Pular para o conteúdo principal

TÁXI, TÁXI!!


Ilustração: Thiago Cayres





- Pra onde?
- Pro inferno. Vai pro inferno, meu camarada. Toca em frente, infeliz, no caminho a gente resolve.
- Olha, seria bacana o senhor me tratar com um pouco mais de finesse, caso contrário eu deixo vocês aqui mesmo. Quero ver os dois peladões, a polícia chegando e levando o casalzinho meigo pro distrito por atentado ao pudor. Aliás, o que é que vocês estavam fazendo assim, nuzinhos, em plena Consolação chamando táxi?
- Você se lembra se a maçã era fuji, argentina ou gala, amor?
- Se você que pegou a maçã não sabe, eu é que vou saber? Mulher se liga em cada detalhe, que diferença isso faz agora? Vai se queixar pro Ceagesp ou pro Ceasa? Agora é tarde, minha nega. Já estamos expulsos mesmo.
- Mas o que aconteceu, meu Deus do céu?
- Pois foi o Deus do céu, foi esse mesmo, moço. Acabamos de cair fora do paraíso, ordem de despejo.
- Sei, mas foram expulsos do bairro ou da estação do metrô?
- Não, do paraíso mesmo, meu amigo. Imagina só, a única coisa que o Homão barbudo pediu era pra gente ficar longe daquela maldita árvore. Mas sabe como é mulher, né? Podia ter pego uma jaca, um maracujá, uma meia dúzia de limas da pérsia, chafurdado a fuça numa melancia, sei lá, qualquer coisa daquele pomar lindo, menos a maçã. Ela devia ser expulsa sozinha, a culpa foi dela, caramba.
- Tá bom, e a mordida que você deu? Devia ter recusado quando te ofereci. Aquela serpente era uma víbora, enganou a gente direitinho.
- Agora quero ver o que a gente faz da vida. Você, nuazinha e inteiraça desse jeito, não demora e arruma um dinheiro fácil. Mas e eu, que não sou nenhum Adônis? Como é que eu fico?
- Adônis? Quem é Adônis, Adãozinho?
- Olha, em briga de marido e mulher ninguém mete a colher, e eu sou só um taxista querendo ganhar a vida honestamente, mas pelo jeito vocês são Adão e Eva. Portanto viveram muito antes desse mitológico rapaz grego, um modelão de beleza – se é que ele existiu de verdade. A Dona Eva tá certa, não tem como vocês terem conhecido ele, não. Aliás, ele é descendente de vocês. E eu também, diga-se de passagem. Somos todos filhos de Caim com não sei quem.
- Moço, explica melhor essa história. Agora bagunçou minha cabeça. Caim é o nosso filhinho!
- É o seguinte: segundo a Bíblia, que começa contando a história de vocês, seu filho Caim matou seu outro filho, o Abel. Sujeito cem por cento, maior ficha limpa. E pra humanidade ter continuado o Caim precisava ter tido uma mulher, que até onde eu sei não consta do Livro Sagrado. A menos que vocês dois tivessem aumentado a prole fora do Jardim do Éden, fato que a Escritura também não deixou claro.
- Aumentado a prole? Acho que não vai ter clima...
- Também acho. A base do casamento é a confiança, e você traiu a minha e a do Criador.
- Dá licença aí, desculpa interromper a troca de gentilezas, mas vou aproveitar que o sinal fechou pra deixar vocês por aqui, viu. Pelado não tem bolso, e onde é que tá a grana da corrida? Alguém pode me mostrar? E já vou avisando que não aceito maçã como pagamento. Ainda mais essa maçã amaldiçoada aí que vocês pegaram.
- Mais respeito, seu taxista. Mais respeito. Não se esqueça que eu sou seu avô, avô distante mas sou.
- Mas avô que se preza não sacaneia o neto.
- Ora, vamos. Seja um netinho obediente. Vou começar a espalhar meu currículo, logo consigo uma colocação e pago o que lhe devo.
- Sei, sei. Se você conseguiu ser expulso do paraíso, imagina de uma empresa...
- Mas já falei, a culpa foi da sua avó!
- Pra fora os dois. Já!
- Neto ingrato. Mas deixa estar. Deus é pai. O Homão barbudo há de fazer justiça.
- Essa é boa, Eva e Adão...
- Repete o que você disse! Repete, seu boca suja!!


© Direitos Reservados


Comentários

  1. Marcelo!

    Você usou a maior polêmica e construiu sobre ela um texto surrealista. Poucos ou quase ninguém acha essa história provável. O taxista poderia pensar que estariam saindo de uma dessas festas que acontecem agora. Para chamar atenção, virou moda ficar desnudo. Pegar um táxi com a desculpa de ter acabado de sair do paraíso, e ainda receber uma aula bíblica do taxista.

    Seria cômico se não fosse trágico.
    No diálogo vê-se bem o predomínio do homem que sempre culpa a mulher. A mulher, por sua vez, tem a ingenuidade que o Criador lhe deu.
    Em tempo algum alguém imaginou que esta "desobediência" pudesse causar a polêmica "guerra" do sexo dominante. Afinal, se o Criador não quisesse que esse fato ocorresse, não teria colocado uma árvore cujo fruto seria proibido, uma vez que como Criador, sabia das fraquezas que as criaturas tem.

    O desfecho foi sensacional. Usar Eva e Adão em lugar do tradicional Adão e Eva, fez mais humano e hilário esse texto.

    Sua veia poética falou alto e fez jus ao bom escritor que usa a imaginação.

    Atualmente, quase todo taxista sabe a Bíblia e a usa para converter quem consegue ficar no táxi mais de meia hora.

    Fantástico! Divino!

    Um abraço

    Mirze

    ResponderExcluir
  2. Há há há há há nhá há!!
    Peraí!
    Preciso terminar a risada
    há há há há há há!
    Muito, muito criativa a sua recontagem. Muito verdadeira.
    Original.
    Bem feito!
    Pra você ter uma ideia do pomar. Ele era falho. Muito falho.
    Se fosse um bom pomar haveria lá algumas pencas de bananas.
    Queria ver se ela, a Eva, não ia virar essa história do avesso e a bíblia ia ter que contar outra versão, a de que o homem realmente é cria do macaco.

    ResponderExcluir
  3. O Homão barbudo os expulsou...Isso é o que diz as Escrituras Sagradas, mas sabe que eu não engulo esta história? Bem...voltando ao SEU TEXTO, rsss, que foi maravilhosamente escrito de forma que me fez repensar nas diversas interpretações que fazemos sobre a realidade não explícita nos Documentos Sagrados e como seria interessante a Fátima Bernardes anunciar no Jornal Nacional a prisão de Adão e Eva...rss...Muito bom, Marcelitoooooooo...Beijo...

    ResponderExcluir
  4. Oi.Eva foi expulsa injustamente,pois o Homão só fez Adão prometer e não a mulher,portanto,ela não cometeu nenhum erro.O vovô está errado e a expulsão deve ter sido por ele ter pulado a cerca,porque como se explica Caim matou Abel,ele ,Caim não casou,Eva não teve mais filhos.Então Adão andou traíndo a esposa,nessa história quem foi o traíra foi ele.Nós somos netos de Adão e a amante dele.

    Abraços,Lúcia
    13/11/010

    ResponderExcluir
  5. E a cobra? Estava escondida aonde? Não responde...rs...adorei, como sempre! Beijinhos!

    ResponderExcluir
  6. Up to date.
    Maravilha.

    Interessante. Bom humor e picardia. [opss]

    De 0 a 10: 1000

    Abraço.
    Lustato
    http://bit.ly/nossosite

    http://bit.ly/nossarede

    http://bit.ly/blogoficial

    ResponderExcluir
  7. Adorei este texto, muito bom!

    bjs

    ResponderExcluir
  8. Parabéns Marcelo pelo delicioso texto! Tem humor, imaginação e ritmo. Até breve! Andreia AM.

    ResponderExcluir
  9. Rapá, rapá, sobre a clássica história bíblica vc faz uma crônica deliciosa moderna sobre o casal original e o fruto proibido.
    crenças de lado, creio fielmente na magnitude da sua pena. !!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  10. Jorge Sáder Filho - Niterói11:53 AM

    Que encrenca bem construída, Marcelo!
    Abraço, amigo.
    Jorge

    ResponderExcluir
  11. Marco Antonio Rossi11:53 AM

    bom domingo!!!
    faltou a presença da cobra que fala......
    ficou uma grande dúvida:
    como foi paga a conta......
    abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  12. José Carlos Carneiro - São João11:55 AM

    Rachei o bico de tanto rir. Sua versatilidade é do piru: seriedade, sarcasmo, ironia, política e refinado humor, quase sempre misturando tudo. E tem razão, é preciso sabe navegar em qualquer mar. Lendo sua crônica lembrei-me do livro de José Saramago, de título Caim, que li não faz muito tempo, no qual ele aborda, com uma criatividade ímpar e pra lá de, digamos, debochada, nossa origem, segundo os mesmos "fundamentos" que você usou. Quando Saramago discorre sobre a Arca de Noé, então...! Mas você inovou: meteu no rolo Adonis e outras tantas, o que engrandeceu ainda mais a crônica.

    ResponderExcluir
  13. Adriano Coelho11:55 AM

    Olá Marcelo

    Você recebeu meu texto do Carl Palmer?

    ResponderExcluir
  14. Deixo aqui duas sugestões de blogs nos quais participo e vc será muito bem-vindo!

    http://contraculturaparaty.blogspot.com/

    http://repousodasletras.blogspot.com/

    Bjo,
    Álly

    ResponderExcluir
  15. Marcelo, você é você... único em suas contações.
    As coisas aconteceram mais ou menos assim, há 2000 e poucos anos atrás... Rs Rs
    Abraço,meu amigo

    ResponderExcluir
  16. Gina Soares - Belém7:59 AM

    hahaha...
    Adorei!!
    Boa semana!
    bjs

    ResponderExcluir
  17. Mara Narciso12:06 AM

    Adão e Eva de volta ao futuro. O mulher de Caim deve ter sido alguma irmã mesmo, já que não haveria outra alternativa. Além disso, esse tipo de arranjo foi muito comum nas escrituras. Inusitado como todas as suas criações, Marcelo.

    ResponderExcluir
  18. Maravilha!

    Surreal e ao mesmo tempo nem tanto.
    Hiper bem construido.

    um prazer tê-lo encontrado.


    grande abraço

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…