Pular para o conteúdo principal

TUDO SERÁ COMO SEMPRE


Sucedeu que ele acordou com aquela ideia na cabeça: fazer tudo diferente do que estava acostumado. Tirar a vidinha do piloto automático. Lembrou daquele famoso pressuposto da programação neurolinguística, que aprendeu num curso rápido sobre o assunto: SE VOCÊ CONTINUAR A FAZER O QUE VEM FAZENDO, VAI CONTINUAR A OBTER O QUE VEM OBTENDO. A afirmação era óbvia, tão óbvia que parecia estúpido levá-la a sério. Até que caiu a ficha. E ele resolveu que aquele era o dia da guinada.

Começou na cama mesmo. Absteve-se da interminável sessão de bocejos e espreguiçamentos e de um salto pôs-se de pé. Fez trinta flexões, bem mais que as cinco de costume. Inverteu a ordem dos remédios - primeiro o da pressão, depois o complexo B.

Escovou os dentes começando pelos do fundo e terminando pelos da frente, exatamente como nunca tinha feito. Não se barbeou. Vestiu um terno verde e uma gravata prateada. Sentou-se à mesa, na cadeira da outra ponta. Ao invés de colocar na xícara bastante leite e um pouquinho de café, pôs muito café e quase nada de leite. Despediu-se da esposa com um beijo no rosto, e não na testa.

Quando saiu já ia fazendo o caminho de costume, mas a tempo pegou outro rumo.
Ligou o rádio do carro. Tirou da CBN e sintonizou num programa sertanejo. Parou no semáforo e dessa vez comprou as balinhas que o garoto ofereceu. Passou em frente à igreja e não fez o sinal da cruz. Estacionou o carro na vaga do chefe (ele nunca estava mesmo). Subiu pela escada, não ia se repetir tomando o elevador. Decidiu que não responderia nenhum e-mail, por isso nem abriu sua caixa de mensagens. Trocou o mouse pad, limpou o monitor com álcool, mudou o protetor de tela e as cores do Windows.

Na hora do almoço, aproveitou para não almoçar. Foi ao cabeleireiro. Abriu a Veja no lugar da Caras. Folheou de trás pra frente. Pediu para o cabeleireiro repartir o cabelo do outro lado. Retornando ao trabalho, "matou" uma tia velha e disse que precisava ir ao velório em Barbacena. Foi à sauna, depois ao cinema. Nenhum drama de consciência ao fazer isso em plena terça. Voltou pra casa duas horas mais cedo que o costume. No horário de sempre se recusara a voltar. Antes, comprou rosas para a esposa. Abriu a porta e flagrou a mulher com o seu chefe, que calçava os seus chinelos e bebia o seu conhaque. Os dois ajoelhados no chão do quarto, levando chicotadas do vizinho do 206, travestido de mulher-gato.

Não fez ruído nenhum. Do mesmo jeito que entrou, saiu. Ia deixar tudo como estava. Caso contrário perderia a mulher, teria que arrumar outro emprego e sairia nos jornais como assassino de traveco. Voltou para a empresa. As flores deixou com a Laura, recepcionista. Com um cartãozinho discreto, confirmando o motel para depois das seis e meia. Como sempre.


© Direitos Reservados

Comentários

  1. Sandra3:21 AM

    oi Marcelo, a sua crônica de hoje, ótima, mostra a face obscura da nossa sociedade hipócrita. Com o fino humor de sempre conta coisas que acontecem de fato, só que, como um certo cara, ninguém sabe, ninguém viu.
    beijão e bom final de semana

    ResponderExcluir
  2. Claudete Amaral Bueno4:27 AM

    Melhor deixar tudo como sempre, não? Dá menos trabalho.......rssssssssssssss

    Claudete

    ResponderExcluir
  3. Monik Rufo8:17 AM

    gostei mto desse texto!
    saudade de vcs todos ai!!


    bjao!

    ResponderExcluir
  4. Jorge Cortás Sader Filho8:17 AM

    Marcelo, você me sabe não bajulador.
    Esta foi para assustar! Boa demais!
    Abraço forte,
    Jorge

    ResponderExcluir
  5. Jorge Sader10:13 AM

    O poder mágico das palavras. Não é Salvador Dali, Buñuel ou Umberto Ecco.
    É a mágica imaginação de Marcelo que transforma um fato simples, corriqueiro, num drama rodrigueano, ao menos!
    Como sempre…

    ResponderExcluir
  6. Lídia Maria de Melo10:13 AM

    A fina flor do humor!

    ResponderExcluir
  7. Mirze Souza10:14 AM

    Fantástico texto, onde um indivíduo lê, e não aprende, sequer absorve. A IE, ou Inteligência Emocional, funciona como método para utilizar os dois lados do cérebro.
    Ele fez exatamente o que a teoria diz. Mas na prática o cérebro assimila aos poucos a nova habilidade. Escrever com as duas mãos, mudar sempre a rotina, de forma vagarosa para dar tempo na assimilação cerebral.
    Fez tudo errado, de uma só vez, e graças à você, que redigiu o texto, ele pode ter uma saída hilariante.

    EXCELENTE!

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  8. Cida dos Santos10:15 AM

    Ao menos ele não é tão certinho… tem uma amante.
    Abraços e bom sábado.

    ResponderExcluir
  9. Clauduarte Sá12:39 PM

    Excelente texto como sempre meu amigo. Parabens!
    Quando leio os seus textos me da u'a vontade de reduzi-lo a poema, a cancao... Claro que os seus textos nao foram escritos com essa intencao. Mas me da uma vontade de catar certas frases. Mas fico com medo de fugir do seu intento. A sua escrita e perfeita como e.
    Como aprendo muito com a nossa MPB, lembrei-me da do Milton Nascimento "Nada sera como antes..."
    Um grande abraco, saude, sucesso,
    ClauduArte Sa

    ResponderExcluir
  10. Oi.Que imaginação fértil você tem!Adorei o texto.


    Abraços,Lúcia

    08/01/011

    ResponderExcluir
  11. Quebrar a rotina requer alguns prévios avisos para evitar galheiras desagradáveis... ri muito aqui com a lavra anti-cotidiana.

    ResponderExcluir
  12. Pior é que quando a gente muda, descobre duras verdades...risos...mas não se dá conta do quanto é difícil fazer a diferença! Viva o inusitado! Bj, Marcelo!

    ResponderExcluir
  13. José Adriano Neves8:58 AM

    muuuiiitttoooo booommmmm!!!!!! cara!!!!!rsrsrsrsrrs

    ResponderExcluir
  14. Raphael Gullo8:59 AM

    Marcelo,

    Tudo bem caro amigo?

    Adorei o texto, impecável!

    Grande abraço. Um 2011 ímpar, literalmente.

    Fiquem todos com Deus!

    Raphael

    ResponderExcluir
  15. Pois é...Todo início de ano, muitos tentam, poucos conseguem o êxito. Teu texto foi mesmo muito gostoso de ler, pois eu estava assistindo ao filme que passava em minha mente a cada ponto. Eu gostei muito do final...Me diverti...beijoooooooooo

    ResponderExcluir
  16. Zezinha Sousa12:56 PM

    Oi, Marcelo, como você me fez sorrir hoje, seu texto é o máximo! Adorei!! Parabéns!

    ResponderExcluir
  17. Excelente!!!
    É pra quem dudida das benesses da rotina, esse texto! Muito bom!

    ResponderExcluir
  18. Gina Soares2:48 PM

    Conclusão: melhor deixar como está, para ver como é que fica!! rs
    O troco ele já dava!!
    Excelente, amigo!!!
    Abs

    ResponderExcluir
  19. Evelyne2:49 PM

    A vida supreende e então a mente tem que buscar novas respostas. Você tembém surpreende e eu como sempre aplaudo. Delícia, Marcelo! Bjs e boa semana, amigo.

    ResponderExcluir
  20. Menino! Quando comecei a leitura pensei que estivesse falando do ex-presidente do Brasil, o Lula. Quando fala que mudou a rotina, ia começar a fazer alguma coisa diferente... Sei lá, enfiei o homem no texto e segui com ele na cena toda.
    Quer saber? Quero terminar com a conclusão de que é ele mesmo, pô!
    Polifonia, uai!

    ResponderExcluir
  21. Antonio Marques6:13 AM

    Meu Caro Marcelo,

    Gostaria de dizer-te que gosto muito de seus textos e me divirto muito com eles, quero parabizá-lo pela qualidade dos mesmos.

    Tenho um Blog, devido a simplicidade do mesmo, não precisa lê-lo... Eu vou continuar lendo o seu que é muito articulado.

    Se mesmo assim, você quiser arriscar uma visit rápida, o endereço é:

    http://moinhohaicai.blogspot.com/

    Um forte abraço!

    Tony Marques

    ResponderExcluir
  22. Oi Marcelo,
    cheguei através de ... não sei, rs

    Mas já adorei a crônica crítica a sociedade e sua hipocrisia para sobreviver, muito boa !!!

    Vou ficar, ok ?
    beijos

    ResponderExcluir
  23. Marco Bastos6:15 AM

    Excelente seu texto, Marcelo.
    Quase uma peça do teatro do absurdo. E o absurdo está no cotidiano. do homem em uma sociedade cada dia mais individualista e esquecida de valores essenciais.
    abraços.

    ResponderExcluir
  24. Leopoldo Gonzaga2:00 PM

    O irmão fala com muita propriedade. Realmente.



    Abç



    Léo

    ResponderExcluir
  25. Ah...Marcelo, você é ma-ra-vi-lho-so.Hilária,essa tentativa de sair da rotina. Pior que não se consegue. Abrir a "Veja" em lugar da Caras já dá para notar que...[rs]
    "Tudo como dantes no quartel d'Abrantes".
    Parabéns,sempre, por sua inteligência, perspicácia e talento.

    Marcelo, fiquei encafifada com o enterro em "Barbacena".[rsrs]
    Um beijo, amigo talentoso.

    ResponderExcluir
  26. Olá!
    Ótimo texto! De uma maneira ou de outra, ele mudou a vida, ou a visão da mesma. Nada como uma mudança deixando tudo com está, eu quero dizer, uma mudança interior...
    Agora, o vizinho travestido, puxa, que imaginação, hahahaha.
    Bjs

    ResponderExcluir
  27. As vezes é urgente mudar, mas para mudar somente a parte superficial e a essência permanecer a mesma, é melhor mesmo deixar tudo como está...

    ResponderExcluir
  28. Como diria um ministro inventor de palavras...tem
    coisas que são "imexíveis".
    Abraços

    ResponderExcluir
  29. Mara Narciso11:32 PM

    Os outros também devem ter assistido à mesma aula de Neurolinguística e já tinham começado as suas mudanças. Estava tão certinho que era preciso uma reviravolta para ir ao lugar de sempre: rotina. Ri de todas as mudanças, especialmente o traje discreto. Eu vou seguir-lhe os passos, porém não irei ao trabalho.

    ResponderExcluir
  30. pretty good post. I lawful stumbled upon your blog and wanted to command that I get really enjoyed reading your blog posts. Any condition I’ ll be subscribing to your maintain and I hope you despatch again soon Pigalle Christian Louboutin.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…