Pular para o conteúdo principal

ZYB



Ilustração: Thiago Cayres

Você está ouvindo a Rádio Difusora de Jaboracanga, transmitindo em 103.7 Mhz. Por falar em megahertz, a amiga ouvinte já conhece a promoção Mega Hair? Por apenas dez parcelinhas de dezessete e cinquenta você, que está com o cocoruto quase ao estilo Marcelo Tas, se transformará instantaneamente numa cacheada e vistosa Rapunzel. E ainda poderá escolher a cor de suas longas e estonteantes madeixas. Maiores informações na Unidade Mega Hair Jaboracanga, com Jussara. Se você disser que ouviu a propaganda aqui na Rádio ainda ganha 75% de desconto na depilação de virilha com cera quente.


********


Já pensou ganhar um mês de Wikipédia inteiramente grátis? Tá pensando que é brincadeira, né? Pois pode acreditar. E só mesmo a ponto do pontocom.com.br poderia brindar você, meu amigo, com uma barbada dessa! Mas atenção, porque essa mamata aí é só pra quem se matricular nos cursos do pacote Office completo mais a introdução ao Windows. Quem fizer só o pacote Office ganha apenas 15 dias de acesso livre à Wikipédia. Então, não perca tempo: acesse agora ponto do pontocom.com.br, matricule-se e receba um mouse-pad do homem aranha para presentear o seu internauta mirim.


********

- Alô, com quem eu falo?
- É a Zileide.
- E você, Zileide, gostaria de oferecer a próxima música pra quem?
- Praquele fi duma que ronca e fuça.
- Mas diz aí pra gente qual é o nome do seu afeto ou desafeto, se não ele não vai saber...
- Ele sabe sim, moço, é só falar que é a Zileide que ele já sabe...
- Mas escuta uma coisa, então fala o seu nome completo, onde você estuda ou trabalha, porque tem tanta Zileide por aí...
- É, mas que gosta daquele fi duma que ronca e fuça só tem eu. E depois tem uma outra coisa, eu...


(tu-tu-tu-tu-tu)


Estivemos fora do ar por falta de energia em nossos transmissores. Voltamos agora à nossa programação normal.


********


“Jantar à luz de notas”. Um cardápio supimpa, com sucessos de todos os tempos para embalar sua janta. De segunda a sábado, das sete às nove da noite, uma exclusiva seleção de baiões, xaxados e fox-trotes na interpretação do afamado organista Lafaiette. Lembrando que hoje, dando uma canja, teremos como convidado especial o formidável Adelmo do Reco-Reco e suas cabrochas. Tá certo que as cabrochas é só o staff aqui da Rádio que vai admirar, mas mesmo assim não dá pra perder este programão, heim.


********


A sua Difusora de Jaboracanga apresenta...
“O Prefeito Responde”. Você manda sua pergunta para o prefeito, e como o nome do programa diz, ele responde. Recebemos em nossos estúdios uma longa missiva, do munícipe que assina como Aleixo Xis e que pede para não ser identificado. Caramba, mas então porque assinou Aleixo X? Bom, vamos em frente. Ele tece aqui uma série de elogios ao chefe do nosso Executivo, diz que é funcionário público aposentado e cobra do prefeito maiores esclarecimentos a respeito da análise do alumínio utilizado nos marmitex servidos aos presidiários da cidade, que se fundidos poderiam potencialmente se transformar em objetos cortantes e pontiagudos, facilitando assim uma eventual fuga dos detentos.


- Sr. Prefeito, está na linha? Alô, Sr. Prefeito, está me escutando? É, amigos, parece que perdemos o link... assim que reestabelecermos contato com a Prefeitura daremos continuidade ao nosso programa. Enquanto isso, fique com mais um campeão de audiência jaboracanguense: “Achados e Perdidos”, onde você anuncia o que perdeu e encontra o que já nem esperava mais achar. Aliás, se alguém na cidade encontrar o sinal que acabamos de perder, é só ligar aqui pra Difusora.


© Direitos Reservados

Comentários

  1. Olá Marcelo... ZYB... sua "rádio jaboracanguense"... não está extinta não!! Saiba que há muitas perdidas por esse "brasilzão" afora!! Agradeço a minha porção "madeixas e depilação" pode brindar outra ouvinte! Estou procurando aqui no meu pedaço, o link da sua Difusora!! Valeu, muito bom!

    ResponderExcluir
  2. Sandra Nogueira8:20 AM

    oi Marcelo, adorei sua rádio e seu programa, pena que o sinal não voltou ainda. Vou dispensar o mega hair, mas a depilação quente vou quererr, é claro. Senti saudade dos tempos em que fazia rádio AM aqui em Prudente, mas não tive essas idéias supimpas de jantar de notas e respostas do Prefeito. Agora estou fora do ar e não posso mais te copiar.
    Mas, falando sério, senti falta do seu texto semana passada, ainda bem que hoje veio essa pérola que me fez rir bastante.
    beijão

    ResponderExcluir
  3. Claudete Amaral Bueno8:21 AM

    Continue usando sua inesgotável imaginação!.....rssssssss
    É mto gostoso ler o que vc escreve....nunca escreveu um livro???? Pois deveria!
    Um abraço,

    Claudete

    ResponderExcluir
  4. Fantástico, Marcelo!

    Há tempos não ouço rádio. Acho que é hora de voltar.

    Ligar “MEGA HAIR” a “MEGAHERTZ” foi uma grande sacada!
    Lembro que meus pais sempre ouviam e minha irmã mais velha é ligada em radio. E quando vou visitá-la escuto essas “pérolas”.

    Interessante mesmo é como as pessoas participam e se sentem à vontade para falar, como a Zileide. Os nomes também são uma atração à parte.

    Mas a sua pescaria foi de primeira. Sempre que uma autoridade fala, é IMPRESSIONANTE, a rádio sai do ar, fica fora de sintonia enfim…. só mesmo você, para apanhar essas minúcias de uma programação um tanto obsoleta, talvez pelo sinal.


    Formidável!

    Parabéns!

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  5. Miriam Sales9:31 AM

    Pqp .cadê esse sinal,porque esse programa massa foi interrompido!? Deve ser manobra da oposição do prefeito X; isso tá me cheirando a maracutaia como aquela do DSK.N/ não é um tipo novo de doença venérea é o Dominique,aquele q/ dizem ter estuprado a moça e não foi.Mas,chega de cunversê ,eu quero mais rádio… Adorei,Marcelo
    Bjks em megahertz.

    ResponderExcluir
  6. Clotilde Fascioni9:33 AM

    Ola Marcelo, desconfiei que vc estava viajando, mas não imaginei que fosse para Jaboracanga, principalmente para nos trazer essas perolas maravilhosas das antigas rãdios AM. Ouvi muito radio, na verdade ainda gosto, mas ultimamente sou mais do silencio. Senti sua falta de verdade. Abrçs.

    p.s. Desculpe, mas estou com problemas no teclado, acho que ele leu “aquela” cartilha e acreditou….hahahah

    ResponderExcluir
  7. Jorge Sader Filho1:07 PM

    Alô rádio Jaboracanga!
    O Marcelo tá cada vez melhor, os ouvintes repararam?
    Caso negativo, procurem uma clínica de otorrinos.
    Abraço

    ResponderExcluir
  8. Luiz Carlos Amorim1:39 PM

    Marcelo, parabéns pelas publicações. É isso mesmo, tem que jogar ao vento. Quanto mais multiplica, mais leitores.
    Você pode me enviar o e-mail do Correio Popular de Campinas?
    Abraço do Amorim

    Leia o blog Crônica do Dia, em
    Http://luizcarlosamorim.blogspot.com

    Visite o Portal PROSA, POESIA & CIA.
    do Grupo Literário A ILHA, em
    Http://www.prosapoesiaecia.xpg.com.br
    Lá está a revista Suplemento Literário A ILHA,
    edição 117 de Junho/2011, comerativa dos 31 anos do Grupo A ILHA, com muita prosa e poesia e muita informação literária e cultural.
    E a revista eletrônica Literarte, com mais contos, poemas e crônicas e muito mais informação.
    Além de dezenas de seções como Grandes Mestres da Poesia, Autores de SC, Literatura Infantil, antologias
    como Todos os Poetas, O Tema do Poema,
    Feira de Contos, Crônica da Semana, etc.
    Vem aí o número 6 da revista Mirandum, da Confraria de Quintana.

    ResponderExcluir
  9. Zezinha12:21 AM

    Como sempre, me diverti bastante, bom demais! Bjos!"

    ResponderExcluir
  10. Renata Miranda12:21 AM

    Olá, tudo bem? Tenho lido e me divertido bastante com seus textos.

    ResponderExcluir
  11. Texto hilário que me fez lembrar uma história do rádio.
    Do tempo das rádionovelas vem essa história muito engraçada. Em certo ponto da trama o marido deveria pegar um revólver, apertar o gatilho e matar a própria esposa. Só que na hora H, o sonoplasta errou o efeito e, ao invés do som do tiro, soltou um “múúúúúúúúú”. O ator improvisou.

    _Não adianta te esconder atrás dessa vaca! Apareça!

    ResponderExcluir
  12. E, ainda, ouçam isso aqui pessoal: http://gafesdoradio.blogspot.com/2010/05/direto-do-elevador.html

    ResponderExcluir
  13. Evelyne Furtado9:49 AM

    Jaboracanga, onde fica? Talvez a cera quente de lá seja indolor e isso me interessa ,assim como me interessa seus ótimos textos, Marcelo. Adorei o tom de improviso que você deu a rádio. Um beijo, amigo.

    ResponderExcluir
  14. Dade Amorim9:50 AM

    Até pouco tempo, quando estive numa cidadezinha do nordeste, ainda havia rádios assim, com essa programação engraçada que você caricatura tão bem. Acho que, mesmo nos chamados grandes centros, ainda rolam coisas do tipo. Coisas do Brasil.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  15. Mas eu fiquei muito interessada nessa tal de Wikipedia de grátis! O Mega Hair não me interessa porque desde que nasci ostento uma juba considerável. Mas quem sabe posso até ser doadora de material capilar. Peço , encarecidamente, que me envie o "emeio" desse povo aí que eu vou me comunicar! hahaha.
    Ótimo , como sempre! Beijo.

    ResponderExcluir
  16. Ah, eu ouvi atentamente todos os comunicados do senhor radialista aí, da rádio jaboracanguense. Informações quentíssimas dessas, somente vindas do potencial do Marcelo, mesmo!
    Vou ficar ligadaça nessa rádio Difusora, cara!
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  17. José Cláudio - Cacá1:25 PM

    Alô, Marcelo, aqui é seu ouvinde e lente constante. hahahaha! Adorei, meu caro! Ponha no ar sempre que a audiência é garantida. paz e bem.

    ResponderExcluir
  18. Tony Marques1:26 PM

    Marcelo,

    Não sei se você andou meio sumido ou eu andei meio distraído, a verdade é que faz alguns dias que não leio seus textos… Bom, espero que tenha sido bom! Quanto a esse texto, gostaria imensamente que me enviasse o endereço do show com o organista Lafaiette e cara do reco reco, inclusive, cabrochas. Pôxa que bacana! Não posso perder de jeito nenhum. Muito legal sua rádio e quanta promoção!

    Um forte abraço!

    ResponderExcluir
  19. Araceli8:16 AM

    Adoro rádio… sou daquelas que acordam procurando no dial uma boa FM, mas nos dias de hoje isso tá difícil…
    Muito legal sua programação e a proposta!
    Abraço

    ResponderExcluir
  20. Eu tive o prazer de ser entrevistada numa rádio, por duas vezes...um barato! Os dois podcasts estão no meu bloguito! Bj, querido!

    ResponderExcluir
  21. José Carlos Carneiro8:03 AM

    Foi fundo na questão. Me fez lembrar dos tempos que a Jovem Pan tinha uma programa levado ao ar pela fictícia Rádio Camanducaia e era de fazer rir até não poder mais. Imitavam todo mundo num deboche que não tinha tamanho. Parabéns, mais uma vez.

    ResponderExcluir
  22. Marco Antonio Rossi8:04 AM

    BOM DIA.
    CARO AMIGO E VIZINHO, DESCULPE PELA DEMORA NO RETORNO É PORQUE NAS ONDAS MÉDIAS DO RÁDIO AQUI DO INTERIOR, ESSA RÁDIO ESTA FORA DO AR. PRECISO COMPRAR UMA ANTENA PARABÓLICA PARA A TV E RÁDIO.
    ABRAÇO
    ROSSI

    ResponderExcluir
  23. Belvedere Bruno9:35 AM

    Seu senso de humor merece um prêmio, Marcelo! rssssss

    ResponderExcluir
  24. Mara Narciso2:32 PM

    Adoro rádio,e adoraria ainda mais caso fosse você o radialista, você e essa sua verve hilária.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…