Pular para o conteúdo principal

EFEITO BORBOLETA


À exceção do Silvio Santos, que ao que tudo indica nunca assistiu a filme algum, o mais provável é que todos já tenham visto este arrasa-quarteirão, que tem como argumento o fato de que o bater de asas de uma borboleta na favela da Rocinha pode provocar um tufão nas Ilhas Galápagos. Ou seja, amarrar primeiro o cadarço do sapato esquerdo e não do direito, como de costume, pode afetar o desenrolar da história em seus acontecimentos cruciais. É o que também chamam de “Teoria do Caos”, febrilmente estudada e nunca suficientemente compreendida. Pois eu, que tudo presenciei naquela ocasião, pude comprovar na prática o cinematográfico postulado. Não com uma borboleta, mas com um punhado de fubá. E posso dizer, por experiência própria, que o mundo tal qual o conhecemos hoje assim não seria não fosse o fubá nosso de cada dia. Uns oitocentos gramas, se tanto, de prosaico e inocente fubazinho ralo e sem marca.

Começou com o milho sendo pilado, na palhoça de colono. Uns grãozinhos maiores no fundo do pilão, ao irem para a sopa, provocaram o engasgo da velha Totonha, que do alto dos seus 103 e já sem forças para clamar por auxílio, veio a óbito solitária e candidamente por asfixia. Não tivesse sido a quirera infortunadamente ingerida, o camburão da funerária não teria passado pela ponte onde, naquele exato instante, um boi cochilava tomando dois terços do leito carroçável. Ao desviar subitamente o veículo, motorista, maquiador de cadáveres e médico legista foram lançados ao ribeirão. Mirinho, filho de Demázio, mais conhecido como Jorjão, tentou puxar o médico legista com um cabo de enxada que jogou na água. Mas acabou caindo também no ribeirão, indo conhecer Nossa Senhora mais cedo em lugar dos outros três, que se safaram não se sabe como.

Três meses depois, quis o destino, em seus insondáveis caprichos, que um balão junino caísse nas proximidades da hemeroteca da escola recém-inaugurada com o nome de Mirinho – alçado ao posto de herói municipal por seu azarado gesto de bravura. O foco de fogo alastrou-se para o prédio da câmara de vereadores e consumiu em segundos toda a documentação relativa à chamada “CPI da Biribinha”, que investigava a compra sem concorrência pública de estalos de salão para a Festa de São João organizada pela prefeitura. A literal queima de arquivo despertou o interesse da grande mídia, que para aquele fim de mundo enviou levas e mais levas de repórteres e cinegrafistas a fim de apurar o que se passava. Bastaram cinco dias na cidade para que a imprensa descobrisse que o episódio dos traques superfaturados era só a ponta do iceberg. A partir de denúncias anônimas, a Guarda Municipal local, em conjunto com a Interpol, encontrou no fundo de uma gruta nada menos de 208.880 troncos de pau de sebo sem nota fiscal, já devidamente ensebados e prontos para embarque no Porto de Paranaguá.

O assessor do sub-chefe de gabinete do Ministério da Defesa, refestelado em sua poltrona do papai, acompanhava apreensivo o rumo dos acontecimentos pelo noticiário da TV. Ele, que recentemente teve uma avó paterna vítima de engasgo aos 103, por conta de sopa preparada com fubá mal moído.

© Direitos Reservados

Comentários

  1. De fato, é uma ilusão bem humana acreditar que entende as consequências, as causas e os motivos do fazer humano.
    Gostei muito. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  2. Marcelo!

    Acho que todos entenderão agora, a Teoria do Caos.

    Quanto mais as organizações humanas pedem provas, notas fiscais e a vigilância se esmera em saber a qualidade, origem, validade e fonte de um produto, com valores falsos sobre a proteção da saúde e da sociedade, os fatos se sucedem bem às vistas dos chamados defensores da ordem pública.
    Incêndios e balões que se alastram, viram notícia, e dessa forma a mudança do cenário é fundamental para que a população siga o foco que a famosa “defesa” quer, distraindo assim o resultado primordial para a ordem.

    Ministérios são criados, autoridades tem cada vez mais assessores, cada um deles com uma ocupação específica para "NADA"

    O "Caos" já está armado, o foco do fogo já se alastrou. Falta apenas assumir e assinar um memorial para os futuros habitantes do planeta.

    Parabéns pela criatividade a partir do fubá sem marca .Alimento que nutre a partir do milho, desde os tempos ancestrais.

    Um forte abraço

    Mirze

    ResponderExcluir
  3. fernando dezena8:28 AM

    Muito boa. Já experimentei construir textos a partir de pequenos acontecimentos e é gratificante. Agora vejo que para o leitor é melhor do que para quem o escreve. Fez a construção com muita propriedade e leveza. Parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Clauduarte Sá11:14 AM

    IMPECAVEL, EXCELENTE!..
    Parabens meu amigo Marcelo.
    E com um imenso prazer que leio estes novos textos seus.
    Um grande abraco, saude, felicidade, sucesso

    ResponderExcluir
  5. É o assunto do momento!
    Beijos ;*

    ResponderExcluir
  6. esse meu amigo literato escreveu um tratado genial sobre causa e consequência... isso ele aprendeu em Sanja, quando viu que a cada macaúba que caía do pé, a Beloca comprava dez alqueires de terra.

    ResponderExcluir
  7. Isso é prova de que o efeito pode gerar outra causa e virar um círculo de causos. A causa desse será o efeito morcego.

    ResponderExcluir
  8. Leo Lobos - Santiago10:05 AM

    Un agrado leer-mirar su espacio de comunicación un abrazo desde Santiago de CHILE, Leo Lobos

    ResponderExcluir
  9. Racine Fontenele8:46 AM

    Marcelo, bom dia!

    Gosto muito de seus textos e sempre repasso para meus amigos.

    Tenho um blog, vc se incomoda de publicá-los neste, com a devida menção, claro!

    http://racinefontenele.blogspot.com/

    Um forte abraço,

    Racine Fontenele

    ResponderExcluir
  10. Lou Magalhães7:35 PM

    E como o movimento é sempre circular, tudo acaba em pizza!
    Belo texto, Marcelo

    ResponderExcluir
  11. Gina Soares - Belém4:12 PM

    Excelente!!

    ResponderExcluir
  12. Sylvio de Alencar - Vinhedo4:13 PM

    E, assim, o universo continua funcionando. Bom texto! Abrçs!

    ResponderExcluir
  13. Alessandra - Limeira4:15 PM

    Marcelo: como sempre, muito bom!

    Parabéns, adorei!

    Alessandra - Plenna

    ResponderExcluir
  14. Oi...Sinceramente...De onde você consegue tirar tanta coisa? Já sei!!! Mistura do nosso cotidiano político com uma pitada de bom humor incomparável e um jogo de palavras que nos faz sorrir e surpreender a cada história...Sabe que eu adoro? Parabéns e obrigada pela oportunidade em te ler...

    ResponderExcluir
  15. Marcelo, como sabe, no Foi assim: a borboleta faz parte do design. Talvez pelo seu significado maior, de transformação. Assim, efeitos de transformação acontecem por segundo. Eu por exemplo, me sinto transformada ao ler seus ótimos textos. O que isso provocará? Bj grandão!

    ResponderExcluir
  16. Mara Narciso7:16 AM

    E assim o ciclo se fecha. Detalhes aparentemente desprezíveis podem ser a chave de toda a perdição ou salvação. Cada palavra vai tecendo seu novelo, para surpresa dos inocentes leitores. Muito bem, Marcelo!

    ResponderExcluir
  17. Interessante a forma como os fatos
    se interligam.
    Um texto muito bem amarrado que prende
    a atenção.
    Abraços

    ResponderExcluir
  18. Lau Milesi - Rio7:35 AM

    Marcelo, quem quase morreu engasgada fui eu ...mas não com o fubá, de tanto rir com mais essa sua pérola. CPI da "Biribinha" combina com pizza. É o caminho de todas elas (das CPIs). D+ Marcelo! Muitos Bravoooo! Beijo, amigo talentoso.

    ResponderExcluir
  19. Zezinha de Sousa7:36 AM

    Como sempre venho aqui e me divirto com seus textos, fantásticos e bem humorados. Parabéns, Marcelo! Um abraço pra vc, esse não pode faltar, pois a falta dele "pode afetar o desenvolvimento da história em seus acontecimentos cruciais" Afinal de contas um abraço é tão importante quanto o fubá nosso de cada dia, o que seria de nós nordestinos sem ele.

    ResponderExcluir
  20. Evelyne Furtado - Natal7:37 AM

    Marcelo, eu fico pensando se você se diverte escrevendo tanto quanto eu me divirto lendo seus textos. Nota dez para o efeito fubá! Beijos e parabéns, amigo.

    ResponderExcluir
  21. Jorge Cortás Sader Filho - Niterói7:38 AM

    É preciso saber mais para emitir parecer. O fato ocorreu no Brasil, pelos nomes típicos. Entendo que senhoras na idade de 103 anos não devam tomar mingau antes de filtrá-lo num pano de trama fina, para evitar engasgos fatais. Finalmente, sugiro a remessa destes paus de sebo para Brasília, onde certamente serão melhor aproveitados. Eita texto bom de comentar. Marcelo!

    ResponderExcluir
  22. Cleusa Lois3:40 PM

    obrigada! agora eu sei que posso participar de td

    ResponderExcluir
  23. O humor inteligente é espetacular...
    Bjs, amigo.

    ResponderExcluir
  24. pretty good post. I lawful stumbled upon your blog and wanted to command that I get really enjoyed reading your blog posts. Any condition I’ ll be subscribing to your maintain and I hope you despatch again soon Pigalle Christian Louboutin.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…