Pular para o conteúdo principal

OPERAÇÃO PAÇOCA



Imagem: Thiago Cayres

Conforme noticiado em primeira mão pelo site mexeriqueiros.com, o cantor e compositor Evandro Vil foi detido na tarde de ontem, após procedimento de busca e apreensão de paçoca em seu apartamento de cobertura.



Pioneiro e expoente do movimento Rustic Music, com proposta estética baseada em uivos e gritos primais, Evandro Vil a princípio negou qualquer envolvimento com a droga encontrada, afirmando tratar-se de armação para incriminá-lo. Entretanto, no decorrer do interrogatório, o astro acabou por confessar o delito, com a ressalva de que a paçoca destinava-se exclusivamente ao consumo próprio.


Cabe lembrar ao leitor que, pelas leis do país, a posse, o consumo e o refino de paçoca constituem crimes inafiançáveis, qualquer que seja a quantidade e a forma de processamento - em pó, no formato "rolha" ou prensada. Alguns países fronteiriços com a República do Congo toleram o consumo em porções de até 2,5g para alívio de pacientes terminais, com histórico de prisão de ventre comprovado por atestado médico.


Foram apreendidos três pacotes fechados e um começado de 1kg cada, divididos em tabletes individuais de 3cm x 5,5cm. O fato de os fardos confiscados serem prensados leva à óbvia dedução de tráfico - a exemplo dos quadradinhos de haxixe e de Cannabis sativa comercializados pelas quadrilhas de entorpecentes.


A substância ilegal estava acondicionada em compartimento blindado, camuflado atrás dos discos de ouro conquistados pelos CDs "Sou mesmo rústico" e "Rústico Acústico". Corre no meio artístico a informação de que o bolachão de vinil de "Sou mesmo rústico" contém, quando girado ao contrário, mensagens subliminares que fazem a apologia do consumo de amendoim.


Fontes ligadas à delegacia de narcóticos afirmaram que o generoso lote de paçocas vinha sendo há algumas semanas rastreado pela alta inteligência da PF, tendo desaparecido na última quinta-feira no chamado triângulo das bermudas - região da Rua 25 de Março formada pelas lojas "Ao Bermudão Elegante", "Bermuda'style" e "Samba-Canção & Cia". Ainda segundo os investigadores, o carregamento seria dividido em pequenos lotes, colocados nos bolsos das vestimentas e dali distribuídos Brasil afora.


O advogado de defesa de Evandro Vil argumenta que uma celebridade da estatura de seu cliente jamais atuaria no prosaico e pouco rentável tráfico de paçoquinhas. E que, se fizesse da contravenção o seu negócio, optaria por drogas mais pesadas e sofisticadas como a amêndoa, a castanha-do-pará e a macadâmia. Informou ainda que pelo menos 2 dos 3 kg da paçoca interceptada seriam destinados a rituais da recém-fundada seita "AMÉM DO-IN", que agrega alguns dos dogmas do cristianismo à milenar prática oriental.


Contradizendo esta versão, a PF declarou que junto às paçocas foram encontrados dezenas de maços de notas de 1 e 2 reais, o que é um forte indício da venda a varejo do alucinógeno na própria casa do artista. E faz um alerta à população em geral para que se afaste de guloseimas de origem duvidosa e batizadas com nomes inocentes e insuspeitos, como "Madre Úrsula", "Nana Nenê" e “Sacizinho”.




© Direitos Reservados

Comentários

  1. Pretendo conhecer essa nova seita "AMÉM DO-IN"... estudiosa e curiosa como sou, peço indicações de "bulas" do Dr. Google... para me orientar! Agora, consumidora de paçoquinhas juninas... serei "abstinente" total!! Você, Marcelo, criativo como sempre, desbancou o chavão brasileiro: "tudo termina em pizza" e mandou ver na "paçoca"!!
    Valeu. Abraço da Célia.

    ResponderExcluir
  2. Vou atrás de uma paçoca, nesse dia de sol em Maceió... Marcelo, você é insuportável quando quer fazer rir...eu tô de mal humor, quer dizer, estava... risos... adoro suas invencionices...

    Bj. Ju

    ResponderExcluir
  3. Leda Basile11:06 AM

    Adorei o texto da paçoca, ri muito. Se eu tirar você de amigo secreto nesse Natal, vou comprar o presente lá no "Ao Bermudão Elegante". É só me dizer qual a cor que prefere !!!! Beijão e obrigada. Estou repassando e divulgando seu trabalho que curto muito. :)

    ResponderExcluir
  4. Elisete Lee11:10 AM

    hilário!!! ...Marcelo, quando vamos ver o lançamento do seu livro? Abs

    ResponderExcluir
  5. Marcelo11:14 AM

    Seguindo a mesma linha de investigação a polícia está no encalço de LFV traficante de bolo de laranja travestido de escritor. Dizem as más línguas que ele é capaz de matar por uma fatia do referido entorpecente. Há também relatos de que sua quadrilha está se especializando em uma droga mais poderosa conhecida nos meios como JUJUBA. Aqui na aréa do distrito o consumo de sete belo e juquinha é feito exclusivamente na Carielândia. Imagens feitas do helicóptero dão conta de que a área parece mais um formigueiro.

    ResponderExcluir
  6. Mirze Souza2:27 PM

    Marcelo!

    Deve ser esse o próximo caminho. O público alvo, tendo como disfarces “as crianças” que como eu, se apaixonarão pelas paçoquinhas de óculos à la Vidigal, e jujubas entre outras guloseimas, irão adquirir através de incansáveis pedidos aos pais, e pais pode ser qualquer um. de pai comum à pai ministro e influente.
    Nana nenê e Sacizinho, são típicos do estilo pesado dos músicos que prensam em bolações, essas guloseimas.

    A população vai morrendo aos poucos e pela boca. Não haverá ameaça nuclear. Restarão apenas adultos que se auto-destruirão numa brincadeira de roda. comendo paçocas e estourando inocentes balões de gás.

    Claro! Como ninguém pensou nisso antes!!!!

    Parabéns, meu amigo!

    Essas paçoquinhas estão me provocando..

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  7. Clotilde Fascioni2:28 PM

    hahaaa “dorei”! Maravilha de sabores. Eu sou também chegada a um tablete de rapadura esteticamente semelhante aqueles apreendidos e que me deixam com água na boca pensando se tudo aquilo fosse rapadura. Amendoim então…
    Delicia de texto amigo Marcelo. Abrçs

    ResponderExcluir
  8. Marco Antonio Rossi2:31 PM

    Um ótimo final de semana e FUMCHICÓRIA E LUFTAL PARA LIQUIDAR OS PUMS...............................
    rOSSI

    ResponderExcluir
  9. Claudete Amaral Bueno2:31 PM

    Corpo da mensagemOi!
    Espero que a PF n/ cisme de vir vasculhar a m/ casa......
    Uma paçoquinha vai bem!!!!!!!!!!!! rssssssss
    Beijão!
    Claudete

    ResponderExcluir
  10. Jorge Cortás Sader Filho10:44 PM

    Acabo de jogar fora dois pacotes de amendoim torrado e tratado, que costumavam acompanhar o vinho de cada dia.
    Agradeço a informação.
    Abraço,
    Jorge

    ResponderExcluir
  11. Marcelo, a PF deve correr atrás dos pés-de-moleque. Eles também são responsáveis pela proliferação da droga. Casamento perfeito um com o outro dará pacotinhos e pacotinhos de amendoim cru. Depois, é só torrá-los, refiná-los e jogar no mercado Carielândia, do seu comentarista Marcelo.

    Vocês são terríveis, heim!
    Adorei todos os textos aqui presentes, o do escritor e o dos visitantes.

    Grande abraço a todos.

    Quero deixar um convite a todos que passam por este blog, inclusive ao Marcelo:

    Filiem-se à Cia dos Blogueiros de Araçatuba

    www.ciadosblogueiros.blogspot.com

    Foi lançado o primeiro livro digital da Cia. Haverá outros, participem.

    Muito obrigada

    Rita Lavoyer

    ResponderExcluir
  12. Antônio Fonseca5:14 AM

    Denunciado pelo disk denúncia 181, como guardador de produtos proibidos, recebi a visita de alguns agentes da lei. Vasculharam, remexeram e não encontaram nada. Para não perderem o tempo, levaram os DVD’s do Tiririca, que estavam em meu poder, dizendo que fora a única droga que encontraram. Mais tarde descobriram que a composição química do CD, era à base de ácido dengosóbico; a última invenção da marginalidade em arrecadação de dinheiro para patrocinar políticos e outros corruptos. Não vai demorar encontrarmos o ‘acidengo’ (apelido carinhoso para a nova droga) em formato de pirulitos e tortas. Abram seus olhos, amigos!

    ResponderExcluir
  13. Mas... santas paçoquinhas, Batman!
    Eu bem que desconfiava de um estoque que o meu Szafir fazia aqui em casa... Preciso dar fim antes que alguém leia este comentário e me denuncie! Santa ingenuidade, e eu pensando que eram inocentes guloseimas!

    Adorei, como sempre!

    ResponderExcluir
  14. Eu desconfiava que esse tal Evandro Vil não fosse coisa boa, devido ao conteúdo de suas letras, mas traficar paçoca já é demais. Um mau exemplo desses tem que ser preso mesmo!

    Impagável esse texto, Marcelo. bjs

    ResponderExcluir
  15. José Carlos Carneiro11:26 AM

    Paçoca, massaroca, engenhoca, coisas de esculhambar com a seriedade. E que investida no mundo das investigações policiais! Se duvidam que não há quem ache pelo em ovo, não é o meu caso. Citarei você no ato!

    ResponderExcluir
  16. Caracóis!
    Aquela do disco ao contrário com mensagem subliminar foi o auge! Dez! Nota Dez!!!
    Abração!

    ResponderExcluir
  17. Atentei para a gravidade do ilícito ao ler o texto de Marcelo Pirajá Sguassábia. Conheço ao menos três fábricas nas periferias desta Sanja. Como diria o Datena: cadê as autoridades que não estouram estas indústrias de produtos tão perigosos à saúde pública?

    ResponderExcluir
  18. Que paçoca, essa de Batman. Que compartimento blindado e chique esse, atrás dos disco de ouro... Um moita que foi descoberta. O problema que eles sempre nega o envolvimento com a droga, mas quando o circo aperta a pipoca estoura.Ótima semana cheia de coisas especiais e muitas energias positivas nos seus dias. Beijos grande!

    ResponderExcluir
  19. Valéria Gomes2:52 AM

    E essa coisa é forte mesmo, pois só de abrir a página e ver a foto, já senti o cheirinho da paçoca!!! hahahahahaha…
    Parabéns, o seu bom humor é contagiante!!!
    Beijos!!!

    ResponderExcluir
  20. Corpo da mensagemrsrsrsrsr.......muito bom isso!!! Mas cá entre nós, me diga a verdade: O EVANDRO VIL OU NÃO VIL?




    ABS.


    Adriano

    ResponderExcluir
  21. Celi Estrada2:21 PM

    Gosto dos seus textos.
    Operação paçoça me impressionou.
    Obrigada,
    Celi

    ResponderExcluir
  22. Evelyne Furtado10:37 PM

    Uma delícia de texto! Destaco o Triangulo das Bermudas na Rua 25 de Março. Como se diz lá na seita que mescla dogmas cristãs com alguns conteúdos orientais : AMÉM-DO-IN para você, também, amigo! Adorei, Marcelo! Bjs

    ResponderExcluir
  23. Nossa que paçoca deliciosa essa sua!

    ResponderExcluir
  24. Sem falar da flatulência que causam, né, Marcelo? hahahaha! Muito bom, meu caro. lembrei-me das "ambrosias" da velhinha no filme Meu Nome não é Johnny. Só que lá era o inverso.rsrs. Abração. Paz e bem.

    ResponderExcluir
  25. Mara Narciso11:18 PM

    Graça com direito a cinco risadas. Li e ganhei esse prazer.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…