Pular para o conteúdo principal

SERAFIM E QUERUBIM


- É, Querubim. Esse negócio de aquecimento global é o assunto da vez lá embaixo. Agora mesmo passou uma onda de rádio de raspão na minha nuvem, falando disso de novo.
- Ainda se o problema fosse só deles, mas sobra pra gente também. O calorão bate primeiro aqui, no nosso costado. E costas de anjo, convenhamos, são bem mais sensíveis. Lá na Terra até vale a pena ter as costas quentes, mas em âmbito celeste não tem serventia nenhuma.
- Um bloqueador com fator de proteção solar de 350 seria o céu pra gente.
- Ô. E nem precisa tanto, viu. Um bom guarda-sol já ajudava. É engraçado, Serafim, a gente sofrendo aqui e aqueles terráqueos imbecis com uma ideia totalmente deturpada a nosso respeito. Quando eles dizem que estão nas nuvens, é porque atingiram o auge da felicidade. Só a gente pra saber que a nossa vida não é tão molinha assim.
- É que eles não viram o estado de nossas túnicas com fumaceira do vulcão da Islândia. Lá é fácil de resolver, eles cancelam os voos e pronto. Mas aqui não tem como escapar.
- E nada de chover pra tirar o grosso da sujeira. Essa é outra desvantagem de viver em cima, e não embaixo das nuvens. Você bem que podia usar o seu poder de influência e fazer alguma coisa pra tirar a gente dessa. Vamos lá, Serafinzão, mexa os pauzinhos...
- Realmente, nós Serafins impomos respeito e conquistamos merecida admiração. Tanto que tem muita gente que se chama Serafim lá na Terra. Já Querubim, não me lembro de ter nascido ninguém com este nome.
- Tudo bem, mas nem por isso todos os seus xarás são anjinhos. Conheço muito Serafim traficante de droga, sequestrador, estelionatário...
- Veja lá como fala. Na hierarquia dos anjos, você está abaixo da minha autoridade. Comporte-se.
- Que é, vai me prender? Serafim que seja delegado pra mim é novidade. Mas tudo bem, xerife, não abro mais minha boca.
- É bom mesmo, porque para o meu gosto e pelo seu pouco tempo aqui, você anda pondo muito as asinhas de fora. Se continuar vai ter que rezar dez mil Pai-Nossos e vinte mil Ave-Marias.
- Isso pra anjo não é castigo.
- Mas você ainda não é um anjo no sentido pleno da palavra. Se fosse, não cometeria o pecado de falar comigo desse jeito. Fique sabendo que perto da minha ficha de bons serviços prestados você não passa de um noviço, um reles calouro nos domínios de São Pedro.
- Dá um desconto, chefe. O senhor tá acostumado, deve ter uns quatro ou cinco séculos montando guarda no pedaço. O problema é que é cansativo ficar deitado eternamente nesse berço esplêndido de flocos. É claro que com o que é bom a gente sempre acostuma, mas às vezes dá um tédio que não tem jeito. Tirando as nossas aulas de harpa às terças e quintas, não sobra mais nada pra fazer de prático.
- Prático tem que ser o pessoal lá do vale de lágrimas. Nossa missão é outra, temos que ficar nos louvores e na vibração positiva. Entenda uma coisa, meu questionador Querubim: esse seu desejo de sentir-se útil é herança dos círculos inferiores e típico de quem ainda não tem o domínio da função. Com o tempo você se adapta e passa a tomar gosto pela adoração e pela vida contemplativa.
- Pois é, mas ainda se houvesse algum programa de integração, tipo “Conheça seu companheiro de trabalho”. Ou de descanso, no nosso caso... sei lá, mais anjos pra trocar uma ideia, entende, fazer novas amizades.
- Minha companhia não basta?
- Espera aí, não foi isso que eu quis dizer.
- Contenha a sua insubordinação, ou terei que relatar seu caso a outras instâncias.
- Calma, Serafa, calma...
- Calma coisa nenhuma. Providenciarei agora mesmo um relatório bem detalhado. Aí sim, quero ver chover na sua nuvem.

© Direitos Reservados

Comentários

  1. Adorável Querubim!

    Bjos, boa semana!

    ResponderExcluir
  2. Pelas lavas do Eyjafjallajoekull (copy and paste, claro), esse papo angelical nas alturas é diversão para o dia ocioso do trabalho.

    ResponderExcluir
  3. Miriam de Sales Oliveira4:21 AM

    Puxa,garoto,vc escreve bem prá caramba! Anjo nenhum botará defeito.Mas,esse texto n/estará mais p/Lúcifer,o eterno inconformado!? rsss
    Se gosta de irreverencias,passa no meu blog:www.contosecausos24x7.blogspot.com

    Abraços

    ResponderExcluir
  4. "Malandro" este Querubim, heum?Adorei o conto!Abraços

    ResponderExcluir
  5. Bernadete Valadares7:23 AM

    Olá, Marcelo!
    Amei seu texto! Um humor leve que faz refletir e sonhar ao mesmo tempo!...
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  6. Olá Marcelo, adorei o texto, recebi o seu email e vim aqui conhecer o seu blog, depois se quiser passe pelo meu blog http://mimosdasamigas.blogspot.com/, tem textos, humor, notícias.
    Mas esse Anjo Querubim hem...ele está um pouquinho revoltado para um anjo nê..kkkk

    Um abrçao

    ResponderExcluir
  7. Muito prazer; amei conhecer anjos e querubins,principalmente por encontrar neste fabuloso diálogo ganchos para discussões que abordam mais profundamente problemas ambientais, de hierarquia, relacionamento e integração...já estou imaginando a cena montada...Obrigada!!!

    ResponderExcluir
  8. Marco Antonio Rossi12:34 PM

    é meu amigo, até os anjos estão tentando fazer uma ponte de benfeitoria propria, só que esbarram na vigilância plena.
    será que a terra um dia aprenderá?
    abç
    Rossi

    ResponderExcluir
  9. Alô Marcelo, fala sério...que Querubim/Serafim mais fofos esses!! Adorei!! Eu amo a palavra "querubim".Vai entender...

    ... -Calma, Serafa, calma...
    - Calma coisa nenhuma.

    Até no céu rola um estresse básico hein...
    Imagine se o diálogo fosse sobre "eleições".[rs]
    Adorei seu blog e já está linkado ao meu .
    Ah...obrigada pelo convite! Voltarei sempre.

    Abraço

    ResponderExcluir
  10. Bom Dia Marcelo!! Legal, adorei sua visita. Engraçado...ontem não encontrei sua lista de seguidores. Subi e desci a página...e nada. Recomendei seu blog a uma amiga e ela também me esreveu que você não tinha lista de seguidores.Hoje, logo que abri sua página, a lista ficou visível.Muitas vezes, meus seguidores desaparecem e me deixam super triste. No dia seguinte, a lista volta. Coisas do blogspot. Já deixei minhas "impressões faciais"[rs] aqui. Aguardo as suas.[rs]

    Esse negócio de "seguidores", lembra o Aiatolá, concorda?

    Abraçosss e vamos pra labuta.[rs]

    ResponderExcluir
  11. Bom dia!!

    Fiquei feliz em conhecer seu blog.Esta irreverência elegante me atrai...
    Gostei dos textos que li!Volto mais vezes.
    Abraços
    Laurinha

    ResponderExcluir
  12. Oi, Marcelo, parabéns pelo seu blog. Muito interessante. Estou seguindo já. Te espero no meu blog, espero que goste. Sucesso!

    ResponderExcluir
  13. Marcelo! Fiquei encantada com o blog. Serafim e Querubim dão assuntos pra mais de metros, digo: céus!
    Grande abraço. Já o estou seguindo.

    ResponderExcluir
  14. Cristininha Tatuí - Tati12:49 AM

    cada dia fico mais surpresa com tamanha inteligência e humor,,,,,,,,,,,,,

    ResponderExcluir
  15. Evelyne12:50 AM

    Um diálogo celestial! Ameii, Marcelo! Beijos e boa semana!

    ResponderExcluir
  16. Belvedere Bruno12:51 AM

    Vc é bótimo!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  17. Regina Costa1:11 AM

    Olá Marcelo, andei viajando por esse mundo de Deus, mas já estou de volta e retomando minha leitura de suas últimas crônicas.Bj

    ResponderExcluir
  18. Marcelo,

    Subvertendo o lugar comum de Sefarins e Querubins. Nem tão angelicais, mas ácidos e que renderam um excelente texto.

    Convido-te a visitar meus blogs e sigo-te por aqui.

    bjs.

    ResponderExcluir
  19. Adorei o texto! Muito verdadeiro! Parabéns!!!

    ResponderExcluir
  20. Mara Narciso12:54 AM

    Só faltou "estar em brancas nuvens". Os outros ditados ficaram ótimos. O melhor deles, foi "botar as asinhas de fora". Que bonitinho! Quem de fato é anjo, não sente tédio nem aborrecimento, coisas apenas humanas, penso eu. Muito gostoso ler você contar sobre um quase anjo em crise.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…