Pular para o conteúdo principal

CLUBE DA ESQUINA, 40


Foto: http://www.museuclubedaesquina.org.br/



A agulha sulcando o vinil é arado rasgando as serras das Gerais - sem meias medidas, num quase estupro consentido. Segue a girar como Minas gira coração e miolos adentro, em quem é de lá de nascença, por costume ou vitimado de deslumbramento, com seus potes de compota e velas de procissão. Belô dos mares de bares, todas as esquinas convergem conformadas e tímidas para aquela uma, a tal que ganhou mundo e fama. Seguem como devotas na quaresma, essas esquinas comuns que não tiveram clube, passos lentos e testas vincadas prematuramente. Seguem pela Via Crucis de paralelepípedos gastos, com baldeação em Três Pontas, Montes Claros e onde mais passe o trem azul. E reverenciam, de joelhos, o latifúndio patrimônio deste mundo. Esse queijão com um furo no meio que Deus benzeu.










© Direitos Reservados



Comentários

  1. Clotilde Fascioni2:22 PM

    Que linda a sua declaração de amor por BH, cidade que ainda não conheço, mas já se faz linda por suas letras. Abraços Marcelo, para você e sua família. Feliz Pascoa.

    ResponderExcluir
  2. E o que seria de mim sem a leitura da descrição das suas fantasias? Nada, seria como um "trenzin" desgovernado, sem eira nem beira.

    ResponderExcluir
  3. Não conheço essa terra boa, de culinária rica e famosa, mas minha mainha, que hj faz anos, adora esse seu lugar.

    Um bjo, Marcelo

    ResponderExcluir
  4. Belo, Marcelo!

    Sou suspeita em exaltar mais ainda as belezas de Minas, pois t3enho um netinho mineiro e outro carioca - sem rivalidades. Os dois amam Minas porque quem conhece e adentra as cidades históricas, as tradições, até a famíla mineira, reconhece os valores da gigante Minas Gerais.

    A única coisa que me espantou, foi vê-los na primeira refeição, comer torresmo. Mas a culinária é rica também.

    Uma terra onde as raízes do cristianismo são intrínsecas, onde os políticos a começar pelos inconfidentes, morrem pela terra.

    Deveria ser a capital do Brasil.

    Abraços

    Feliz Páscoa.

    Mirze

    ResponderExcluir
  5. Em tempos de espiritualização acirrada, Minas é o palco ideal pela fé que transcende de seus habitantes! E, você, Marcelo, amor declarado pelas tradições mineiras.
    Bj. Célia.

    ResponderExcluir
  6. Jorge Sader Filho3:15 PM

    A imagem diz tudo, acredito.
    E raro ver Marcelo colocando fotos no blog. Se fez isto, razão ele teve.
    Abraço, blogueiro. Feliz Páscoa a todos.
    Jorge

    ResponderExcluir
  7. Mario Bonzanini4:30 PM

    LP duplo da vida de muitos.

    Grande abraço e feliz Páscoa!!!!!

    Mario

    ResponderExcluir
  8. Claudete Amaral Bueno4:31 PM

    Oi!
    Vc é mineiro....ou quase????????
    Feliz Páscoa!
    Abraços,
    Claudete

    ResponderExcluir
  9. Marco Antonio Rossi4:31 PM

    MEU CARO AMIGO
    DEPOIS DE 60 DIAS DE HOSPITAL, POSSO VOLTAR A CURTIR SEUS TEXTOS.
    BOA PASCOA A VOCE E OS SEUS.
    QUE O DONO DO QUEIJÃO NOS ABENÇÕE.
    ABRAÇO
    ROSSI

    ResponderExcluir
  10. José Carlos Carneiro4:33 PM

    Belo registro sobre minha UF natal. Em poucas palavras conseguiu mostrar o espírito de quem é mineiro, seja por naturalidade, seja por adoção, mesmo que provisória.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  11. José Hamilton Brito1:01 AM

    Olha, vale de lágrimas, Arca de Noé, caso complicado, balaio de gatos, cesto de cobras….ouvi ainda outros nomes para a terra. Queijão com furo no meio…onde vc foi buscar este diabo de nome?
    Boa páscoa

    ResponderExcluir
  12. Antônio Fonseca1:02 AM

    Não fiz parte do clube da esquina. Vim pra cá muito tarde e ele já estava mergulhado em saudades e recordações. Mas, na história de vida dos mineiros famosos, são registradas passagens inusitadas: o encontro marcado pelo grupo do Fernando Sabino, e as prisões do Carlos Drummond, feito bode expiatório pelos amigos literatos endinheirados. Aproveitadores da simplicidade e humildade do nosso poeta maior.
    O meu amigo, jornalista, poeta, cronista e escritor; Carlos Lúcio Gontijo é arquivo vivo do Clube da esquina. Quem quiser saber mais é só ir lá no http://www.carlosluciogontijo.jor.br e carlosluciogontijo@terra.com.br
    Marcelo, prosa poética também é seu forte?

    ResponderExcluir
  13. Risomar Fasanaro6:06 PM

    Marcelo: texto conciso e preciso. Poesia pura. E que bela imagem a do “queijo com um único furo”…Mas quanta música produz. Beijo!

    ResponderExcluir
  14. Carlos Edu Bernardes6:07 PM

    Mensagem sinalizada Domingo, 8 de Abril de 2012 18:24Viva Minas! Sou goiano, porém gato que nasce em forno não é biscoito, por isso sou mineiro (terra de minha mãe) também, onde passava maravilhosas férias e namorava belas e faceiras mineiras.
    Descobri lá o disco Clube da Esquina 2, aquele álbum duplo com tantas músicas fantásticas, como Nascente, Maria Maria, O Que Foi Feito Deverá / O Que Foi Feito de Vera, Canoa/Canoa, Paixão e Fé, Canção Amiga e outras.
    Ah, como fomos felizes em ouvir Milton Nascimento, Lô Borges, Tavinho Moura, Fernando Brant, Toninho Horta, Wagner Tiso...
    Ah, como mudariam suas vidas musicais os que ouvem hoje Michéis Telós e esse sertanojo universiotário se tivessem um pingo de inteligência para buscar a verdadeira música brasileira...


    FABraços!

    ResponderExcluir
  15. Celi Estrada6:08 PM

    Olá Marcelo, boa noite!
    Foi boa a sua Páscoa?
    Viajei com seu artigo... Amo Belô e outros rincões de Minas.
    Há 40 anos circulo pela capital e cidades históricas: muitas lembranças e paixões...
    Grande abraço,
    Celi

    ResponderExcluir
  16. Coisa linda isso, Marcelo. Essa pãodequeijica declaração de amor a este estado tão próximo. Cá desta Sanja, tão pertim de Minas, minha admiração por suas linhas, tão lindamente sinuosas quanto as montanhas cantadas por Milton & amigos. abs

    ResponderExcluir
  17. Regina Coeli Andrade Marques8:10 AM

    Muito Lindo!
    Benza Deus, três vezes! como diz minha amiga de Belô, Marcinha.
    Regina

    ResponderExcluir
  18. É, Marcelo, não houve quem não olhasse no pra lá das montanhas e não acompanhasse a procissão... Valeu!!
    Abração

    ResponderExcluir
  19. Olá, Marcelo! Atrasada, mas chegando!
    Adorei o queijo. Quis me enfurnar dentro desse buraquinho dele, só pra passar o dia roendo.Vou levar a minha goiabada cascão para terminar com uma sobremesa gostosa. Feliz Páscoa já passada, mas que é todos os dias para você e todos os que aqui já passaram e ainda passarão.

    Abração

    ResponderExcluir
  20. Zezinha Lins8:27 AM

    Marcelo, sempre com uma surpresa. Um texto encantador. Parabéns garotão! Você é demais!!
    Bjo!

    ResponderExcluir
  21. Lou Magalhães8:28 AM

    Belíssimo, poesia pura, obrigada!

    ResponderExcluir
  22. Jota Effe Esse8:28 AM

    Marcelo, que bicho de sete cabeças é esse? Queijão com furo no meio, só a roda do carro-de-boi. Fiquei perdidão, mermão! Um abraço.

    ResponderExcluir
  23. Lisette Feijó8:29 AM

    Seguem sua vida….em cada esquina um…
    Abraço Lisette.

    ResponderExcluir
  24. Meu carAmigo, acho que póss falá minerês aqui hoji. Nem pricisu dizê que seu texto maravilhôzu mexeu cumigo.
    Nem preciso dizer que "sonhos não envelhecem", que , mesmo ainda menina, conheci alguns moços, um pouco mais velhos, que faziam shows na praça Tiradentes, que iam ao conservatório (e eu aprendi a tocar Let It Be no piano, observando Bituca e Fábio Jr dando uma canja). Um dia, a corda do violão arrebentou, na escadaria da minha casa e lá fui eu, tirei uma corda do meu violão e dei a um deles. Isso me rendeu um vídeo (acho que está no meu orkut) numa entrevista, daquele moço que hoje tá bem velhinho e de quem sou amiga da nova esposa... Eu seguia aqueles moços cabeludos (e ainda sigo), ia em shows e sempre cantei todas as músicas... 40 anos, muitas esquinas abençoadas em garoas, pedra sabão e lampiões. Não me recupero nunca de ter sido arrancada de lá aos 16, para conhecer a Princesinha do Oeste de Omar Cardoso... Porém, também gostei destas bandas... Mas quem tem no sangue o minério de ferro, quem se equilibrava em trilhos e acordava de madrugada parta fazer tapetes de flores sabe que esta é a trilha sonora de sua vida... 'Nem lembra se olhou pra trás no primeiro passo, aço, aço'...
    E viva Santa Tereza, e viva Beagá, e viva minhas montanhas de ametistas...
    Obrigada! Pra mim foi demais este post!

    ResponderExcluir
  25. Gina Soares5:00 PM

    Um aprendizado!!
    Muito bom!!
    bjs

    ResponderExcluir
  26. Mara Narciso4:59 PM

    Que linda viagem, Marcelo, ainda mais passando por Montes Claros. Tem uma música linda chamada De trem pra Montes Claros. Nosso bairrismo é tamanho, que quando a ouvimos fora dos domínios da nossa cidade, o choro é certo.
    "E mês que vem, eu vou de trem pra Montes Claros
    tem nada não, caminhar por onde se passa
    E mês que vem eu vou de trem pra Montes Claros
    E mês que vem eu vou de trem pra Montes Claros."
    Obrigada pela citação. Passa lá.

    ResponderExcluir
  27. Pedra do Sertão1:26 PM

    Olá, Marcelo,

    Fazia tempo que eu não vinha por aqui…e sempre é muito bom apreciar os textos do blog.

    Abraço do Pedra do Sertão

    ResponderExcluir
  28. Lucinéia Mestieri1:27 PM

    Caro Marcelo, voce sempre surpreendendo!! Quanto tempo!! Muito interessante seu trabalho e que texto profundo, a foto disse tudo!!! Fiquei feliz em receber noticias suas! abraço

    ResponderExcluir
  29. Rita Spoljaric1:28 PM

    Marcelo, gostaria de ler você em pauta sólida !Você tem livro(s) publicado(s)?

    ResponderExcluir
  30. Rita Spoljaric1:28 PM

    Marcelo,…que delícia ler você!
    Vou continuar….bjs

    ResponderExcluir
  31. E lá se vai mais um dia...
    Belíssimo.
    Abraço!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…