Pular para o conteúdo principal

DUÑA E AS SACOLINHAS




Duña, o venerável e nunca suficientemente louvado profeta dos nossos tempos, mais uma vez interrompeu seus ofícios missionários para recomendações de ordem prática a seus fiéis, desta feita no que se refere ao imbróglio das sacolas de supermercado.



Sorridente e aparentando 23 anos a menos que os seus assumidos 118, o sapientíssimo oráculo derramou bênçãos por onde passava, entupindo de fluidos benfazejos desde a praça municipal até as proximidades da Sorveteria do Neco. Lá estacou, bateu três vezes com o cajado no chão e pediu à multidão que silenciasse e se mantivesse de joelhos enquanto falava.


O pronunciamento segue transcrito na íntegra, conforme colhido pelo Capitão Dorgival Orozimbo de Castro, militar da reserva e taquígrafo nas horas vagas:


“Inicio minha homilia conclamando a humanidade sofredora a reconhecer que mais vale a mercadoria que se coloca dentro do que o saco que a acolhe, seja ele de que material for.


Limita-se a discussão às sacolas que deixarão de ser produzidas doravante, mas ninguém menciona o extraordinário potencial de dinheiro que as sacolinhas já utilizadas renderiam aos meus fiéis de espírito empreendedor.


Aparentemente, nenhum pobre mortal pensou que elas podem ser recolhidas do lixão, esterilizadas e revendidas ao consumidor final a nove centavos e meio a unidade, valor 50% menor que o cobrado pelos supermercados (dezenove centavos).


Lembro aos meus piedosos discípulos que esta não deixa de ser uma forma – ainda que arcaica – de reciclagem. E mais: tendo-se em conta que as sacolinhas levam no mínimo 100 anos para se decompor, o processo de coleta pode se repetir milhares de vezes – isso se as sacolas resistirem sem furos entre uma ida e outra para o lixão, o que me parece improvável.


Deixo ainda uma instrução para aqueles que desejam continuar servindo-se de sacolas plásticas em qualquer estabelecimento sem ter que pagar um tostão por isso. Ao fazer suas compras, passe pelo setor de hortifruti e compre pelo menos um cacho de bananas, talvez meia dúzia de laranjas, quem sabe uma baciada da xepa ou algo ainda mais baratinho. Antes de colocar as frutas e/ou legumes dentro do saco transparente, de qualidade infinitamente superior às citadas sacolinhas e disponibilizado à vontade em rolos de diversos tamanhos pelo setor, coloque uns 30, 40 ou mais sacos no fundo daquele em que for acondicionar os vegetais. Pronto. Na hora de pagar, passe primeiro pelo caixa o saquinho premiado e depois embale tranquilamente sua bem fornida compra de mês nos saquinhos extras legalmente surrupiados.


Concluindo, alerto aos meus seguidores: cuidado ao circular com sacolinhas de supermercado por vias públicas neste momento, onde elas são assunto de acaloradas discussões nas assembleias legislativas e no Congresso. Ontem mesmo, após o culto das 17h22, alguns dos membros da nossa congregação reuniram-se nas escadarias do templo para, inocentemente, aspirarem sua colinha de sapateiro e relaxarem um pouco da faina diária. Pilhados em flagrante pela polícia, que de longe avistou no saquinho de aspiração a marca PAG-PAG, a turminha duñesca foi indiciada em inquérito, sendo a sacolinha imediatamente apreendida, fotografada e encaminhada a laudo pericial. Já a cola de sapateiro, após raspada da sacola pelo Cabo Janjão, foi devolvida num pote de danone ao grupo. Vejam vocês, misericordiosos irmãos!”.


Ditas as palavras finais, o secular iluminado foi aplaudido pela multidão, que o levou nos ombros até a cabana onde vive e pratica a meditação, a penitência e a autoflagelação desde 1942.






© Direitos Reservados

Comentários

  1. "Fiéis; agora iremos passar a sacolinha, quem der mais deus pagará em dobro". Palavras do profeta Duña.
    Adorei! Abrçs Marcelo e tudo de bom♥

    ResponderExcluir
  2. Marcelo, me sinto mal tendo que [não]reconhecer o valor de uma sacola plástica... risos... beijo, querido!

    ResponderExcluir
  3. Santa homilia, sacos e sacolinhas à parte, como tudo evolui no mundo... até que involuir no quesito "embrulhação"... até que nos faz refletir! Às favas as sacolas que já nos deixaram de sacos cheios de tamanha pendenga! Retornemos às cestas para as compras, e litros para as garrafas de leite na porta todas as manhãs, entregues por charretes e seus burricos... Enquanto esperamos isso tudo... faremos meditações "cheirando ou não danones de outros aromas e sabores"! Haja paciência, hein!
    Abraço, Marcelo e parabéns espirituosos... Célia.

    ResponderExcluir
  4. Leda Valéria Basile9:46 AM

    Você está cada vez melhor, Marcelo!!

    ResponderExcluir
  5. Rudah Pirajá9:47 AM

    primo, sempre muito bom

    ResponderExcluir
  6. Sarita Barros1:51 PM

    Marcelo,
    Realmente muito sábio (e safadinho) o venerável Duña!
    Abraços

    ResponderExcluir
  7. José Carlos Carneiro1:53 PM

    Muito atual mesmo. Mas esmiuçado e lapidado com tal maestria, só mesmo sendo obra sua. E que vocabulário mais pertinente e arrojado!

    ResponderExcluir
  8. José Hamilton Brito2:08 PM

    Bem , o caso das sacolinhas aqui em Araçatuba durou exatamente uma semana. Depois que eu comprei umas três, pois nunca lembrava de levar a danada comigo, eles sucumbiram à queda das vendas.
    Poluidoras…nao poluem tanto como a classe política. O gosado é que estavam preocupados com a natureza…qual delas nao sei. A natureza dos seus negócios falou mais alto e as sacolas: welcome. Poluindo ou não

    ResponderExcluir
  9. Olha, senti-me envergonhada com o palpite mal dado do Duña em surripiar os saquinhos das frutas e verduras. Pô meu, o cara é profeta dos bons. Como ele me viu fazendo isso?

    Oh, Zémirtu! se esqueceu de mencionar aí no seu comentário, que a freguesa do supermercado Rondon, aqui de Araçatuba, deixou as compras dela todinha no caixa e rumou pra delegacia. Saiu até na TV TEM.

    Por causa disso os supermercados daqui estão quase pagando pra dar algumas sacolinhas pra gente, mas como já me acostumei com as que eu comprei. Levo também.

    Bom sábio o Duña, o que importa é o que se põe dentro.

    Se levarmos em conta a jogada política econômica desse projeto os supermercados vão à forra.

    Se sou obrigada a comprar menos, porque não aguento levar nos braços, tenho que voltar no outro dia para comprar o restante, daí compro o que eu não preciso, mas como vai ficar faltando alguma coisa, volto no outro dia também, e compro outras coisas que tb. não precisava, mas como vai ficar faltanto uma coisinha, por falta da sacolinha,
    e assim o supermercado, por falta de sacolinhas, vai ver o cliente todos os dias.

    Economista bom esse, não acha Duña??

    ResponderExcluir
  10. Claudete Amaral Bueno10:50 PM

    1.942........o ano em que eu nasci!
    Rsssssssss
    Bem atual!!!!!!
    Um abraço,
    Claudete

    ResponderExcluir
  11. Michele da Costa10:51 PM

    kkkkkk, muito bom!

    ResponderExcluir
  12. Mirze Souza10:55 PM

    Marcelo!

    Uma bela surpresa a cada semana. DUña, o venerável e nunca suficientemente louvável, cumpriu seu dever que suas meditações o levam.
    Ainda bem que não sou sua seguidora, pois com certeza o vaiaria. Não é assim, apenas com sacolinhas plásticas que podem ser recicladas, fazendo outras sacolas mais fortes, depois de trançadas, que se proteje a natureza. O homem, que defende isso, quer votos, e o pior, acha-se um ambientalista.
    Comprei a tal sacola que também é de plástico e muito mais grosso, e as vendedoras colocaram as mercadorias bem arrumadas, cada uma em suas sacolinhas.

    Quando o povo vai aprender que a base da civilização está na EDUCAÇAO, e não nesses modismos?

    Enfim, pelo menos o texto está excelente, como sempre.

    Parabéns!

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  13. Jorge Cortás Sader Filho10:56 PM

    Marcelo, cada dia fico mais surpreso com o poder que você tem de narrar uma doideira como se fosse a mais pura das verdades.
    Abraço,
    Jorge

    ResponderExcluir
  14. Zezinha Lins10:57 PM

    E não é que o Cabo Janjão descobriu uma maneira bastante criativa de reciclar os potinhos de danone!
    Depois de ler este texto percebi que o grande problema social não são as drogas ou seja lá o que for, mas sim as sacolinhas plásticas onde elas são guardadas ou usadas para outros fins duvidosos.
    Muito bom, Marcelo, como sempre!
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  15. Ah Marcelo, mas Duña está mesmo atenado heim? Só se esqueceu que não seriam sacolas recicladas e sim reutilizadas. Mas como garantir que resistiriam a todos os processos de esterilização? Há a alternativa do gás, posso pensar em alguns, mas um ajuda no aquecimento global, já b(a)stam as vacas no pasto que colaboram profundamente com isso, outro pode detonar a camada de ozônio. O que mais preocupa é como cheirar a cola inocentemente se acabarem as sacolinhas?? E olha como este profeta da atualidade tem fama, numa escola em que trabalho existe uma portinha que leva ao que chamam de "A casa do Duña"! Serve para amedrontar crianças menores que chegam para estudar no período dos mais velhos e estes tem que passar por um batismo...
    Aproveito para verificar minhas sacolinhas e vejo que tenho algumas pag-pag, hahahaha.
    adorei!
    Beijo.

    ResponderExcluir
  16. Marcelo, emblemático este seu personagem!!!
    Sensacional!!!
    Mais capítulos, por favor!!!

    ResponderExcluir
  17. Antônio Carlos Dayrell11:05 AM

    Marcelo. Obrigado e abraços. Dayrell.

    ResponderExcluir
  18. Lucas Bittar Magnani11:27 AM

    Excelente texto, Marcelo! Muito bom!

    ResponderExcluir
  19. Valéria Gomes11:32 AM

    Essas sacolinhas, ainda darão muito o que falar! Muito boa, essa dose de humor em cada história!!! Já que o carnaval terminou, feliz 2012 à ti!!! rsrsrsrs…

    ResponderExcluir
  20. Marcelo, na premência da caça às sacolas plásticas, dou de ombros e faço uso de outra, de pano litúrgico, para recolher nela milhares de vivas às suas espirituosas linhas. E que o Duña continue norteando nossa caminhada! abs

    ResponderExcluir
  21. José Adriano Neves4:48 AM

    rsrsrrsr....muito bom realmente esse tema que vc. escolheu tá pegando mesmo né? Essa coisa de levar a sacola para fazer compra é do tempo do empório quando as pessoas compravam 250 gr de café, 3 batatas, 100gr de feijão, 1 lata de massa de tomate Elefante......imagine vc. quantas sacolas nós precisamos para fazer uma compra do mês? Se o camarada pegar um saco de arroz de 5k, um de feijão e três litros de óleo, lá se foi uma sacola. Agora se o cara for pegar duas caixas de cervejas, já era mais uma e por aí vai.......já pensou??? Ah, e sem contar que grande negócio para os supermercados que deixam de gastar comprando sacolas e passam a vendê-las.........bom né???? E o melhor de tudo, se pelo menos a diferença do custo das sacolinhas fossem revertidas em descontos ao consumidor e ainda, empregassem empacotadores para aliviar o enorme trabalho que dá fazer compras não é??? Tô parando por aqui que essa coisa de sacolinha já encheu o saco?? rsrsr


    abs

    ResponderExcluir
  22. Eliana4:49 AM

    Oi Marcelo! Como sempre, muito bom o seu texto. Posso me considerar uma defensora da natureza, não de hoje, que virou moda, mas de muitos anos atrás. Sei de todo o problema com o plástico. Porém nada me irrita mais hoje em dia, do que essa história das benditas sacolinhas de supermercado. E me irrita tanto e acho tudo tão absurdo e extremado, que vou ao supermercado sem sacola alguma e coloco minhas compras exatamente naqueles lindos saquinhos branquissimos e transparentes do setor hortifruti. Isso porque a pergunta que não quer calar é: aqueles saquinhos podem? Até hoje ninguém me barrou quando coloco as compras ali. Mas o dia que acontecer chamo o profeta Duñas! Parabéns novamente!

    ResponderExcluir
  23. Antônio Fonseca4:50 AM

    Esqueci da tal lei das sacolinhas e paguei o maior mico. Entrei em um supermercado em BH, onde fui para resolver uns probleminhas, e comprei uma bisnaga de salame de quase meio metro de comprimento. Paguei e perguntei pela sacolinha. Não podemos mais fornecer as sacolinhas, disse-me a moça do caixa. E agora? Meu carro estava estacionado longe dali. O jeito era levar aquilo nas mãos. Todos me olhavam com um sorriso maroto freiado nos lábios. E não é que no meio do caminho, de volta ao carro, um conhecido me para e pede para eu anotar uns dados? Sabem como segurei a bisnaga? No meio das pernas, pois o cara estava com as duas mãos ocupadas. Pois é seu Dunas (com o til em cima do n), continue profetizando. Quem sabe as sacolinhas voltam.

    ResponderExcluir
  24. Jota Efe Esse11:35 AM

    Para acabar com essa zorra toda basta que o consumidor adote os 3 R – Reduzir, reutilizar e reciclar. E o governo decrete que só se pode fabricar sacolas biodegradáveis. Meu abraço.

    ResponderExcluir
  25. Só mesmo autoflagelação para entender o que se passa na cabeça das pessoas que não são seculares e que não são profetas... Agora a marca PEG-PAG trouxe certa nostalgia, lembranças boas de uma época quando ainda não se discutia a falta de compromisso ético ao se utilizarem sacolinhas plásticas...

    ResponderExcluir
  26. Gina Soares3:26 PM

    Este problema ainda não chegou por aqui… ainda temos nossas compras colocadas em sacolas fornecidas pelos supermercados.
    Tento pedir sempre que reduzam a quantidade, que coloquem mais itens possíveis em uma só, pois acho um gasto desnecessário, e de qualquer forma, contribuo na preservação do meio ambiente.
    Sempre aproveito as sacolinhas na minha casa, seja para lixo, seja para carregar algo para outro lugar, e à vezes até para recolher o nº 2 dos meus dogs.
    Meu problema é não ter lixeira nas ruas, e tenho que ficar andando com a sacola recheada nas mãos, até chegar em casa…
    Faço compras sempre muito grandes, e fica inviável que o supermercado não forneça as embalagens.. Eles poderiam fornecer caixas de papelão, como era a alguns anos atrás…
    Excelente texto…
    bjs

    ResponderExcluir
  27. Doroni5:36 PM

    Que texto criativo! Com tanta coisa mais importante para se debater, o governo se atem a umas miseras sacolinhas que de tão frágeis já não aguentam o peso de uma duzia de laranjas e são naturalmente a que menos poluem o ambiente. Ah, que bom se se empenhassem no combate a corrupção entre seus pares. Dunã, o profeta, tem razão, não importa o saco mas sim o material colocado dentro dele que precisa ser averiguado. bjs

    ResponderExcluir
  28. Mara Narciso7:21 AM

    O crime é o meio e não o fim. Cola de sapateiro, tudo bem, mas o plástico não. Se bem que as sacolas de plástico fora da sua função são o fim. Rendeu-me três sonoras gargalhadas, que em se tratando de mim são números recordes.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…