Pular para o conteúdo principal

QUIOSQUE SAGRADO




INSTRUÇÕES GERAIS PARA FRANCHISING NO FORMATO UNIDADE MÓVEL







. Defina um nome para a agremiação religiosa e consulte primeiramente o Google, o site do INPI e www.registro.br para certificar-se de que não existe alguma seita já registrada sob a mesma denominação. Tendo em vista que em média 3 novas associações de cunho religioso são instituídas diariamente, o risco de criar uma igreja homônima é grande.






. O crescimento do negócio está diretamente relacionado às taxas de conversão, ou seja, ao índice de arrebanhamento de novos fiéis para a congregação. Uma base inicial de 2.500 frequentadores é suficiente para que o capital investido em instalações, aquisição de imagens, piscininha de lona para batismo e propaganda com carro de som retorne em 24 meses.






. Tal estimativa de retorno baseia-se numa renda média per convertido de 1,5 salário mínimo, e levando-se em consideração uma décima parte disso como receita líquida da igreja (dízimo).






. Entende-se como quiosque a tenda armada em locais de grande fluxo de pessoas com o perfil socioeconômico visado, compreendendo estrutura em PVC, 3 cadeiras, um frigobar com água mineral benta sem gás, 2 displays acrílicos para folhetos, resma com 500 formulários de conversão, bíblia de isopor para decoração e carimbo “Recebemos”.






. A função do quiosque-franchise consiste na prospecção de convertidos para encaminhamento ao templo mais próximo a cada unidade móvel. Assim sendo, é imprescindível estabelecer um acordo operacional entre o franqueado do quiosque e o pastor responsável pelo templo nas imediações do mesmo.






. Os atores para encenação dos rituais de desencapetamento podem ser recrutados junto a grupos amadores de teatro, nas cidades ou bairros onde os quiosques se instalarem. Para efeito de cachê, sugerimos um percentual sobre os dois primeiros dízimos angariados dos recém-convertidos.






. Mel Curador, Sal da Vitória, Chá Desbrochante, Palitos de Fósforo da Fogueira Divina, Genuflexório de Bolso, Coça-Costas da Prosperidade e Espada da Ira Santa poderão ser exibidos e comercializados em showroom nos quiosques. Todavia, o fiel comprador deverá ser informado pelo franqueado de que tais itens, do catálogo da Sagrada Store, só apresentarão seus miraculosos efeitos após benzimento por missionário, pastor ou bispo e mediante a compensação do cheque utilizado na compra.






. Em toda e qualquer forma de comunicação visual, o franqueado deve comprometer-se a colocar, logo abaixo da logomarca de sua igreja, a informação: “Integrante da Rede Bem-Aventurança de Jericó”.






© Direitos Reservados

Comentários

  1. Marcelo!

    Inimaginável "unless for you".

    Adorei a espada da IRA SANTA. Para que servirá esses dois antagônicos?

    Nenhuma Ira pode ser Santa.

    Adorei!

    Cõmico, mas visionário. Chegaremos aí em pouco tempo, se é que não já chegamos.

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  2. Evelyne Furtado7:51 AM

    As angústias exploradas em nome de Deus é coisa daquele-que-não-se-deve-nomear Haja necessidade e encapetados. Ótimo texto, Marcelo! Beijos e obrigada pela dose de santo humor.

    ResponderExcluir
  3. Clotilde Fascioni7:52 AM

    Eu acho que os investidores desse negócio é que precisavam ser “desencapeteados” (adorei essa palavra). Amei o texto.
    Abraços Marcelo♥

    ResponderExcluir
  4. Mario Bonzanini7:54 AM

    Conheço uma dessas onde o 'idiota-crente' paga o dízimo em débito automático, paga vintézimo em dezembro, pois nessa época Deus duplica milagres e por aí vai. É um verdadeiro escambo. Viva a miséria de informação e a pobreza em nosso sistema de ensino. Enquanto o BR for assim as barraquinha continuarão proliferando. Amém.

    ResponderExcluir
  5. Prezado Marcelo! Penso em montar uma tenda dessas por aqui! Conta bancária será engordada rapidinho! Topas associar-se? Perfil para "encenação dos rituais de desencapetamento" pelo que leio, temos de sobra... lotearemos o céu para esses "mentecaptos" com pagamento via débito automático ou boleto bancário, e sendo fiés aos pagamentos, concorrerão a uma viagem interplanetária! Preparemos o registro da empresa, ok?
    Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  6. José Carlos Carneiro12:13 AM

    Um registro ao seu estilo, incrementado com o que realmente me parece, no fundo, ser o propósito maior das pretensas " novas religiões", que não raro vemos surgir. E, conforme bem lembrou, tendo como público-alvo os menos providos de discernimento. Se o número de religiões de um país servisse de referência para melhor qualidade de vida, já pertenceríamos ao primeiro mundo.

    3) Suas matérias, que antes saíam no centro da página onde são publicadas, ocupam ogora o topo dela. Não me pairam dúvidas de que isso se deve à qualidade do seu trabalho, aliada também à maneira peculiar de abordar os temas escolhidos.

       Um abraço e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  7. Mirze Souza4:27 AM

    Marcelo!

    Esse templo da porquinha de ouro está me provocando. Excelente negócio, atualmente é abrir um templo e vender lugares no céu, de preferência anunciando o final dos tempos. Um cursinho de três meses para “virar” pastor, mas pode-se alugar um.

    A água benta sem gás foi demais.Não prometo colocar a plaquinha “Bem-aventurança de Jericó”, mas alfo em torno disto.

    AI! Já ri muito!

    Fantástico!

    Mas não fique com essa ideia porque tive primeiro. Só não escrevi.

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  8. Eliana4:27 AM

    Ótimo texto Marcelo! Parabéns! Infelizmente vivemos uma época de tanta desesperança, que as pessoas se socorrem de qualquer lugar que fala bonito e lhes prometa dias melhores. Mal sabem elas que a força está dentro delas mesmas e que para fazê-la brotar não é necessário pagar nada.
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  9. Antônio Fonseca4:28 AM

    Certa época, fiz um 5S nas minhas gavetas e armários e doei as roupas, quase novas mas fora de moda por falta de uso, a um vizinho evangélico. Ele ficou radiante de alegria. Depois me procurou para saber quanto valia aquelas roupas. Achei estranho porque não as vendi e perguntei o motivo do questionamento. Ele disse: tudo que eu ganho eu pego 10% e dou para a igreja. Imagina o meu arrependimento!
    Agora, por último, me aparece um tal Malafaia vendendo Spray para afugentar o capeta. R$10,00 a unidade. Acredita que, em duas horas, ele vendeu mais de mil unidades?! Ou o mundo está para acabar, ou estou precisando rever meus conceitos.
    Parabéns Marcelo. O tema é mesmo polêmico.

    ResponderExcluir
  10. Francine4:29 AM

    Hehe! Marcelo, esse negócio me pareceu muito bom. Acho que vou pensar em abrir uma franquia…rs
    Parabéns pela criatividade, sempre!

    abraço

    ResponderExcluir
  11. Zezinha Lins4:30 AM

    Bem, pessoal, agora que os segredos deste grande negócio foi desvendado pelo Marcelo, é só começar, como tem muuuuita gente precisando ser convertido, terá espaço pra todos!!

    Um abraço alegre, meu amigo, pois é assim que fico depois de ler seus textos: sorridente.

    Bjo

    ResponderExcluir
  12. José Hamilton Brito4:30 AM

    Ora direis, a livre manifestação religiosa é garantida pela Constituição e o Brasil é um país laico. Religião é uma questão de forum íntimo. Cacete, mudemos a Constituição. Quem não sabe , inclusive o Ministério Público, que está fedendo este negocio destas ” religiões” eivada de vagabundos e oportunistas. Quem não sabe e não vê onde está a seita , a religião honesta, pois elas existem.. Ninguem fica bilionário da noite parea O dia e é so assistir a uma destas para ver a comercialização vergonhosa com a fé desta gente simples e desinformada.

    ResponderExcluir
  13. Jota Effe Esse4:31 AM

    Há muito tempo já percebi que seitas religiosas são o negócio mais rentável do mundo. Só não abri uma ainda porque não levo jeito para a coisa, não sou do ramo. Sugiro que os iniciantes no negócio façam bom estoque do Chá Desbrochante que o lucro será certo. Meu abraço.

    ResponderExcluir
  14. Jorge Cortás Sader Filho4:31 AM

    Chá Desbrochante?
    Solta um barril aí, pastor!
    Excelente, caro Marcelo! Abraço.
    Jorge

    ResponderExcluir
  15. Hahahahaha!

    Gostei das instruções. Creio que muito bem pensadas as opções de investimento que trarão retorno certo. Meu filho mais velho, estudante de Administração de empresas ( *a Globo, os Jingles, o Casseta e Planeta não sabem o que estão perdendo!!!), tem três alternativas de enriquecer e esta é uma delas. O horário e o respeito à você e aos seus leitores me impedem de dizer as outras duas, mas creio que você imagina.Rsrs,
    Bem, se não fecharem o Google, poderemos consultar, mas creio que franquias serão bem sucedidas e o produto carro-chefe será certamente o chá desbrochante... Afinal, eles também só pensam "naquilo"!
    Ótimo!
    Beijo.

    ResponderExcluir
  16. Seria caso de polícia se eles também não entrassem nos presídios para levarem o pó-bento da conversão.
    Eu já estou convertida.
    Canto assim agora:

    Eu era uma desblogada,
    não vivia plugada.
    Agora estou curada
    encontrei o Marcelo!
    encontrei o Marcelo!
    encontrei o Marcelo!

    No blogue do Marcelo
    não existe sacanagem
    Xô sacanagem!
    Xô sacanagem!
    XÔ sacanagem!

    No blogue do Marcelo
    não há somente consoantes
    há muitas vogais!
    há muitas vogais!
    há muitas vogais!

    Juntando essas letras
    dá um alfabeto reticente
    alfabeto reticente!
    alfabeto reticente!

    Vamos cantar meu povo em nome de Jesus!Para convertermos aqueles que ainda não são os nossos seguidores.



    (CORO)

    No blogue do Marcelo
    não existe sacanagem
    Xô sacanagem!
    Xô sacanagem!
    XÔ sacanagem!

    No blogue do Marcelo
    a sujeira vai dançar
    e os seus leitores
    vão gargalhar
    há há há há
    há há há há!


    --------------------

    Insira no google!


    VIVA O MARCELO, GENTE BOA!

    ResponderExcluir
  17. Marco Antonio Rossi1:38 PM

    MEU CARO AMIGO

    SÓ FALTOU A KOMBI PARA O ITINERANTE FUNCIONAR.

    DESCULPE SÓ RESPONDER HOJE, MAS DEPOIS DE 15 DIAS DE FERIAS, ESTOU A POSTOS.
    ABRAÇO
    ROSSI

    ResponderExcluir
  18. SENSACIONAL. Cômico demais, mas visionário. O comércio da fé aumenta em tal proporção que o franchising tão bem imaginado nas suas linhas não tarda muito pra chegar por aí. Aleluia, irmão$$$$$$$.

    ResponderExcluir
  19. Excelente idéia! E com toda essa estrutura tão bem organizada até fico tentada a mudar de ramo. Acrescentaria , porém, um diferencial ao meu negócio: serviço de delivery, o que acha?
    Como sempre, belo texto, bela viagem,
    beijos

    ResponderExcluir
  20. Desse jeito fica fácil enriquecer, as dicas são infalíveis.

    Excelente, como sempre, Marcelo. Um grande beijo!

    ResponderExcluir
  21. Rosa Pena11:09 PM

    Adorei Marcelo
    Sou muito amiga do Carlos Eduardo Bernardes
    Deixei recado pra vc no blog dele
    beijos querido amigo
    rosa
    www.rosapena.com

    ResponderExcluir
  22. Muita água benta, pra vc! Vc me deixou com vontade zero de me aproximar de qualquer lugar que tenha tenda...risos.. abraço!

    ResponderExcluir
  23. Gina Soares3:37 PM

    Infelizmente é isso mesmo que está acontecendo…
    E ainda tem abestado caindo nessa….
    Modo facinho, facinho de ganhar dinheiro…..
    Perfeito o texto e as palavras empregadas…. rss
    bjs

    ResponderExcluir
  24. Risomar Fasanaro1:06 AM

    Oi, Marcelo
    Como sempre, muito bom! Em Osasco existe uma rua próxima ao mercado municipal onde havia três igrejas evangélicas em apenas um quarteirão. Três!!! Faz algum tempo que não passo por lá, mas devem continuar lá.
    Gostei muito do texto.
    Beijos
    Risomar

    ResponderExcluir
  25. Sarita Barros1:07 AM

    Marcelo, parabéns!!!
    Muito bem abordado, humor incrível. Esse é um negócio 100% lucrativo. Investimento: cara de pau e desfaçatez. E não paga imposto!
    Adorei.

    ResponderExcluir
  26. Mara Narciso1:09 AM

    É preciso ter mais criatividade do que você, Marcelo, para inventar um nome interessante para a igreja. Mas eu duvido que consigam.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…