Pular para o conteúdo principal

VIU UMA, VIU TODAS - PARTE 2




Receita culinária na TV é aquele arroz e feijão básico, sem tempero e requentado. Experimente um pedacinho:



I


- Eu vou desprezar as pontas, porque no caso só nos interessa o miolinho. E sem as sementes, lógico, pra não azedar na hora do cozimento. Isso, pronto... olha só que maravilha. Uma dica: não joga os talinhos no lixo, não. Isso aqui dá uma sopa espetacular e muito nutritiva, rica em vitamina C. É como eu sempre digo - na cozinha nada se perde, tudo se aproveita.


II


- Agora os ovos. São quatro mas nós precisamos só das gemas, então presta atenção como é fácil separar das claras. Ô câmera, chega mais perto pro nosso telespectador ver como é que faz...
Bom, enquanto a nossa cebola vai dourando com o alho e o azeite, nesta outra panela a gente já pode começar a preparar o molho de anchovas. Lembrando que o creme de leite, já sabem: só fresco.
Aí você me pergunta: posso substituir a sobrecoxa pelo peito? Pode, aí fica a seu gosto. Porque afinal culinária também é invenção, cada um dá o seu toque. Vamos aproveitar pra repetir a receita, mas você também nem precisa anotar nada agora, tá tudo lá no site do programa.


III


- Gente, pena que televisão não tem cheiro, porque o aroma aqui tá uma coisa de louco. O pessoal da produção tá com água na boca, todo mundo doido pra cair matando na comida quando terminar o programa.


IV


- Televisão é tempo, pessoal. Então faz de conta que já se passaram quarenta e cinco minutos com o forno a 180 graus e tchan tchan tchan tchan... dá só uma olhada que coisa mais linda. Daí é só juntar o molho branco de anchovas e decorar com esses raminhos de alecrim. Comida a gente também come com os olhos, então é muito importante a apresentação, o aspecto do prato na hora de ir pra mesa.
Minha nossa, deve estar ruim isso, heim? Vamos fazer o sacrifício de experimentar um pedaço só pra matar de inveja você que tá aí em casa.
Huuuummmmmm!!! (girando a cabeça pra cima, fechando os olhos e lambendo os beiços)


Huuuuuummmmm!!! (expressão de orgasmos múltiplos)


Huuuuummmmmm!!! (Chef quase cai de costas, depois fica com cara de quem está tentando verbalizar o gosto que está sentindo)
Meu Deus do céu, coisa de louco. Agradecemos a sua audiência e até a próxima quinta com mais uma receita de dar água na boca!

V - Enfim, o acaso acrescenta um ingrediente novo.


(Close no prato pronto encerra a transmissão. Na tela sobem os créditos do programa, mas a equipe técnica esqueceu de colocar a trilha de encerramento. Ou seja, o sinal de áudio no estúdio permaneceu aberto e o programa é ao vivo).


Voz do Chef em off:


- Porra, Denilson, da próxima vez vê se espirra um pouco mais de laquê na gororoba, pra dar mais brilho. Olha só como ficou sem graça esta merda!!! Caramba, quantas vezes vou ter que falar? Bom, cês limpam a bagunça aí que eu tenho que ir embora pro meu restaurante. Sim, porque se depender da merreca que os caras me pagam aqui eu acabo morrendo de fome, tá certo?






Direitos Reservados



Comentários

  1. Manhã de sabadão, prenúncio de vacances prolongadas, chuva mansinha janela abaixo, e sua sutileza mórbida de um cinismo ácido... me fez esboçar um sorriso amarelo, pois quando me revolto do meu assado não ter ficado igual ao da TV! Eureka! Graças a você, Marcelo, escobri: faltou o laquê na gororoba!! E, Vivas ao Deodoro, por mais um doce far niente!!
    Abraço da Célia.

    ResponderExcluir
  2. Você é ótimo nos detalhes! Adorei...mas me diz... laquê de gororoba existe mesmo? Ecaaaaaaaaa.... bj, querido!

    ResponderExcluir
  3. Marcelo9:07 AM

    Porra, Denilson, só você pra me fazer sorrir !!!!

    ResponderExcluir
  4. Sandra Nogueira9:07 AM

    muito bom, impossivel não rir. Um abraço, Marcelo, parabéns.

    ResponderExcluir
  5. Marcelo, é por aí mesmo. Dia destes vi o vídeo de um publicitário especialista na propaganda de alimentos. Cada uma que ele faz para dar um verniz no rango em vídeo.

    ResponderExcluir
  6. Na prática, DU VI DO que saiba manobrar da mesma fora que aparece.
    Fica tudo limpo? O pior da culinária é deixar tudo limpinho depois.Isso não aparece.

    Formidável, Marcelo!

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  7. José Carlos Carneiro12:27 PM

    É o retrato falado do modismo que grassa na TV. Uma pirotecnia explorada por muitos canais. Mas você deixou claro que o feijão com arroz dispensa tais fricotes. Foi além, entrando nos bastidores. Muto bem lembrados os trejeitos dos maitres. E "orgasmos múltiplos" foi demais!
    Amanhã informo o que saiu na GAZETA.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  8. Claudete Amaral Bueno12:27 PM

    Marcelo:
    Vc leva mto jeito pra apresentador de programas.....além de observador e com ótima imaginação e senso de humor!
    Parabéns! E vc tem razão! Quem viu uma, viu todas!

    Nada a ver, mas me lembrei de uma amiga-médica, dona de uma Clínica Radiológica, mto procurada pelos homens,
    p/ radiografias de próstata. Perguntei a ela: E vc, n/ fica embaraçada na hora do exame? Ela disse: Eu, não!!!!!
    Quem viu um, viu todos!!!!!!!!!!!

    Beijo e um ótimo final de semana!
    Claudete

    ResponderExcluir
  9. Clotilde*Fascioni1:08 PM

    Ah meu amigo Marcelo, realmente quem viu uma viu todas, os olhinhos revirados de prazer então,encerram todas as apresentações envernizadas de laquê. Abrçs, adorei!

    ResponderExcluir
  10. Mirze Souza2:53 PM

    Marcelo!

    Você sempre surpreende!

    “Televisão é tempo, pessoal. Então faz de conta que já se passaram quarenta e cinco minutos”. Seremos todos idiotas? Deveriam colocar: programa para os que estão começando a viver., como slogan. É tão absurdo, que irrita. E parece que tem u’a mulher que faz “HUMMMMMMMMMMMM” passando por baixo da mesa!!!!

    Meu Deus! E tem gente que está esperando o fim do mundo!

    Já estamos nele.

    Beijos, Marcelo!

    Excelente!

    Mirze

    ResponderExcluir
  11. Zezinha Lins2:53 PM

    Marcelo, ler seus textos é diversão na certa, dei risada do começo ao fim!!!
    Você é 1.000!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    Bjo!!

    ResponderExcluir
  12. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  13. E o pior é que quem fica na frente da televisão para assistir a esses programas, que passam em horários em que os trabalhadores 'trabalham', são os desempregados.
    Vão comprar os ingredientes para cozinhar aquilo que vê com o quê?

    Aí, televisão de cachorro é essa cachorrada mesmo.Só para alimentar os olhos.
    Mas que aparece umas coisinhas lindas para comer não há dúvida kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    4:43 AM

    ResponderExcluir
  14. Alice Miura11:53 AM

    Rsrsrsrs, Marcelo, aqui no Japão a maior parte dos programas de TV falam de comida, muitas visitas a restaurantes e chefs, mas independente do canal, do horário e da sofisticação do prato e ambiente, existe a hora da degustação e aí que ent...ra o chavão: a mesma cara, a mesma expressão plastificada ao provar a comida com a pontinha da boca, arregalar os olhos e gritar com voz estridente, abafada pelo som (simulado ou não) de mastigação: ¨Hummm... OISHII !!! (Gostoso!!!) Esta semana cheguei a tirar o som da TV por horas, pois não aguentava mais ouvir o OISHII num programa que prometia ser interessante. Vou ver se acho um video (viu um, viu todos), para teres uma idéia, rsrsrs

    ResponderExcluir
  15. Marco Antonio Rossi12:58 PM

    boa tarde

    aspas de novo...ao som do SWU ao fundo......
    grande abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  16. Muito bom esse texto. Por isso não curto ver tv... Dei uma boas risada lendo. Sua criatividade é incrível. Beijos e ótima semana.

    ResponderExcluir
  17. Jorge Cortás Sader Filho6:58 AM

    Microfone aberto é um perigo mortal.
    João Saldanha tem uma sobre um gol perdido que infelizmente não posso contar, como fez o Marcelo.
    Ficou pra lá de bom!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  18. Evelyne Furtado6:58 AM

    Vi todas, mas você reservou uma edição especial. Laquê na gororoba? Ri demais, Marcelo! Beijos e bom domingo!

    ResponderExcluir
  19. Lídia Maria de Melo6:59 AM

    Programa de culinária virou epidemia. Homem ir para a cozinha, também. O mais interessante é que nenhum faz arroz e feijão. São sempre anchovas, pescadas… “deitadas” em batatas com um fio de azeite extravirgem ou coisa assim. Parabéns por captar tão bem essas nuances. Abraço

    ResponderExcluir
  20. Cristina Siqueira7:00 AM

    Adorei !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    E no avesso o filé usa laquê
    Bom domingo,
    Cris

    ResponderExcluir
  21. Risomar7:01 AM

    Marcelo
    Reconheci no seu texto vários programas a que assisti, inclusive o da peça de N. York, acredita???…rs,rs,rs
    Só perdi a cena em que esquecem de desligar o som. Maravilhoso. É isso mesmo: viu um viu todos.
    Obrigada por alegrar meu domingo!
    Abraços

    ResponderExcluir
  22. José Claudio - Cacá7:02 AM

    E tem uns (a maioria, ee acho) que vão de graça, apenas para aparecerem e fazerem seu currículo melhorar e nada melhor do que a TV. Boas risadas, Marcelo. abraços e ótima semana.

    ResponderExcluir
  23. Valéria Gomes7:02 AM

    O que acontece nos bastidores é sempre mais interessante, acho que o sabor da realidade é mais gostoso.
    Beijos, queridão!!!

    ResponderExcluir
  24. Olá Marcelo!
    Bem, eu tive um almoço aqui em casa, a primeira vez da primeira nora aqui e, para parecer mais chique, eu coloquei o laquê da vovó e o prato ficou com uma aparência incrível. Agradeço por me ensinar este truque! Ela deve ter adorado!
    Neste mundo liiinnndo de culinária ao vivo, é fácil entender como as coisas (quase) sempre dão certo...
    Ótimo texto! Beijo!

    ResponderExcluir
  25. Mephistopheles Pionus10:29 PM

    Caro Marcelo, como sempre a receita de seu texto não desandou. Tenho uma idéia caso queira
    aproveitar para está série. Faz uma com o tema 'dança contemporânea" aquelas que passam no canal
    3 da sky e eu não resisto em assistir um pouco só praficar xingando, aquilo é um absurdo.



    Abração

    ResponderExcluir
  26. Não esqueçamos da Cozinha Maravilhosa da Ofélia Anunciato, a precursora disso tudo que tá aí hoje!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…