Pular para o conteúdo principal

RELATOS LITERAIS: COR DE BURRO QUANDO FOGE




Ilustração: Thiago Cayres

Reconheço de antemão que a comprovação de qual seja fielmente a cor do burro foragido continuará sendo uma das grandes interrogações do homem contemporâneo, de demonstração tão complexa quanto o último teorema de Fermat. Não é justo, entretanto, que me furte a trazer aos cativos deste espaço dois experimentos que se propõem, cada qual a seu modo, a elucidar a questão e quiçá lançar uma pá de cal sobre o assunto. Julgo, todavia, que ambos nunca estiveram tão longe da verdade, como perceberá o leitor no breve relato que se segue.



O primeiro é um tanto quanto frágil no tocante à metodologia científica adotada, pois se baseia meramente na acuidade visual dos investigadores.


Sustenta este grupo de nefelibatas, composto por pesquisadores do Alabama, que o ato da fuga enrubesce o animal devido ao esforço físico exigido, o que confere momentaneamente ao mesmo uma coloração que varia entre o rosado e o vermelho-vinho, passando pelo magenta queimado. Esta elástica paleta de cores, convenhamos, continua a deixar a questão sem resposta. Vale notar que argumento semelhante rendeu defesa de tese há cerca de 12 anos na Universidade Quincas Borba, cuja banca examinadora era encabeçada pelo laureado professor Demóstenes Benz, sobrinho-neto da mundialmente famosa Mercedes. A discutível validade dos achados, somada à suspeita de plágio que paira sobre os autores, me autoriza a desconsiderar a pesquisa na fundamentação de qualquer investigação rigorosa que se empreenda sobre o tema, aqui ou no exterior.


O segundo experimento levanta a hipótese de que a cor do burro em desabalada carreira se manifestaria em sua epiderme. Sendo o bicho coberto por espessa pelagem, seria logicamente impossível um flagrante fidedigno. Assim, procedeu-se à realização do teste em uma área previamente raspada, próxima à crina do quadrúpede.


Expoentes diversos do setor de medicina veterinária julgaram o resultado cromático obtido na empreitada como inconclusivo, uma vez que refere-se especificamente a um burro estudado, e não ao conjunto de burros fugitivos espalhados pelo planeta. Argumentaram que a amostragem só ganharia lastro científico se contasse com pelo menos cinco grupos de controle, formados por burros de cada um dos cinco continentes.


Outras contundentes objeções também não faltaram a este estudo, consideradas impeditivas para a exatidão dos laudos apresentados:


. O grau de inclinação do terreno onde se realizou o galope;


. A natureza do solo, sua porosidade e o coeficiente de resistência entre este e as patas do animal;


. A quantidade de feno consumida desde a véspera pelo burro-cobaia, bem como o total de líquido ingerido e o número de horas dormidas na noite imediatamente anterior aos testes;.


. A raça, a idade, o peso e as variantes de temperatura, pressão arterial e batimentos cardíacos do dito cujo.


Finalizando, podemos categoricamente afirmar aquilo que já tinha-se como comprovadamente constatado, ou seja, a cor de burro quando foge é da cor do burro quando foge.






© Direitos Reservados

Comentários

  1. Sandra Nogueira4:54 AM

    oi Marcelo, finalmente alguém chegou à conclusão sobre o assunto. Você fez muito bem em desqualificar a opinião do parente da Mercedes. Com muita segurança daqui para a frente repetirei a quem perguntar: cor de burro quando foge é da cor do burro quando foge.Sábias palavras do meu amigo Marcelo Sguassábia, que opina sobre tão sérios assuntos com a maior graça.
    abração

    ResponderExcluir
  2. Marcelo! Galopando no "burro"... e cantando "Cartomante" com a Elis Regina, cheguei à conclusão de que: "cai o rei de espadas/cai o rei de ouro/cai não fica nada"... e na tese final, assino com você:
    ..."julgaram o resultado cromático obtido na empreitada como inconclusivo, uma vez que refere-se especificamente a um burro estudado, e não ao conjunto de burros fugitivos espalhados pelo planeta"...
    Apeada do burro, estou ainda procurando a coloração do dito cujo, pois há uma récua de fugitivos... dos quais nunca se soube a cor, sequer o destino dado aos mesmos! C.Q.D. = "como queríamos demonstrar"...teorema difícil... inimaginável!
    Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  3. Fica o galope e a poesia. Gostoso esse seu texto: bom pra gente.
    Abração!
    Berzé

    ResponderExcluir
  4. O problema é que todo sábado, me faz pensar sobre essas suas loucuras inventadas e hilárias... mais um problema pra essa minha cabecinha problemática! Juro que não sei qual é a cor do burro quando foge, nem por quem os sinos dobram...

    ResponderExcluir
  5. Clineida Jacomini10:34 AM

    mas vc esta universal heim marcelo! qm sai aos seus...... bem n
    consigo abrir anexos so pl titulo confirmo alguma coisinha: qdo minhas
    cachorras fazem algo errado, matam pintinhos, galinhas, gansos... etc
    voantes, saem de perto, se escondem no pomar e trazem escrito na testa
    e nos olhos, mm sem terem ido a escola q fizeram algo de errado, de
    mmmtttooo errado! deve ser como a cor de seus burros q nem imaginam de
    q cores sao! abracos 1000 saudosos

    ResponderExcluir
  6. Claudete Amaral Bueno10:36 AM

    Marcelo:
    Por ser uma questão a que n/ se chega a um acordo, como vc brilhantemente provou e comprovou…..fico com o ditado como ele era, antes da sua corruptela: Corro de burro quando foge!….rsssssss Beijão! Claudete

    ResponderExcluir
  7. Marcelo!

    Um texto que fala a linguagem que o povo assimila. Thiago colocou cores tão lindas nos burrinhos, que nem dá vontade de fugir.

    Excelente,

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  8. Cacá1:16 PM

    Semelhante tentativa fizeram com a zebra. Não sei se chagaram a tal sofisticação nas pesquisas e testes, mas a questão era provar se a zebra era um animal branco com listras pretas ou um animal preto com listras brancas. Prevalece uma hipótese conciliadora que seria um animal sem cor listrado de preto e branco (ou de branco e preto? hahahaha! Ótima, Marcelo! Meu abraço. Paz e bem.

    ResponderExcluir
  9. Olha só... um estudo completo acerca do tema! rsrs

    =)

    Álly

    ResponderExcluir
  10. Marcelo, você botou a cor do saber no cinza das minhas dúvidas. A cor do burrito foragido é dos enigmas que me intrigam desde tenra idade. Acho que seu texto já está nos anais dos melhores insights cromáticos (seja lá o que isso seja) do planeta. abs,

    ResponderExcluir
  11. Marcelo1:14 AM

    Dizem que a transpiração é atributo dos poros. Se a pele do porco que não tem poros transpira podemos afirmar que é verde a cor do burro quando foge.

    ResponderExcluir
  12. Realmente um mistério que requer aprofundamento dos estudos para se chegar à verdade abasoluta rsrsrsr
    Ótima crônica.

    Fenando Dezena

    ResponderExcluir
  13. Olá Marcelo!
    estou aqui a confabular com minhas nuvens na varanda. Sempre tive esta dúvida e somente diante desta pesquisa de grande rigor científico tive coragem de me pronunciar e quem sabe, colaborar um pouquinho com a pesquisa, sem querer ser intrometida, mas já o sendo.

    Lá na fazenda, tínhamos o Pocotó, um burro burro e teimoso, como todo burro teimoso. E ele um dia, cansado de tanto ser chamado de burro, resolveu fugir e , para não ser encontrado, desenvolveu várias técnicas de camuflagem. Ele que demonstrou não ser um burro tão burro assim conseguiu êxito, pois, rolou na terra rossa e ficou sujo, passou pelo capim e saiu cheio de verdes e ainda entrou no açude onde se misturou um verde musgo à sua coloração angustiada. Note-se que ao perceber tal formação em seu pelo, ele , feliz da vida, ganhou o mundo e nunca mais voltou!
    A do rei!

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  14. Risomar Fassanaro4:02 PM

    Amei sua crônica, Marcelo. Muito bem humorada. Parabéns!
    Não consigo postar meus comentários no Blog...
    Bjs
    Visite os Blogs:
    http://filmedoc.blogspot.com ( de Sílvio Tendler - diretor de cinema)
    http://cronicaseg.blogspot.com ( de Cacá Mendes- escritor)
    http://cronicadelirio.blogspot.com (Risomar)

    ResponderExcluir
  15. Celi Estrada4:04 PM

    Obrigada pelo texto, bastante original!...

    ResponderExcluir
  16. Marcelo:
    A cor do burro ficou nas palavras que o foram tingindo de poesia. Lindo texto.
    Abraços

    ResponderExcluir
  17. Evelyne Furtado3:48 PM

    Conclusão brilhante, afinal agora sei que burro quando foge tem a cor de burro quando foge. Acho que você se diverte ao escrever tanto quanto nós seus elitores. Adorei!Um abraço na família Benz e beijos para você, meu amigo.

    ResponderExcluir
  18. Valéria Gomes3:49 PM

    Muito legal, querido!!! Beijos!!!

    ResponderExcluir
  19. Antonio Fonseca3:49 PM

    Hoje acordei-me preocupado e você me aparece com essa crônica confirmando que existe mesmo a transmissão de pensamentos. E ela existe até em sonhos. Imagina você que, no sonho, eu era um pesquisador lusitano e fazia pesquisas para provar a cor do burro quando foge! Usei o ultrasom em 3D e vi. A cor do burro quando foge é igualzinha à cor do burro quando foge. Minha preocupação foi de não ter chegado a lugar algum. Disso todos já sabiam.
    Abraços e até a próxima.

    ResponderExcluir
  20. Marcelo, obrigada por me atualizar sobre os estudos referentes a cor do burro em fuga, e também por me dar a satisfação em saber que o laureado neto da Mercedes foi o lider da banca examinadora de tão importante tese para a evolução da espécie.
    Adorei meu amigo. Como sempre imbatível nas suas divagaçoes...
    Parabéns!!!! :0)
    Clotilde Fascioni

    ResponderExcluir
  21. Achei interessante seu post. A cor de burro quando foge é da cor do burro quando foge. Bem bolado. Gostei de conhecer seu blog, e sigo com certeza esse seu horizonte de cores. Venha conhecer meu bloguito e se gostares me siga também. Beijos!

    ResponderExcluir
  22. Cheguei rápido rsrs. Obrigada pela presença, fiquei feliz te ver por lá, porque gostei muito de estar por cá rs.Voltarei sempre pra te ler. Bjs e ótima noite!

    ResponderExcluir
  23. Mara Narciso7:10 AM

    Pelo que sei, caso possamos complicar, para que descomplicar? Essa cor faz parte dos ditados errados que vão se entranhando na mente do povo e o errado vira certo. Os manuais de cultura inútil garantem que o correto é "corro do burro que foge", no intuito de não levar um coice ou mordida. A sua explicação é bem mais interessante, Marcelo.

    ResponderExcluir
  24. José Calvino7:11 AM

    Aqui no popular se diz com a roupa suja: "Cor de burro quando foge"!

    ResponderExcluir
  25. Já cheguei a pensar que a cor do burro é transparente invisível. Pois que o burro correu tão rapidamente que nem deu pra eu ver o danado.

    ResponderExcluir
  26. Jorge Cortás Sader Filho7:58 AM

    É… Eu pensava que esta família exemplar, numa casa perfeita em local paradisíaco, iria terminar com risonhos netos correndo em todas as direções.
    Quebrei a cara, o autor estragou tudo!
    Grande tacada, Marcelo.
    Abraço

    ResponderExcluir
  27. Marcelo2:13 PM

    Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  28. desconocia totalmente este tema. gracias por compartirlo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…