Pular para o conteúdo principal

UM CONTROL Z DE PRESENTE



Dedicado ao meu amigo e ilustrador deste texto, Thiago Cayres, que faz aniversário no mesmo dia que eu. E também para o meu pai.






Como de costume, estava eu à noite na varanda, curtindo o fastio da janta e dando comida pro cachorro, quando o Homem lá de cima chegou de surpresa e aboletou-se na cadeira do papai. Que aliás, era mesmo do meu pai. Sem maiores cerimônias, ajeitou-se na poltrona, coçou por instantes a longa barba e desembuchou:




- Diga lá, criatura. Como é que está essa força?


- Oi, Criador. O Senhor por aqui!


- Trouxe pra você um presente. Não repara, é só uma lembrancinha.


- Um presente do Onipresente. Não precisava se incomodar...

- Imagina, temos que comemorar seu aniversário.


Abri o pacote, embrulhado em um papel cheio de anjos, e no fundo dele vi um pequeno cartão escrito com a inconfundível letra do Todo-Poderoso: "Vale um Control Z".


- Meu Deus! Um Control Z! O comando mágico que conserta as besteiras que a gente faz no computador.


- Pois é, pra você apagar alguma burrada que tenha feito. Um erro que tenha cometido na vida, não no computador. Escolha o momento em que quiser voltar atrás e faça bom proveito. Seus hábitos de fazer o sinal da cruz quando passa em frente à igreja e de desviar das formigas que andam pela calçada o fazem merecedor deste mimo, meu caro.


- Ah, então já sei o que quero fazer. Aproveitando que o Senhor está na cadeira que foi do meu pai, traga ele de volta pra mim. Um Control Z faz isso, não faz?


- Meu querido, o que eu te dei de presente não é lâmpada de Aladim. Um Control Z só pode reverter uma ação que você tenha praticado e se arrependido depois. Ele funcionaria, no caso, se você tivesse colaborado para que seu pai se fosse. Mas felizmente não foi isso o que aconteceu. Do contrário você estaria bem arrumado Comigo...


- Bom, nesse caso, peço que o Senhor use o Control Z que me deu e conserte a Sua ação de ter levado meu pai. Com todo respeito que Lhe devo, o que me diz da ideia?

 
- Não diga nunca mais isso, sob pena de cair em pecado mortal! Como Onipotente, sou infalível. Se seu pai se foi, era a hora dele e não cabe a você questionar os Meus desígnios. Estou muito chateado com o que disse, e sua ficha razoavelmente limpa acaba de ser maculada.

 
- Mas Senhor, veja bem...

 - Porém, Minha infinita bondade permitirá uma remissão do acontecido. Use o Control Z que acabou de ganhar para voltar atrás no que disse. Aí então estaremos quites. Sua impertinência o forçará a desperdiçar o presente que com tanto carinho escolhi para você.

- Tá certo... mas sem chance de me arrumar um outro Control Z depois deste?

- De jeito nenhum. Assim, sugiro que o use pra limpar sua barra com a minha Pessoa. Além do mais, se bem o conheço, você não ficará com a consciência tranquila sabendo que Eu voltaria lá para cima sentido com o que fez.- Ah, isso não ia mesmo.


- Então vamos logo com essa história, porque Eu tenho a eternidade toda mas não tenho muito tempo a perder por aqui. Dê um Control Z no que disse, entenda que é para o seu bem e saiba que o seu pai está ótimo lá em cima, cuidando de importantes afazeres.


Fiz a vontade de Deus. Acionado o Control Z, olhei para a cadeira do papai e dei com ela vazia, como se nada tivesse acontecido. Só os latidos do Poopin, pedindo mais ração. E as batidas no meu peito, pedindo de volta o meu pai.




© Direitos Reservados







Comentários

  1. Paulo Rafael5:20 AM

    Esse texto merece um Control C e vários Control V. Parabéns, Marcelo!

    ResponderExcluir
  2. Lindo! Poético! Verdadeiro! Hoje, Marcelo, você não brincou... hoje você buscou nas entranhas nossos sentimentos... Como gostaria de um Control Z desses... Parabenizo-o por sua contagem de novo tempo em sua vida que Ele lhe dá... Fique bem e feliz, mesmo com a cadeira vazia... Um dia a nossa também ficará...
    Beijo da Célia.

    ResponderExcluir
  3. Marcelo!

    Parabéns à você ao grande ilustrador Thiago Cayres e ao Criador.

    Ele sempre está certo. Seu pedido, veio através do latido do seu cão. FOME URGENTE. Cuidar dos VIVOS.

    Excelente

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  4. Carolina Avancini9:36 AM

    marcelo, como sempre, arrasou! queria muito um control z! bjs, saudades

    ResponderExcluir
  5. Sandra nogueira9:45 AM

    Marcelo, meu amigo, sinto que o control Z funcionou de fato e seu pai, numa outra cadeira, em outra dimensão, deve ter ouvido as batidas do seu coração e te dado um longo abraço pelo aniversário. Belo presente, bela crônica.
    abração
    Sandra

    ResponderExcluir
  6. Que lindo, Marcelo. Fiquei emocionada daqui... enquanto lia, as lágrimas saltaram dos meus olhos, mesmo estando em sala de aula, com a turma preparando uma apresentação sobre inclusão de sujeitos superdotados, num sábado à tarde, com sol forte lá fora e o céu com muita gente boa e nossa lá em cima. Beijo pra vc, aniversariante que tanto estimo e um abraço imaginário em seu pai e no meu, tb... Deus continuará conosco e com eles...

    ResponderExcluir
  7. Clotilde Fascioni2:21 PM

    Lindo e comovente Marcelo, a saudade faz coisas incriveis conosco, as vezes até ir contra os desígnios de Deus. Abrçs e mais uma vez Feliz Aniversário.

    ResponderExcluir
  8. Marcelo, maravilha e um sentimento que nos une: a saudade de nossos pais. Arrepiei aqui, amigo.

    ResponderExcluir
  9. José Carlos Carneiro2:53 AM

    Que bela homenagem! Também, em companhia Dele e com as intenções que trazia no coração, só podia chegar a bom termo. E Ele nunca conta quando aparecerá, mas está sempre disponível. E quando O invocamos ou sente que precisamos conversar com Ele, nunca nos deixa na mão.

    ResponderExcluir
  10. Claudete Amaral Bueno2:54 AM

    Oi!
    Parabéns para o s/ amigo aniversariante! Ele é, igualmente, mto talentoso!
    Tb tenho um par de amigos que aniversariam comigo.... Gostoso, né?
    Quanto a sentir falta e saudade do pai, tb sinto do meu.....e MUITA!!!!!!!!
    Mas....de fato, Deus sabe o que faz! E nós n/ sabemos o que falamos!

    Sabe que eu tb ganhei um control Z de presente de Deus???? Pelo m/
    arrependimento e em nome de Jesus, meus pecados e erros são jogados
    nas profundezas do mar e Deus nunca mais se lembra deles!!!! Legal, né????
    O bom é que qualquer um pode ter....de graça, ou melhor, pela fé e pela
    Graça de Jesus, que morrendo por nós pagou o preço do Control z.

    Bom domingo pra vc! Um abração!
    Claudete

    ResponderExcluir
  11. Mirze Souza2:57 AM

    Excelente, Marcelo!

    Em primeiro lugar dou um Contrl A em você, no Thiago Cayres e no seu pai. Selecionados recenam meu abraço de parabéns.

    O Criador, tem razão, Marcelo em não trazer o seu pai. Ele está no controle, e sabe o porque de perdermos, pai, mãe, filhos (no meu caso) e de tantas outras mães. Dizem que quando Jesus ressuscitou Lázaro, quem tanto o chorava, já se conformara, e a presença dele não era mais importante.

    Cuidemos pois, dos vivos. Atente para a fome do seu cachorro e amigo que latiu na hora certa.

    Beijão

    ResponderExcluir
  12. Jorge Cortás Sader Filho2:57 AM

    Quero prestar minha homenagem ao Marcelo aniversariante.
    Bom na pena, bom na ‘cuca’, sempre nos brindando com as suas criações.
    Parabéns, amigo!
    Feliz Aniversário. Grande abraço,
    Jorge

    ResponderExcluir
  13. Lou Magalhães2:58 AM

    Que lindo, Marcelo! Um abraço control+

    ResponderExcluir
  14. Marcelo,
    Belísssimo.
    O que vc escreve remete à alma.
    Foi a chave pra me fazer chorar.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  15. Caríssimo!
    Parabéns ao Thiago, a você um grande abraço desta fã que tanto aprende com a sua lida.
    Parabéns ao seu pai que tem um filho caríssimo,
    parabéns ao Criador que tem um pai do bem ao seu lado, com um filho do bem ao nosso alcance, com amigo fiel que o acompanha na varanda.
    Obrigada pelo convite para a sua festa.
    Parabéns pra você nesta data tão querida.

    ResponderExcluir
  16. Um dos textos mais belos que já li. Parabéns, Marcelo!

    ResponderExcluir
  17. Bravo! Feliz aniversário!
    Um texto repleto de emoção e de amor. Se pudéssemos desfazer nossas últimas 'digitações' seria ótimo, mas, como num 'efeito borboleta', o que poderia acontecer?
    Eu prefiro dar um control-c aqui e gravar esta mensagem em minha mente (literalmente) aberta...
    Beijo.

    ResponderExcluir
  18. Essa vontade de trazer esse pessoal de volta é terrível, mas acreditemos que o cara lá de cima sabe o que faz!

    PS: qdo cogitei dar um ctrl+z na minha vida só me veio à mente sujeitos do sexo oposto...

    ResponderExcluir
  19. Patrícia Brandão8:15 AM

    Que lindo, Marcelo!!! Emocionante, adorei...

    bjos,

    Paty

    ResponderExcluir
  20. Miriam Sales8:19 AM

    O Todo Poderoso jamais me daria esse Control z,mesmo porque n/ creio muito nele.Mas,tb me afasto p/ n/ matar formigas e me benzo diante das igrejas católicas.Afinal,nunca se sabe.Se o pior acontecer -ou,seja – Ele existir,eu direi ,humildemente :-Senhor,eu estava errada.E,se Ele é o deus da bondade,perdoará.
    Ainda bem q/ vc n/ precisa de Control z no PC.Aqui,vc n/ faz bobagens. bjks

    ResponderExcluir
  21. Antônio Fonseca8:20 AM

    Fiquei pensando nos meus pais. Em abril próximo faz um ano que minha mamãe foi encontrar com papai que já estava por lá há tempos. Com o pensamento veio a tristeza e alguma lágrima. Mais triste fiquei quando você, amigo Marcelo, me disse que o control Z não serve para trazer papai e mamãe de volta. Será que serve para levar-me até eles? Eu toparia.
    Parabéns pelos aniversários, seu e do Thiago Cayres.

    ResponderExcluir
  22. Eliana8:21 AM

    Uma crônica sensível. Parabéns Marcelo! E também pelo seu aniversário e do Thiago que diga-se de passagem é um grande ilustrador. E quanto a seu pai, ele apenas te antecedeu.
    Eliana

    ResponderExcluir
  23. Lidia Maria de Melo8:22 AM

    Parabéns pelo aniversário (e ao Thiago Cayres também). Mas ainda parabéns pelas crônicas, presente que você sempre nos dá. A saudade não vai ter Control Z que dê jeito. O que fazer?… Apenas preciso dizer que só por esta minúcia expressa em palavras, “a de desviar das formigas que andam pela calçada”, você merecia realmente ganhar o Control Z. Beijo e abraço.

    ResponderExcluir
  24. Marieta8:23 AM

    Mano, se um dia vc conseguir dar um ctrl z e trazer nosso pai de volta
    por favor quero estar junto.Beijos pelo aniversário, mesmo a contra gosto seu rs.

    ResponderExcluir
  25. Gina Soares1:16 AM

    Nossa, adorei!!
    Muita sensibilidade!!
    Acredito muito em D’us, e que a gente tem sim, como dar um Control Z nas besteiras que a gente diz ou faz.. o arrependimento, o perdão, a ajuda ao próximo… enfim, as maneiras são inúmeras!!
    Parabéns a você novamente, ao seu amigo, e a vida!!
    Beijos

    ResponderExcluir
  26. Jota Effe Esse1:17 AM

    Marcelo, você ganhou dois presentes: além do Control Z, a oportunidade de estar cara a cara com O lá de cima. Pelo que sei só o patriarca da humanidade, Abrahão, teve essa chance. Meu abraço.

    ResponderExcluir
  27. Zezinha Lins1:24 AM

    Ah, Marcelo, quanto sentimento percebi aqui escondidinho dentro desta caixinha de humor, mas a caixinha é tão pequena para a grandeza de sentimentos tentando se esconder ali, que esborrou e se espalhou em forma de braços envolvendo cada um dos seus leitores. Comecei a ler sorrindo e terminei emocionada, lembrando dos meus queridos que já se foram e imaginando que ao escrever este final, você se sentiu novamente um menino. Pode ser que eu esteja viajando na maionese, mas foi assim que eu senti seu texto.
    Parabéns para você para o seu amigo Thiago Cayres, pelo aniversário e pelo belo trabalho.
    Um abraço!!!

    ResponderExcluir
  28. Ah, Marcelo, todos os pais lá de cima se reuniram e se sentiram homenageados pelo texto que emocionou seus leitores cá de baixo. Lindo lindo.
    Abração

    ResponderExcluir
  29. Oi Marcelo,

    Fiquei emocionada lendo seu texto.

    Adorei o desenho, meu caãozinho tem esse jeitinho quando esta triste.

    Acredito que meu pai esteja la em cima te aplaudindo.

    Parabéns pelo seu niver e de seu amigo.

    Grande beijo!

    ResponderExcluir
  30. Mara Narciso9:08 AM

    Que boniteza de amor de filho! Uma brincadeira com uma grande lição para nós: não se muda o destino. E ainda aprendemos com graça. Genial, caro Marcelo. Parabéns!

    ResponderExcluir
  31. Nubia9:08 AM

    Ainda tenho o meu pai por perto apesar do Alzheimer o estar fragmentando, porém lembrei-me tanto de minha mãe e posso te assegurar que mesmo sendo apaixonada por ela, jamais a pedi de volta.
    Deus escreve certinho, a gente é que às vezes não entende.
    Parabéns pela delicadeza do texto. Lindo.

    ResponderExcluir
  32. Jeanne Araújo2:47 AM

    Adorei seu texto, Marcelo. Se eu ganhasse um control z do Todo Poderoso, não ia pensar duas vezes: quero minha mamy de volta. Presente é presente né? Grande abraço!!!!

    ResponderExcluir
  33. Cristina Siqueira2:49 AM

    Que delícia de crônica.Vc e Tiago,parceiros afinados merecem festa de brigadeiros
    e bolo com guaraná pela doçura comovente do texto e pelo Poopin com as patinhas na cabecinha quente.
    Já Control z merece um brinde com champanhe pela sacação ,tào própria de sua cabeça solar,iluminada.
    Que Deus os proteja e os abençoe cada vez mais com este espírito rico em humor e sensibilidade.

    E se der um tempinho aguardo a visita de vcs que tem novidade nos blogs
    http://www.euamotrancoso.blogspot.com
    http://www.cristinasiqueira.blogspot.com

    beijos

    Cris

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…