Pular para o conteúdo principal

IDEIAS: MELHOR NÃO TÊ-LAS



Não diga a todos a ideia que você teve, pois nem todos têm a ideia de deixar que ela continue sendo sua. Não guarde-a para você, entretanto, pois sua brilhante sacada só fará algum sentido se você dividi-la com todo mundo, ainda que seja genuinamente de sua suada lavra. Paradoxal. Triste e paradoxal.







Não pense que procedendo ao registro, com não sei quantas cópias assinadas, autenticadas e protocoladas na Biblioteca Nacional, estará sua ideia a salvo, pois ela poderá salvar a falta de inspiração de alguém que você nem imagina quem seja. Não me pergunte como, mas esteja certo de que é isso que irá acontecer. Um Zé Arruela se apropriará dela sem cerimônia ou peso de consciência, e ficará rico com o seu rebento intelectual enquanto o julgamento do mérito se arrasta na justiça. Se é que você vai ter grana, paciência e tempo para tentar provar que o que é seu é seu mesmo.






Não se iluda achando que metê-la num blog, com posts datados, pode ser a prova cabal de que a ideia foi primeiro sua. Por ter atualizações constantes, o larápio internético já sabe com que frequência deve passar por lá para saquear ideias fresquinhas. Muitas vezes bem na hora em que elas saem do forno, para ficar cronologicamente empatado com você no post que ele vai fazer no blog dele. Blog, aliás, com cem vezes mais visitantes que o seu sítio virtual.






Não caia na armadilha de gestá-la em seu perfil nas redes sociais, pois estará arrumando um ou mais sócios de copyright, que provavelmente descolarão muito mais curtidores e seguidores que você.






Não tente escrever um livro juntando suas muitas e grandes ideias, pois esse livro será digitalizado e disponibilizado nos sites de compartilhamento da vida, e ganhará autoria variada. Não imagine, portanto, em se locupletar ou ao menos viver dignamente com o dinheirinho honesto que porventura conseguiria tirar de seus direitos reservados - um sujeito muito mais esperto se reservará o direito de colocar o nominho dele no lugar do seu. Exceção se faça às bulas medicinais, aos manuais do proprietário, a alguns dos mais obscuros livros do Antigo Testamento, à autobiografia "Mein Kampf", de Adolf Hitler e, evidentemente, aos "Versos Satânicos", do Salman Rushdie. Nesses casos, pelo menos até onde se sabe, ninguém apareceu até hoje contestando a autoria. Mas amanhã é outro dia, e ao escrever isso eu já estou dando a ideia a alguém...






© Direitos Reservados (ainda que ninguém possa garantir)

Comentários

  1. Srempre original!
    Abração!
    Berzé

    ResponderExcluir
  2. Sim! Sim! Sim! Em gênero / número e grau plenamente de acordo! Ilusão "idiota" requerer-se direitos autorais... Ah! Quantas vezes vejo e leio meus plágios... Tudo bem, sinal que como educadora, consegui transmitir algo de bom... aos educandos!!
    Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  3. Uma triste verdade em todas as áreas, infelizmente. Fica apenas a satisfação do autor em SABER que a criação é sua e que o cara que copia não tem competência para fazer igual. Melhor, nem pensar.
    Maravilha, meu amigo.♥

    ResponderExcluir
  4. José Carlos Carneiro12:39 PM

    Em resumo, qualquer semelhança poderia ser mera coincidência. Nem o ECAD preservaria os direitos autorais. Boas ideias são atacadas no varejo. E colocá-las numa redoma não é também uma boa ideia. Embalagem a vácuo? Pena que, mesmo as ideias, não são anaeróbicas. E não são também hermafroditas. É a típica entrada sem saída, um labirinto elevado à enésima potência.
    Um abraço e bom domingo.

    ResponderExcluir
  5. Anônimo12:40 PM

    Que bom ser o primeiro a postar comentário. Assim, alguém poderá copiar à vontade. Muito a propósito paralelo a natureza das plantas e animais com os dizeres do escriba: há um pássaro, que por aqui, é chamado de “godero” (com a pronúncia do ‘e’ aberta), que não choca seus ovos. Ele procura o ninho do tico-tico, bebe os ovos dele e coloca os seus. Daí há pouco o tico-tico que é um pássaro cinza, está criando uma porção de negrinhos. Nas plantas tem as parasitas, e entre elas, as orquídeas. Tão lindas mas frágeis pela dependência! Assim são os compiladores. E nós, os honestos, chegamos esterco em seus pés.
    Grande Marcelo!

    ResponderExcluir
  6. Antônio Fonseca12:41 PM

    Que bom ser o primeiro a postar comentário. Assim, alguém poderá copiar à vontade. Muito a propósito paralelo a natureza das plantas e animais com os dizeres do escriba: há um pássaro, que por aqui, é chamado de “godero” (com a pronúncia do ‘e’ aberta), que não choca seus ovos. Ele procura o ninho do tico-tico, bebe os ovos dele e coloca os seus. Daí há pouco o tico-tico que é um pássaro cinza, está criando uma porção de negrinhos. Nas plantas tem as parasitas, e entre elas, as orquídeas. Tão lindas mas frágeis pela dependência! Assim são os compiladores. E nós, os honestos, chegamos esterco em seus pés.
    Grande Marcelo!

    ResponderExcluir
  7. Marcelo12:41 PM

    Algumas ideas são VHS e outras são Betamax. As ideas VHS se popularizam mostrando sua força e sua capacidade de adaptção, já as ideas Betamax ficam restritas a um universo menor.

    ResponderExcluir
  8. José Cláudio - Cacá12:41 PM

    Eu tenho lido em jornais de grande circulação, o Ferreira Gulart aos domingos fazendo uma série de artigos sobre uma espécie de acerto de contas de textos, expressões e versos que seriam dele e foram surripiados. E o pior é que a maioria dos que já li, foram rapinas de gente bastante conhecida no meio literário.Dizem as más línguas que isso é amor ao próximo (àquilo que está próximo). hahahaha! Abraços, Marcelo e um ótimo natal para você e família. Paz e bem.

    ResponderExcluir
  9. Leda Basile12:52 PM

    Marcelo, a minha ideia de compartilhar seus textos foi uma das melhores que tive!!! Beijão :)

    ResponderExcluir
  10. Mariana Soledade12:52 PM

    Adorei, Marcelo! Imagine que vivo ensinando aos meus alunos de graduação e pós-graduação que se apropriar de produção intelectual de terceiros é muito feio! Mas é uma luta árdua e constante...

    ResponderExcluir
  11. pois é, Marcelo, neste território de todo mundo e de ninguém que é a internet, salve-se quem puder e quem tiver um bom causídico... a rede leva as lavras pra mares bem distantes...

    ResponderExcluir
  12. Claudete Amaral bueno9:39 PM

    Sabe que vc tem toda a razão, Marcelo???????
    Idéias são como filhos: melhor n/ tê-los.....mas como sabê-lo que é melhor n/ tê-los? antes de tê-los?????
    Só qdo um gênio da lâmpada, um Marcelo Sguassabia aparece e põe a boca no trombone!!!!!!   rsssssss
    Boa!!!!!!!    Um abraço!
       Claudete

    ResponderExcluir
  13. Jorge Cortás Sader Filho11:00 PM

    Vai dando ideia, vai!
    Algum espertinho publica as ‘Vogais interrogativas’, usa seus artigos e você é o culpado! Obrigado pela oportunidade que tive de não acentuar mais “idéia”.
    Feliz Natal, Marcelo!
    Abração,
    Jorge

    ResponderExcluir
  14. Mirze Souza8:03 AM

    Excelente texto. É seu? Porque atualmente é assim. Breve verá este texto na Martha Medeiros, no Luis Fernando Veríssimo, não plagiados por eles, mas a falta de respeito e consciência é tanta que sairá um PPS com seu texto e nome alheio.

    Absurdo, essa falta de caráter. Por isto que o Lobão assumiu da sua maneira, e desligou-se das distribuidoras. Mas tem gente que gosta, Quanto mais o nome aparecer melhor! Exemplo: Paulo Coelho.

    Muito Bom!

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  15. Sandra Nogueira8:04 AM

    Muito bom, Marcelo. Até nas maiores universidades no mundo todo há cópias de textos, trechos e colagens até em teses de doutorado. Além desses piratas literários observo ainda uma outra categoria, a dos que escrevem ou copiam textos e colocam em nome de escritores famosos. Nunca entendi muito bem que satisfação isso pode trazer. Um abraço

    ResponderExcluir
  16. Evelyne Furtado8:05 AM

    Não se respeita nada. Haverá sempre um ladrão esperto. É triste, mas quem coonhece suas idéias conhece o nascedouro delas e se delicia nele. Muito bom, meu amigo! Beijos e continue compartilhando.

    ResponderExcluir
  17. Marco Antonio Rossi8:08 AM

    um bom final de semana, mas uma otima ideia e tirar um bom chopinho e comer um bão churrasco.......................
    abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  18. As minhas ideias devem ser mesmo muito ruins. Não as vi roubadas ainda. Um bom ladrão não rouba porcarias, só se for um ladrãozinho no mesmo nível do produto roubado.
    Segundo me parece, foram os Românticos que levantaram a bandeira contra o plágio, apesar de eles serem platônicos.
    Não estou protegendo o ladrão, mas numa suposta analogia os insetos são os responsáveis pela polinização.
    Viva a sua ideia, Marcelo!

    ResponderExcluir
  19. Ótimo texto amigo. Nesse mundo louco, nada é de ninguém,já vi coisas que até Deus duvida. Até meu perfil personalizado com minhas características, minhas qualidades, e meus defeitos já foram copiado igualzinho sem mudar virgulas, nem pontos. Até a imagem levaram junto com o link dela e tudo. Entrei nesse blog por um acaso e nem acreditei quando vi meu perfil ali no blog de outra pessoa... E tudo que eu escrevia no blog, era postado ali também... Não falei, não protestei, apenas diz porque era tão parecida comigo assim.
    Deve ter ficado tão envergonhada que deletou o blog. Hoje não coloco mais coisas particular como antigamente eu colocava.
    Aqui o mundo gira dessa forma, ninguém tem direito a nada. Pena que seja assim. Desejo uma ótima semana pra ti!
    Ja deixo meu desejo de um Feliz Natal e um Ano recheado de sonhos e desejos realizados. Obrigada por ter caminhado comigo durante esse Ano, e que no próximo Ano estejamos juntos novamente... Beijos grande!

    ResponderExcluir
  20. Por isso que digo: qualquer 'ideia' de amor vale a pena... risos... eu endoideço com tanto plágio no meu mundo acadêmico... mas acho fundamental a socialização de coisas boas, desde que mantendo a autoria... seu blog, por exemplo, sempre que posso recomendo... os larápios de plantão devem amar perceber [aqui] tantas coisas boas... bj, querido!

    ResponderExcluir
  21. Zezinha Lins1:17 PM

    Quase li todos os comentários para depois copiá-las aqui, mas as ideias foram surgindo e eu fui escrevendo para não deixá-las escapar. Mas será que devo publicá-las aqui? Por falar nisso, de onde vc tirou a ideia de escrever sobre as ideias que temos mas não devemos guardar ou não mostrar, ou esquecer, ou… Sei lá…
    Que bom, Marcelo, que vc não teve a ideia de guardar as suas e assim nos oferece como presentes.
    Bjos!!!

    ResponderExcluir
  22. Leslie Taboas4:19 PM

    Perfeito!!! É assim mesmo!!!



    Abçs.

    Leslie

    ResponderExcluir
  23. Adriano Neves4:21 PM

    rsrsrsrsrs!!! Meu amigo Marcelo, vou te dizer uma coisa: "feliz Natal e um próspero ano novo"! Ah, essa frase é de minha lavra e o "rou, rou, rou" do papai Noel também!!!! rsrsrsrsrs


    Abs.


    Adriano

    ResponderExcluir
  24. "mas se não, como sabê-lo?"

    Olá Marcelo! Eu lamento informar que é a mais pura verdade!!! Meu humilde perfil foi copiado até por uma poeta de Campinas, com livro publicado e tudo mais. Já me cansei de denunciar e avisar, mas qual o que... Paciência! Como não tenho grandes pretensões, me sinto lisonjeada, mas que chateio e berro pra todo mundo saber, isso é fato!
    Seu texto tem um quê de brincadeira, mas é profundo, real e didático! Um beijo!
    Feliz Natal e um excelente 2012, para você e sua família!

    ResponderExcluir
  25. Belvedere Bruno12:36 PM

    A migo, é um prazer renovado te ler, reler, enfim, vc é excelente. Estive cheia de problemas, daí a falta de retorno, ok? Um Feliz Natal e um ano novo com muitas crônicas!!!!!!!!!!!!
    Bjs

    ResponderExcluir
  26. Valéria Gomes10:45 PM

    Ô mundo complicado, uai!!! Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come!!!
    Beijos, meu querido!!!

    ResponderExcluir
  27. Mara Narciso10:46 PM

    Roubam-lhe mais do que ideia, roubam-lhe sossego e dinheiro. E o pior, caso venha a ter fama, vão impingir-lhe montes de ideias ruins dizendo tratar-se de coisa sua. O que evidentemente não é. Esse remendo vai lhe dar mais aborrecimento do que seu oposto. Foi sério e contundente, mas o final foi surpresa pura e com humor-negro sutil, se é que ele pode ser sutil.

    ResponderExcluir
  28. Izabel Aarão12:16 AM

    Olá Marcelo,
    Acabei de ler sua coluna no Brazilian Voice, parabéns. Abraços, Izabel.

    ResponderExcluir
  29. Paty Michele12:18 AM

    Isso é sério, a internet é um território sem lei e qq um se apropria do que lhe interessa. Conheço mtos casos de plágios eque quase msempre não dão em nada.

    bjão Marcelo e um ótimo Natal pra ti.

    ResponderExcluir
  30. Eliana Mattos12:42 AM

    Olá Marcelo! somos colegas no ZEN e já fiz vários elogios sobre você para a Silvia, diretora do Jornal. Adoro seus textos e agora vou acompanhá-lo nesse agitobrasil. Uma vez li textos maravilhosos de uma conhecida, mas comecei a desconfiar que eram “maravilhosos” demais. Foi só jogar uma frasezinha no google e percebi que os textos eram compilações inteligentes de vários outros textos espalhados na rede. Mas acho que você, nem ninguém, deve deixar de colocar as ideias no papel. Ou na tela. Até porque, quando a gente conhece bem o escritor, sabe logo de cara que aquele texto não poderia ser dele (caso dos textos que circulam dizendo que é de fulano ou sicrano, ou daquele seu conhecido que não teria a menor capacidade de escrever com tanta profundidade)
    Feliz Natal para você e muito mais sucesso em 2012!

    Eliana Mattos

    ResponderExcluir
  31. Olá Marcelo, saudade daqui. Receba minha solidariedade. Lamentavelmente,esse comportamento virou Manual de (má)Conduta.

    Não há o mínimo de respeito por parte de algumas pessoas. A maré não está pra peixe, nem para o Aurélio, nem para o Houaiss. Plagiam tudo. Até palavras "bem pessoais",que muitos utilizam em suas réplicas aos amigos, estão virando posts...outros. Ridículo, mas é a verdade.
    Sinto muitíssimo por você, um profissional competente, que escreve pra caramba, criativo e ético.
    Duvidoodó que esse plagiador consiga criar uma linha, sequer, de um "lead" de suas matérias, de suas crônicas.

    A palavra de ordem é botar a boca no trombone mesmo.


    Desejo a você, a todos da sua família e aos seus leitores, uma noite de Natal feliz, com paz e harmonia.

    Um beijo pra você, Marcelo.

    * Aos poucos irei lendo sua obras que perdi.:)

    ResponderExcluir
  32. Marcelo, passo para agradecê-lo pela sua importante presença lá no meu espaço e também para desejar-lhe um excelente final de ano.
    Muita Paz, saúde e sucesso no ano que já vem chegando.
    Grande abraço
    Rita Lavoyer

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…