Pular para o conteúdo principal

ANÁLISES CÍNICAS






I

Não tenho nada a perder, daqui a pouco vou dar um basta definitivo na minha vidinha sem parasitas, vírus, fungos e meningococos. O negócio agora é bagunçar esse coreto arrumadinho de tubos e lâminas, botar desordem na casa. É minha forma, ainda que um tanto sinistra, de deixar minha marca por onde passei. Gastei décadas nesse insípido cenário branco e esterilizado, onde se coletam temores e esperanças da vida lá fora. Se não posso mudar meu destino, mudarei o dos outros. De desconhecidos outros - para melhor ou para pior. Perdoem-me, tenho que fazer isso.


II

Misturando a amostra da Denise com a do Tácito Luiz... isso, lindo blend, a coloração tá ótima. Nunca se viram e firmam agora um pacto de sangue, quem diria. A hepatite dele passa a ser dela, a anemia dela também é dele. É bacana essa fraternidade, essa solidariedade mórbida me deixa com lágrimas nos olhos. Cada um entrou aqui com uma doença e voltarão os dois com dupla enfermidade. Agora, ao microscópio. Olha como tá de micose essa lâmina, Deus do céu. Mas como é difícil de tratar mesmo, digo no diagnóstico que não tem nada - assim o velhinho não perde tempo nem dinheiro tentando à toa acabar com esses fungos. Parece tão boa gente, não merece essa esfrega. Além do mais, disso ele não vai morrer mesmo.


III

Carcinoma hepatocelular, isso já deve estar em fase de metástase brava... deixa eu ver no facebook o perfil desse infeliz. Festa, churrasco, pescaria, ê vidão... deve enxugar uma cana lascada pra ter o fígado nesse estado. O laudo vai desenganar o cara, e não vai ter tratamento que dê jeito com a situação nesse pé. Tantos amigos e solicitações de amizade, que judiação. Não sou eu que vou estragar o seu restinho de tempo por aqui. Então vamos lá, meu camarada... "Aspecto benigno, não observados indícios de neoplasia". Só aquele alívio na hora de abrir o envelope já é meio caminho pra melhorar muito o ânimo desse coitado. De notícia ruim já chega o Jornal Nacional. Maravilha, perfeito... agora o face... vou pedir pra me adicionar. Pode até não me aceitar como amigo, mas com certeza sou o melhor que ele já teve.

IV

Quintana Rubininsky... tinha um escroto no colégio com esse sobrenome. Se for parente, aí vai a maldição - tasco-lhe um positivo para HIV, tá bom pra você, querido? Vida louca, sem juízo dos infernos, se não tivesse má conduta o seu urologista não pediria o teste para afastar a suspeita. Aí vai, com toda a minha gratidão. É preciso que entenda que não é por mal, só estou fazendo minha parte pra tornar o mundo um lugar melhor.


© Direitos Reservados

Comentários

  1. Ai, como ela é bandida!!!
    E pensar que nessas horas milhares de vidas estão entregues nas mãos de sabe-se lá quem...

    Marcelo, vc como sempre impecável em seus textos. E o visual novo do blog... mais modernoso impossível.
    Adorei tudo!

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  2. Analisando clinicamente diria que você é um bom futuro farmacêutico! Poderia lhe render mais crônicas quimicamente surtadas como essa! Adorei, só pra variar... agora, vai, diga logo meu resultado do exame de paixonite aguda... o que faço, doctor?

    ResponderExcluir
  3. Marco Antonio Rossi10:40 AM

    depois de sesenta dias de hospital e exames de sangue dia sim dia não, fico imaginando o pessoal do laboratorio fazendo esses exames com o meu sangue......
    Rossi

    ResponderExcluir
  4. Carlos Edu Bernardes12:43 PM

    muito interessante, Marcelo!
    será que não há atitudes assim mesmo a favor do sistema?
    quantos produtos que proclamam soluções e melhorias e no fundo são piores do que placebos?
    e a quantidade de mentiras pra você comprar tubos e tubos de protetor solar?
    e as tais das vitaminas que não têm nem metade do anunciado em laranjas, limões e espinafre?
    vivemos numa sociedade da manipulação e uma realidade muito distante da verdadeira na qual uma entidade misteriosa e global dita os rumos da população.
    e ela, hipnotizada pela flauta de Hamelin do establishment, "aplaude e ainda pede bis, a plateia só deseja ser feliz..."

    gostei!

    FABraços!

    (~()

    ResponderExcluir
  5. Zezinha Lins12:45 PM

    Que maldade!!!!!
    Sabe o que me intriga? Onde é que você consegue tanta criatividade? Que viagem, garotão!!! PARABÉNS!!!!!!!!!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Marcelo, porque tanta rebeldia, meu rapaz? Tadinho dos dois pacientes, já estavam mal na foto e só fez piorar... hahahaha.
    Abçs, adorei!♥♥

    ResponderExcluir
  7. Jorge Cortás Sader Filho5:29 PM

    Eita que o homem tá com a moléstia!
    Marcelão não deixou pedra sobre pedra, diagnóstico aqui é para coveiro nenhum botar defeito! Tá lascado, a do HIV para o chatão doeu!
    Saiu um comentário acima. Teclei algo errado, estou contaminado. Diagnóstico, por favor, meu amigo.
    Abraço,
    Jorge

    ResponderExcluir
  8. Gina Soares12:17 AM

    Não tá perdoando nada, né amigo?
    rsss… excelente!!!!

    ResponderExcluir
  9. Jota Effe Esse4:22 AM

    O que eu sei, Marcelo, é que a máfia de branco (nem todos que labutam na saúde são da máfia) vibra com essa misturada que você fez, quanto mais doentes houver, melhor pra eles. Meu abraço.

    ResponderExcluir
  10. Marcelo... você inseminou suas "vinganças" sobre o cinismo da fala e diagnósticos médicos em cada parágrafo da sua reflexão. E, detalhe: - credito verdades à sua explanação.
    Abraços, Célia.

    ResponderExcluir
  11. Olá Marcelo
    Uma análise com uma amostra significativa dos males, o pior deles como se trata do dignóstico e prognóstico. DEUSES que determinam sobre a vida e a morte.
    Acrescento que não é apenas no Jornal Nacional, mas em qualquer Jornal Televisivo e também de papel e na Internet que se assistimos ou lemos vamos encontrar todo esse tipo de males e mais que isso os males da contaminação do stress provocado pelas notícias.
    Pior é que não podemos fazeer nenhuma vacina que está no mercado. Ficaremos sujeitos a inoculação de qualquer vírus. O negócio é usarmos as notícias como antivirus, e isso é uma coisa da psíquê.
    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Abri o envelope e vi antes de todo mundo o resultado: Marcelo padece de letribys chriatyves. A patologia provoca no indivíduo uma compulsão semanal para escrever ótimos textos. Que a ciência não descubra um antídoto para esse "mal".

    ResponderExcluir
  13. Ahhh, nem abri os exames, esta eu já saquei anos antes, quando resolvi não ser XB (xera b). Eu escolhi outro caminho, sou industrial e prefiro os frascos coloridos de essências, cremes e coisinhas assim. Nesta vida de mundos dentro de outros mundos (me valham os MIB), estes seres microscópicos já tiraram a graça de muita gente. E na Guerra dos mundos venceram os sanguinários alienígenas. É poder demais para umas coisinhas tão pequenas. Aliás, isso me lembra que é sempre bom não brincar com os pequenos. Nos menores frascos estão... OS PIORES VENENOS... Hahahaha (essa é minha vingança básica de todo dia). Mas 'peraí'... isso é querer sacanear demais, né não?
    Beijos, ótimo texto!

    ResponderExcluir
  14. Mas que cinismo mais honesto. Marcelo!
    Esse resultado é pelo SUS, plano de saúde ou particular mesmo, daqueles no dinheiro vivo? Ou melhor, mortinho mortinho...?
    KKKKKKKKKKKKKKKKKK

    Seguindo a Paty, lá em cima
    "Ai, como você é bandidoooo!"

    ResponderExcluir
  15. Antonio Fonseca8:07 AM

    A propósito, meu caro Marcelo, acabo de ser submetido a um exame de DNA. Surgiu um pseudo filho meu. Acho que foi essa equipe que fez a análise, pois, o resultado foi NEGATIVO. Então, não pude fazer nada.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  16. Lisette Feijó8:08 AM

    Quanta imaginação abraço Lisette.

    ResponderExcluir
  17. você é ótimo!Fico rindo aqui um tempão/ beijo/rosa

    ResponderExcluir
  18. Nubia6:00 PM

    Céus! Quanta magnificência, sendo assim
    acho que posso abrir meus exames com
    mais tranquilidade, ou não, como diria Caetano.
    Parabéns Marcelo!

    ResponderExcluir
  19. Mara Narciso9:23 AM

    Fez um grande estrago. Pior do que ter, saber e tratar, quando houver tratamento, é ter e não tratar, por falta de diagnóstico. Quanto ao fígado, nas análises clínicas não se faz anatomopatológico. É outro tipo de laboratório. Ainda assim, palmas para o humor-negro.

    ResponderExcluir
  20. José Claudio - Cacá12:51 AM

    Ei, Marcelo! Até que se tivesse jeito de fazer isso em alguns lugares específicos não seria uma má ideia. rsrs. Brincadeirinha, senão me condenam ao fogo do inferno do politicamente correto. hahahah!
    Abraço grande e ótimo fim de semana.

    ResponderExcluir
  21. Jorge Xerxes2:40 AM

    Gostei Muito de Suas Análises Cínicas!

    Especialmente da II: "É bacana essa fraternidade, essa solidariedade mórbida me deixa com lágrimas nos olhos."

    Forte Abraço, Jorge

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…