Pular para o conteúdo principal

NASCE UMA HOLDING

Ilustração: Thiago Cayres



Seja no mercado corporativo, seja no residencial, a pujante indústria de monogramas (para quem não sabe, camisas e roupas de cama e banho com as iniciais do usuário) vive hoje uma fase áurea. A disseminação desenfreada do seu uso, especialmente dos modelos em letras góticas, traz alento aos tradicionais fabricantes e aguça os empreendedores que procuram oportunidades de fazer dinheiro rápido com risco zero.



Ainda que muito promissor, o segmento definitivamente não é para amadores e aventureiros do marketing. A empreitada exige ciência e faro, e não basta um portfólio com meia dúzia de pijamas bordados para transformar um reles auxiliar de costura num Christian Dior dos monogramas, com unidades fabris da China ao Cazaquistão.


Mesmo quem já está estabelecido e com sólida carteira de clientes sabe que o negócio não prospera sozinho, e que é imperioso inovar sempre - especialmente nos sistemas de gestão.


No intuito de reduzir custos, obter total controle da qualidade do produto final e concentrar os diferentes elos da cadeia produtiva de monogramas sob um único guarda-chuva, optamos pela criação da Holding Monograma Inc.


O Grupo compreende coligadas de administração autônoma, cada uma delas responsável por fomentar com seus insumos uma etapa específica do processo industrial.


MONOGRAMA FAZENDAS REUNIDAS
Área total de 20.634 hectares destinada ao cultivo de algodão, matéria-prima básica para as linhas de cores variadas e em sintonia com as últimas tendências dos mercados interno e externo.


MONOGRAMA BIOAGRÍCOLA S/C
3 plantas dedicadas à pesquisa, ao desenvolvimento e à formulação de defensivos agrícolas para aplicação nos algodoais. Todas em conformidade com a legislação ambiental vigente e regidas pelos mais modernos conceitos de automação e sustentabilidade.

VAD RETRÓS S/A
Empresa de sociedade anônima que reúne centenas de máquinas injetoras de plástico bioformulado, dedicada à produção dos retroses das linhas a serem utilizadas nos bordados.


NEEDLES & NEEDLES LTDA.
É a Metalúrgica do Grupo, responsável por suprir a manufatura de monogramas com dedais e agulhas de costura de variados calibres.


ETFMO - ESCOLA TÉCNICA DE FORMAÇÃO DE MÃO-DE-OBRA
Forma, capacita tecnicamente e disponibiliza programas de reciclagem aos nossos 37.871 colaboradores diretos, ou seja, o quadro de funcionários alocados na execução propriamente dita dos bordados - etapa final de um longo e dispendioso processo, recompensado pela incontestável e cada vez mais elástica liderança de nossa marca.


Concluindo, convidamos toda a população a participar do projeto "Monograma, minha gente!", a ser realizado no próximo dia 7 de setembro, no Estádio do Mineirão. Nosso objetivo é reunir um total de 65.000 pessoas para bordarem, simultaneamente e ao som do Hino da Independência, aquele que seria o monograma de Dom Pedro I, contemplando as iniciais de seus 18 nomes: Pedro de Alcântara Francisco Antônio João Carlos Xavier de Paula Miguel Rafael Joaquim José Gonzaga Pascoal Cipriano Serafim de Bragança e Bourbon. A empreitada, com duração prevista de 22 horas ininterruptas, premiará com um carro zero quilômetro a(o) bordadeiro(a) amador ou profissional que primeiro concluir a tarefa proposta. O evento será transmitido em rede pelos canais abertos de televisão, sem intervalos comerciais.


© Direitos Reservados





Comentários

  1. Marcelo,
    Seu texto de hoje dispensa comentários... até porque o monograma da ilustração é propositalmente escolhido... para o 7 de setembro? Com certeza, sim! Afinal: "P Q P" ... ou "Independência ou Morte"... prefiro deixar nas entrelinhas... Vai que... sei lá!? Sugestão: terra do bordado = Ibitinga!
    Abraço da Célia.

    ResponderExcluir
  2. Marcelo!

    Quanta criatividade! A começar pelos nomes das companhias: VAD RETRÓS, NEEDLE and NEEDLE etc..Todas com um dos nomes relativo à alta costura.

    Dizem que existe um dia dedicado à Independência do Brasil!?

    Sendo assim o P.Q.P. está ,ais que apropriado. Porque a independência aqui, FOICE.

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  3. Caro Marcelo,
    Será que tem uma vaguinha pra mim lá na promissora Needle & Needle?
    Bom finde!

    ResponderExcluir
  4. Eu que adoro bordar, saio daqui e vou comprar minha passagem pra não perder esse evento tão importante! Bj, até lá! Avisa aí, que o carro já tem dona! Bj, querido!

    ResponderExcluir
  5. O que vem a ser o monograma PQP? Não me diga que é ???...risos...adorei!

    ResponderExcluir
  6. Thiago Lima9:56 AM

    Holding né? Kkkkkkk.
    Mas vc é criativo por parte de pai ou por parte de mãe?
    Abraçomammmmm (silvio dando um abraço).

    ResponderExcluir
  7. Marco Antonio Rossi10:57 AM

    UM MARAVILHOSO FINAL DE SEMANA!
    VIVA MINAS GERAIS E SEUS ARTESÃOS!!!!!!!
    JA PODEIS DA PATRIA FILHOS.........VIVA D.PEDRO!!!!!
    NAO ESQUECER DO RESTAURANTE DO DIDI QUE FICA NA FRENTE DA PRAÇA DE EXPOSIÇÃO E QUE COM SEU FOGÃO À LENHA OFERECE UM LEITÃO À PURURUCA E OUTRAS IGUARIAS MINEIRAS (QUALQUER DIA VAMOS LÁ ALMOÇAR...)
    ABRAÇO
    ROSSI

    ResponderExcluir
  8. Isso é o que eu chamo de nascer grande e com redundância, Marcelo. rsrs. Abraços de longa duração. Paz e bem.

    ResponderExcluir
  9. Claudete Amaral Bueno2:25 PM

    Simples de tudo, né???????
    Quero, desde já fazer uma encomenda de bordado p/ o meu boy friend, cujo nome n/ é tão gde como o de D.Pedro.
    O nome dele é Jó Sá....Fácil, né? (acho que até prefiro bordar o nome todo....) o que vc acha?????? kkkkk
    Obrigada!

    ResponderExcluir
  10. Cristina Siqueira2:52 PM

    Oi Marcelo ,

    Vc fez render a industria do PQP.
    N.A.D.A X n.a.d.a que enlouqueceria Zaratustra.
    E dá-lhes imaginação…Parabéns

    Beijos,

    cris

    ResponderExcluir
  11. Mirze2:53 PM

    Excelente, Marcelo, as iniciais.

    PorQue País? Devem ter pensado. No início MFR (Monogramas Fazendas Reunidas)
    Em seguida, o cultivo do algodão precisaria da MBA. A coisa foi evoluindo(?!) e surge a NN, mas a mão de obra precisava de técnicos, daí veio ETFMO Pois bem, no próximo sete de setembro, para isso precisamos alardear a notícia todos reunidos no Mineirão.
    Sugiro, apesar do ENORME nome de Dom Pedro, que as iniciais do nosso país continue sendo PQP, Porque sai governo – entra governo e só mudam as moscas….

    Excelente sua criatividade.

    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Quando comecei a ler pensei que terminaria em uma tese científica das arábias.Mas saiu outra coisa ainda melhor. PQP, cara, você é um gênio. Mas vamos concordar:os seus amigos comentaristas fazem cada comentários que ajudam demais o texto. Leio lá e cá, de cima pra baixo. Tanto quanto você, os seus visitantes são ótimos. e viva a PQP e todos os monogramas afins.

    Perdoe-me a brincadeira.

    É que tudo por aqui é tão bom que... com licença...
    dá até para extravasar.

    ResponderExcluir
  13. Jorge Cortás Sader Filho1:56 AM

    Não vou entrar nessa não.
    É fria, está parecendo empresa mensaleira, coisa que pode ser alvo de ação do Ministério Público.
    Interessante que o Marcelo descreve tudo como fosse um repórter. P.Q.P. Tô fora!
    Hehe… Abraço, vai criar assim lá no Cazaquistão.
    Jorge

    ResponderExcluir
  14. Clotilde Fascioni2:00 AM

    Ei Marcelo, meu amigo , adorei a VAD RETRÓS S/A
    Acho que hoje e por conta da chuva fico com essa, e conte comigo para estar bordando por 22 horas em qualquer lugar onde não chova…Abrç

    ResponderExcluir
  15. Tony Marques2:00 AM

    Marcelo,

    A ADEMG (Administração do Estádio Minas Gerais) informa: Por estar em reformas para a Copa do Mundo de 2014, o Estádio Mineirão não poderá abrigar o mega evento “Monograma, minha gente!” anunciado para 07 de setembro do corrente. Em decorrência disso, o referido evento foi transferido para a Arena do Jacaré, mais conhecida como Alligator Arena, na bela e progressista Sete Lagoas. Informamos, ainda, que as acusações de super faturamento nas obras de reforma do referido estádio, não passaram de calúnias levantadas por pessoas levianas e que as autoridades competentes já fizeram as devidas vistorias, não constatando nenhuma irregularidade nos contratos celebrados entre o estado e as honestíssimas empreiteiras.
    Com relação aos monogramas, você me fez lembrar minha saudosa avó que viveu grande parte de seus anos empunhando agulha e novelos de linha, bordando e marcando. Distante do empreendedorismo proposto em sua crônica, ela foi autônoma na arte do bordado e dormia sono solto sem ter com que se preocupar, este talvez tenha sido o motivo, dela ter vivido quase um século.
    Quanto ao monograma de Dom Pedro I, com esse nome que mais parece uma lista de compras de supermercados, suas iniciais iriam começar em um lençol e no cantinho direito desse, certamente, estaria escrito: Segue no próximo lençol.

    Um forte abraço!

    ResponderExcluir
  16. Jota Effe Esse8:16 AM

    Marcelo, vai ser competente assim na PQP! Só você mesmo pra planejar tantos PQPs! Um abração.

    ResponderExcluir
  17. Miriam Sales8:17 AM

    Tou com o Jorge,adoraria uma boquinha,mas,tenho medo de aparecer nos jornais como mensaleira.O que meus ínclitos leitores iriam pensar,inclusive vc ,que pensa muito e pensa bem,nos deliciando com essas estórias imperdíveis,mas,bem susceptíveis de acontecer neste adorável país tropical,que até já co-optou Deus,transformando-o em brasileiro.
    Vade retro!

    ResponderExcluir
  18. Ahahaha, adorei o Vad Retrós e creio plenamente que os monogramas vieram para ficar. Um investimento certo e acho que vou me canditadar, porque olha que eu sou boa nisso heim? Hahahaha, assim , mesmo que não conseguir sair pilotando meu carro zero, eu apareço na televisão!
    Um beijo!

    ResponderExcluir
  19. Hmmmmm, pensando bem, acho que vou ter que ir disfarçada... Se me reconhecerem na TV vai ser difícil associar fama e monogramas...

    ResponderExcluir
  20. Fico pensando: como veio o mote para esse texto??? Coisa de gênio, só pode ser. E é! Meu caro, essa competição palpitante vai botar o ibope das TVs na estratosfera.

    ResponderExcluir
  21. José Carlos Carneiro5:00 AM

    Rachei o bico de rir. VADE RETRÓS e outras nomenclaturas são muito originais. E o nome completo do Dom Pedro? E a escala de produção industrial mirabolante? E os insumos agrícolas ecológicamente corretos. E a retumbante apoteose no Mineirão? Concluo que você deve ter frequentado alguma escola que ensina a dar nó em pingo d'água ou fazer das tripas coração, para ver o mundo por um viés tão divertido.
    Um abraço e boa semana.

    ResponderExcluir
  22. Evelyne Furtado8:13 AM

    Estou aprendendo como nasce uma holding e pensando aqui em meio ao retrozes.Sua criatividade ainda me surpreende, Marcelo. Beijos e ótima semana, amigo.

    ResponderExcluir
  23. Dade Amorim9:15 AM

    Aprendi a bordar na escola primária e bordei muito na juventude (agora estou pintando, mas nunca concomitantemente com o bordado, pra não me acusarem de pintar e bordar). Talvez abrisse uma empresa e concorresse com as sumidades do assunto. Se ganhasse, ia tomar emprestado o delicado monograma que serve de ilustração ao texto, claro que com a licença do ilustrador. Se perdesse, como é quase certo que ia acontecer, usaria o citado monograma como brinde para a comissão julgadora.
    Menino criativo, você. Esse texto está imbatível e dá vontade de inventar coisas também.
    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  24. Adriano4:48 PM

    Parabéns.......muito bom......................vc. é o cara!!!!!


    abs

    ResponderExcluir
  25. Gina Soares4:30 PM

    Nossa, fico imaginando todo esse complexo, e tudo o que advém por trás dele….
    Já imagino a carga tributária, os fiscais, etc… etc… etc…
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  26. Mara Narciso12:24 AM

    Marcelo, no mês de agosto fui assistir a uma palestra do Príncipe Bertrand de Orléans e Bragança. Ele falou da sua versão da história do Brasil, como foi, do descobrimento até os dias atuais, numa leitura bem particular em defesa da volta da monarquia. Encarei como um fato curioso, apenas, mas gostei de ouvi-lo. Agora vem você fazer graça com a monarquia. Foi bom ler você!

    ResponderExcluir
  27. Rita de Amorim1:06 AM

    Adorei a PQP! este é o empreendimento dos meus sonhos, claro, contando com a sociedade “impecável” da Vad Retrós S/A. Ademais, eu sempre tive tino empresarial. Abraços, Marcelo. PS: é sempre muito bom ganhar um tempo com suas postagens.

    ResponderExcluir
  28. Li La Rocka1:07 AM

    Esse foi bom pacaralho! Mandou Leke.

    ResponderExcluir
  29. Zezinha Lins1:09 AM

    Quando o Zorro ler este texto, com certeza participará do projeto “Monograma, minha gente”, em seguida irá abdicar da sua antiga espada para bordar sua inicial nos lugares mais inusitados, agora de forma moderna e caprichada.
    Excelente humor e criatividade, como sempre.
    Beijos!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…