Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2010

ATA DA ASSEMBLEIA ORDINÁRIA DO EDIFÍCIO ILHA DA GAIVOTA

Ilustração: Marco Fraga



Primeira pauta: Assuntos Gerais.

Após os procedimentos iniciais de praxe, e contando com a presença de 39 dos condôminos, o Sr. Rodolfo, do apartamento 41, disse que tinha uma queixa a fazer sobre o comportamento da Dona Maíra, do 42.
Segundo ele, ruídos denunciavam práticas diárias de foro íntimo por volta das 21h45, sendo o range-range de sua cama uma afronta aos bons costumes. Indignada, Dona Maíra esclareceu não tratar-se de suposta sem-vergonhice, mas dos exercícios abdominais e de flexão que é obrigada a fazer todas as noites, por indicação médica. E que mesmo que se tratasse da alegada prática, estaria em seu direito e não seria da conta de ninguém o que fizesse ou deixasse de fazer entre as quatro paredes do seu apartamento.

Nesse momento, Dr. Élcio, do 74, pediu a palavra dizendo que a falta de isolamento acústico se deve ao fato do prédio ter sido construído com tijolos baianos, motivo pelo qual era capaz de escutar até a reza da Dona Biloca, sua vizinha …

PODERES INSUSPEITOS DO PLACEBO

Ilustração: Marco Fraga


Síntese de algumas das curiosidades observadas no processo de pesquisa da eficácia e dos efeitos do medicamento Teaminadiaxilina Adulto.

Foram monitorados 3254 homens e mulheres, de 20 a 68 anos, divididos em dois grupos de controle. Durante o período da pesquisa, 1627 voluntários tomaram placebo. Os outros 1627 ingeriram placebo do placebo, ou seja, a substância ativa – Teaminadiaxilina Adulto, na dosagem de 250 mg, via oral ou diluída em picadinho de carne moída com pimentão, granola ou doce de jaca, conforme o gosto ou a dieta alimentar de cada voluntário.

Dos que ingeriram placebo, 665 cultivavam o hábito de comer filezinho acebolado no palito às quintas-feiras, ao passo que outros 311 faziam o mesmo às sextas, em horários aleatórios. Dentre os que o faziam às quintas, aproximadamente um terço se deslocava em seguida a lojas de materiais de construção para comprar pisos cerâmicos em ponta de estoque, enquanto os demais rumavam para o aconchego de seus lares, n…

PELOS VÃOS DESSES MEUS DEDOS

Ilustração: Marco Fraga

“Diga-me com quem andas e te direi quem és”. Então quando é que eu, que vivo cercado desses entes de estranheza, poderei dizer quem sou? Só sei que ando à espera e à espreita, no passo da cautela, na boca um riso nervoso. Prossigo perseverante, abrindo na faca o mato e sabendo que é só o começo desse esboço de caminho. Radiestesista a rastrear com pêndulo, sonda do fantasma que não se anuncia e ainda assim marca presença quanto mais se faz ausente. No fumegante da torta, no porta-retrato que cai a cada esbarrão no piano e onde mais se dê ocasião de encontro e espanto. O certo é que espero no portão, da alvorada à lua crescente, estes seres de túnicas iguais e rostos indistintos, o que me põe a postos todo o tempo como um guarda da rainha. Que deixem eles a prova cabal do que de fato são, pois juraram aparecer sempre por esta parte de mim que raciocina e sente – onde dou abrigo a todos, generosamente. A questão é se apresentarem sem sombra de dúvida aos cinco sen…

A ALÇA, ESTA ESQUECIDA

O publicitário e quase psicólogo Humberto de Almeida, co-autor do consagrado “O moço e seus problemas”, surpreendeu há poucas semanas a comunidade acadêmica com ensaio onde discorre formidavelmente sobre a utilidade do cabo em sua dupla função – quer seja, a de empunhadura e/ou apoio para o manejo dos mais diversos utensílios e ferramentas, da panela à enxada. Uma empreitada de fôlego, em que o insigne estudioso alicerça sua argumentação em torno do cabo e sua descomunal influência sobre a história e o comportamento dos caucasianos, dos aborígenes e dos afrodescendentes. Absorto nestas e noutras considerações tecidas por Almeida, me dei conta da ausência de teses e outras fontes bibliográficas que versassem a respeito de sua prima-irmã, tão vulgarizada no âmbito prático quanto relegada a segundo plano no universo teórico: a alça, este prosaico e seminal artefato.

Assim, ousaria elencar algumas dentre as muitas acepções da alça que se prestariam como riquíssimos objetos para futuras dis…