Pular para o conteúdo principal

ROBERTO CARLOS 70




ILUSTRAÇÃO: THIAGO CAYRES



Digamos que minha celeste obsessão começou no berçário da maternidade. Entre um arroto e outro da primeira mamada, eis que avisto um par de sapatinhos azuis que uma tia de Lady Laura tinha tricotado para colocar na porta do quarto. Sapatinhos azuis, e não marrons. Azuis como todos os sapatinhos, sapatos, tênis, pantufas de vovó, botas de lavrador, galochas, chuteiras e assemelhados deveriam ser. Ainda empapado de resíduos placentários, olhei para o adorável parzinho de lã, sorri marotamente e dei uma piscada, já ensaiando os flertes que teria mais tarde com as garotas de Cachoeiro. Todas, coincidentemente, de olhos azuis. Melhor dizendo, escolhidamente – ainda que nenhuma das mulheres com quem casei tivesse olhos desta cor. Ninguém é perfeito, nem mesmo as boas esposas. Mas são os desígnios do Senhor, e ao Senhor só rendo e componho louvores.

O resto é história, que vocês já estão cansados de saber. São sete décadas de adoração a essa cor que inspira e eleva. Eleva tudo mesmo, já que aquele comprimidinho milagroso, não por acaso, é azul. Mas não nego que vivi também momentos que preferia esquecer, como as inverdades que a imprensa marrom se esmerou em espalhar. Boatos, intrigas, coisas que nunca disse, casos que não tive, emoções que não vivi. Aliás, imprensa ruim, irresponsável e maledicente tinha mesmo que ter esta cor. E pensar que ao longo de anos e anos tive aqueles cachimbos, todos marrons, grudados à boca o tempo todo. Era uma brasa, eu pensava, mas como estava cego...

De ruim teve também, é claro, o episódio do trem. Se fosse o Trem Azul, do Lô Borges e do Ronaldo Bastos, certamente ele não teria passado por cima da minha perna. Nem eu teria, injustamente, mandado o maquinista para o _______, aquele lugar que não posso dizer o nome e que fica abaixo do paraíso e do purgatório.

É, bicho, mas tirando estes poucos infortúnios eu não posso me queixar da sorte que a cor azul sempre me deu. E essa sorte eu quis dividir com o meu amigo Eduardo Araújo, quando ele fez aquela música chamada “O bom”. Ele mostrou a canção pra mim em primeira mão e perguntou o que eu achava. Disse que era bacana e que tinha tudo pra estourar nas paradas, mas que eu trocaria a parte que fala “Meu carro é vermelho, não uso espelho pra me pentear” por “Meu carro é azul, não uso espelho pra me pentear”. Ele manteve a letra daquele jeito e a música até que fez sucesso na época, mas também depois... não emplacou mais nenhuma, mora? Não foi por falta de aviso.

O que eu queria mesmo era comemorar silenciosamente estes 70 outonos aqui na minha casa da Urca, sozinho com meus fantasmas e minha imagem de Nossa Senhora, assistindo “Avatar” no home theater. Aquele adorável filme que mostra um maravilhoso mundo de seres azuis. Um manifesto ao extermínio do racismo, já que brancos, negros, vermelhos e amarelos não existem. Só os essenciais azuis, a cor que importa. Roberto Carlos Braga é, na verdade, Roberto Colour Blue. Mesmo aos 70, ainda é tempo de mudar o meu registro no cartório e envelhecer em paz com o azul do céu e dos oceanos. Amém, bicho.



© Direitos Reservados

Comentários

  1. Como o azul,elevada, fiquei! Adorei ler vc, em pleno sábado de aleluia! Bj.

    ResponderExcluir
  2. Bela homenagem. Que esse azul também abrace você nesta Páscoa.

    ResponderExcluir
  3. Sandra Nogueira8:52 AM

    oi Marcelo, que show, ri de montão. Você é uma enciclopédia, bicho. Mas, como publicitário bem que podia sugerir ao pessoas que fazem o comercial da TIM, com todo mundo azul, a convidar Roberto Carlos. Quem sabe ele não cria uma trilha sonora especial?
    beijão e uma Páscoa maravilhosa a você e família.
    beijão

    ResponderExcluir
  4. Evelyne Furtado8:52 AM

    Ah, Marcelo, sua fonte criativa é inesgotável! Azul foi uma boa escolha para Roberto e para sua abordagem sobre os 70 anos. Gosto demais dele, com todas suas idiossincrasias.Quisera que todas as obsessões fossem azuis! Um texto crítico, mas carinhoso e com o talento de sempre. Parabéns e uma páscoa da cor de sua preferência.Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Olá Marcelo... quantas filas enfrentei na Consolação pra assistir a Jovem Guarda!! E, de olhos azuis originais, sem lente! Hoje estamos ele e eu na Velha Guarda! Mas, apesar de... um lindo arco-íris emoldura-nos. Vivemos e ainda temos muita "brasa mora". Você propiciou-me momentos fantásticos! Ressuscitei valores de todas as cores que energizaram e energizam minha existência!Feliz Páscoa, amigo! [ ] Célia.

    ResponderExcluir
  6. Rafael Paiva Silva11:29 AM

    Marcelão,

    Pra variar, um texto primoroso, bicho! Longa vida ao Rei e à sua (dele e sua) inspiração real…

    Boa Páscoa!

    Abração,

    Rafrajola

    ResponderExcluir
  7. Pois é! Eu que tinha tanto pra falar, mas você já disse tudo.
    Grande abraço ao Rei do blog, Feliz Páscoa e muita Paz dentro do seu lar.

    ResponderExcluir
  8. Oi.Bom demais Bicho!Como é grande o meu amor pelo Rei,ele é uma brasa e seus textos são shows.Amei.Valeu Marcelo!
    Feliz Páscoa para você extensivo à família.

    Abraços,Lúcia
    23/04/011

    ResponderExcluir
  9. Anônimo6:22 PM

    Sempre com as Boas Novas nas letras.
    Feliz Páscoa! E viva o Rei!
    Belvedere

    ResponderExcluir
  10. Claudete Amaral Bueno12:41 AM

    Muito legal! O Roberto iria gostar.........
    A propósito: eu detesto azul!!!!!! Que seria do amarelo, se todos gostassem do vermelho, não é? Gosto é gosto!!!!! E n/ se discute!
    Um abraço! Parabéns!!!!!

    ResponderExcluir
  11. Marco Antonio Rossi12:42 AM

    MEU CARO AMIGO

    BOA PASCOA A VOCE E FAMILIA.
    SUBI A RUA AUGUSTA A CENTO E VINTE POR HORA......
    BELA HOMENAGEM, O REI MERECE
    ABRAÇO
    ROSSI

    ResponderExcluir
  12. José Carlos Carneiro1:01 AM

    Um imblóglio lúcido (já pensou?) e muito bem bolado. Não é uma crítica, mas esqueceu de mencionar a mania dele em distribuir rosas vermelhas. Acho que misturei as estações, meu dial entrou em parafuso, pois você se ateve às músicas.

    ResponderExcluir
  13. Raphael Gullo1:02 AM

    Caro Marcelo, nota 10 para o 70! Grande abraço!

    ResponderExcluir
  14. Zezinha1:04 AM

    Olá, Marcelo!!
    Belo texto, como sempre. Falar de Roberto Carlos e de suas manias de forma tão inteligente e bem humorada como você fez, é demais!! Mas confesso a você: ouvir as belas e románticas canções do Roberto faz a gente ver o mundo todo azul. São tantas emoções…
    Beijos!

    FELIZ PÁSCOA!!!

    ResponderExcluir
  15. Rosa Pena1:05 AM

    To passando mal de rir… o trem foi demais. E além do infinito existe um lugar.Ó o fiofó! Meu marido enviou pro catalogo de endereço dele todo. Você é mais que uma brasa ,UI!? he he!beijos mil..rosa

    ResponderExcluir
  16. Clotilde Fascioni1:06 AM

    Olá Marcelo, adoRei !!! O Avatar para mim foi o ponto alto. Boa Páscoa para ti e para os teus.♥

    ResponderExcluir
  17. Mirze Souza1:07 AM

    Marcelo!

    No capricho, na brasa, mora? Assim está esse texto.Acho que o Roberto Carlos nasceu antes da gente para mostrar que o céu é azul. O pior, ou melhor, não sei, já dancei com ele na época da jovem Guarda. Eu tinha 12 anos e eles não sei. Ele é simpático mesmo, mas depois que se tornou católico como eu, só que mais fanático, convenhamos. Confiar que Nossa Senhora ia salvar a mulher com câncer em fase terminal, foi demais. Mas ainda é um bom amigo e camarada.

    Parabéns, pelo tom na hora exata das gírias. O azul eu, menina, amo.

    Beijos

    Feliz Páscoa!

    Mirze

    ResponderExcluir
  18. Jorge Cortás Sader Filho1:08 AM

    Azul, azul, azul… Este cara é um chato, cheio de superstições e manias. Os grupos são distintos. Os vanguardistas, que gostavam da bossa nova, e os caretas, que gostavam da jovem guarda.
    Eita, Marcelo, não lembra deste tempo não! Jovem guarda dá azar, você vai ficar azulzinho!
    Abraço, Feliz Páscoa.
    Jorge

    ResponderExcluir
  19. Cacá7:22 AM

    Quando eu estou aqui eu vivo esse momento lindo, Marcelo. Muito bom mesmo! Abração. paz e bem.

    ResponderExcluir
  20. Miriam Sales10:26 AM

    Marcelo ,só mesmo a sua maestria e intimidade com as palavras para criar um texto tão bom.Sobreazul! Tudo Azul! Felicidade Azul!
    Embora eu ainda prefiro o vermelho santa bárbara como boa baiana apimentada que sou.
    Confesso q/ nem o azul,nem o Roberto nunca me bateram a passarinha, como se fala na Bahia…
    Mas, esse texto,sim!
    Uma das muitas pérolas que vc nos atira com propriedade e elegância.
    Bjks da fã
    Miriam

    ResponderExcluir
  21. Bicho, seu texto está uma brasa, mora?... gostaria que essa sua azul inspiração ajudasse o Rei a respeitar mais a liberdade de expressão pra não sair por aí censurando obras que falam do seu acidente... aliás, que os advogados do Rei não leiam seu texto, porque a menção ao acidente do trem pode criar um embate entre o Rei Azul do TOC e o cronista macaúbico exilado... sei que controvérsias não são do seu feitio, mas eu adoraria ter um amigo tão talentoso brigando com as manias de RC... e, claro, conte comigo na trincheira da liberdade criativa... abs,

    ResponderExcluir
  22. Adriano Neves4:56 AM

    muiiiiiiiiiiiiiiiiito bom bicho!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    abço.
    Adriano

    ResponderExcluir
  23. Maria Amélia8:51 AM

    Adorei!

    ResponderExcluir
  24. Risomar Fassanaro4:34 PM

    Belo texto, gostei!
    Abraços
    Risomar

    ResponderExcluir
  25. Querido Marcelo,

    A leveza da crônica, eterniza a brincadeira azul para falar do "Rei" e sua colorida "corte" com todas as nuances do blue...não é à toa que isso tudo deu samba-enredo, né? rsss.
    Saudade de aparecer por aqui para curtir seus textos...andei sumida, mas já estou de volta.
    Beijos,
    Genny

    P.S. Aliás, o azul também é a minha cor preferida...

    ResponderExcluir
  26. Pois bem!!! Azul é a cor...
    Como diria uma certa apresentadora de programa "ADOOOOOOOORO"!!!
    E escrito assim - em nuances azuis fica tudo mais belo...
    Abraços, amigo

    ResponderExcluir
  27. Mara Narciso8:03 AM

    Que beleza de declaração! Amei Roberto Carlos com todas as suas cores das primeiras fases. Depois, o meu amor murchou, antes que ele envelhecesse. Restrições tenho, mas ainda gosto de ouvir sua voz. Muito convincente essa fala, exceto pelo episódio do trem, que não aconteceu meeesmo!

    ResponderExcluir
  28. Tony Marques8:05 AM

    Marcelo,

    Bela homenagem, ninguém é lider por mais de quarenta anos por acaso.

    ResponderExcluir
  29. Izabel8:39 AM

    Oi Marcelo,
    Muito divertido esse mundo azul criado pelo Roberto Carlos e incrementado com seu jeito tão especial de contar histórias. Que culpa tem o Rei de ser apaixonado por azul, não é mesmo? Sou fã de carteirinha e conterrânea, nasci em Cachoeiro de Itapemirim. Abraços, Izabel.

    ResponderExcluir
  30. Olá Marcelo, tudo bem ?
    Li o texto e simplesmente adorei !!!!! Muito engraçado !!!!!

    Um gde abraço

    ResponderExcluir
  31. Sandra Regina Romanin8:40 AM

    Olá Marcelo, tudo bem ?
    Li o texto e simplesmente adorei !!!!! Muito engraçado !!!!!

    Um gde abraço

    ResponderExcluir
  32. Cissa Oliveira8:41 AM

    Oi Marcelo,

    mais um texto que me prendeu do começo ao fim; por sorte a respiração é involuntária. rsrsrs

    Beijos

    Cissa

    ResponderExcluir
  33. Ah...Marcelo, faço questão que meu marido leia a sua crônica. Muuuuuito legaal!! Ele vive dizendo que o "rei" deveria compor uma balada dedicada à "Ginger", a primeira múmia egípcia. Pode isso??? Fiquei uma arara.Gosto do azul do rei. :)
    ..."Ainda empapado de resíduos placentários é o "must".Essa eu vou guardar para utilizá-la na hora exata.[rs]

    Você não existe, Marcelo. Muitos bravooooooo!!!!
    Beijossss

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…