Pular para o conteúdo principal

PALAVRA PERDIDA


AO MEU PAI

Eu ando atrás da palavra, eu juro que ando. A que talvez esteja no dicionário que outro dia mesmo você me perguntou se deveria ter em casa, para seus versos e rimas. Lembra, num dos últimos emails que você me passou, o assunto era o dicionário. Foi quando você – bem a seu modo, sem muita cerimônia – resolveu ficar mudo. E palavras costumam perder serventia quando se emudece.

Desde então muitas delas, além de tornarem-se inúteis, ganharam sentido diverso. Se me falavam em traqueostomia, eu entendia seresta. Se me falavam em sedação, eu entendia bravura. Se me falavam em hospital, eu entendia passarinho. Dos raros de voo e trinado. Um Uirapuru, quem sabe? Se me falavam em cateter, eu entendia realejo, num dialeto de Babel que aqueles homens e mulheres de aventais azuis e cheiro de éter nunca compreenderiam. Sabia que havia ali, num canto de boca cheia de tubos e respiradores, o verbo-senha, o pé-de-cabra de um milhão de portas, o código de que você foi guardião por 86 anos.

Essa palavra, que você não consegue mais pronunciar, eu seguirei buscando. Vou atrás do tal dicionário, quem sabe eu a encontre por lá. Gritarei sozinho, mas bem alto e por nós dois, essa palavra aos ventos todos. Sei que isso não te deixará menos mudo, mas você não estará tão surdo que não a possa escutar.


© Direitos Reservados

Comentários

  1. Muito linda essa declaração de amor. E tenho certeza de que não vai encontrar, em dicionário algum, o verdadeiro sentido da palavra saudade. Te desejo que seja ainda mais bravo que seu pai, e que consiga superar e perda e só lembrar do prazer de ter um pai tão especial. A escrita certamente te ajudará a encontrar a paz.

    ResponderExcluir
  2. Eduardo Lara Resende7:11 AM

    Marcelo,

    Esse seu texto é indescritível, indefinível. Minha reverência solidária a essa sua busca e a esse seu grito - doídos, ambos.
    Abraço amigo.

    ResponderExcluir
  3. Lindo texto, tocante e de uma delicadeza de sentimentos bem rara. Acima de tudo, você escreve que é um arraso.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  4. Brado primoroso, Marcelo.
    Qual seria? Também não sei.
    Mas este é um senho texto!

    Grande abraço,
    Jorge

    ResponderExcluir
  5. Voltando: este é um senhor texto!



    Abraço,
    Jorge

    ResponderExcluir
  6. caro amigo, os meus sentimentos para o momento difícil e a minha admiração pela linda reverência do filho ao bardo, doce e inesquecível colega acadêmico Uirapuru.

    ResponderExcluir
  7. Paulo Braga Silveira11:07 AM

    Só poderiam ser palavras de um coração sensível. Lindo!!!!

    Acesse: http://espiritoeverdade-braga.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Marcelo, pena eu não ter conhecido pessoalmente esse homem-pássaro que foi seu pai.
    Suas palavras serão eternas, tal qual sua memória...
    Lindo seu texto, uma declaração de amor.
    Um grande abraço
    SF

    ResponderExcluir
  9. A palavra mais forte está no coração. Tens a senha. Sabes onde está o dicionário,então...
    Grande abraço amigo virtual.
    Forte texto, lindas palavras.

    ResponderExcluir
  10. Maria de Lurdes Silva12:22 PM

    Óh! Meu amigo, fez-me chorar sentidamente.
    Digo-te, graças não vivermos num mundo só de palavras... graças que passam por nós os gestos de ternura, de sentimento, de carinho, pois palavras quaiquer máquinas as produzem.
    A verdade é há horas em as tais letras não nos cabem e o melhor mesmo é o silêncio.
    Um enorme abraço em teu coração e FORÇA!!!!

    ResponderExcluir
  11. Gercio1:28 PM

    Apenas quem perde um pai sabe como sua falta cala em nossa vida. Mas creio que qualquer separação é apenas temporária, e esse hiato que se sente é um momento de preparação para um reencontro cheio de plenitude.

    ResponderExcluir
  12. Ana Christina Victorelli2:23 PM

    Marcelo,

    Sem palavras... Um beijo carinhoso para todos vocês.


    Ana Christina e Lygia

    ResponderExcluir
  13. Ana Maria2:44 PM

    A palavra não foi perdida, vc já há encontrou com certeza está contigo e estará para sempre!

    Um beijo no seu coração.

    ResponderExcluir
  14. Maria Célia Marcondes3:05 PM

    Marcelo, lindo e triste seu texto!
    Você sabe que sou fã de seus escritos, aguardo-os toda semana e muitos "salvo" em meus arquivos.
    Enterrei também meu pai, aos 88 anos. Fiquei sabendo também o sentido trágico de muitas palavras que não existiam em meu dicionário, inclusive hemodiálise. Questionei o direito à morte digna.
    Seu texto trouxe-me a imagem de meu pai e a vontade de enviar a você o poema que escrevi quando ele se foi, peço desculpas pela ousadia da diletante da literatura.
    Abraço fraterno
    MCélia


    PAI






    Há a visão de meu pai que fitei pela última vez,

    antes que o levassem, fechado em sua urna,

    frio, hirto, a caminho de sua derradeira morada.

    Lá o deixei com todas as indagações

    que povoaram sua existência,

    e que deveras, levou consigo.



    De lá eu trouxe todas suas indagações

    que também são minhas

    e que levarei comigo, tal qual um tributo

    à simbiose que nos constituía.

    28-2-05

    ResponderExcluir
  15. Oi, Marcelo!
    Pra mim, o seu texto tem um significado bastante familiar...
    Eu presenciei a mesma mudez de uma mulher "valente" que enfrentou com bravura a diálise e mais um monte de procedimentos médicos dos quais não me esforcei pra guardar os nomes...
    Meu dicionário interior é seletivo que nem o seu.Ele tem uma semântica própria e um léxico capaz de traduzir as emoções mais puras!...

    Não se preocupe com a palavra perdida.Isso é só a primeira impressão!...Elas estão todas aí,caladas no coração do filho-poeta!...
    E logo transbordarão sonoras e puras...formando ecos em outros corações!...(como agora!).
    A palavra que você procura está encarnada...Amor não cala nunca!...
    O seu texto é a contextualização da palavra que procura...
    Ela está no canto dos pássaros, na luz das estrelas, no brilho opaco da lua,no som monótono da chuva que cai...
    E o poeta poderá senti-la e tocá-la sempre que sentir saudade!...
    Acredite!...Eu travo esses diálogos mágicos e cada vez mais me encanto com a lógica do infinito que mora em nós!...
    O meu abraço solidário.

    Bernadete Valadares.

    ResponderExcluir
  16. Mara - Uraonline4:45 PM

    Marcelo.

    Meus sinceros sentimentos. Que nunca te falte forças para continuar a luta.

    Abraços,

    Mara Beatriz

    ResponderExcluir
  17. Rafael Paiva4:46 PM

    Oi Marcelo,


    Desta vez, em vez de me divertir, suas palavras conseguiram me emocionar. Meu pai já está com seus 79 anos e, embora ainda seja totalmente independente, a cada final de semana eu o percebo um pouco mais fraco. Espero que eu possa tê-lo conosco por tanto tempo quanto você.


    Um grande abraço e muita paz!


    Rafa

    ResponderExcluir
  18. Mhário Lincoln4:47 PM

    Puxa, amigo. Daqui minha solidariedade e minha certeza de que quando se ama, nada morre.
    Minha mãe passou 1 semana em SP e eu junto. Quase cega aos 80 anos e com problemas de alzeimer. Mas Deus quis que ela ficasse um pouco mais com a gente e já voltoupara o Maranhão e eu pra Curitiba. Dia 07 eu vou para oMA e devo trazê-la de volta a SP depois do dia 7 de julho.
    Um abraço, falamos depois.
    ML

    ResponderExcluir
  19. Elizete Lee4:49 PM

    Caro Marcelo Ficamos inoperantes diante de situações que podem nos acontecer a qualquer momento, ou vagarosamente nos vai avisando de sua chegada. Grande abraço

    ResponderExcluir
  20. Neusa Menezes4:49 PM

    Realmente seu pai era muito especial. Eu tinha um carinho especial por essa pessoa que chamavamos de "nossso" Uirapuru, tão doce, sempre tão gentil.

    ResponderExcluir
  21. Neusa Menezes4:50 PM

    Realmente seu pai era muito especial. Eu tinha um carinho especial por essa pessoa que chamavamos de "nossso" Uirapuru, tão doce, sempre tão gentil.

    ResponderExcluir
  22. Heloisa4:50 PM

    Marcelo... que lindo texto... deve ter um signifcado imenso para você... me emocionei... beijão

    ResponderExcluir
  23. Entendo e sinto cada uma de tuas palavras. Por isso, sei que chegará o dia em que sentirás somente orgulho por ter tido esse homem como pai. Nesse dia, estarás sereno e feliz. Nesse dia, descobrirás que teu pai é eterno, porque continua vivendo em ti.

    ResponderExcluir
  24. Boa noite, meu bem!!!
    Emocionante o seu texto, amigo!
    Venho para deixar uma beijoca carinhosa!
    *************************************************
    E este poema para você

    "AMIGOS, ANJOS E FLORES

    Assim são os amigos...
    Assim são os amores...

    De tanto esperar... De tanto vagar... De tanto chorar...

    Hoje percebo que sozinha... Já não estou...
    E hoje ao despertar nesta linda manhã...
    Senti um gostoso aroma de flores...
    Senti a presença dos anjos...

    Novamente abro minha janela... Da alma e coração...
    E por ela vejo meus amigos...
    Que mesmo sendo do virtual...
    Apoiaram-me nas horas de solidão...

    Recebo sorrisos palavras de alento...
    E cercada de anjos percebo que...
    Sozinha eu nunca estarei...

    Hoje mais do que nunca confio...
    Na sabedoria extrema do Universo...
    Onde anjos de luz me guiam...

    Com toda a profundeza e nobreza...
    Da dádiva divina que é o amor...

    Eu tenho amigos poetas...
    Tenho amigos e amigas aqueles das horas incertas em dias de batalhas, "brigas"...
    Conto com amigos poetas!...
    Eles vêem em tudo amor...
    Não me aconselham, escutam são meus amigos...

    E ao clamor! Estão comigo e labutam (trabalhar duro e com perseverança)...

    Amigos poetas se calam...
    Me ensinam com a poesia as palavras as vezes falham...

    Harmonizam em melodia Na melodia poética dos versos e dos sentimentos...
    Nem tudo segue estética e se refazem nos "lamentos"

    Poetas escrevem das dores amores, da lua, do dia...
    falam de estrelas, de flores encantam, trazem alegria... "

    Desconheço a autoria.

    *****************************************************

    SÔNIA SILVINO'S BLOGS

    VÁRIOS TEMAS & UM SÓ CORAÇÃO

    ****************************************************

    ResponderExcluir
  25. Sandra Romanin12:04 AM

    Marcelo,Que Deus conforte todos da sua família e que o seu pai seja recebido com muito amor e luz !!!!!Um beijo no seu coração.

    ResponderExcluir
  26. Paulo Marsiglio12:09 AM

    Caro amigo,Pela crônica ouvi seu grito e entendo sua dor.Seu pai te ouve e ditará muitas palavras perdidas em seu ouvido.A sabedoria que ele te passou durante todos esses anos permanece viva em você.Um abraço apertado.

    ResponderExcluir
  27. Orlando Martins12:12 AM

    Bom e velho Marcelo nesse momento todas as palavras foram perdidas.
    Vc como o homem das palavras encontre sempre as mais simples. Como diria tio Jairo: "Eu não te digo nada! "
    Abç

    ResponderExcluir
  28. Celina Varzim12:18 AM

    Lembranças da pessoa, da alma , dos sonhos.
    Da alegria dos encontros na varanda , das palavras amigas, muitas saudades . Saudades do bom Uirapuru.

    ResponderExcluir
  29. João Baptista Scannapieco12:20 AM

    O Uirapuru bateu asas! Eu não sabia o motivo! Sei, porem onde ele
    esta Cantando lá nas alturas junto aos anjos! Perdi um amigo!! Minha
    "net" ficará mais pobre sem as mensagens que me enviava. Um abraço
    fraterno em seus familiares!

    ResponderExcluir
  30. Desejo

    Que sobrem anjos
    para aliviar sua dor

    Que seu sofrer seja breve
    e que a saudade
    possa ser apenas
    uma lembrança
    dos momentos bons

    Que seu coração,
    repleto de amor,
    siga em paz

    Que sua alma mais leve
    Possa buscar,
    no céu que criar,
    a presença doce
    dessa pessoa tão querida
    que hoje se foi

    E que você ao seguir
    seja abençoado com
    o "Sopro Divino" da esperança
    e tomado desse sentimento
    possa viver mais sereno,
    mais feliz e em paz
    sabendo que ele
    estará sempre ao seu lado

    SF

    ResponderExcluir
  31. Mis saludos y felicitaciones desde Santiago de CHILE

    Leo Lobos

    ResponderExcluir
  32. João Otávio7:27 AM

    Marcelo, bom dia.
    Receba de mim e minha família, os votos de pesar pelo falecimento do seu e nosso passarinho.
    Linda a sua homenagem, digna de quem escreveu e de quem a recebeu.
    Fique em paz.
    Abraços
    João Otávio

    ResponderExcluir
  33. Jusciney7:35 AM

    Olá Marcelo.
    Também achei seu blog muito legal. E como perdi meu pai, tão cedo em minha vida, me senti sua cúmplice ontem, ao ler sua postagem.
    Um abraço e muita paz.

    ResponderExcluir
  34. Katia Campos9:46 AM

    Parabéns pelo texto e sinto muito pela triste inspiração. Te desejo superação e sucesso!

    ResponderExcluir
  35. Carmen Moreno9:47 AM

    Marcelo, Obrigada pelo belíssimo texto! Abs, Carmen Moreno

    ResponderExcluir
  36. Carlos Alberto9:47 AM

    Prezado Marcelo, Seus títulos e textos sempre nos conduzem a um desafio reflexivo e é uma verdadeira arte de abstração que muito me agrada. Este porém, fugiu a ordem do que você habitualmente imprimi ao que escreve, para se traduzir em um grito pela constatação de um vazio no coração e na alma que jamais poderá ser preenchido. A certeza dessa ausência a revelia da sua vontade o fez transformar lágrimas e dor em palavras traduzindo esse inevitável sentimento. O desafio agora é superar o vazio enchendo-o das boas lembranças conseguidas ao longo do tempo e, que por certo são muitas. Um forte abraço

    ResponderExcluir
  37. Cibeles9:48 AM

    Depois do que você disse quem não acha palavras sou eu. Quando você a encontrar...será mesmo preciso?Abraços solidários.

    ResponderExcluir
  38. Luiz Alberto Machado - Maceió9:48 AM

    Tudo uma maravilha por aqui, parabens. Indicarei nas minhas páginas, aguarde. Abração www.luizalbertomachado.com.br

    ResponderExcluir
  39. Mirze Souza9:53 AM

    Excelente, Marcelo!

    Esta é uma defesa que o ser humano encontra diante de uma dura realidade. E você, escritor e poeta, encontrou-a da forma mais bela.

    No início do meu blog, uma das primeiras postagens, eu travo um diálogo semelhante. Talvez um tempo antes do seu. Meu pai também com 86 anos e com Mal de Parkinson, depois de entubado emudeceu. Depois da gastrostomia, piorou. Mas foram 10 anos em que eu dialogava pelo olhar dele e pelas mãos. Um diálogo que se eu soubesse, teria aprendido enquanto havia saúde nele, uma outra forma de comunicação. Mas não havia.

    Teria sido melhor entender traqueostomia como seresta e ver os médicos e enfermeiros como bailarinos ou atores de uma peça de teatro, na qual eu seria espectadora.

    Há momentos na vida em que a palavra que tanto nos serve, não tem mais razão de existir, sequer se faz presente. Buscar a palavra, talvez seja o próprio código, ou esforço.

    Ele ouvirá certamente.

    Belíssimo!

    Parabéns!

    ResponderExcluir
  40. Alessandra Geraldini2:05 PM

    Olá Marcelo!
    Sinto muito pelo seu pai! Mas tenho certeza que lá de cima ele continua olhando por vocês e curtindo muito seu talento!

    Fique bem, pois o papi com certeza está!

    Beijo grande
    Alê
    (ex garota veneno!)

    ResponderExcluir
  41. Nenhuma palavra, nenhum grito, consegue aquietar o momento da perda do pai amado.
    Somente o tempo e o olhar à distância, revelarão todas aquelas palavras que ficaram por dizer, mas que foram expressas pelo olhar, pelo carinho, pelos gestos do pai e do homem.
    E o amor ficará maior, a saudade será mais branda e ele voltará ao convívio sob forma de lembranças - nem mudo nem surdo, apenas encantado, como gostava de dizer Guimarães Rosa -
    Paz e luz pra você e sua família, receba o meu abraço

    ResponderExcluir
  42. Gilberto Pirajá1:57 AM

    Primo, infelizmente não fiquei sabendo a tempo de dar o ultimo adeus ao Tio João, sei que irei encontra-lo e ele com um assobio irá se identificar .................. é a lembrança deste som que me leva a infância e a imagem de meu Tio João.Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  43. Marieta P. Sguassábia Domingues1:59 AM

    Mano, a sua dor é a nossa, o seu grito é o nosso., todos unidos como sempre estivemos, agora em torno do nosso tesouro que ficou (mamãe), pois o nosso Uirapuru foi cantar no Céu. Beijos...

    ResponderExcluir
  44. Célia Alencar2:00 AM

    Presado Marcelo, muito me emocionou seu texto. Seu pai era uma pessoa especial. Perdi meu companheiro de e-mails..... O Uirapuru se calou....ficará um grande vazio para todos. Ele passou ao outro lado do caminho e sempre será lembrado com carinho por todos. " Amizades verdadeiras, cultivadas com amor. Um bate-papo sadio, sem se pensar em temor.(joão sguassabia) Um abraço, Célia

    ResponderExcluir
  45. Maria Inês Prado2:00 AM

    Marcelo, Nas suas palavras revi o sofrimento de minha mãe, falecida há um ano: impotência, pequenez, humildade, são tantas as sensações que nos abarcam nos momentos inerentes à vida e à morte que, talvez, somente um grito lancinante ou um silêncio ermético possa traduzi-las. Tudo passa, mas pai e mãe não passam...Abraço amigo.

    ResponderExcluir
  46. Mildred2:11 AM

    A Ana Lucia imprimiu e nos mostrou "Palavra Perdida" antes de eu abrir meu scrapbook. Muito lindo!!! Que o amor de Deus venha suprir todas as nossas necessidades e confortar nossos corações, pq a partida do Tio deixa um grande vazio em todos nós. Bjs, Mildred

    ResponderExcluir
  47. Marcelo,
    Essa dor não tem palavra que a defina.
    Receba meu silêncio e meu abraço.

    ResponderExcluir
  48. Wildes Bruscato1:17 AM

    Que sensibilidade! Precisamos convidar esse moço para ocupar o lugar do pai.

    ResponderExcluir
  49. Roberto Galian1:25 AM

    Firmeza irmão. Este é um momento de grande dignidade em que você se graduará mais. Nem precisa entender, só precisa aceitar.

    Forte abraço.




    vai uma parábola do Rabino Henry Sobel contou na ocasião da passagem do Mario Covas.









    Quando observamos, da praia, um veleiro a afastar-se da costa, navegando mar adentro, impelido pela brisa matinal, estamos diante de um espetáculo de beleza rara. O barco, impulsionado pela força dos ventos, vai ganhando o mar azul e nos parece cada vez menor.

    Quando observamos, da praia, um veleiro a afastar-se da costa, navegando mar adentro, impelido pela brisa matinal, estamos diante de um espetáculo de beleza rara. O barco, impulsionado pela força dos ventos, vai ganhando o mar azul e nos parece cada vez menor.


    Não demora muito e só podemos contemplar um pequeno ponto branco na linha remota e indecisa, onde o mar e o céu se encontram.


    Quem observa o veleiro sumir na linha do horizonte, certamente exclamará: "já se foi". Terá sumido? Evaporado? Não, certamente. Apenas o perdemos de vista. O barco continua do mesmo tamanho e com a mesma capacidade que tinha quando estava próximo de nós. Continua tão capaz quanto antes de levar ao porto de destino as cargas recebidas. O veleiro não evaporou, apenas não o podemos mais ver.



    Mas ele continua o mesmo. E talvez, no exato instante em que alguém diz: "já se foi", haverá outras vozes, mais além, a afirmar: "lá vem o veleiro" !!!
    Assim é a passagem.


    Nada se perde, a não ser o corpo físico de que não mais necessita. E é assim que, no mesmo instante em que dizemos: "já se foi", no além, outro alguém dirá :

    "já está chegando". Chegou ao destino levando consigo as aquisições feitas durante a vida.


    Na vida, cada um leva sua carga de vícios e virtudes, de afetos e desafetos, até que se resolva por desfazer-se do que julgar desnecessário.


    A vida é feita de partidas e chegadas.

    De idas e vindas. Assim, o que para uns parece ser a partida, para outros é a chegada.


    Assim, um dia, todos nós partimos como seres imortais que somos todos nós ao encontro daquele que nos criou.

    ResponderExcluir
  50. Evelyne Furtado1:53 AM

    Um dialeto tão bonito que me pareceu conversa entre passarinhos que sempre trocarão palavras carinhosas. Receba meu abraço amigo, Marcelo.

    ResponderExcluir
  51. Belvedere Bruno1:54 AM

    Amigo, que lindo, que verdadeiro, que hino de amor! Sabe que após 20 anos da partida de pai não consegui ainda dizer o que desejaria? Fiz crônica sobre Natal, fiz uns textos pequenos, mas nada que falasse verdaeiramente o que vai na minha alma , que nunca mais foi a mesma ,desde que ele se foi.... VAZIO um banco vazio cede passagem instala-se a saudade incomensurável

    ResponderExcluir
  52. Malu Martins1:54 AM

    Querido Marcelo Eu não sabia... não soube. Só agora, lendo esse sufoco sensível e amoroso, que você conseguiu derramar em palavras — como sempre maravilhosas! Um abraço forte, meu amigo, muito, muito apertado, sem demora, coração com coração, batendo em comunhão. Malu

    ResponderExcluir
  53. Paulo Carlini1:55 AM

    Caro Marcelo, nestes últimos três anos perdi quatro diletos amigos e, coincidência ou não, só fiquei sabendo dias depois. O mesmo acontece em relação a seu pai, meu grande mestre e amigo João Sguassabia. Só agora ao ler sua crônica e os comentários de seus leitores e amigos soube do seu passamento e me uno a vc na sua tristeza e na busca da palavra perdida. Marcelo, mesmo neste momento de dor vc conseguiu ser genial. Minhas sinceras e sentidas condolências.

    ResponderExcluir
  54. Carlos Augusto1:58 AM

    Marcelo

    Soube há pouco do falecimento do seu pai, tio João.
    Todos aqui sentimos bastante, que ele esteja em paz e com Deus
    Abraços e beijos para tia Glorinha, Marieta, Marcos e você.

    Carlos Augusto, Claudine e Fernando

    ResponderExcluir
  55. José Carlos Carneiro1:58 AM

    Caro Marcelo;
    Que coisa mais linda o que você escreveu em tão poucas linhas. Simplesmente chocante, emocionante, brilhante e repleta de puro sentimento de amor. Honestamente, mais uma vez você se superou, desta vez com outra roupagem, com o lado saudoso do coração.

    ResponderExcluir
  56. Kátia Pizarro2:03 AM

    Quanta tristeza no meio dessas palavras, amigo…mas, tenha força que “tudo passa”.



    Abração

    ResponderExcluir
  57. Raphael Gullo2:03 AM

    Grande Marcelo!

    Linda e tocante a homenagem ao seu pai!

    Perdi o meu faz um ano e meio com 83 anos e ele está me fazendo muita falta!

    Pena que as pessoas a quem amamos verdadeiramente tenham um dia que partir. Por um bom tempo

    o nó na garganta vai persistir.

    Grande abraço!

    Raphael

    ResponderExcluir
  58. Marco Antonio Rossi2:04 AM

    CARO AMIGO

    MEUS SENTIMENTOS E OBRIGADO POR PERMITIR E ME FAZER SENTIR SAUDADES DO MEU PAI......
    UM FORTE ABRAÇO

    ResponderExcluir
  59. Clauduarte Sá2:05 AM

    Bom dia Marcelo,
    Belissimo texto. Que bom iniciar o dia em contato com coisas tao inspiradoras.
    Peco desculpas por nao levar a cabo o que havia prometido. Eu tentei musicar um de seus belos textos. Mas os afazeres do dia a dia tomaram conta do meu tempo.
    Agradeco pelos seus emails,
    Um grande abraco, saude, felicidade, sucesso (ao seu pai tambem),
    ClauduArte Sa

    ResponderExcluir
  60. Pedro Bondaczuk2:06 AM

    Amigo Marcelo, bom dia.

    Antes de tudo, aceite minhas condolências. Sei o que você está sentindo, pois em março de 2007, no exato dia em que o Literário completava seu primeiro aniversásrio, eu sepultava o meu pai, o maior amigo que já tive até hoje. Mas... o que fazer? É a vida, não é mesmo?

    Aceite um forte e cal,oroso abraço deste amigo que se coloca à sua inteira disposição.

    Com respeito e amizade

    Pedro J. Bondaczuk

    ResponderExcluir
  61. Gilberto Pirajá2:07 AM

    Primo, infelizmente não fiquei sabendo a tempo de dar o ultimo adeus ao Tio João, sei que irei encontra-lo e ele com um assobio irá se identificar .................. é a lembrança deste som que me leva a infância e a imagem de meu Tio João.Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  62. João Baptista Scannapieco2:12 AM

    O Uirapuru bateu asas! Eu não sabia o motivo! Sei, porem onde ele
    esta Cantando lá nas alturas junto aos anjos! Perdi um amigo!! Minha
    "net" ficará mais pobre sem as mensagens que me enviava. Um abraço
    fraterno em seus familiares!

    ResponderExcluir
  63. Celina Varzim2:15 AM

    Lembranças da pessoa, da alma , dos sonhos.
    Da alegria dos encontros na varanda , das palavras amigas, muitas saudades . Saudades do bom Uirapuru.

    ResponderExcluir
  64. Clineida Jacomini2:23 AM

    oi meu querido amigo escritor dos bons, sensivel ainda q mmttooo
    modesto! como vc ve, so agora a noite, sexta, dia 25 soube da morte de
    seu pai ao ql tinha laços de amizade mto fortes. sp admirei td sua
    familia, mormente sua mae glorinha a qm sp chamei de "bebe quieta" e
    fraca-forte. formavam um par excepcional nesses nossos tempos de td
    descartavel. p favor, faça chegar à marieta, joel,seus outros irmão e
    sobrinhos assim como a sua mae as minhas oraçoes e nosso pranto nessa
    hora de tristeza e dor.

    ResponderExcluir
  65. Paulo Braga Silveira Junior2:26 AM

    MARCELO:

    TRANSMITO A VOCE E SEUS IRMÃOS O MEU CARINHO E MEU AFETO NESSA HORA DIFÍCIL.
    GOSTARIA QUE ABRAÇASSE TIA GLORINHA POR MIM, A BEIJASSE NO ROSTO, E A FIZESSE SABER
    QUE ELEVO MEU CORAÇÃO A DEUS EM AGRADECIMENTO À VIDA PRECIOSA, AO EXEMPLO DE INTEGRIDADE
    E DE SENSIBILIDADE QUE O TIO JOÃO ME DEIXOU.
    FIQUEM NO CONSOLO DO SANTO ESPÍRITO.
    UM ABRAÇO ESPECIAL DESTE SEU PRIMO.
    DEIXO, EM MEU BLOG, UMA REFERENCIA DO QUE APRENDI COM O IRAPURÚ!


    Acesse: http://espiritoeverdade-braga.blogspot.com

    ResponderExcluir
  66. Sergio Meirelles2:27 AM

    Prezado Marcelo. Expressamos nossos sentimentos pela perda do seu pai e nosso amigo João, o Uirapuru. Peço-lhe que faça chegar aos demais membros da família nossa solidariedade nesta dor.



    Sergio Meirelles e Rita de Cassia

    ResponderExcluir
  67. Miriam2:36 AM

    Oi primo
    Pela sua crônica entendi tudo, sua dor, a perda e tudo mais. Desculpe a minha falta mas andei meio afastada daqui e só hoje estou retornando.É primo, a dor é grande demais, sei perfeitamente o que sente mas saiba que o céu está em festa com seu pai por lá, alegrando a todos com sua voz.. Força e Deus há de dar conforto à todos.

    ResponderExcluir
  68. Marilene Reis4:03 PM

    Marcelo, lamento... lamento muito, por esta estrada eu já passei e sei como pode ser dolorosa a caminhada. Que Deus te ajude!
    Um grande abraço Marilene

    ResponderExcluir
  69. Roice Vilela Costa e Mello4:04 PM

    Prezado marcelo
    Infelizmente não foi possivel ir ao enterro de seu pai. vai um abraço a todos vcs.; meus sinceros pesames.

    ResponderExcluir
  70. Irene Serra4:01 PM

    Marcelo, querido

    Dói tanto que nossa palavra também fica perdida.
    Sinto muito o ocorrido e lastimo por não saber, antes, que estava aqui tão perto, podendo ter estado com ele.

    Força, amigo.

    Beijos,
    Irene

    ResponderExcluir
  71. Wagner Bastos4:05 PM

    Marcelão, sem palavras. Abraço

    ResponderExcluir
  72. Nubia7:51 AM

    Belo texto Marcelo.
    Continue sua busca>
    Parabéns.
    Abraços

    ResponderExcluir
  73. Mara Narciso7:52 AM

    Bela lição de vida. Quando a doença emudece o nosso pai, vemos que a serventia das palavras se arrefece e o gestual, assim como as emoções costumam ficar imensos.

    ResponderExcluir
  74. Rosa Pena5:11 AM

    Eu tão acostumada a rir contigo, chorei. Se achar alguma palavra que não seja saudades, avise-me.
    beijos meus
    rosa

    ResponderExcluir
  75. Olá Marcelo, receba minha solidariedade.Cheguei de viagem há três dias e recebi seu aviso de postagem. Linda e emocionante, como sempre.
    Marcelo, participei dessa seresta há dois anos e sei o quanto temos que correr atrás da "bravura" para conseguir ouvir o canto dos pássaros e o barulhinho do realejo. Quanto ao dicionário,nao se preocupe,você achou a palavra e seu querido já pai a escutou. Foi desse jeito comigo, acredite.
    Você é brilhante, genial e me emocionou muito.

    Um beijo e fique bem.
    Com carinho e admiração:

    Lau

    ResponderExcluir
  76. ... essa crônica não tem fim, não é? Você leva consigo as palavras dele. Nos comentários dele por aqui que farão falta, as suas palavras desa vez não reticentes. Um abraço solidário, amigo poeta.

    ResponderExcluir
  77. Caro Marcelo: tomei a liberdade de pedir seu email à Celia para dizer-lhe da minha emoção ao ler a homenagem que Você prestou ao seu pai, através do jornal O Municipio. Eu já havia lido - e apreciado - cronicas suas. Nenhuma, no entanto, tão tocante quanto esta. Deus o abençõe e proteja. E permita que a saudade não seja muito pesada.

    ResponderExcluir
  78. Bia Jacumini4:44 PM

    Caro Marcelo, Como disse outrora Martha Medeiros: "Saudade a gente tem é dos pedaços de nós que ficam pelo caminho." Ficam pelo caminho um dia, nosso bichinho de estimação, noutro, um amigo e noutro ainda, o nosso bicho de MAIOR valor, inestimável ... nosso ente mais querido! Realmente é uma dor que parece doer nos ossos da alma. E você conseguiu traduzi-la com poesia ... essa dor tão doída. Sabe que até hoje tenho uns escritos inacabados e ao ler esse seu, me inspirei e senti vontade de escrever mais algumas linhas, mesmo que algumas lágrimas ainda insistam em "saltar" dos meus olhos! Lá se vão quase três longos anos sem a presença física do meu "bichinho". Abraços emocionados e cheios de pesar. Bia

    ResponderExcluir
  79. Eliane Gonçalves4:45 PM

    Esse menino irreverente que brinca com as palavras, acaba de dizer tudo sem dizer a palavra secreta: saudade! Que nesse momento poderia ter como sinônimo a FÉ para continuar escrevendo e tentando dar como antônimo dessa dor a expressão Pai amado, te amarei eternamente. Admiro muito você, força!

    ResponderExcluir
  80. Sandra Nogueira4:46 PM

    Marcelo querido, que texto comovente! Sou eu agora que busco um dicionário para poder falar-lhe. Quem me dera poder dar voz aos sentimentos de forma tão bonita. Um super abraço, meu amigo.

    ResponderExcluir
  81. Sueli Aduan9:13 AM

    Belíssimo. Li de um só fôlego a primeira vez, depois da segunda fui me "enchendo" da poesia tão presente, da emoção de cada linha. Recordei meu pai...palavras, portas, vida e morte uma coisa só. Parabéns, Marcelo. forte abraço

    ResponderExcluir
  82. Essa tal palavra, pode não chegar a você em forma de palavra. Fique atento em cada instante, pois são eles que te levaram ao encontro da palavra "perdida".
    Parabens por suas palavras.
    Grande abraço.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…