Pular para o conteúdo principal

CHRISTMAS EVENING







Ilustração: Thiago Cayres













Certa vez, em tempos aqueles, os dias quase sempre azuis se perfilavam sem noção de que eram a paz da vida acontecendo. Por essa época ela cantava no coral e era comum ver gente com frasqueiras e sobretudos pelo boulevard, vivendo rotinas sem sustos em casas sem adornos, muitos com fones de ouvidos a ilhá-los do universo e cercanias. Já ela ia assobiando a ária que iria cantar na confraternização da associação de bairro. “Maldito Handel, não pensou em mim”, matutava entre uma e outra colcheia escorregadia, aguda além da conta. Talvez tenha feito de propósito, e ela imaginava um caricato Handel profético, compondo com a intenção de maltratar as frágeis gargantinhas do século 21. Aguarda o sinal abrir, o pezinho marca o compasso. Uma rajada de vento, ajeita o cachecol no pescoço chupado na véspera. Era um cavalo confinado, o sujeito. Chegou relinchando desejo e desembestou-se por cima rasgando roupa e lençóis, sem maiores cerimônias. Não queria. Não ontem, quando uma fanfarra desafinada cismou de ensaiar o dia todo no fundo da sua cachola. Dá mais uma volta de cachecol em torno do pescoço. Embora um resfriado agora fosse tudo de bom, desculpa perfeita para faltar ao recital e se meter de vez embaixo das cobertas. Pausa para se pôr nos eixos, degolar mentalmente o cavalo e dar a Handel a merecida banana - a que ninguém ousaria dar ao gênio dos Oratórios. Happy Christmas, mundo. Passe muito bem sem mim.

© Direitos Reservados

Comentários

  1. Nossa Marcelo!

    Como é ágil o pensamento. Em frações de segundos. um verdadeiro filme se mistura em cenas, sem deixar que a meta principal a atingir,saia do pensamento.

    O mérito é todo seu, com esse talento que lhe foi dado, o texto flui com XMAS e cavalo, frio e a proteção que ela precisava.

    Enfim, o desfecho foi fenomenal!

    Com certeza Hendel aplaudiria!


    Feliz Natal, Marcelo!

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  2. Nesse tempo
    Para mim pouco importava
    Se entendiam, ouviam, ou não,
    Meus gestos, minha canção.

    Eu era um sonho, em movimento...

    Handel logo entrava no improviso
    Da minha canção inédita.

    Parabéns e Feliz natal!

    Tácito

    ResponderExcluir
  3. Claudia Albers6:43 AM

    Marcelo.

    Delícia seu conto.
    Adorei as colcheias escorregadias.
    Talvez faça um poema.
    Abraços.

    Claudia

    ResponderExcluir
  4. É o Natal que passo aqui com luvas, cachecol, casacos pesados e muita neve. O texto é perfeito, como sempre.
    Um abraço, FELIZ NATAL!!!

    ResponderExcluir
  5. Marco Antonio Rossi3:15 PM

    MEU AMIGO.
    MAIS UMA VEZ, MUITO BOM.
    FELIZ NATAL
    ROSSI

    ResponderExcluir
  6. Clauduarte Sá3:17 PM

    Marcelo,
    Parabens pelo belo texto. Como sempre impecavel.
    Estou chegando de minha primeira turne pela Europa. E eu li o seu texto "Um cantinho um violao" na vespera da viagem. Pois eu nao esqueci esse texto. E em Paris, num frio de menos tres eu tive a ideia de transformar o seu texto num musical. E falei sobre a ideia com minha mulher que e atriz. Ela acho muito boa. Eu faria o Joao, ela a house cleaning. Pensamos muito sobre esse assunto. Seria: "Joao & Maria" a revelacao da MPB. Uma comedia musical.
    E gostaria de saber o que voce acha da ideia. Voce gostaria de reescreve-la com esse aspecto de um show?
    Aguardo a sua resposta,
    Um grande abraco, saude, sucesso
    ClauduArte Sa

    ResponderExcluir
  7. José Carlos Carneiro3:18 PM

    Genial, Marcelo, como sempre. O cachecol e a marca no pescoço, então...! Para misturar o famoso compositor com outras tantas, é preciso muita criatividade. Amanhã conto o que saiu na Gazeta.

    ResponderExcluir
  8. Daverson Gonçalves5:01 AM

    Olá Marcelo, tudo bem? Sou de Pirassununga e amigo do seu irmão Márcio.
    Tenho um blog, e ficaria contente se vc postasse seus artigos nele também, isso se vc quiser é claro.
    Caso haja interesse, me avise, que te darei uma senha de colaborador, aí vc posta direto no blog.
    O endereço é www.daversonweb.blogspot.com

    Forte abraço!

    ResponderExcluir
  9. Vim para deixar um grande NATAL e um ANO NOVO repleto de PAZ, HARMONIA e PROSPERIDADE.
    BOAS FESTAS!!!!

    ResponderExcluir
  10. Lau Milesi10:00 AM

    Lindo, Marcelo. Original. Sua amiga aqui , muitas vezes, tem vontade de se enforcar nas “pashiminas” e dar a merecida banana, que seria para Handel, a esse perídodo natalino. Sofro das síndromes “pré e natalina”.
    Esse ano, então,quando não terei meus filhos e nem meus netinhos por perto, terei um “Natal de adultos”e ainda com tias..:). Já imagino os assuntos à mesa:” colesterol alto, “esse tender me fará mal”, “o bacalhau eleva a pressão”, “a mousse leva creme de leite”(fecha as coronárias”),”vejo o peru e lembro logo da gripe aviária”…Unhapyy Crhistmas, o Natal de adultos depois dos 50.:) [rs]

    Mas pra você, amigo querido, sua famíla e seus leitores ,deixo um Merry Christmas and a Happy New Year

    E.T. : Sorry pelo desabafo.Seus belos textos nos fazem “viajar”, são instigantes

    ResponderExcluir
  11. Evelyne Furtado10:01 AM

    Um texto curto com amplo significado e rico na escolha das palavras, nas frases perfeitas, nas imagens e na oportunidade de continuarmos a sua criação. Amei! Tenha um Natal Feliz , Marcelo! Beijos

    ResponderExcluir
  12. Tomo mais essa lavra irretocável do amigo como um cartão de Boas Festas. Retribuo na certeza que novas letras virão em 2011.
    abraço e obrigado pelos presentes semanais.

    ResponderExcluir
  13. Oi Marcelo! Mundo sombrio esse nosso, ao mesmo tempo, com tanta gente que se esconde, se fecha, se ilha...mas, ainda assim, rico em possibilidades! Beijos e feliz natal!!!

    ResponderExcluir
  14. Hildegardis Ferreira6:50 AM

    Marcelo,
    Muito bom mesmo!
    Parabéns, sucesso!

    ResponderExcluir
  15. Jorge Cortás Sader Filho6:54 AM

    Eita, este eu quebrei a cara, mas disse o que achei, completamente diverso do anterior.
    Espero não ter feito lambança. Marcelo!

    Aquele abraço.
    Jorge

    FELIZ NATAL

    ResponderExcluir
  16. Olá!
    Mas por que é que as cantoras brigam com Handel e com Bach? E mais, por que é que são meninas e ainda meninas que teimam em se misturar nas cocheiras da vida? Sorte que existem cachecóis vermelhos (certamente a cor perfeita) para diluir as contrariedades impostas pelos cascos.
    Adorei seu conto!
    Feliz Natal para você e sua família!
    Bj

    ResponderExcluir
  17. Gina Soares1:17 PM

    Muito bom, Marcelo!!
    Um Feliz Natal e um 2011 maravilhoso para você e sua família, com muita Paz, Alegria, Amor, Saúde e Felicidades!!
    bjs
    Gina

    ResponderExcluir
  18. Aqui passo o natal em meio aos cachecóis (apesar do inverno ter se "atrasado", temos dias com 15 graus e nada de neve... talvez não neve aonde moro este ano). E não é um país cristão, então a festa é só pela festa mesmo, sem obrigatoriedades e nem as famigeradas confraternizações de bairros e igrejas!
    abraços meu amigo! bom dia

    ResponderExcluir
  19. Esses textos ágeis e gostosos de ler que você escreve viciam a gente.

    Quero um Natal e ano novo bem reconfortanetes, e que você venha com tudo e mais um pedaço em 2011.

    Beijo beijo.

    ResponderExcluir
  20. Natal, Novo Ano
    ¨¨¨@
    ¨¨@*@
    ¨@@*@@
    ¨¨¨¨@
    Desejo a você feliz 2011, um ano de muito sucesso, 12 meses de muita saúde, 62 semanas de muitas alegrias e coragem, 365 dias de muita sorte, 8760 horas repletas de amor e paz.

    ResponderExcluir
  21. Saludos Marcelo, mucha felicidad oara usted! Alejandra

    ResponderExcluir
  22. Mara Narciso12:10 PM

    O alheiamento permitido pelo fone de ouvido é mais uma barreira no convívio humano. Como se já não bastasse o mal-fadado celular sem cerimônias ainda maiores do que esse "cavalo confinado". Ele entende de jejuns. E você, Marcelo, de Noite de Natal.

    ResponderExcluir
  23. Moço inteligente, passo por aqui para desejar-lhe e a sua família um excelente 2011. Foi prazer conhecê-lo neses caminhos virtuais. Espero continuar recebendo suas mensagens, que tanto admiro e sinto prazer em lê-las. Continue assim, com essa cabeça brilhante.
    Felicidades
    Rita Lavoyer

    ResponderExcluir
  24. Zezinha Sousa1:12 PM

    Olá, Marcelo
    Sua crônica surpreende porque foge do convencional. Haja imaginação!! Haja criatividade!! Grande Marcelo!! Parabéns!!

    ResponderExcluir
  25. Sonia Silvino1:16 PM

    Marcelo querido!
    Vim lhe visitar e trazer um convite especial para você!

    “Maria e José de Nazaré
    convidam você e sua família para a festa do meu aniversário.

    Data: 25 de dezembro
    Local: Seu Coração
    Os participantes da minha festa
    serão contemplados com um crédito infinito
    de graças para o ano todo,
    podendo sacar, diariamente,
    sem limite de horário,
    a soma de bênçãos de que necessitarem.

    Favor confirmar sua presença
    através de oração e da imitação dos meus atos.

    Agradeço por todo o esforço que você fará
    na preparação espiritual da minha festa!

    Abraços e Bênçãos de
    Jesus de Nazaré”

    Sônia Silvino’s Blogs
    Vários temas & um só coração!

    ResponderExcluir
  26. Cida dos Santos1:17 PM

    Quando a fanfarra desafinada ensaia a gente tem que fingir que ela está perfeita, pois só assim seremos capazes de ouvir outros sons e tons a nossa volta.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  27. Canto da Boca1:18 PM

    Não é sempre que eu gosto dessa condição de inaugural. Mas vá saber se sou?
    Mas ao ler o seu texto, me vejo pensando que apesar da paz rondando meu mundo, nem sempre meu céu está azul, e apesar disso, cantarolo. E gosto também de mandar umas bananas, vez em quando, para algumas unanimidades, não digo que seja esse o caso, mas enfim, acabo de perceber afinidades, com seu texto e suas personagens…

    ResponderExcluir
  28. Jorge Sader Filho1:19 PM

    Em primeiro lugar, o refino literário inegável.
    Depois, o atual afastamento das pessôas do mundo, fato corriqueiro que Marcelo coloca como o tipo acostumado a ouvir suas músicas usando fones, e o mundo que se dane. É facil perceber-se que foi escrito com carinho.
    Parabéns.

    Abraço,
    Jorge

    ResponderExcluir
  29. Clotilde Fascioni1:21 PM

    Uma “dor de garganta” vai sempre bem quando não estamos inspirados para cantar cantos que não nos tocam mais a alma como antigamente, em outros tempos…
    Feliz Natal e Ano Novo

    ResponderExcluir
  30. O Natal se foi e eu só li o texto hoje. Na verdade sou suspeita a te elogiar, pois tudo que escreve é muito bom e de extremo bom gosto, variando sempre. AMEI!!!

    ResponderExcluir
  31. this is soooooooooooooooooooooooo gorgeouswedding jackets

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…