Pular para o conteúdo principal

PELOS VÃOS DESSES MEUS DEDOS

Ilustração: Marco Fraga

“Diga-me com quem andas e te direi quem és”. Então quando é que eu, que vivo cercado desses entes de estranheza, poderei dizer quem sou? Só sei que ando à espera e à espreita, no passo da cautela, na boca um riso nervoso. Prossigo perseverante, abrindo na faca o mato e sabendo que é só o começo desse esboço de caminho. Radiestesista a rastrear com pêndulo, sonda do fantasma que não se anuncia e ainda assim marca presença quanto mais se faz ausente. No fumegante da torta, no porta-retrato que cai a cada esbarrão no piano e onde mais se dê ocasião de encontro e espanto. O certo é que espero no portão, da alvorada à lua crescente, estes seres de túnicas iguais e rostos indistintos, o que me põe a postos todo o tempo como um guarda da rainha. Que deixem eles a prova cabal do que de fato são, pois juraram aparecer sempre por esta parte de mim que raciocina e sente – onde dou abrigo a todos, generosamente. A questão é se apresentarem sem sombra de dúvida aos cinco sentidos, tangíveis para virarem foto no velho álbum de família. Mas de costume se embrenham pelos sulcos do assoalho deste salão de fazenda, espertos e escorregadios. O mais das vezes sussurram e vão embora, antes que se tornem coisa que se veja e com quem se fale e se convide para uns bolinhos de chuva e um gole bem servido de cachaça. E assim precipitam-se comigo ao fundo do poço mais fundo, sem dar a mínima esperança de salvação a ninguém.

© Direitos Reservados

Comentários

  1. Gostei...como quem espera a redenção de respostas que não veem... e os sussurros são sempre dificeis de nos dar certezas.

    Ficamos na espera e na esperança.

    Obrigada

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  2. É o que disse a Ana, caro Marcelo. Nessas figuras de túnicas iguais e tão aguardadas, quem saabe uma não vem - a Fé - e, escorregadia ainda, vá ficando de teimosa?
    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. As túnicas iguais escondem idiossincrasias e fissuras que tornam o caminho tortuoso e íngreme. São harmonias que abençoam, fantasmas que assustam.
    Texto que muito faz refletir.
    Abraços

    ResponderExcluir
  4. Marcelo!

    "Dize-me com quem andas e dir-te-ei quem és".

    Esse mote é como um mantra que se repete em todos nós. No meu caso minha mãe repetia isto quase que diariamente.

    Acontece que nunca "SOMOS", apenas "Estamos" numa companhia.

    Essa descoberta de entes iguais e túnicas diferentes, mais os sussurros, faz parte do show da vida. Eles também me visitam e sussurram sempre no ouvido esquerdo.

    Os cinco sentidos, muito bem colocados e visíveis na leitura do texto, é próprio de músicos, escritores e artistas em geral.

    Bom seria se pudéssemos sussurrar em pessoas que estão no poder.

    É na ausência que mais aparece a presença.

    Belo texto, que dá margem à interpretações diversas.

    Adorei!

    Abração!

    Mirze

    O

    ResponderExcluir
  5. Marcelo, esses seres de túnicas iguais e rostos indistintos são seus "anjos da guarda" que estão sempre a postos, cuidando da sua belíssima imaginação, da sua sensibilidade e intuição. Que texto lindo, Marcelo !!! Que Deus e todos os anjos sempre te acompanhe. Não gosto muito de falar em Deus e nem em anjos na blogosfera, mas foi o que me veio nesse momento em que te leio.
    Eles salvam sim.Use o pêndulo, tão usado na Radiestesia, que ele certamentet mostrará a força da sua energia.Isso é o que sinto como sua leitora.

    Um grande abraço! Parabéns!!!

    ResponderExcluir
  6. Nos passos que marcamos, nem sempre fáceis, esperamos durante o andar da carruagem, deixar as abóboras se ajeitarem...Sendo assim, seguimos. E tem coisa melhor que sentir cada solavanco? Cada derrapagem? Cada escorregão? E ainda depois, sorrir meio sem graça, olhando meio assustados pros caminhos que traçamos e podermos dizer'' VIVEMOS''...Usamos nossos sentidos e seguimos, tentando não deixar nada escapar pelos vãos dos nossos dedos e nos deliciarmos com tudo isso...
    Amei o texto...

    ResponderExcluir
  7. Jusciney Carvalho - Vitória da Conquista2:47 AM

    Marcelo! Eu digo quem você é...um escritor talentoso, que mescla seriedade em temas comuns, que junta poesia e complexidade com espirituosidade, em tudo o que escreve...bj, bom fim de semana, em CAMPINAS!! Risos...

    ResponderExcluir
  8. Evelyne Furtado - Natal2:48 AM

    Para ler, reler e interpretar conforme a percepção particular. Faço aqui a minha leitura torcendo para que todos subam à sala para um bolinho de chuva, uma cachacinha e um dedo de prosa que sempre é bom depois da imersão. Ótimo, Marcelo! Beijos e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  9. Cida - Sete Lagoas2:49 AM

    Marcelo, A gente se habitua com alguns velhos fantasmas, principalmente aqueles que radiestesia alguma detecta, mas a gente sabe que estão. Beijão e bom final de semana.

    ResponderExcluir
  10. Patrícia Gonçalves - Rio de Janeiro2:49 AM

    Marcelo, bonito texto! Bom saber que também espera, tenho dúvidas se conseguirá registrar em foto. Mas de qualquer forma, mesmo que viaje ao fundo do poço, mesmo assim, não estará perdido e você não precisa ter a esperança da salvação, já está Salvo! beijo

    ResponderExcluir
  11. Malu - Cabreuva2:50 AM

    Realmente, vivemos num mundo de estranhezas, onde por mais que conheçamos alguém, não revelamos nossa identidade com medos de ser usada contra nós... E, assim, Marcelo, vai escorregando tudo pelos vãos dos nossos dedos, como se nada pertencesse-nos de fato. Abraço

    ResponderExcluir
  12. Rafael Paiva2:51 AM

    Bom dia, Marcelão! Acabo de acordar, leio seu texto e tenho certeza de que ainda estou sonhando... simplesmente surreal! Abração e bom final de semana! Rafrajola

    ResponderExcluir
  13. Lídia Maria de Melo - Santos2:51 AM

    Nossa! Que lindo, Marcelo! Lindo! Amei.

    ResponderExcluir
  14. Gina Soares - Belém2:52 AM

    Dificilmente hoje podemos saber quem somos, pelas pessoas com quem andamos.... Todo cuidado é pouco... Excelente, amigo. Abs

    ResponderExcluir
  15. Marco Antonio Rossi2:53 AM

    caro AMIGO MARCELO

    OS MESMOS DEDOS QUE FECHAM PARA A VITÓRIA, NO GESTO DE UNIÃO, SE ABREM NO DESESPERO DA DOR.........
    aBRAÇO
    ROSSI

    ResponderExcluir
  16. Rita Lavoyer2:55 AM

    Olá, Marcelo.
    Tem "A carta" Nova postagem em www.ritalavoyer.blogspot.com

    Obrigada

    ResponderExcluir
  17. José Carlos Carneiro - Sanja2:56 AM

    Diversificando e inovando, indo a fundo nas questões ditas existenciais. Não podemos mesmo é dar trela ao que tratam como crises, quando sabemos que os mares foram feitos para se navegar.
    Bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  18. Eliane Gonçalves9:15 AM

    Oi Marcelo
    Seu convite é uma ordem desafiadora de leitura.
    Li o texto e ainda estou vendo os fantasmas...rs
    Parabéns, amigo.
    Sou muito observadora e seu blog é um dos poucos que com tanto comentários.
    Isso é prova da leitura e aceitação.
    Bom domingo.

    ResponderExcluir
  19. Fera, fera, fera... meu amigo dos Crepúsculos, ora o humor, ora o lirismo cheio de significados... cara, estou aqui lendo e relendo o texto... em cada leitura, uma releitura... abs

    ResponderExcluir
  20. Sandra - Presidente Prudente8:48 AM

    Esses seres estranhos em torno de você e habitando sua alma provavelmente escrevem textos, inspiram e cobram direitos autorais, ou não? abraço Sandra

    ResponderExcluir
  21. Jorge Cortás Sader Filho - Niterói8:49 AM

    Mas está tinindo, Marcelo! É idéia atrás de idéia, uma complementando a outra. Quem sabe, faz. Só não gostei nadinha foi desta combinação de bolinhos de chuva com cachaça... Excelente. Tirando a abservação anterior. Abraço, Jorge

    ResponderExcluir
  22. Diga lá Marcelo, por aqui tá tudo tranquilo!

    Religião as vezes é um assunto complexo e delicado, a bíblia exige um profundo estudo. Tratar esses assuntos sem flexibilidade não dá certo...

    vlw pela contribuição nos comentários!

    abraço

    ResponderExcluir
  23. Marcelo,
    A solidão torna amigos os nossos fantasmas...
    Vrummmmmmmmm,que medo disso!
    Abraço

    ResponderExcluir
  24. Alvaro Wana2:20 AM

    Acho que são os primeiros textos no blogspot que vejo com esse cunho tão literário.

    Adorei o texto.

    ResponderExcluir
  25. Belvedere Bruno8:14 AM

    De onde tira tantas ideias boas????????????
    Bjs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…