Pular para o conteúdo principal

FESTA DE INTEGRAÇÃO CRIANÇA-EMPRESA



Ilustração: Marco Fraga


De: Diretoria de Recursos Humanos
Para: Coordenadoria de Assuntos Sociais

Ref: Festa de Integração Criança-Empresa

Senhores,
Com relação ao assunto supra-citado, é imperioso frisar que temos apenas 3 meses e 22 dias para definirmos um plano estratégico de ações. Pela complexidade do tema, estamos correndo contra o tempo. Sugiro uma reunião de nossas diretorias para que possamos estabelecer metas conjuntas e criarmos uma comissão executiva, cuja incumbência envolverá os múltiplos aspectos a serem providenciados – do perfil psico-social do homem do algodão doce aos testes de elasticidade e resistência das bexigas.

De: Coordenadoria de Assuntos Sociais
Para: Diretoria de Recursos Humanos

Perfeitamente, senhor Diretor. Como start do projeto, já temos um croqui enviado por nossa agência de eventos, para ambientação do salão de festas. A nosso ver, é imprescindível uma correção na quantidade de purpurina nas sobrancelhas da Pequena Sereia. No processo licitatório o fornecedor escolhido foi a Purpur-Show, que deverá nos entregar a matéria-prima em tempo hábil para competente aprovação final. Caso contrário chamaremos em caráter de urgência a Mega Brilho Purpurinas – dessa vez sem licitação, por demonstrar notória competência e especialização naquilo que faz. Devo lembrar ao senhor que a Cinderela de isopor da festa de 1997 teve os olhos e o lábio inferior ornados por eles, e até hoje se comenta do furor causado pelo artefato entre os pequenos.

De: Diretoria de Recursos Humanos
Para: Coordenadoria de Assuntos Sociais

Tivemos, na confraternização do ano passado, um sem número de reclamações de esposas de colaboradores, argumentando que nos recheios das coxinhas predominava a sobrecoxa, quando historicamente utilizamos o peito desossado. Alguns relatos dão conta de resquícios de moela, o que é ainda mais inadmissível. Fiquem atentos a isso, por obséquio.

De: Coordenadoria de Assuntos Sociais
Para: Diretoria de Recursos Humanos

Informamos que o responsável pelas coxinhas com frango de segunda está devidamente frito. Ainda para conhecimento dos envolvidos, encaminho a síntese da apresentação em power-point do item 6, sub-item 9, que trata do recheio do bolo.

. Primeira camada: leite condensado com ameixa.
. Segunda camada: chantily com morango e cerejas ao licor.
. Terceira camada: massa folhada com creme amarelo do tipo bomba de padaria.
. Quarta camada: a ser definida após consenso entre as nossas diretorias, que nas últimas reuniões vêm divergindo a respeito da matéria. Para que não haja comprometimento do nosso follow-up, uma vez que estamos a apenas 1 mês e 29 dias para o fechamento do escopo estratégico de ações, e em permanecendo o impasse, sugiro que uma instância independente delibere sobre o assunto, sendo sua decisão soberana e irrecorrível.

De: Diretoria de Recursos Humanos
Para: Coordenadoria de Assuntos Sociais

Deliberação do dia: garfinhos de madeira de 2 dentes X garfinhos de plástico de 3 dentes.
Fizemos a tomada de preços e constamos que o custo da primeira opção é significativamente menor que o da segunda. Contudo, é forçoso admitir que os garfinhos de dois dentes têm menor desempenho de contenção do bocado alimentar – estudos demonstram que há uma perda de bolo maior no trajeto compreendido entre o pratinho de festa e a boca do conviva. Além do desperdício de bolo em si, teremos ainda um maior acúmulo de resíduos gordurosos no chão, que ocasionarão escorregões e tombos, que significarão fraturas e arranhões, que trarão ônus para o ambulatório da empresa.

De: Diretoria de Recursos Humanos
Para: Coordenadoria de assuntos sociais

De fato. A Diretoria, com o aval da CIPA, delibera pela compra dos garfinhos de três dentes, do fornecedor Algazarra – Artigos para Festas Ltda. Contudo, há uma pendência a ser equacionada, já elencada na pauta da reunião de quinta próxima: o bexigão-surpresa, cujo estouro e conseqüente avalanche de miudezas infantis é o ponto alto da festa. Urge que a Coordenadoria de Assuntos Sociais saia a campo para uma pesquisa em profundidade junto ao público-alvo para sabermos se adquirimos ou não os mesmos produtos dos anos anteriores e respectivas marcas, a saber: chiclés de bola, balas de goma, cornetinhas, apitos, línguas de sogra, aneizinhos e ioiôs.

De: Coordenadoria para assuntos sociais
Para: Diretoria de Recursos Humanos

A pesquisa citada em seu último memo já está em andamento. Publicamos também um edital de concorrência para aquisição de talco antialérgico (10 latas de 1kg), a ser acrescentado junto aos demais brinquedinhos no enchimento do citado bexigão, para maior efeito cênico quando do seu estouro. Todos hão de recordar o caso do petiz de tenra idade, que numa das últimas edições da festa quase veio a óbito, por inalar talco não-antialérgico contido no bexigão da época.

De: Diretoria de Recursos Humanos
Para: Coordenadoria de Assuntos Sociais

Ótimo, muito bem lembrado. A pró-atividade demonstrada por sua equipe sinaliza preparo para os desafios de um cenário econômico globalizado e de um mercado cada dia mais competitivo. Mas o profissionalismo está nos detalhes, e em dois deles os senhores pecaram:
1.
Há muito tempo as Marias-Moles não estão mais entre os sonhos de consumo de nosso público.

2.
Os guarda-chuvinhas de chocolate, marca Ploft, lote 153-06, não atendem às normas de segurança do INMETRO.

De: Coordenadoria de Assuntos Sociais
Para: Diretoria de Recursos Humanos

Tenham os senhores a certeza de que as mencionadas falhas serão sanadas. A seguir, as sugestões do nosso departamento para os presentes dos guris:

Filhos de operários: jogo do mico
Filhos de encarregados: resta-um, pega-vareta e dominó
Filhos de supervisores de produção: dama, xadrez, trilha e ludo
Filhos de chefes: bonecas que falam e carrinhos com rádio-controle
Filhos de gerentes: bicicletas e ursões de pelúcia
Filho do Diretor de Recursos Humanos: Playstation 3

De: Diretoria de Recursos Humanos
Para: Coordenadoria de Assuntos Sociais

Ok, aprovado. Podem solicitar os orçamentos para análise do Financeiro. Por último, porém não menos importante: o balão pula-pula. Sugiro que as bolas sejam confeccionadas com as cores do emblema da firma – verde e dourado. O que acham?



© Direitos Reservados

Comentários

  1. Marcelo!

    Perfeita organização onde aparece os setores, evidenciando a função de cada um e suas responsabilidades.

    O custo-benefício, o preparo adequado do recheio das coxinhas, o material em látex, a purpurina, tudo passando por uma coordenação empresarial.

    Mesmo ritual de uma festa doméstica, onde um único responsável por tudo precisa "dar conta do recado".

    Achei interessante os diminutivos, que demonstram tratar-se de um público alvo, onde não pode haver falhas.

    Aqui se encontram todos os dados de um balanço empresarial, com coordenação, recursos humanos, análise de material, estoque e quantidade para que não haja falha em nada.

    Como desfecho de "ouro" o balão pula-pula em verde e dourado mas com as cores do EMBLEMA DA FIRMA, o que também está correto.

    Enfim como passar do uso doméstico da organização de uma festa, para o uso empresarial, onde há propaganda e divulgação para que se grave quem beneficiou.

    Gostei muito, embora prefira resolver sozinha mesmo.

    Se em algum memorando houvesse uma discordância, os dias já previamente estabelecidos teriam que ser ampliados.

    Realmente, Marcelo, sua imaginação e fluência em todo tipo de assunto é assombroso!

    Fantástico!

    Parabéns!

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  2. Não!!!!!!! A escala de valores a que estão submetidos os convidados desta festa é , de fato, impressionante. ´
    Obrigada pela leitura, organizador inteligente!

    ResponderExcluir
  3. Paulo Braga Silveira Junior4:21 PM

    Valeu, Marcelo... Um abraço e um bjo na Tia Glorinha
    Acesse: http://espiritoeverdade-braga.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Luisa Vilaça4:22 PM

    Boa noite!

    Se estivesse perto, iria concerteza!
    Votos de todo o sucesso do mundo,

    Luisa

    ResponderExcluir
  5. Quando a viagem é boa, o retorno é prazeroso sempre. 10, 20 vezes. Me corrija, mas tenho quase certeza que já "viajei" nesse texto. No mais, nos últimos meses seu ibope está global e, por isso, é muito bacana você resgatar da gaveta tesouros para enriquecer os neo-sguassábicos.
    abs,

    ResponderExcluir
  6. Oi, Marcelo!
    Gostei demais. Você, com sua ironia inteligente, desvela toda a hipocrisia de um evento que propõe integração, mas que se debruça em coisas fúteis. Até aí, até que tudo bem. Porém a realidade se revela totalmente no final, quando fica bem claro que valores se pretendem perpetuar ao apresentar a perversa listinha de presentes.
    Abraços,
    Cida.

    ResponderExcluir
  7. Um vício de país emperrado,dá até gastura.
    Crítico, irreverente e muito bem-humorado, obrigada!
    abraços

    ResponderExcluir
  8. Jorge Cortás Sader - Niterói11:57 PM

    'Os discursos, dr. Marcelo, os discursos!
    O planejamento está perfeito, mas sem falação a festa fica sem graça.
    - Eu faço de improviso, não se mete.'

    Perfeito, meu amigo. Haja talento. É exatamente assim que os fatos mais simples são encarados pela burocracia.
    Abraço,
    Jorge

    ResponderExcluir
  9. Marco Antonio Rossi6:58 AM

    Ë MEU AMIGO,

    DEPOIS QUE INVENTARAM O EMAIL, ATE AS FATÍDICAS REUNIÕES QUE NÃO RESOLVIAM NADA, DESAPARECERAM.
    EM TROCA FICOU ESSE VAI E VEM DE INFORMAÇÕES DESNECESSA'RIAS QUE PODERIAM SER CONVERSADAS EM CINCO MINUTO E RESOLVIDAS DE IMEDIATO.
    MUITO BOA TAMBÉM A ESCALA SOCIAL DOS PRESENTES.................
    ABÇ
    ROSSI

    ResponderExcluir
  10. Nossa Marcelo, tão cansativo quanto os memorandos e reuniões de negócios! Parabéns belo Blog. Abçs! http://afrocorporeidade.blogspot.com
    http://ecosdaculturapopular.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Oi Marcelo...Seu texto é um rico exemplo. Quantas vezes presenciamos crianças tendo presentes diferenciados nas festas de confraternização das empresas. Agora com a chegado do final do ano, você vai ver. É uma excelente crítica e alerta aos membros que organizam as festas. Tantos detalhes ''idiotas'' que se formos verificar, pagam pros funcionários fazerem isso...rss...
    Pois é...Pra variar, eu amei, amei, amei...PARABÉNS

    ResponderExcluir
  12. Zezinha de Sousa1:18 PM

    Olá, Marecelo. ADOREI a leitura do texto, mas quero te pedir uma coisa: me convida pra essa festa, mas me apresenta como filha do Diretor de Recursos Humanos, tá? Ah, tem outra coisa, prefiro algodão doce branquinho, sem anilina, é bom porque fica mais barato. Parabéns, meu amigo, vc é fantástico, é sempre um prazer imenso ler os seus escritos. Bjos!!

    ResponderExcluir
  13. Bernadete - Felixlândia MG1:19 PM

    Marcelo, Quanta criatividade!... Percebe-se um toque de realidade nos mínimos detalhes, o que confere ao texto uma "originalidade única"própria dos artífices do discurso!... Gostei demais! Seu humor sutil se faz notar nos diferentes gêneros discursivos, até nos mais formais!...rsrs Meu feriadão ganhou novos matizes com seu texto que serviu de fundamentação para uma reflexão lúcida e lúdica. Valeu!...

    ResponderExcluir
  14. Jusciney - Vitória da Conquista1:19 PM

    da Diretoria de assuntos aleatórios: Eu amo maria mole, mas a coxinha merece melhor qualidade. Não há como inlcuir a pipoca salgada da empresa "Impossívelcomerumasó ltda"? Não haverá a contratação de palhaços ou acrobacistas? Mais uma pauta urgente e importantíssima para a diretoria de recursos humanos...muita atenção ao "dead line"... Marcelo, amei a narrativa...bj

    ResponderExcluir
  15. Evelyne Furtado - Natal1:20 PM

    Uma comunicação com conteúdo para múltiplas reflexôes. Mas ainda estou rindo com o ocorrido com petiz de tenra idade (tadinho!) , com a escolha do garfo e com a reclamação recaída sobre o recheio da coxinha. Ótimo! Parabéns pelo texto, Marcelo! Adorei! Bjs

    ResponderExcluir
  16. Gina Soares - Belém1:21 PM

    hahaha... excelente... A burocracia tomou a sua forma, em todos os sentidos... rss

    ResponderExcluir
  17. Uma festa minunciosamente organizada...Entretanto, não houve/haverá uma integração verdadeira entre as crianças e a respectiva empresa, a divisão dos presentes de acordo com o cargo ocupado pelos funcionários demonstra isso. Um texto diferente... Grande abraço, Marcelo

    ResponderExcluir
  18. Claudinha - MG2:29 PM

    Olá! Excelente. Muito criativo e com o toque crítico na medida. Afinal, criança é criança, deveria ser o contrário. Parabéns pelo texto. Abraço.

    ResponderExcluir
  19. CARO AMIGO BLOGUEIRO,

    ESTOU AINDA MEIO IMPACTADO PELO QUE LI, UMA MISTURA DE INTELIGÊNCIA NA CORRETA UTILIZAÇÃO DE PALAVRAS E DE UMA FORMA MUITO SUTIL, UMA GRAÇA E UMA IRONIA QUE ME ENCANTA.
    PARABÉNS PELOS ESCRITOS.
    COM MUITA HONRA, SOU AGORA SEGUIDOR DE UM BLOG COMO ESTE.

    ABRAÇOS

    FÁBIO LUÍS STOER

    P.S: ISTO SIM, REPRESENTA PARA MIM INTELIGÊNCIA, SABER FALAR, SABER ESCREVER, SABER PENSAR, SABER PASSAR.

    ResponderExcluir
  20. Mara Narciso7:24 AM

    Tanto para tão pouco, mas em termos. Para as crianças todos os detalhes são de sumo interesse. Tudo as diverte e nós nos divertimos por antecipação gargalhando com os e-mails dos preparativos.

    ResponderExcluir
  21. Mara Narciso7:24 AM

    Tanto para tão pouco, mas em termos. Para as crianças todos os detalhes são de sumo interesse. Tudo as diverte e nós nos divertimos por antecipação gargalhando com os e-mails dos preparativos.

    ResponderExcluir
  22. OI MARCELO,

    TIVE QUE VOLTAR NO SEU BLOG, PARA ACRESCENTAR UM COMENTÁRIO SOBRE SEUS OUTROS DOIS BLOGS, CARAMBA, MUITO ENGRAÇADO.....RS, CURTI DEMAIS, TEU ESTILO É UM ESCREVER É UM SARRO.
    E OLHA QUE APENAS LI ALGUMAS COISAS, MAIS VOLTAREI COM TODA CERTEZA, PARA FUTUCAR SEUS ESCRITOS E DAR MAIS RISADAS.
    OUTRO ABRAÇO.

    FÁBIO LUÍS STOER

    ResponderExcluir
  23. Oi amigo escritor, eu já li esse texto,(chorei de rir) embora não tenha deixado comentário porque estava demorando muuuito para poder publicar. Surgia sempre um "error 532". Peguei a síndrome dos detalhes dos organizadores da festa em questão, viu?[rs]
    Marcelo, como a festa é em outubro e nesse ano estamos tendo eleições, não saíram uns "santinhos" básicos do político que gosta de tomar cafezinho nessa empresa?. [rs]
    Você, além de ser jornalista, é auditor? Gente, parece que conheço essa empresa. E como...[rs]
    Beijosss e muitos parabéns, Sempre.

    ResponderExcluir
  24. Belvedere Bruno11:50 PM

    Vc é ímpar, Marcelo!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  25. I get much in your theme really gowns with sleeves thank your very much i will come every day

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…