Pular para o conteúdo principal

BABA-OVO




Não conhecia a expressão até outro dia. Já tinha ouvido muitas de suas variantes elencadas pelo Aurélio: bajulador, adulador, adulão, babão, cafofa, chaleira, incensador, lambedor, lambeta, lambeteiro, louvaminheiro, puxa-saco, sabujo, xereta, banhista, cheira-cheira, chupa-caldo, corta-jaca, engrossador, enxuga-gelo, escova-botas, incensador, xeleléu, lambedor, lambe-botas, lambe-esporas e mais um outro sinônimo realmente impronunciável.



Mas baba-ovo pra mim é novo. Não o sujeito, mas o predicado. Aliás, alguém poderia me dizer por que baba-ovo se chama baba-ovo e por que puxa-saco se chama puxa-saco?


Questões semânticas à parte, é preciso reconhecer que o baba-ovo legítimo, aquele que honra a classe, geralmente não é o que se poderia chamar de um cara ambicioso. Sua pretensão é ter o seu lugarzinho ao sol e tudo bem. Não chega a ser arrivista e também não é necessariamente mau-caráter. É ardiloso de nascença e por força das circunstâncias, mas seria uma injustiça chamá-lo de canalha. Falta a ele coragem para a vilania.


Como tudo que é rasteiro e ordinário, os baba-ovos pululam à nossa volta, é raça que se dissemina em estonteante velocidade. Agora mesmo tem um baba-ovinho nascendo. Tão baba-ovo que, se dependesse dele, ao invés de chorar na hora do parto daria um tapinha nas costas do médico. Sabe como é, nunca se sabe quando é que se vai precisar das pessoas...


Uma vez baba-ovo, sempre baba-ovo. Começa com a maçã lustrosa na mesa do professor e termina com o discurso, aos prantos, na cerimônia comemorativa aos 75 anos do Diretor-Presidente. E nessas e outras pequenas coisinhas, lá vai ele se segurando no staff e amealhando pontinhos.


O baba-ovo não é o político. É o assessor dele. Seu negócio é mais superficialzinho, não engendra grandes estratagemas e não age em quadrilha. É improvável que um puxa-saco entre em conluio com quem quer que seja pra obter alguma coisa. O baba-ovo de verdade é egoísta, quer fazer ele mesmo e não gosta de dividir o mérito, se é que se pode chamar de mérito o produto de sua desfaçatez.


Ser o escudeiro é tudo o que basta ao abnegado puxa-saco. Ele se compraz tendo o imediato superior a reverenciar. A seara dele é o bastidor, a adulação estudada e cheia de intenções adjacentes. O barato do baba-ovo é a própria vassalagem, curvar a espinha é o seu orgasmo. Fica sabonetando e estendendo o tapete por instinto e vocação mesmo. Definitivamente, ele gosta da coisa.


O mais engraçado no baba-ovo é a sua inaptidão em disfarçar a babaovice. Se acha um expert em dissimulação, tem certeza de que ninguém está percebendo seus expedientes. Não imagina o quanto sua pretensa sutileza é ostensiva, o quanto é alvo de chacota nas rodinhas de conversa e nas mesas de bar. Enfim, o torpezinho mal sabe a que ponto sua fama é estabelecida na praça. E vai ficando sem saber, já que falta peito aos colegas para alertar o indivíduo. Já pensou chegar pro enxuga-gelo e dizer – “Ô meu, manera na puxa-saquice que tá dando na vista”? Não dá. É algo parecido com aquela história de avisar o sujeito que ele tem mau hálito. Todo mundo sabe que é uma boa ação, até um gesto de caridade, mas ninguém se aventura a ser tão sincero.


Nas reuniões, sua perfeita concordância com as opiniões do chefe é tão automática e previsível que não choca mais ninguém. Mas aí acontece um imprevisto: o baba-ovo é surpreendido por uma inesperada promoção e passa a ser sub-chefe de qualquer coisa. Consequentemente ele terá, se não um arsenal, pelo menos um neo baba-ovo mais do que disposto a lamber-lhe as polainas. A pergunta é: será que ele, alçado agora ao posto de “adulável”, vai perceber?






© Direitos Reservados

Comentários

  1. Parece que ser puxa-saco ou baba-ovo é um predicado de nascença. Mesmo subindo de cargo quem estiver "acima" dele será insensado e babaovado pelo simples fato de aquele comportamento ser natural nele. Adorei Marcelo. Abrçs♥

    ResponderExcluir
  2. "Afemaria, viu Marcelo"... Nessa cartela de babaovices... já babei e fui babada... éca... Saudade nenhuma!! Tive uma "chefa" que se você não elogiasse o traje, o perfume, a maquiagem... estaria frito... Ufa!!! Ai, então ela se aposentou!! Fui indicada a substituí-la! De cara fui comunicando: nada de elogios furados, ok? Mas, sempre tinha surpresa!! Um horror! De repente quando adotei o esquema "transparência acima de tudo" sem salamaleques... kkkk... fui destituída! A verdade! Ela sempre machuca e estraga os "babaovos"... que pelo que soube, estariam todos viajando na própria baba!! E, eu? Numa boa, sem a famigerada contaminação!
    Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  3. Muito bem elaborado este texto!

    Não sabia de tantos sinônimos para uma indesejável posição.

    Parabéns, Marcelo!

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  4. Marcelo9:40 AM

    O pucha-saco primordial está na site do Museu do Café de Santos. Vale a pena ver a foto de um sujeito com várias sacas de café na cabeça. Já o baba-ovo prá mim é uma incógnita.

    ResponderExcluir
  5. Felippe Alves9:41 AM

    O mundo está cheio deles, caro Marcelo. Ri na parte “ao invés de chorar na hora do parto daria um tapinha nas costas do médico”. Genial.

    ResponderExcluir
  6. Ana Christina Victorelli9:42 AM

    Amei, como sempre !!!!!!

    ResponderExcluir
  7. Arlete Gudolle Lopes9:43 AM

    Li e adorei esse teu texto, Marcelo.

    ResponderExcluir
  8. Paulo Rafael9:43 AM

    No Facebook, por sinal, tem gente que chega a babar omelete :)

    ResponderExcluir
  9. Belvedere Bruno9:45 AM

    "O mais engraçado no baba-ovo é a sua inaptidão em disfarçar a babaovice. Se acha um expert em dissimulação, tem certeza de que ninguém está percebendo seus expedientes. Não imagina o quanto sua pretensa sutileza é ostensiva, o quanto é alvo de chacota nas rodinhas de conversa e nas mesas de bar. Enfim, o torpezinho mal sabe a que ponto sua fama é estabelecida na praça. E vai ficando sem saber, já que falta peito aos colegas para alertar o indivíduo. Já pensou chegar pro enxuga-gelo e dizer – “Ô meu, manera na puxa-saquice que tá dando na vista”? Não dá. É algo parecido com aquela história de avisar o sujeito que ele tem mau hálito. Todo mundo sabe que é uma boa ação, até um gesto de caridade, mas ninguém se aventura a ser tão sincero.





    PERFEITO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  10. Giovana Ferreira9:46 AM

    Morri de rir:
    "Agora mesmo tem um baba-ovinho nascendo. Tão baba-ovo que, se dependesse dele, ao invés de chorar na hora do parto daria um tapinha nas costas do médico. Sabe como é, nunca se sabe quando é que se vai precisar das pessoas…"

    ResponderExcluir
  11. KKKKKKKKKKKKk
    Vou dizer uma coisa, chegar aos sábados, depois de uma aula daquelas.... me deparar com um texto desse e depois ler um comentário como o do Paulo Rafael, é para jogar fora todas as raivas que eu não consegui escrever na prova de hoje.
    O baba-ovo é o marqueteiro inafiançável do seu protegido. É o escudo que torce para que uma bala o atinja só para se tornar mártir do fiofó de onde ele se projeta.
    A criatura papa-ovo promovida não pode ser tocada, se quebra a casquinha dele, descobre dentro um pinto morto.

    ResponderExcluir
  12. Marcelo, um colega foi consolar nosso chefe, que tinha cometido um pequeno desvio de procedimento em relação aos manuais normativos da empresa. "a sua conduta estava no manual, sim. não nesse papel frio, mas no soberano manual do bom senso". Babo-ovos pelo seu texto, sempre, meu caro.

    ResponderExcluir
  13. Claudete Amaral Bueno10:53 PM

    Marcelo:
    Bem bolado!...como sempre!
    Outra coisa difícil de falar é alertar o cara que lhe nasceram chifres.......n/ é???????
    Aqui, havia um colega do m/ marido, cuja mulher era uma "piriguete" de primeira!
    E o rapaz era tão bom....que os colegas queriam alertá-lo, mas ninguém tinha coragem.
    Então, uma turminha se reuniu e foi falar c/ ele....Ele ouviu calado e depois de um
    pequeno silêncio, ele disse: É fofoca!!! A fulana dá.....mas não dáááá...como a turma fala....
    Valeu a intenção, né?????? kkkkkkk
    Bom domingo!
    Claudete

    ResponderExcluir
  14. José Carlos Carneiro10:54 PM

    Infelizmente é uma espécie que não está em vias de extinção. E ela polui muito mais no mundo da política e onde prevalecem não os méritos, mas o tamanho do "cartucho". Gentalha para quem a expressão "sabe com quem está falando?" é usual.
    Amanhã informo o que saiu na Gazeta.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  15. Eliana10:57 PM

    Sempre digo que só existe o agressor porque o agredido permite. No caso do puxa-saco ou baba-ovo, não importa o adjetivo, ele só existe porque tem muita gente que a d o r a esses tipinhos. Tem gente que precisa ser bajulado o tempo todo. Ele precisa que alguém o valorize. É aí que entram os puxas-sacos de plantão. A “doença” do que gosta de ser bajulado é fácil decifrar: insegurança. Já do puxa-saco… lanço a pesquisa Marcelo: qual é o problema do puxa-saco? Parabéns pela crônica!

    ResponderExcluir
  16. Zezinha Lins10:57 PM

    Aqui na minha cidade a expressão baba-ovo é muito usada e posso garantir que a descrição é perfeita, não dá pra perceber que essa expressão é nova pra você. A do puxa-saco também. Adorei o chaleira porque hoje não se usa mais aqui, mas é do tempo da minha infância, já usei muito pra xingar as primas que iam contar minha travessuras para minha mãe.
    Mais uma vez, adorei, Marcelo. Parabéns!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  17. José Hamilton Brito10:58 PM

    Se vai perceber? claro que vai. Logo ele identifica um para bajulá-lo. Formam uma família muito unida. KKKKK quando eu era gerente de um laboratório farmacêuitico eu lançava uma premissa absurda e perguntava: Certo ou errado. O puxa-saco respondioa logo: certo. Todos os inteligentes riam. Só que o desgraçado vendia mais que todos.Por que puxava o saco, nunca eu soube.

    ResponderExcluir
  18. Jorge Cortás Sader Filho10:59 PM

    Conheço e conheci muitos. Tipinhos falsos e nojentos.
    A meta é agradar os grandes. Porteiros não têm puxa-saco…

    ResponderExcluir
  19. Wilson Geribola12:13 AM

    Muito bom Marcelão. Um verdadeiro "Tratado do Puxa-Saco". Pior que convivo quase todo dia com uma pessoa assim, mas baba tanto que dá até nojo!!!

    ResponderExcluir
  20. É fácil identificar um puxa-saco e baba-ovo...
    Puxa-saco é aquele que ambiciona albuma coisa, o baba-ovo, me parece mais alguém que sente inveja do babado, e quer ou precisa estar por perto, para ver se o brilho do outro respinga em si..
    Mas eles acabam se confundindo, não é?
    Adorei!!!
    Bom domingo!!
    bj

    ResponderExcluir
  21. Ah Marcelo, eu detesto estes baba-ovos. Mas tenho que reconhecer que ainda existem pessoas que 'góstiam'... Assim como eles tem o orgasmo pela curvatura da espinha (adorei esta), estes outros chegam ao nirvana ao se alimentar deste confete todo! Adorei, como sempre! Um beijo!

    *JFS , nosso amigo em comum, citou você lá no blog dele...

    ResponderExcluir
  22. Não sei se vai considerar uma babaovice, mas adoro seu talento pra inventar problema! Mais esse, agora... pensei em todos os baba-ovos que circulam por aí, sem penalidades, e decidi que um dia abro o jogo e digo: você tem com mau hálito!

    Bj, querido!

    ResponderExcluir
  23. O baba-ovo é um desses personagens bem mais comuns do que se imagina, uma espécie de símbolo da falta de dignidade. E como se multiplicam.
    O baba-ovo pai ensina aos descendentes, acha que assim eles conseguirão mais da vida.
    Abraço saudoso, Marcelo.

    ResponderExcluir
  24. Será que ele vai gostar da inversão de papéis? Duvido, nasceu pra ser capacho!

    Um beijo, Marcelo.

    ResponderExcluir
  25. Marleuza Machado2:37 PM

    E quem não conhece um???

    ResponderExcluir
  26. Mara Narciso2:40 PM

    Ser fã dos seus escritos é ser baba-ovo? Acrescento ao arsenal o termo amarra-cachorro, que não deixa de ser um bajulador de marca maior. Acredito que tenha se inspirado em vários conhecidos, mas o Crô, de Fina Estampa é o protótipo terminado do baba-ovo. Não me utilizo deste termo, e apenas falo em puxa-saco. Então fica feio para eu dizer que sou fã dos seus pensamentos, dos seus escritos e das suas graças? Olha, eu sou. Fazer o quê? Mentir?

    ResponderExcluir
  27. Lucélia Lot2:41 PM

    Muito legal

    ResponderExcluir
  28. Evelyne Furtado3:01 PM

    Será que perceberá? Não sei. Conheço muitos e o que mais me irrita não é a adulação ao superior, mas o tratamento inverso aos subordinados. Uma delícia de texto, apesar do tema. Beijos e boa semana, Marcelo!

    ResponderExcluir
  29. Carlos Edu Bernardes3:06 PM

    muito bom, Marcelo!
    e como tem baba-ovos por aí!


    FABraços!

    ResponderExcluir
  30. Antônio Fonseca3:07 PM

    Ah! Essa foi para o PUPU. Apelido carinhoso para o Sepúlveda. Todos os dias, quando o chefe se despedia dos funcionários, ele dizia em alto e bom tom: “Vá com Deus, Chefe. E se o Sr. espirrar no meio do caminho Deus te ajude.”
    Você não sabe o porquê do nome baba-ovo? Eu também, não. Mas, um dia, o chefe levou um chute “naquele lugar” e o PUPU chegou com os dentes quebrados. Pode ser coincidência, não?

    ResponderExcluir
  31. Além disso, o baba-ovo fica com aquele cheiro do que baba e que não desaparece fácil fácil não! Nossa, imagine vários baba-ovos juntos, então? Tão reais e tão fáceis de achar e de sentir com a pontinha do nariz!! Maravilha, Marcelo!

    ResponderExcluir
  32. Jota Effe Esse3:31 PM

    O primeiro desses tipos que conheci foi o chaleira, depois o corta-jaca, o puxa-saco, e fui conhecendo todos os que foram citados. Sei bem o que é um chaleira, mas não sei por que se dá o nome de chaleira a esse tipo. Eu sou mesmo burro, ou não existe uma explicação? Meu abraço.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…