Pular para o conteúdo principal

SABOTAGEM



ILUSTRAÇÃO: THIAGO CAYRES



Eu trabalho enrolando cubanos. Não, não é falsificando vistos e passaportes para moradores da Ilha que, disfarçados de gringos fazendo turismo, queiram fugir para lugar melhor. É na manufatura de charutos, mesmo. Enrolando largas e secas folhas de fumo, sempre no mesmo sentido sobre uma pedra de mármore, com a mesma apurada destreza para que saiam perfeitos, das 8 às 22, há 34 anos.


Puros, hechos a mano. Amo o que faço. Fabrico a morte dos que podem mais, e isso me excita e me vinga. Pagam dezenas de dólares por um único Castrovilla, que eu de caso pensado manipulo com as mãos besuntadas de fezes e catarro, sem que o inspetor de qualidade perceba. Fezes e catarro que dão liga às folhas que fazem este fálico objeto de desejo. Entre um gole e outro de licores finos, os poderosos enchem suas bocas bem cuidadas com meus excrementos. Antes que morram hão de saber da verdade, e tentarão com seu dinheiro extirpar seus pulmões e implantar outros novos, rosadinhos, sem a merda e sem o catarro que tantas vezes inalaram.


O que há de mais imundo em mim viciando o ar das reuniões sigilosas e dos conchavos secretos. Meus dejetos sacramentando o jantar dos deuses - nos transatlânticos, nos cassinos, onde houver luxo e cobiça. Que mais um pobre nativo, sem berço e sem dinheiro para o caixão, poderia querer da vida?



© Direitos Reservados

Comentários

  1. Claudete Amaral Bueno6:54 AM

    Oi, Marcelo:
    E o pior é que eu acredito nisso, c/ relação a muita coisa que a gente usa e ingere......
    E por motivos bem menos "desculpáveis"...........rssssssss
    Enfim....é por isso que oramos, abençoando e santificando n/ alimento......
    Bom final de semana! Abraços!
    Claudete

    ResponderExcluir
  2. Olá Marcelo...sutil a maneira encontrada por você para fazer parte da campanha "Fumar faz mal à saúde"... rsrs... e, diga-se de passagem, nojenta ao extremo!! De duas, uma: ou você quer acabar com o "pseudo prazer dos poderosos" ou, (mais provável) fazer com que vomitem o PODER de TER merdas e outras "cositas más"... Fico imaginando em outros quesitos, tipo: restaurantes finíssimos, e carérrimos, bebidas importadas... fezes e catarros idem importados? Afemaria... é para pensar... comer bem, nos dois sentidos, em casa,ok? E, ainda assim...
    Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  3. Marcelo!


    Hoje vai ser difícil encontrar palavras. Por um lado temos os ricos e cobiçosos que não dão a mínima para os menos favorecidos.

    Do outro lado da moeda, um funcionário mesmo que mal pago, tendo uma ocupação, por vingança ou inveja resolve colocar nos charutos, os restos que seu organismo produz, inclusive secreção.

    No mundo sempre existiu pobreza e riqueza. Nem a vinda de Jesus Cristo erradicou a miséria, certamente por ser necessária, para que cada qual tenha o que seu quinhão de trabalho possa comprar ou não.
    Nesse caso, não posso julgar.

    Mas minha opinião é que os dois lados estão errados.

    Mas a vingança é a pior arma, porque um dia a consciência pesa.

    Num outro aspecto, imagine se o funcionário que enrola os charutos, é presenteado com uma caixa deles, ou ganha na loteria e passa a ser rico e usar charutos. Será que fumaria?

    Parabéns por mais um instigante texto.

    Abração, amigo!

    Mirze

    ResponderExcluir
  4. Gosto muitíssimo de seus textos. Precisos como as crônicas deveriam ser e surpreendentes como a poesia concreta é. Abraços.

    ResponderExcluir
  5. Como eu não fumo, que se danem os chefões que não dispensam um cubano! Meu abraço.

    ResponderExcluir
  6. Marcela Romanin Sguassábia11:16 AM

    Paai! Excelente texto…. Eu como uma assistente social diria que é muito complexo comentá-lo em seus detalhes, no que se refere a essa questão que vc aborda de pobreza e riqueza. Algo que eu poderia supôr é que talvez esse cara que faz charutos não tenha menores condições de higiene em sua casa por pura falta de oportunidade financeira. É uma possibilidade…! Portanto ele não poderia ser julgado…

    Parabéns!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Jorge Sader Filho11:16 AM

    Então quer dizer que o senhor foi quem botou nosso comandante no estado que está! Venga a Cuba, señor Marcelo!
    Charuto miserável este… Gostaria de saber de onde tira estas idéias.
    Ahhhhh, eu sei, mas não posso escrever!
    Abraço,
    Jorge

    ResponderExcluir
  8. Cristina Siqueira1:30 PM

    oi Marcelo,

    E não é que é.
    E vai por ai com garçons,pedreiros…ora com uma cuspidinha raivosa,ora com uma calha entupida de propósito.Em Cuba então com trilhôes de ano de impotencia total imagina-se o que vem.Imagina-se não,vc deu vida a porcaria toda.

    Ótimo texto.

    Beijos,

    Cris

    ResponderExcluir
  9. Gina Soares1:30 PM

    Será que é assim mesmo?
    Arggggggggg!! rss
    Mais um excelente texto!!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  10. Luta de classes onde a arma dos mais fracos é a escatologia? Marcelo, o texto é um panfleto do Partidão? tão nojento quanto excelente...

    ResponderExcluir
  11. Francisco Coimbra5:59 PM

    Olá Marcelo,
    Acabei de publicar:


    Aproveito para escrever e escrevo, interessa o que digo, o que disse? Digo sempre alguma coisa, depois do disse, é o que fiz. Fixe, interessa o que fiz. Fixar é então o verbo, colar, memorizar, o quê?

    Interessa o antes do disse, o que se diz, durante o fiz. Chegamos ao cerne, a duração. Quando estamos no cerne, é quando o quando acontece.

    Esvaziar a duração, procurar a intemporalidade, a arte da Arte: a ideia da coisa, a coisa como ideia, aquela a quem ninguém corta a raiz. Fixe, diga o que disser, o que… disse. Passar o que a o quê, eis o trabalho onde não há atalho (quando acontece).

    QUANDO ACONTECE



    Espero goste da minha apresentação de “A (POESIA) E E.U”?

    http://diariodedetrasii.blogspot.com/p/cronico.html

    Grande abraço,

    Francisco

    ResponderExcluir
  12. Tony Marques6:04 PM

    Marcelo,

    Por um lance de muita sorte eu não detenho o poder e não aprecio tabaco… Minha única preocupação é com o pão da Padaria da Esquina.

    Um forte abraço!

    Tony Marques

    ResponderExcluir
  13. Jusciney6:05 PM

    Pra mim, que só suporto a fumaça de uma bela carne na brasa, acho justo que os charutos, que são UÓ, como dizem os nordestinos por aqui, tb sejam produzidos (só) com excrementos e, pacientemente feitos por pessoas que tb odeiam essa fumaça de podridão dos magnatas ou dos novos ricos!
    Adorei!

    ResponderExcluir
  14. Td tranquilo Marcelo! Faz tempo q não passo aqui mas vejo que o conteúdo continua o mesmo, de primeira!


    Fezes e catarros, essas sujeiras que nós dejetamos, até que está em conformidade com o que há na cabeça da maioria desses magnatas que frequentam lugares em que a inveja e a cobiça reinam.. hehe

    Valeu!!

    ResponderExcluir
  15. Marcelo, não sei o que é mais nojento: os dejetos ou as reuniões sigilosas e os conchavos secretos que não ocorrem somente nos transatlânticos... ah, entendi... é em outro lugar onde reina o luxo e a cobiça e outros adjetivos ordinários.
    Parabéns!!!

    ResponderExcluir
  16. Profa. Rosana8:52 AM

    Li e amei! Nunca imaginei uma ''vingança'' tão bem elaborada...kkkk....beijooooooooo e bom dia, paz e bem...

    ResponderExcluir
  17. Argh! Quantos produtos não nos são entregues assim? Quando cursei controle de qualidade pude ver horrores! Se pensarmos , não consumimos nada! Lembrei-me de uma propaganda estrangeira que vi no "Hora do Intervalo" onde um restaurante que tinha vidros para se ver a cozinha passava cenas de outros supostos concorrentes e seus funcionários asseados...
    Mandou bem Marcelo,este cara se vinga de suas mazelas nos consumidores... Espero que meus fornecedores sejam todos de bem com a vida!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  18. José Carlos Carneiro3:50 PM

    Putz! O suprassumo do mais sórdido nojo, mas muito bem elaborado. Fez-me lembrar algo que não sei onde ouvi, e que é o seguinte:
    - Sabe o que é o cúmulo do nojo?
    - É chupar um defunto pelo nariz até a cabeça murchar.

    ResponderExcluir
  19. Aé Marcelo, só pra esclarecer, o texto "Culto a Deus" é do Ricardo Gondim! E posso dizer com certeza que ele não apóia nem um pouco mesmo, essa postura das IURDs que têm por ai...

    Pra quem gosta de pensar e gosta de teologia considero Ricardo Gondim leitura obrigatória! hehe

    Fui...

    ResponderExcluir
  20. Marco Antonio Rossi4:32 PM

    MEU CARO AMIGO MARCELO

    ISSO É QUE É SABOTAGEM...., SÓ FALTOU UMA MIJADINHA.......
    ABRAÇO
    ROSSI

    ResponderExcluir
  21. Rita Lavoyer2:35 AM

    Misericórdia de jesuis!
    Esse texto deve vir destacado, em negrito, nas embalagens de cigarros, nas portas dos fast food e entre outros em que pessoas dão excessivos valores, mas eu o recomendo, em primeiro lugar, que seja um Hino de valorização familiar, e que as editoras produtoras de apostilas ‘fast food’ para ensino de excelência, traga logo na primeira página. Sugiro que você mande esse texto para o MEC. Você pode salvar vidas. Sou mãe, por favor faça isso por nós!
    Dito e feito. Deus o abençõe.

    ResponderExcluir
  22. José Claudio - Cacá2:21 AM

    “Os escravos são as mãos e os pés do senhor.” (Antonil). Este seu belo texto me fez lembrar de uma reunião em que fui como convidado certa vez para sondar perspectivas de se trabalhar em uma cozinha de navios de cruzeiro. Eu fiquei horrorizado com as condições sub humanas que são “oferecidas” aos potenciais trabalhadores. Acho que eu ia colocar uma merdinha na comida também. rsrs. Abração, Marcelo. paz e bem.

    ResponderExcluir
  23. Zezinha Sousa8:08 AM

    Oi, Marcelo
    Puxa….
    Depois de ler este texto os charuteiros de plantão vão pensar dez vezes antes de por um charuto na boca. Eca!!!!

    E a imaginação do Marcelo continua fantástica como sempre! PARABÉNS!!
    Como é bom ler seus textos.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  24. Mara Narciso8:10 AM

    Vingança maligna! É possível isso? Ainda assim, acredito que serviçais, de outros lugares - sem paranóia, por favor -, também se vingam dos seus patrões, cuspindo na comida. Que jornada de trabalho, meu irmão! Catorze horas por dia, durante 34 anos. Quantos charutos fabricados?

    ResponderExcluir
  25. José Calvino8:11 AM

    Fez-me lembrar de um personagem do livro a porteira do mundo, cujo autor é o saudoso Hermilo Borba: "(... Eu estava no fim da escala, juntamente com Anastácio, o negro, o outro contínuo, já com dez anos de serviços, fatalista, quase nunca pronunciado uma palavra, jamais uma frase, a não ser 'Sim senhor', andando devagar para ganhar tempo, nos olhos o ódio concentrado. Descobri, depois, que ele cuspia nas xícaras de café e nos copos de refrescos que servia ao pessoal mais graduado. Adotei sua forma de vingança e me senti melhor..."
    Uma pergunta que não quer calar: O texto acima o personagem é fictício ou não?
    Abraços

    ResponderExcluir
  26. Olá,moço inteligente, escolhi este blog para receber o SELO STYLISH BLOGGER AWARD. Escolhê-lo foi uma satisfação pra mim, tanto quanto foi ter recebido a in dicação a ele. Passe lá no meu blog e pegue as instruções.
    Obrigada Rita Lavoyer

    ResponderExcluir
  27. Amigo, cadê a lavra semanal? Neste fim de domingo, milhares devem estar sofrendo da abstinência sguassábica. Alguma nota oficial vai sair sobre?

    ResponderExcluir
  28. Grande Lauro, é a correria!... Dessa vez não deu mesmo. Mas sábado tem mais. Grande abraço e obrigado pelo comment!

    ResponderExcluir
  29. Simplesmente sem palavras. Muito bom o texto!!
    é um grande prazer ler textos tão bem escritos e tão inteligentes.
    E, bom, é melhor nem pensar em quantas coisas que consumimos seriam manipuladas em tais condições...é melhor pensar que são só os charutos!

    grande abraço

    ResponderExcluir
  30. Rafael Paiva Silva12:14 PM

    Marcelão,

    Como sempre, ótimo! Ainda bem que eu não fumo… rsrsrs

    Abração e bom fim de semana!

    Rafrajola

    ResponderExcluir
  31. Sensacional!!! Bem feito pra esses que "se acham". :) Por outro lado, o brother deveria ser alérgico às folhas de fumo , daí a baita coriza. Argh...:)

    Beijos, amigo talentoso!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…