Pular para o conteúdo principal

PODERES INSUSPEITOS DO PLACEBO


Ilustração: Marco Fraga


Síntese de algumas das curiosidades observadas no processo de pesquisa da eficácia e dos efeitos do medicamento Teaminadiaxilina Adulto.

Foram monitorados 3254 homens e mulheres, de 20 a 68 anos, divididos em dois grupos de controle. Durante o período da pesquisa, 1627 voluntários tomaram placebo. Os outros 1627 ingeriram placebo do placebo, ou seja, a substância ativa – Teaminadiaxilina Adulto, na dosagem de 250 mg, via oral ou diluída em picadinho de carne moída com pimentão, granola ou doce de jaca, conforme o gosto ou a dieta alimentar de cada voluntário.

Dos que ingeriram placebo, 665 cultivavam o hábito de comer filezinho acebolado no palito às quintas-feiras, ao passo que outros 311 faziam o mesmo às sextas, em horários aleatórios. Dentre os que o faziam às quintas, aproximadamente um terço se deslocava em seguida a lojas de materiais de construção para comprar pisos cerâmicos em ponta de estoque, enquanto os demais rumavam para o aconchego de seus lares, não raro com broas de milho debaixo do braço.

É importante ressaltar que 100% dos que voltavam para casa após o petisco bovino tinham, em alguma época de suas vidas, tomado contato direto com autoramas e/ou tabuleiros de acarajé sem alvará da vigilância sanitária. Desconhecemos, até o momento, a razão da discrepância entre os dois comportamentos observados (o retorno contumaz à rotina doméstica e a ida aos home centers). Já do grupo de adeptos do filezinho às sextas, contavam-se 54 maçônicos, 12 rosacruzes e 10 simpatizantes de rituais do santo daime, sendo que 8 indivíduos frequentavam religiosamente templos que preconizavam o ateísmo como crença. Dos 8 ateus analisados, três relataram a erupção de brotoejas por todo o corpo tão logo iniciada a administração do medicamento objeto da pesquisa, ou melhor, do placebo dele.

Considerando, entretanto, as atividades cotidianas dos três referidos voluntários, discriminadas hora a hora em planilha padrão, detectou-se que este reduzido universo acompanhava os sobrinhos-netos aos parques de diversões de suas cidades de origem ao menos 4 vezes por semana, inclusive na quaresma e nas épocas de estiagem, a despeito de possuírem todos unhas encravadas e taxa de ácido úrico apreciavelmente elevada para suas respectivas faixas etárias. Tais dados, curiosamente coincidentes e nunca antes constatados em publicações científicas de relevância e credibilidade, denotam claros indícios de que o placebo administrado como sendo Teaminadiaxilina pode provocar reações adversas que em nada guardam relação com aquelas elencadas nos 16 anos de pesquisas laboratoriais que antecederam o estudo ora em pauta.

Levando-se em conta os fatos acima dispostos, é forçoso admitir que as pílulas de farinha demonstraram cabalmente uma maior influência sobre o organismo do que o princípio ativo, o que leva a inferir que uma das duas conclusões a seguir enunciadas é verdadeira:
A) A Teaminadiaxilina é inócua enquanto medicamento, na medida em que sua ingestão durante os testes em nada alterou a rotina comportamental ou fisiológica dos monitorados;
B) A farinha utilizada na confecção dos placebos apresenta propriedades terapêuticas até então desconhecidas.



© Direitos Reservados

Comentários

  1. Marcelo!

    Em primeiro plano destaco a ilustração de Marco Fraga, que já diz quase tudo à respeito de laboratórios.

    Como sempre, seu texto é tão rico em detalhes, que certamente poderia passar por verdadeiro.

    Essas experiências científicas há muito me intrigam. Algumas sérias, mas que não nos dão a garantia da eficácia. Tratando-se de "placebo", impressionou-me a criatividade comportamental dos que o tomaram.

    Os ateus, foram os que mais apresentaram reações físicas, talvez devido ao ateísmo. O comportamento descrito é realmente
    hilário.

    O que não fazem os laboratórios, para divulgar um pseudo produto que poderia servir de base, e ainda usam a Ciência como apoio.

    Fantástico essa "chamada".

    Parabéns pelo pelo experimento misturado ao doce de jaca e pelo comportamento bastante criativo dos envolvidos.

    Um forte abraço!

    Mirze

    ResponderExcluir
  2. Pois é, deve existir também o placebo de viagra. Não tem, não?!
    Mistura com pó de jatobá, deve ficar bom. E sai de baixo!

    ResponderExcluir
  3. Por isso venho aqui..em busca de doses cavalares de placebo...sua criatividade me instiga! Efeito colateral? Cara de boba, rindo para uma tela de 15 polegadas e um velho teclado conhecido...

    ResponderExcluir
  4. Marcelo,
    Será que entra aí a história de que o que cura é a fé?
    ótimo como sempre, parabéns.
    Abraço

    ResponderExcluir
  5. Zezinha11:30 AM

    Olá, Marcelo. é incrível os segredos do nosso cérebro, quantos mistérios ainda para serem desvendados, mas temos que ter muito cuidado com as coisas que impomos à nossa mente, é lá nos pensametos e nas crenças que tudo acontece ou não acontece. Um abraço, amigo

    ResponderExcluir
  6. Sandra Nogueira11:31 AM

    Marcelo, meu caro, quando a gente pensa que o repertório esgotou, lá vem você com mais elucubrações divertidas, mas com conteúdo para fazer pensar. Que bom Marcelo, ver você brincando com o leitor dessa forma, e ainda de quebra escrevendo bonito. beijão Sandra

    ResponderExcluir
  7. Jorge Cortás Sader Filho11:32 AM

    Essa saiu de onde, Marcelo? Pesquisa estranha... O que eu sei, com absoluta certeza. é que a ingestão exagerda de farinha de trigo engorda muito! Muito bem-homorada a sua crônica. Abraço, Jorge

    ResponderExcluir
  8. Wilson Donizeti Miranda11:37 AM

    Bom dia senhor Marcelo. Sempre sinto vontade de comentar teus textos, mas, como fazer isso? Infelizmente, na minha opinião, eles não nascem para que se comente. O forma rica, a capacidade e a facilidade que o senhor tem em escrever simplemente nos seduz. Ler teus textos é o mesmo que pegar uma caixa de chocolate bis e, simplesmente zerar a caixa. É questão de saborear e não ter palavras para comentar. Um grande abraço para o senhor.

    ResponderExcluir
  9. Clotilde Fascioni - Tupã1:37 PM

    Hahahaha. Maravilha. Eu que sou uma "ledora" de bulas me senti perfeitamente "em casa". Muito bom, muito bom mesmo...

    ResponderExcluir
  10. Clô Zingali - Joinville2:24 PM

    boa!!!! gostei. um abraço, Clô

    ResponderExcluir
  11. A princípio, na infância e adolescência, a palavra placebo me sugeria um comprimido sem nada dentro. Agora acho que só mesmo rindo, contanto que se tenha o cuidado de jamais ingerir um deles. Vai que esses efeitos sem explicação nos façam acabar candidato a deputado estadual ou coisa parecida?

    Abração pra você e até a próxima.

    ResponderExcluir
  12. Evelyne Furtado2:17 AM

    Santa criatividade, Marcelo! Tenho certeza que a leitura do seu texto tem um efeito mais benéfico do que o da Teaminadiaxilina, além de ter um sabor mais agradável do que o da farinha de trigo. Adorei, amigo! Bjs

    ResponderExcluir
  13. Cida - Sete Lagoas2:17 AM

    E se acaso descobrirem que a farinha tem propriedades terapêuticas? Já pensou que diferença isso representaria nos nossos hábitos alimentares? Poder comer um bolo inteiro, sabendo que vai engordar, mas com uma desculpa cientificamente favorável... Já me vejo entre esses sortudos. Abraços. Adorei o texto.

    ResponderExcluir
  14. Ótimo, Marcelo. Se daqui a algum tempo, você contar às avessas, acho que as consequências das doses administradas vão proporcionar efeitos idênticos, não é?
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  15. É ...o efeito psicológico influencia na resposta aos placebos.
    Ah Marcelo, você é genial. Gostei muito, muito. Teaminadiaxilina X farinha. Saindo do mundo da farmacologia e vindo para o outros mundos, acontece o mesmo. As pessoas e coisas mais simples causam alívio imediato,enquanto as "impoladas", que se "acham", como diz minha netinha, podem causar vário outros efeitos colaterais e até "timinar".[rs]

    Você mexe com a imaginação do leitor. Parabéns!!!


    E.T. Sinceramente, rolei de rir com os tipos pesquisados. D+. Um abraço grande.

    ResponderExcluir
  16. Caro amigo Marcelo, tirando qualquer derivado da macaúba, que tem propriedades múltiplas e inimagináveis, suas letras são terapia do riso certa para um fim de semana. Estou quimicamente gargalhando e alopaticamente renovado.
    abs,

    ResponderExcluir
  17. Parabéns pelo texto...Muito bem elaborado e humorado. O mais legal é que os verdadeiros são escritos e ninguém os lê. rsss...Beijooooo

    ResponderExcluir
  18. Marco Antonio Rossi8:57 AM

    E ASSIM SURGIU O HAPPY HOUR..........................................
    ABRAÇO
    ROSSI

    ResponderExcluir
  19. Ana Victorelli8:12 AM

    Estive ausente, to de volta !!! Ótimos poderes !!! Saudades... Ana

    ResponderExcluir
  20. Gina Soares - Belém2:51 PM

    Criatividade e bom humor. Parabéns! Abs

    ResponderExcluir
  21. Olá Marcelo, tudo bem?Parabéns pelo texto fictício/real. De maneira lúdica/literária você traz a tona de forma crítica a "máfia" dos laboratórios. Grande abraço

    ResponderExcluir
  22. Olá Marcelo, tudo bem?Parabéns pelo texto fictício/real. De maneira lúdica/literária você traz a tona de forma crítica a "máfia" dos laboratórios. Grande abraço

    ResponderExcluir
  23. E haja verba para tanta pesquisa no sense! Crítico, sério e deliciosamente bem-humorado.
    Aproveito para agradecer a visita ao Comentalidades e o generoso comentário,
    abraços,
    Lou Magalhães

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…