Pular para o conteúdo principal

RELATOS LITERAIS - VIAJAR NA MAIONESE




Duvido que você conheça alguém que tenha ido até lá e não tenha voltado cheio de histórias fantásticas para contar. Coqueluche do mercado turístico brasileiro e internacional, a chamada Costa da Maionese vem atraindo, com seus deslumbrantes encantos, um número cada vez maior de veranistas mineiros, gaúchos, amazonenses e polinésios.



Nossa equipe de jornalistas, fotógrafos e cinegrafistas decidiu conferir de perto, quilômetro a quilômetro, toda a adrenalina desta espetacular aventura.


Como seria de se prever, durante o percurso o veículo apresentou dirigibilidade comprometida e comportou-se como se estivesse num rinque de patinação. Além da falta de agarre dos pneus e da instabilidade na suspensão, o atrito constante com o creme interferiu na aerodinâmica, efeito que tornou-se mais intenso à medida em que aumentávamos a velocidade. Mas não se impressione: em pouco tempo você se habitua às condições da pista e ganha confiança suficiente para transportar as crianças, a sogra e até um boitatá de porte médio no banco de trás.


O ideal é encarar inteiramente nu o trajeto, dispensando inclusive a sunga, sob pena de engordurar suas peças de roupa a ponto de torná-las imprestáveis. Recomendamos unir o útil ao agradável, permitindo que a oleosidade da maionese tenha efeito de protetor solar na pele.


Sentir-se untado dos pés à cabeça é sem dúvida uma sensação indescritível, talvez só superada pelas cócegas na região axilar. A empreitada é realmente divertida, mas nem tudo é um mar de Hellmann's. Um vidro um pouquinho aberto em uma das janelas pode ser o bastante para a entrada de salmonelas, o que significa parada obrigatória antes do próximo pedágio. E às pressas, à beira do acostamento mesmo - como de fato veio a acontecer com o nosso repórter, que encontra-se até hoje em observação na UTI do Hospital Sacré Couer, sem previsão de alta.


À parte estes poucos e eventuais dissabores, viajar na maionese costuma ser uma deliciosa experiência. Entregue-se ao deleite de observar de perto e fotografar o suco de limão misturando-se às gemas de ovos e aos óleos vegetais, em lustrosa e inesquecível homegeneidade, até dar ponto turístico. O fenômeno lembra, de certa forma e guardadas as devidas proporções, a pororoca amazônica. Passeie despreocupadamente a bordo de facas, garfos, colheres e outros utensílios autopropulsores, em companhia da família, provando de todas as variantes possíveis dessa iguaria culinária: a maionese de casamento, a de Natal e ano novo, a de atum com a manjadíssima rosa feita de pele de tomate e até a vegan, que tem de tudo menos maionese de verdade.


Quanto a opções de hospedagem, fique tranqüilo: ao longo de todo o trajeto espalha-se uma extensa rede hoteleira, com guias e roteiros customizados para os mais diversos gostos e paladares. Aproveite até o último bocado. E lembre-se: uma vez de volta ao ponto de origem, feche bem o pote e conserve-o sob refrigeração, observando o prazo de validade do produto.




© Direitos Reservados



Comentários

  1. Ei Marcelo hoje estou precisando do pote maior, aquele que dá para um mergulho ornamental onde podemos fazer balé aquático (ligth). Precisaria ficar só com os olhos de fora imitando uma burka, substituindo o shampoo de ovo (nunca mais vi esse ai, acho que ovos estão caros para lavar a cabeça e festejar aniversários). Isso ai, meu amigo. Bom fim de semana…♥♥

    ResponderExcluir
  2. Olá, Marcelo... nada adepta às maioneses... em geral... curvo-me, com muito cuidado, evidentemente, à oleosidade criativa do seu texto! Meu fígado grita e pede calma ao meu paladar! Acredito que a empresa citada... não o livrará de um processo devido aos efeitos colaterais... Precavenha-se "por todos os lados"!!
    [ ] Célia.

    ResponderExcluir
  3. Belvedere Bruno10:38 AM

    Querido, ainda estou doente, daí não estar te dando retorno Estou tentando escrever algo, pois sequer no oral tenho publicado. Esa semaa saiu minha biografia. Deois te envi em pdf o jornal. Vc não tem livro, querido?

    Depois leio com calma. E dói ficar sem ler.Agora tive ligeira melhora e já digito.

    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Eu que me intitulei viajante, a maionese me acompanha em tudo o que faço, dos relatos das viagens aos textos...melhor ainda quando a misturo com alho, pra servir com torradas, nas cias aéreas que ainda não cobram serviços à bordo, e ajuda a digerir aqueles papos ultra gordurosos! Bj, Marcelo!

    ResponderExcluir
  5. MARCELO!

    Esta é a própria viagem literal na maionese. Uma vez embarcando. e deixando-se levar é só mesmo o que atualmente os brasileiros podem fazer. Imagino os pontos turísticos, [e agora viajo sozinha na maionese]. Deve ter uma parada para apreciar azeitonas de todas as espécies, cascatas de camarões, tomates secos, ovos cozidos para enfeitar com carinhas e formas de bichinhos. E finaliza com os sobreviventes patinando num campo de maionese, Que pode ser rosé, ao molho de oliva. pitadas de manjericão etc.
    O prêmio ao vencedor é com certeza aquela lata de maionese de cinco litros para tornar as lembranças mais inesquecíveis.

    Desculpe minha viagem. Detesto maionese.

    Beijos, amigo!

    Mirze

    ResponderExcluir
  6. E se escorregar é só se levantar. Faça um sanduiche de imaginações e boa reunião de amigos aqui nesta viagem.
    Tá Louco! Percorri todas as imagens maionesísticas e cá estou de volta, toda empanturrada de criatividade.
    Estou saindo gordona daqui. Que bom! Milagres acontecem.
    Grande abraço, moço inteligente.

    ResponderExcluir
  7. Marcelo, rsrsrsrs, você é muuuuito engraçado....e competente. Um dia desses li uma letra/"poesia" de uma banda que dizia assim:
    "Eu, somente eu. Escrito por mim sozinho. Ninguém mais do que eu. Minha voz, sou eu sozinho". Mergulharam fundo na maionese, né não? Um beijo, amigo talentoso.:)

    *Não pretendo chegar perto de um Beirute tão cedo.:)

    ResponderExcluir
  8. Jorge Cortás Sader Filho5:00 PM

    Hehe!
    Ficou parecendo a introdução das matérias do “Globo Repórter”.
    Excelente, caro Marcelo!
    Abraço. Jorge

    ResponderExcluir
  9. Claudete Amaral Bueno11:49 PM

    Prefiro não viajar na maionese.........rsssss
    Um abração!
    Claudete

    ResponderExcluir
  10. Ana Christina Victorelli11:49 PM

    Bjos, saudades !!!!

    ResponderExcluir
  11. Elizete Lee12:41 AM

    Oi Marcelo!

    Como sempre, genial!!

    ResponderExcluir
  12. Jota Effe Esse4:37 AM

    Olá, Marcelo, que história é essa de viajar na maionese? Tô fora, vai que levo um escorregão e saio por aí numa velocidade maior que a dos neutrinos? Aonde vou parar? Na casa da sogra? Mas gostei dessa ideia de viajar inteiramente nu, é assim que fico dentro de casa quando estou sozinho, e não está frio, é claro. Meu abraço.

    ResponderExcluir
  13. E aí Marcelo?
    Como sempre mandou bem.

    ResponderExcluir
  14. Francisco Coimbra - Açores7:35 AM

    Beleza!
    Gostaria lesses
    À CATA TUA
    http://diariodedetrasii.blogspot.com/2011/09/cata-tua.html
    Se concordar, me deixa um comentário!
    Grande abraço!!

    ResponderExcluir
  15. Olá Marcelo! Olha que eu já tinha pensado em como seria e fico muito feliz que sua equipe nos tenha proporcionado este relato. O ideal mesmo é se deixar deslizar nú e sem preconceitos. Mas eu, que sempre disseram viajar na maionese, reconheço que não é para mim, não tenho paciência para lidar com salmoneloses, não gostaria de passar a noite como uma rainha e nem o dia como uma flor (sentada no trono e plantada no vaso , respectivamente)...
    Adorei! hahahaha!

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  16. Marco Antonio Rossi10:59 AM

    Bom dia e um otimo domingo.

    muito boa a viagem.......
    que tal lançar um cd só de baião de dois?


    abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  17. Dade Amorim11:00 AM

    Mas não é que parece mesmo a introdução de um desses programas de reportagens da globo?
    Quanto à maionese, dispenso sem remorso, obrigada.
    Abraços pra você.

    ResponderExcluir
  18. Adriano Neves1:25 PM

    Essa viagem na maionese realmente foi saborosa demais pra mim, pena que ao final dela, engordei quatro quilos trezentos e cinquenta. Ah, "os cinquenta" ficaram por conta do Catchup que fazia parte do roteiro, assim como a plantação de batata palha cercada pala mata de salsicha Sadia. E aí, eu não tive como resistir.....rsrsrrsrsrs!!!!








    abs


    Adriano

    ResponderExcluir
  19. Patrícia2:55 PM

    Nossa, viajou mesmo. Nunca me imaginei besuntada de maionese ao invés de protetor solar. Acho que ressecaria tal qual a cobertura de um canapé.

    ResponderExcluir
  20. Flávio5:45 AM

    Muito bom Marcelo...

    ResponderExcluir
  21. Muito bom o texto. Ficou super criativo e gostei bastante. Dê uma passadinha no meu blog quando puder. Abraços. http://poeiraviajante.blogspot.com/ Marina Toledo.

    ResponderExcluir
  22. Evelyne Furtado4:40 PM

    Fiquei pensando se vegan tem o mesmo efeito, rs. Uma viagem e tanto com sua marca, Marcelo! Adorei! Beijos e ótima semana, amigo!

    ResponderExcluir
  23. Cristina Siqueira4:40 PM

    Viajou legal!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  24. Meu amigo, duca esse périplo maionésico... acho que faltou uma pitada de pimenta na omissão do efeito KY. Show!

    ResponderExcluir
  25. José Carlos Carneiro4:36 PM

    A viagem pela maionese


    Que tema! E que salada completa você conseguiu montar. Se não fosse pela menção à salmonela eu teria tido fome. Você sempre encontra a melhor maneira de dar seus "escorregões literários", nos abrindo o apetite para leituras excelentes.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  26. Zezinha Lins4:36 PM

    Ás vezes é necessário viajar na maionese ou pelo menos fazer de conta. Viajar neste creme escorregadio com jeito de “tô nem ai” ou ” não entendi”, ” deixa pra lá”, despido de bom senso, de equilíbrio sempre e a qualquer custo, pode ser uma atitude sábia quando sabemos o momento exato do embarque e do desembarque rsrs
    Marcelo, quanta sabedoria nas entrelinhas de um texto super bem humorado!
    Beijo, meu querido amigo!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…