Pular para o conteúdo principal

DE CASA PRO TRABALHO, DO TRABALHO PRA CASA



ILUSTRAÇÃO: THIAGO CAYRES


- Nunca me esqueço. Eu devia ter uns quatro anos quando aquela brotoeja pipocou no seu avô. Apareceu assim, do nada, numas férias de verão lá em São Vicente. Ele não deu bola e a coisa foi piorando, piorando, virou outro negócio que quase fez o velho encontrar Nossa Senhora mais cedo.



- Sim, papai. O senhor sempre conta essa história.


- E vou continuar contando até vocês aprenderem que são demais os perigos desta vida, e que pra morrer basta estar vivo. Não precisa ir longe pra perceber que a gente está cercado de ameaças. Ontem, por exemplo, ao acender a luz do quarto percebi uma mancha amarela em uma das pás do ventilador de teto, próxima ao terceiro parafuso que prende o globinho com a lâmpada. Tratando-se ou não de um foco fúngico, de resquícios de pólen ou seja lá o que for, convém substituí-lo por outro, pra afastar de vez o risco de alergia. Concorda comigo, amor?


- Sim, querido. Vai que acontece alguma coisa.


- Aproveitando a deixa, venho notando ultimamente que o peso da porta da área de serviço está mantendo-a aberta em ângulo maior que 25 graus, o que é um perigo para criar corrente de vento dentro de casa. Vento encanado pode causar resfriado, que é um passo pra gripe, que mal curada vira pneumonia, que de pneumonia evolui fácil para...


- Deixa comigo, amor. Por via das duvidas, providenciarei pra que fique sempre fechada.


- Melhor assim, melhor assim.


- Não vai tomar seu mingau com semente de linhaça? Acabei de fazer.


- Estou atrasado, não vai dar tempo. Dá pra Maria Luiza comer. Estou sentindo ela meio pra baixo. Algo me diz que é deficiência vitamínica, mas não afastaria a possibilidade de uma virose com comprometimento temporário da função hepática. Dai para um aumento incontrolável de glóbulos brancos não custa nada. Foi o que deu na Tia Josélia, lembra? Coitadinha, tá até hoje sem previsão de alta. Bom, o dever me chama. A essa hora já deve ter um montão de gente me esperando.


Reparte o meu cabelo, querida. Deixa eu dar uma umedecida que fica mais fácil. Isso, a risca tem que ficar alinhada com o nariz. Isso, assim tá bom. Ah, por falar em umedecer, lembro a todos que ninguém merece um foco de dengue dentro de casa. Portanto, tampas de privada, já sabem: sempre fechando o vaso sanitário.


- Mas pai, criadouro de Aedes só se forma em água parada.


- Sei, e a água que fica lá no vaso o que é? Falam na televisão pra tomar cuidado com água no vaso. Pra gente se garantir, tinha que deixar alguém apertando o botão de descarga o tempo todo. O mesmo vale pra esses restinhos de água nos copos em cima da pia. Um perigo, um perigo!!


- Mas espera aí, assim também já é demais... usamos estes copos agorinha mesmo!!!


- Meu amor, o mosquito da dengue não quer saber se a água está parada há dois minutos ou há quinze dias. O negócio dele é água parada e pronto, azar o nosso. Bom, depois a gente continua a conversa. O patrão me chama e a plateia me espera. Tchau!






Respeitável público, com vocês o único, o fenomenal, o inimitável, o primeiro trapezista das Américas a executar o quádruplo mortal sem rede de proteção! Rufem os tambores... diretamente de Anunciación de las Astúrias, o grande, o fantástico, o destemido... Lorenzo de las Cruces, mais conhecido como “A Hélice Humana”!










© Direitos Reservados



Comentários

  1. ... então Marcelo! Preocupamo-nos com tantas coisas que poderão acontecer e, com o momento vivido... nem tchum... Quanta mania, hein? Mas, vai que... melhor mesmo prevenir... Concluo que "esse amor" tem um senhor saco de filó pra aguentar tamanha paranóia! Abraço da Célia.

    ResponderExcluir
  2. "Cruces" Marcelo; imagine viver sob o mesmo teto que este senhor?! Apesar de eu também sempre ficar pensando com respeito à dengue no fato da água estar parada à 30 segundos ou 30 minutos, ou 30 horas... hahaha...Respeitável pu....
    Abrçs♥

    ResponderExcluir
  3. José Hamilton5:27 AM

    Nossa, a coisa tá ” braba”. As tias e as comadres então…Nossa Senhora! não pode isto, nem aquilo e por aí a fora. Ainda ontem uma enfermeira padrão queria porque queria que eu consumisse ômega três. Mas como eu vou saber se eu preciso de ômega três, cacete. Vou fazer as coisas agora por modismo? Como as coisas porque preciso alimentar-me e o faço naturalmente.lLá to interessado se tem ômegas três ou não? Bom carnaval

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Muito bom, muito inspirado. Dá a impressão de que já conhecemos este senhor em alguma época de nossas vidas . O "Anunciación de Las Astúrias" foi excelente! Realidade e ficção em perfeita sintonia. Sem nota. Abração!

    ResponderExcluir
  6. Claudete Amaral Bueno12:51 PM

    Vc viu como ficando em casa se percebe as coisas???????? rss
    Um abraço!
    Claudete

    ResponderExcluir
  7. Sandra Nogueira12:52 PM

    Marcelo, bom dia, mais um sábado salvo pelo seu humor sutil. Gostei demais.
    abração
    Sandra

    ResponderExcluir
  8. Ai, que disgrama danada! Hoje o dia está empipocado. A princípio achei que fosse a minha sogra aí no texto, depois o filho dela, depois... depois até eu, pô! Cruzes dessas neuras. E por falar nisso!
    Vai pular o carnaval, não se esqueça de tomar bastante líquido, para não se desidratar, sabe que desidratação pende pra muitos lados e sabe, né! Nessa época movimentada os hospitais ficam lotados de bêbados, e peraí! Não beba se for dirigir, sabe como é, né!...
    Bom carnaval a todos que passrem por aqui e ao escritor idem.

    ResponderExcluir
  9. José Carlos Carneiro10:52 PM

    Isso é que é neurose das boas. Gente assim deveria viver em uma redoma totalmente asséptica. E é incrível, mas existem tais obssecados por limpeza e higiene. E a conclusão contradiz tudo que prega. Faz lembrar que os opostos quase sempre se atraem.

    ResponderExcluir
  10. Jorge Cortás Sader Filho11:33 AM

    Chatura mandou lembrança para este casal, que não brinca Carnaval!
    Abração, Marcelo.

    ResponderExcluir
  11. Lidia Maria de Melo11:33 AM

    Em público, um ás desafiador do perigo, levando a vida num trapézio. Na intimidade, os medos, os demônios afloram.
    Grande abraço e bom Carnaval.

    ResponderExcluir
  12. Mirze Souza11:33 AM

    Marcelo!

    Uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa. Não dá para se ligar nas últimas da TV e dos médicos. Acho que eles querem todos neuróticos ao final das contas. Mas o texto é muito bom, pois alerta os dois lados da “coisa”, que só acontece quando tem que acontecer. Os riscos do Lorenzo das Cruces, vai de encontro ao MAKTUB!

    Rxcelente!

    Bom Carnaval. Tome muita cerveja, caso goste, e faça o que sentir vontade. Aproveitar a vida é a máxima!

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  13. Risomar Fasanaro11:34 AM

    Nossa, Marcelo, você nos surpreende a cada nova crônica. Esta está demais! Que contradição!!! Com todos esses cuidados e é o que realiza o quádruplo salto mortal!!!??? Amei!
    Que escritor brilhante! Benza-o Deus!
    Abraços

    ResponderExcluir
  14. Gina Soares11:34 AM

    Hahaha…
    Cada um acha que é dono da verdade, e tem que ser do jeito que pensa..
    Ir de casa para o trabalho e do trabalho para casa, dá nisso… mentes fechadas.
    Excelente!!
    Bom domingo!!!
    bj

    ResponderExcluir
  15. Juliana Gobbe11:36 AM

    FANTÁSTICO! Publiquei no meu blog!!!!

    ResponderExcluir
  16. Marcelo, mestre dos passeios nos ditos e contraditos, de que planeta viestes? momescas saudações.

    ResponderExcluir
  17. Um sujeito desses NUNCA poderia vir em Salvador no carnaval. A lama e o calor misturados é morte certeira... risos... beijo, querido!

    ResponderExcluir
  18. Isso que dá homem dentro de casa. Vai trabalhar, meu amigo, procura alguma coisa pra fazer e não enche o saco!

    rsrs

    beijão, Marcelo, e um ótimo carnaval pra ti.

    ResponderExcluir
  19. Zezinha Lins10:59 PM

    Contradição humana, a comédia.
    Faça o que eu digo mas não faça o que eu faço.
    O medo desaparece pela força do prazer ou pela necessidade de sobrevivência e reaparece como um fantasma assustador no cotidiano familiar. Só posso mais uma vez dizer: parabéns, Marcelo!
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  20. A rotina compreende ações previstas, ou não esperadas, as vezes é uma caixa de surpresas, mas o importante é ter bom senso como nesse texto. Abraços

    ResponderExcluir
  21. Sabe, a vida tem desses tipos mesmo. E acho mesmo que obsessão não tem nada a ver com a profissão do cara.
    Sempre um bom texto, Marcelo.

    Abraço

    ResponderExcluir
  22. Carlos Edu Bernardes10:05 PM

    CASA de ferreiro, TRABALHO de pau!

    boa!

    ResponderExcluir
  23. "Faça o que eu digo, não faça o que eu faço!". Taí, a estampa paradoxal do que somos todos nós, mais ou menos.
    Abraços

    ResponderExcluir
  24. Jose Adriano Neves11:26 AM

    rsrsrsrs......nunca eu iria imaginar que um cara metódico desses tivesse essa profissão!
    muito bom ......abs

    Adriano

    ResponderExcluir
  25. Jose Adriano Neves11:35 AM

    rsrsrsrs......nunca eu iria imaginar que um cara metódico desses tivesse essa profissão!
    muito bom ......abs

    Adriano

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…