).

    ResponderExcluir
  15. Olá colega.
    Gostei dos seus textos,muito bom.
    Eu continua apaixonada pelo homem da pré história.
    Apesar das tecnologias avançadas das quais precisamos,mas isso aí é demais.
    Tenha um ótimo dia.
    Nile.

    ResponderExcluir
  16. Bom dia
    Ai que saudades que tenho do empório de secos e molhados da esquina de minha meninice.
    Adoro seu humor ...
    Bjos e bom feriado

    Laurinha

    ResponderExcluir
  17. Núbia1:40 PM

    Tempos que só se resgatam
    nas lembranças.
    Também sinto saudades...
    Ótimo texto.

    ResponderExcluir
  18. Risomar - Liriodoprado1:41 PM

    Quanta criatividade. Gabriel Garcia Marquez adoraria ler este conto. Parabéns!
    Abraços

    ResponderExcluir
  19. Mara Narciso1:42 AM

    Adorei a geleca gosmenta. Isso prova mais uma vez como a rebeldia de alguns e a visível impertinência desse átomo ao avesso, pode acabar com toda a ordem universal. Minha cabeça que já era fraca, ficou ainda pior. Muito bem,Marcelo!

    ResponderExcluir
  20. Maria Teresa4:00 AM

    Marcelo:
    Maravilhoso retrato da modernidade. Criatividade nota mil, parabéns!
    Abraço

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…