Pular para o conteúdo principal

OCORRÊNCIAS POLICIAIS DA PROVÍNCIA

A loja de armarinhos de Dona Matilda foi invadida ontem por meliantes desaforados, que, após renderem a proprietária, buliram nas partes baixas de sua primogênita. No momento do assalto, a filha de Dona Matilda fechava o caixa. Os gatunos levaram a féria do dia – montante estimado em R$ 29,95, mais dois novelos de lã da marca Cléa e alguns retrozes de linha. A polícia vem empreendendo incessantes diligências no sentido de reaver as mercadorias, mas até o momento só recuperou um dos dois novelos, achado no porta-malas de um Chevette abandonado às margens de um capinzal. O retrato falado do outro novelo foi afixado em vários postes do nosso município e enviado por fax às unidades policiais da região.







********






Sansara Mahranta, dono do Espaço Holístico Luz do Oriente, compareceu à delegacia para dar queixa do estabelecimento vizinho, a churrascaria Boizão Grill. O mestre iogue argumentou que o cheiro da picanha na brasa atrapalhava a concentração dos seus alunos na prática da meditação. Frisou ainda que tal odor, misturado ao incenso de jasmim, causava náuseas insuportáveis em pelo menos 70% da classe, e que todos ameaçavam trancar matrícula caso persistisse o fumacê bovino. Até o fechamento desta edição, as partes envolvidas não tinham chegado a um acordo amigável.






********






O menor J.L.C. foi detido para averiguações ao ser pego com a bicicleta de outro menor, Z.B.F. Inquirido sobre as razões que motivaram aquele ato reprovável, J.L.C. argumentou que só queria dar uma voltinha, e que devolveria a bicicleta a Z.B.F. tão logo concluísse um passeio no quarteirão. Após uma série de sopapos, cascudos, croques e piparotes do pai da vítima no guri infrator, o Cabo Éverton estabeleceu que o menor deveria, a título de pena, engraxar os coturnos de todos os membros da Corporação, durante um mês, tendo o garoto que fornecer os apetrechos necessários à tarefa: graxa nugget, pano e escovas de polimento, além da caixa de engraxate.





********






Na quinta-feira passada, o Vigário Adamantino dirigiu-se ao Distrito para denunciar do sumiço de vinho da paróquia, atribuindo ao sacristão Denófrio a autoria do furto. Como prova, trouxe consigo uma devota de São Judas, a qual, tendo participado recentemente de uma quermesse escolar, identificou o vinho do padre como um dos ingredientes utilizados no ponche do evento.






********






Domingo último, por volta das 21h14, o Dr. Augusto Vicentino Soares saboreava calmamente seu chumaço de algodão doce na praça central. No momento em que a Banda Municipal executava “O Cisne Branco”, Dr. Augusto notou um movimento atípico atrás de um arbusto próximo. Remexendo com sua bengala o referido vegetal, deparou-se com sua cadela Yorkshire a copular com um sarnento vira-latas, ambos em frenético vai-e-vem ao ritmo da música. Irado com a intromissão, o vira-latas mordeu um dos calcanhares do doutor, que teve de tomar uma anti-rábica.






********






Mais uma vez o jovem Odorico Ângelo Júnior foi flagrado cheirando maconha e fumando cocaína em via pública. O pai declarou que desta feita nada faria para tirá-lo de trás das grades, e que seria um favor mantê-lo trancafiado. A autoridade de plantão disse que seria oneroso sustentá-lo no xadrez, uma vez que a compra de 2 marmitex ao dia no Restaurante Rodoviário custaria R$ 14,60, valor bem maior que a fiança de R$ 10,00 para libertá-lo Assim sendo, o sargento acabou ele mesmo pagando a fiança do viciado, para não comprometer ainda mais o minguado orçamento do Distrito.


© Direitos Reservados

Comentários

  1. Olá Marcelo! Suas ocorrências policiais são no mínimo, hilárias! De novelo de lã procurado, à cadela no cio, do vinho do padre e bicicleta roubada, nota-se o quanto "nossas autoridades" elegem suas prioridades segundo suas "competências"!! E, o povo à deriva de toda e qualquer segurança que regiamente pagamos via impostômetro! Viva o Brasil! Toca ai o "Cisne Branco"... Abração da Célia.

    ResponderExcluir
  2. Marco Antonio Rossi5:42 AM

    QUE BOM SERIA SE AS OCORRÊNCIAS DE HOJE FOSSEM IGUAIS.
    NÃO PRECISARÍAMOS DE NA ENTRADA DE BARÃO TER POLICIAIS ARMADOS DE FUZIS E PISTOLAS....
    ABRAÇO
    ROSSI

    ResponderExcluir
  3. Ai...cheiro de churrasco dói, quando se está com fome...e o meu almoço hj, nada ainda...polícia, prende Marcelo por me fazer aguar a boca!!! Bj, querido!

    ResponderExcluir
  4. ENTREVISTA!
    http://conversadeblogueiro.blogspot.com
    Acesse o blog acima e opine! Ficarei imensamente grata!
    Abraço, Célia.
    http://celiarangel.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Ocorrências maravilhosas, Marcelo.
    Fiquei imaginando a indignação do Dr. Augusto Vicentino as 21h14 (justo naquela hora) comendo algodão doce ( seria ele um diabético?) ao som do "Cisne Branco", enquanto atrás da moita acontecia a delinquência da "sua menina"Afff...
    Muito bom "viajar"contigo na imaginação. Me divirto um monte.Bj

    ResponderExcluir
  6. Mirze Souza1:05 PM

    Como sempre HILARIANTE!

    Todos os delitos “mínimos”, o que achei absurdo foi o do mestre iogue. Todos que fazem ioga sabem que concentrados na respiração e postura, ninguém se incomoda com cheiros, ao contrário há uma meditação que pede a concentração em cheiros e barulhos, para que a mente se eduque a meditar em qualquer espaço.

    Todas as demais interessantíssimas, A do armarinho, maravilhosa!

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  7. Miriam Sales3:55 PM

    Ai que saudades que eu tenho dos meliantes daqueles tempos; tempos em que apenas o juiz de futebol era ladrão.Será q/ se eu pedir ajuda á Fada Sininho ela me leva de volta ?
    Abç

    ResponderExcluir
  8. Cacá4:58 PM

    Essa do iogue, tem muito sentido, Marcelo. Minha mulher fez um curso com uma linha vegana e houve reclamações do alunos. Era ao lado de uma churrascaria e a tentação era grande. O probelema foi que eles perderam muitos alunos seduzidos pelo churrasco. rsrs. Muito bom! Abraços.

    ResponderExcluir
  9. Gina Soares4:58 PM

    Todas as situações são muito engraçadas… morri de rir com o retrato falado do novelo afixada nos postes..
    Muito bom!!!!!!!
    Boa noite!!

    ResponderExcluir
  10. Marcelo, você é genial!! Já deu plantão policial???? Te juro que fiquei imaginando a foto do "retrato falado" do novelo.
    Esses casos de vizinhos de "forças antagônicas" são reais. Próximo à casa onde meus pais moravam havia um centro espírita e um salão de evangélicos. Quase sempre havia ocorrência policial.:)

    D+ essas ocorrências! Que imaginação!!! Benza Deus!!

    Um beijo pra você.

    ResponderExcluir
  11. Claudete Amaral Bueno11:46 PM

    Ai, Marcelo!!!
    Só vc mesmo!!!! Impagável!!!!!!!!! Bom demais!!!!!!!!!
    Um abraço!

    Claudete

    ResponderExcluir
  12. Jorge Sader Filho11:57 PM

    Cidade tumultuada, Marcelo.
    Obrigado por não ter dito que sou o Prefeito!
    Mas vai melhorar, eu garanto.

    Aquele abraço.

    ResponderExcluir
  13. Evelyne Furtado11:22 AM

    Mansas ocorrências policiais na província, não minimizando o aborrecimento de Dona Matilda, afinal um novelo faz muita falta. Senti daqui a mistura do cheiro de picanha com jasmim e enjoei. Que São Judas mantenha nesse nível a insegurança provincial. Adorei, Marcelo! Bjs e boa tarde de domingo, amigo.

    ResponderExcluir
  14. Tony Marques11:23 AM

    Marcelo,

    Gostei de todas as ocorrências, a última, no entanto, me transportou para uma realidade que estamos vivendo… O custo benefício nas prisões brasileiras é que está determinando se aqueles que cometem algum tipo de delito deve ou não permanecer preso. A continuar dessa forma, daqui a algum tempo, será mais interessante para o sistema prisional, encarcerar os honestos e libertar os desonestos.

    ResponderExcluir
  15. Jota Effe Esse11:24 AM

    Bem feito para o Dr. Augusto Vicentino, pra deixar de ser empata foda. Meu abraço.

    ResponderExcluir
  16. Dade Amorim3:08 PM

    As ocorrências policiais no interior são bem assim, Marcelo. O tom é perfeito. Mas concordo em que o Dr. Augusto Vicentino mereceu a dentada.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  17. Olá Marcelo! Estas ocorrências são ótimas. Mas eu devo confessar que já fizemos algo parecido no arquidiocesano de OP... Pegamos, (assim sem pedir sabe?) o vinho do padre para usarmos no quentão para arrecadar grana para nossa formatura... bem, a gente era criança né?Rsrsrs,mas até hoje eu tenho vergonha disso.
    Quanto às outras ocorrências, estou aqui imaginando cada uma e rindo demais!
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  18. Casos insolucionáveis, meu caro!
    Melhor mesmo é pagar as fianças. Texto maravilhoso. Única falha foi ter omitido que o prefeito da cidade é o senhor Jorge Sader Filho.
    Pode crer! Vai melhorar, ele sabe. kkkkkkkk

    ResponderExcluir
  19. Oi,você deu um giro no interior e descobriu como trabalham os policiais.Esses são os homens que se encontram de plantão.Marcelo,adorei!

    Abraços,Lúcia

    01/08/011

    ResponderExcluir
  20. Zezinha8:16 AM

    Olá, Marcelo
    Já dei minha risada da noite.
    Uma curiosidade… Como é que você consegue? Você sabe tudo, menino!!!! Sabe até da marca de lá Cléa!! Fico impressionada com os detalhes dos seus textos.
    Parabéns, Marcelo, já disse pra você uma vez e vou dizer de novo: se você não existisse teria que ser inventado por um escritor igualzinho a você.
    Beijos!!

    ResponderExcluir
  21. Salete Cardozo4:55 PM

    Gostei da crônica! Fatos cotidianos de nossos tempos! Que coisa avessa hem! Beijos

    ResponderExcluir
  22. Belvedere Bruno4:22 PM

    Marcelo é fora de série! Se estou meio pra baixo é só ler um texto dele que melhoro....

    ResponderExcluir
  23. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  24. Esse é o estilo que eu mais gosto, tipo radialista da praça municipal. Pelo jeito está dormindo melhor! Grande abraço!

    ResponderExcluir
  25. Mara Narciso8:29 AM

    Parte do singelo e local para o amplo a geral. O que é aparentemente banal assume ares de importância e de graça na sua pena Marcelo. Trocar cheirar e fumar foi proposital?

    ResponderExcluir
  26. Muito bom, adorei.
    Já estou seguindo, virei sempre aqui...beijos da Mery.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…