Pular para o conteúdo principal

ESTA É A SUA VIDA


Ilustração: Thiago Cayres


- É daí que publicaram o anúncio "Sua vida inteira com preço pela metade"?


- Isso. Eu escrevo biografias por encomenda. Tenho quatro na fila, só pra esse mês.
- Mas essa oferta é pra todo mundo ou é só pra quem tem uma vidinha do tipo mais ou menos, sem muitas peripécias?
- Olha, tanto faz se a vida é da Dilma Rousseff ou da tia-avó dela, que ficou lá na Ucrânia.
- Bulgária.
- Isso, Bulgária. É indiferente, meu camarada.
- Então, mas pra aproveitar a promoção existe um limite de páginas?
- O meu sistema de cobrança é por vida, não por página. Caso o livro fique fininho, não tenho nada a ver com isso. Se a vida do sujeito é inexpressiva a culpa é do biografado, não do biógrafo. Agora, uma vida cheia de sobressaltos é mais trabalhoso, enquanto que uma vida sem muitos altos e baixos é mais tranquilo de fazer. De qualquer forma, não tem diferença de custo.
- Mas você concorda que, se eu tenho uma vida comum, eu não vou querer uma biografia, certo? Vou falar o quê? Que eu acordo, escovo os dentes, tomo café da manhã, vou trabalhar, volto pra casa, janto e vou dormir? Quem é que vai querer ler isso?
- Bom, se você pensa assim, então porque tá ligando?
- Isso é problema meu. O senhor faça o favor de ter mais educação com os seus clientes potenciais.
- Tá bem, me desculpe, é que você me ligou num momento meio conturbado. O velhinho que eu estou biografando está morre-não morre e a história toda ainda está patinando no capítulo 3. Mais exatamente na parte do bolo estragado da festa da crisma. E o pior é que o velho está com insuficiência respiratória severa. Eu tenho que ficar com o ouvido colado na boca seca do desgraçado pra ir ouvindo aos poucos o que ele fala. Daí então eu corro pro computador, escrevo aquilo que ele disse e volto pra ver se arranco mais alguma coisa antes que ele bata com as dez.
- Sei. Só que pra contratar os seus serviços eu preciso ver algum livro que o senhor tenha escrito, pra avaliar o estilo, sabe como é. Tenho que ver o que eu estou comprando.
- Sim, sim. Podemos dar um jeito, embora o meu nome não apareça como escritor por questões de contrato com o biografado. Pra todos os efeitos, é o sujeito que escreveu, entende? Escritor fantasma não tem portfólio.
- Certo, mas agora voltando ao orçamento. Como eu ainda estou muito bem disposto e não pretendo morrer tão cedo, mereço um desconto extra. Não dá pra comparar o trabalho que o senhor vai ter comigo com aquele que está tendo com o velhinho vai-não vai. Posso inclusive ir aí na sua casa, pra facilitar as coisas na hora de contar as histórias. Além disso o senhor deve estar meio a perigo, já que publicou seu anúncio num site de compras coletivas. A coisa anda feia pro lado do seu cheque especial, não anda não? Me vê aí o melhor preço à vista que o senhor pode fazer.
- Não estou matando cachorro a grito, não! Como disse, meu amigo, tem quatro na sua frente e a fila tem que andar. Portanto, se for continuar me esnobando, eu tenho mais o que fazer.
- Quanto, eu quero saber quanto sai a brincadeira...
- Então, tá. Vou dar o meu preço sim. Sabe quanto? Dois reais. Dois reais está bem pago, porque pelo jeito a sua vida é tão nula que não vai me dar trabalho nenhum. Não deve encher nem um gibi. Quando muito, um folhetinho desses que distribuem no semáforo.
- O quê????
- Se bobear, cabe tudo na frente. Não precisa nem do verso.


© Direitos Reservados

Comentários

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Verdade; Têm vidas que não cabem nem num folder distribuido na esquina... Muito bom amigo Marcelo, muito bom ♥♥♥

    ResponderExcluir
  3. "sistemas de cobrança por vida,não por página"...boa essa...adorei! Boa sorte, biógrafo anônimo! Bj

    ResponderExcluir
  4. ... Hilário, meu caro Marcelo! Estou aqui a ponderar... o preço de certas vidas públicas que conhecemos! Qualquer "merreca" como paga seria bem-vinda pelas "melecas" que produzem em suas existências!!
    [ ] Célia.

    ResponderExcluir
  5. Luisa Vilaça - Lisboa1:56 PM

    E eu, conot com a sua visita em www.umolhardeperto.blogspot.com
    Até breve,

    Luísa

    ResponderExcluir
  6. Tereza Santo1:58 PM

    Tenho acompanhado suas publicacoes, parabens....

    ResponderExcluir
  7. Cacá2:06 PM

    Eu aproveitaria o preço e mandaria colocar o que foi e o que deveria ter sido. hahahaha! Abraços, Mercelo. Paz e bem.

    ResponderExcluir
  8. Dade Amorim2:07 PM

    Se esse biógrafo agir assim com todos os fregueses, não chega muito longe.
    Mas que o freguês mereceu, mereceu sim.
    Abraço até pra semana.

    ResponderExcluir
  9. Zezinha Lins2:08 PM

    Puxa!!!! O que falta mais esse meu amigo querido inventar? A criatividade é algo fantástico e me fascina, por isso adoro ler seus textos. De qualquer maneira, esse texto, além de divertir também é reflexivo. Parabéns, Marcelo! Você é 1000.
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  10. Mirze2:09 PM

    Marcelo!

    Você já frequentou partidos, digamos contra o governo, outrora chamado comunistas?
    É assim que eles fazem. Tenho um exemplar aqui, que consegue TUDO apenas irritando o próximo. É um tipo de tortura, técnica usada no tempo dele.
    Afinal você escutou tudo que queria, até soube da vida do velhinho semi-morto, e continuou pechinchando. Já que o nome dele não pode aparecer, se eu fosse ele eu faria sua biografia e entregava a folha em branco. Sua vida pelo que chateou, não vale cinco minutos teclando.
    O pior é que existe gente assim.

    Fantástico!

    Você escreve bem demais!

    Parabéns, amigo!

    Beijos

    ResponderExcluir
  11. E sem direito ao ponto final, porque o ponto final é um ponto, e de um ponto eu posso partir para outros, daí vai histórias que não acaba mais. E fim de papo. Bota a foto do sujeito entre capas e pronto, vira obra literária pra mais me metro de teses. Vai ver!? É assim que o mundo conhece os desconhecidos, tem sempre um curioso que se debruça sobre certos trabalhos tentando tirar deles o que não existe. Cria-se um novo nome para um conceito já existente e...
    tem que arrumar argumentos... kkkkkk

    ResponderExcluir
  12. Claudete Amaral Bueno4:31 PM

    Marcelo:
    Quem será que bebeu????? Eu ou vc?????????
    Esse n/ é o texto da semana passada????????? rssssssss
    Beijão pra vc!
    Claudete

    ResponderExcluir
  13. Miriam Sales4:33 PM

    Quero aproveitar o preço p/ contar a minha;tem q/ mentir muito p/ ficar verdadeira e fazer chorar as pobres donas de casa da minha rua,pois,certamente será muito mais interessante que a novela das seis.
    Para as amigas e comentaristas exímias e sempre presentes tem q/ ter desconto,claro.
    Apesar do cheque especial,o seu e o meu… bjks

    ResponderExcluir
  14. Jorge Cortás Sader Filho4:33 PM

    Eita!
    Desta vez você brincou com a criatividade. Está transformando um bloco de rua, vadio e cheirando a cachaça vagabunda, em escola de samba do primeiro grupo.
    Abraço

    ResponderExcluir
  15. Jota Effe Esse12:34 AM

    Marcelo, estou pensando seriamente em me tornar biógrafo, mas antes vou ter que fazer um estágio no seu escritório. Quero aprender principalmente as tarefas de apreçar e apressar as biografias. Meu abraço.

    ResponderExcluir
  16. Olha só, o JFS chegou primeiro e disse o que eu quero dizer, também quero me tornar biógrafa. Preciso de um estágio em seu escritório e acho que tenho vantagens sobre os outros candidatos por conta de minha experiência em atender o telefone (isso ainda via virar post): Eu quero que me mande o remédio que eu tomo! Mas qual é o remédio? Aquele da caixinha branca com lista vermelha que tem comprimidos redondos e brancos, ora! Ou, diante de minha recusa em autorizar a venda de psicotrópicos sem receita médica... Você sabe COM QUEM ESTÁ FALANDO, MENINA? Aliás, eu adoro esta última parte, porque me sinto lisonjeada, rsrsrs.
    Que tal? Posso, com toda meu jogo de cintura me tornar excelente ajudante , mas dois reais não é muita grana para vidas medíocres??? Desculpe-me, mas tenho a impressão de que está se aproveitando de seus clientes! Rsrsrsr
    Beijo!

    ResponderExcluir
  17. Belo trabalho, meu caro!
    Vou encomendar minha biografia contigo. Não se preocupe, tirando os plantôes, não tenho muito pra contar...
    Abração!

    ResponderExcluir
  18. Francisco Coimbra2:00 PM

    «esse aí
    quis contratar
    meu trabalho
    e não deu
    mais»
    Só fica faltando acrescentar o nome do biografado, fica: anónimo
    A_braços!!

    ResponderExcluir
  19. Tony Marques2:01 PM

    Marcelo,

    Pelo visto, você gastou mais tempo ao telefone com o biografado, que vai gastar escrevendo a biografia do cara. Nesse caso, você poderia dar uma de Mãe Diná e fazer previsão para o resto da vida desse sujeito e cobrar preço de pacote fechado.
    É só uma sugestão!

    Um forte abraço!

    ResponderExcluir
  20. Evelyne2:02 PM

    Biografia a preço de banana em uma folha em branco. Ainda está caro. Mas sua criatividade vale ouro, Marcelo! Mais um texto ótimo, amigo. Bjs e ótima semana!

    ResponderExcluir
  21. kkkkkkk. Essa infame gargalhada internética representa um naco do meu estado ao ler mais esta do seu book. Rapá, esse ghost-writer enfezado é um baita personagem, coisa da estatura de um Chico Anísio. Meus vivas!!

    ResponderExcluir
  22. Oi,Marcelo,se o bbbesta tem uma grande audiência,porque uma biografia não daria?O ser humano gosta de saber da vida do outro,mesmo sendo uma vidinha besta.Escrever biografia dá dinheiro pode ter certeza.

    Abraços,Lúcia
    19/09/011

    ResponderExcluir
  23. Denise Lace1:49 AM

    Marcelo, que saudades de ti!!!

    Seus textos sempre muito bons! Parabéns amigo. Tenha uma ótima semana.
    Estou trabalhando no Mackenzie em São Paulo como revisora pedagógica e treinamento do Sistema Mackenzie de Ensino. Muitas mudanças na minha vida. Mande um abraço pro pessoal.

    Até mais amigo
    Denise Lace

    ResponderExcluir
  24. Adriano Neves1:49 AM

    rsrsrsrsrsrsrs!!!!!! muito boa essa promoção hein velhinho........dá pra fazer a minha por 1,50?


    Adriano

    ResponderExcluir
  25. Marco Antonio Rossi2:09 AM

    BOM DIA MEU AMIGO MARCELO.

    ESPERO QUE ESTEJA TUDO BEM COM VOCE E FAMILIA.

    O MEU LIVRO SERIA UMA ENCICLOPÉDIA...........PELO MENOS 5 VOLUMES.......
    ABRAÇO
    ROSSI

    ResponderExcluir
  26. Adorei.

    E mais ,como entrevisto pessoas semanalmente senti na pele o que sinto no bolso muitas vezes.
    Eita carinha em branco.


    Cris

    ResponderExcluir
  27. Mara Narciso9:57 AM

    Muitas e boas risadas você me proporcionou, Marcelo. E olha que eu estava precisando, pois ando num chororô, que só vendo. No caso desse escritor, só de choro ele já me encheria um capítulo. Obrigada pela graça desse estilo só seu de zombar da nossa pequenez e com isso alegrar o nosso dia.

    ResponderExcluir
  28. Valéria Gomes2:36 AM

    Muito legal o seu texto, sempre muito criativo!
    Beijos!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…