Pular para o conteúdo principal

O CESSAR DAS SESSÕES



Foto: Museu Freud, Londres.



Fiz análise durante um certo tempo, por motivo que não vem ao caso expor aqui. Esse certo tempo na verdade não chegou a 3 meses, o suficiente para que eu me desse alta – embora estivesse pior que no início das sessões. Bem pior, descrente da panacéia freudiana e de mim mesmo, me achando um caso perdido.

Era uma sessão semanal, às sextas e após o trabalho. Rua tranquila, lugar gostoso, consultório aconchegante. A iluminação indireta, só um abajur com uma lâmpada fraquinha. Sentia-me confortável com o chenile do divã e com a perspectiva de 50 longos minutos para um trato nos miolos. O único problema era justamente esse – os tais 50 minutos cravados eram longos demais. O que para os outros pacientes passava voando, para mim parecia todo o período paleozóico.

O analista seguia a linha ortodoxa, freudiano até a medula. E como todo discípulo empedernido do velho Sigmund, se agarrava aos sonhos, lapsos e associações livres pra ir formando o quebra-cabeças. Nesse caso, o monta-cabeças.

Mas o fato é que o homem não abria a boca. Se havia uma análise em curso naquelas quatro paredes só ele sabia, porque absolutamente não compartilhava com a outra parte interessada. Com receio de perguntar, eu também ficava quieto.

Tenho relativa facilidade de não pensar em nada, quando me é possível desfrutar dessa benção. Tanto que no começo achava bom ficar ali, como um acéfalo, os olhos pregados no teto. Só que tudo tem limite. O tempo passando, o taxímetro correndo e eu olhando aqueles certificados todos na parede. As letras góticas com o nome do doutor. A diferença de desenho do D de um diploma para o D de outro. Um em tinta dourada, outro em nanquim, o de graduação de 1972, o de especialização de 1977, o de mestrado de 1979...

Tomei a iniciativa:
- O senhor não vai dizer nada?
- Quem tem de falar é você.
- Mas vou falar o quê?
- A idéia é dizer o que primeiro vier à mente.

Dizer que eu estava pensando na letra gótica do diploma era demais. Ou de menos. Mas era a verdade, caramba. Eu pagando uma senhora grana para ficar viajando nas firulas e arabescos de um diploma.

Fechava os olhos e nada. Do nada branco passava para um nada negro e sem saída. E o analista impassível, virado de costas pra mim, cruzando e descruzando as pernas. Aquele silêncio era uma goteira dentro da solitária, uma furadeira de impacto me perfurando os tímpanos.

Outro pensamento recorrente, mas inconfessável naquelas circunstâncias: o que ele, analista, estaria pensando? Conjectura sobre o meu silêncio? Fica ali, caraminholando, empenhado em me livrar de minhas neuroses, ou não vê a hora de dar o tempo regulamentar pra pegar seu cineminha?

Me dei conta de que, além de estar pensando no que estava pensando, estava começando a pensar no que o analista estava pensando de mim. Racionalizava o processo, filtrava, censurava, estragava tudo.

E assim foi, não sei quantas vezes. Os brancos eram cada vez maiores. Vinte, trinta, quarenta minutos sem falar nada. O último deve ter durado uns quarenta e sete, porque logo depois ele me mandou embora.

Se bem me lembro, os três minutos finais foram mais ou menos assim:
- Fala alguma coisa, doutor. Não aguento mais esse silêncio.
Pela enésima vez, ele argumentou:
- A idéia é dizer o que primeiro vier à mente.
- Estava pensando na música que tocava no rádio enquanto vinha pra cá.
- E você gosta dessa música?
- Detesto.
- Certo. Que mais?
- Sei lá... o que me ocorre agora é que vou ter que comer um hambúrguer pra matar a fome quando sair daqui.
- Hum. Sei, sei.

E sentenciou, depois de longa pausa:
- Talvez o que você encontre aqui não lhe soe bem aos ouvidos, nem lhe caia bem no estômago.

Acertou na mosca. Pra mim bastava, meus fantasmas não eram tão assustadores assim. Encontraria formas mais econômicas de praticar meditação.

- Seus 50 minutos acabaram. Até sexta que vem.
- Até, doutor.

Tá lá me esperando, desde 1992.



© Direitos Reservados

Comentários

  1. Tem um analista famoso que foi recomendado para um amigo meu e realmente foi excelente: chama´-se Dr.Viagra. O cara tava nervoso, à beira de uma depressão e nao sabia a cusa...ou sabia e nao queria encarar.
    Prest!enção, eu dise UM AMIGO MEU.

    ResponderExcluir
  2. Cesar Gambagorte10:00 AM

    Muito bom, Marcelo!
    Saudações, César

    ResponderExcluir
  3. Marco Antonio Rossi10:02 AM

    MARAVILHOSO FINAL DE SEMANA.....
    É REALMENTE, SÓ FREUD EXPLICA..........................
    ABRAÇÃO
    ROSSI

    ResponderExcluir
  4. José Carlos Carneiro1:22 PM

    Tudo o que diz respeito ao Sigmund, Jung e outros, sempre considerei deveras interessante, ainda que não acredite nessa terapia. A descrição da sua tentativa de se valer de um deles é um bom exemplo dessa ilusória cura. A bem da verdade, acho que é mais "frescura" de gente chique do que necessidade real. Mas não é justo desmerecê-los, pois, na minha família, há um caso real de uma sobrinha que só saiu da fossa graças a um deles e logo após perder um filho que se engasgou com o leite da mamadeira. Também tive minha experiência. Quando perdi minha mãe e em seguida uma namorada, perdi junto a linha, os carreteis e a tralha de pesca toda. Para não perder o emprego foi-me indicado uma psicanalista, o Dr Prado, oriúndo de família abonada e pra lá de boa gente. O consultório dele era no início da Rua Augusta, em SP. Ficamos amigos logo que nos conhecemos. Lembro-me até hoje o que ele me disse logo após um papo sobre meu "caso".
    - Há muitas coisas que só são resolvidas à beira de um copo de bom uísque e muita conversa fiada. Estava faltando-me uma companhia.
    Um mês depois eu estava novo em folha. E um ano depois ele morreu em um acidente violento de carro, do qual não teve a menor culpa.
    Perdi um grande amigo, mas a lembrança dele sempre estará presente.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  5. Clotilde Zingali1:23 PM

    Oi Marcelo, tudo bem? Faz tempo que não falamos; se bem me lembro, desde um email pelos idos de outubro de 2010 após uma crônica que você fez sobre a utilidade das coisas. Lembra? Gostei demais daquele texto. Pois então, muita coisa aconteceu desde lá: Mudei para o Rio, parei de escrever para o jornal de SC em setembro de 2011 e terminei meu curso de psicologia...

    Claro, fiquei curiosa de saber se de fato foi comer ao sair de lá. E o que comeu. Eu não acredito em coincidência... sua sessão era na sexta. A minha também. E você me encaminha seu email numa sexta. “Tá lá me esperando, desde 1992”. Ano em que me casei. De um jeito não exatamente estranho, você me ajudou a pensar que muitas coisas me esperam desde que, lá em 1992, naquele altar, eu disse sim. E por mais que me custe, só cabe a mim responder à elas. Parece que há algo que sinaliza um impasse no que diz respeito à necessária passagem do tempo na construção das coisas. Todas as coisas. E talvez porque “o chenille do sofá seja tão confortável”, a gente escapa da ideia de saber mais. Seja como for, foi possível ao meu analista sustentar meu desejo de estar lá, e ao que tudo indica, sexta-feira que vem estarei lá novamente para continuar o meu mergulho... (confesso que tenho um medo danado da água e que muitas vezes, me parece um misto de medo e paixão).

    Sim, não me ache petulante. É que seu texto produziu coisas importantes em mim e fazia tempo que isso não acontecia. eu postei no meu blog de psico um texto relativo ao seu. depois, se quiser, me conta o que achou. Foi uma espécie de catarse a partir das suas palavras.... e isso tudo é também um modo de te agradecer.

    Um abraço! Clotilde

    ResponderExcluir
  6. Ah! Marcelo! Uma taça de vinho... uma boa companhia, ainda que eu mesma (sem narcisismo), uma trilha sonora envolvente faz-me as vezes de uma boa terapia. Dispenso os "psi da vida"... Uma conversa interior custa apenas o envolvimento com nossas realidades. E, a conta bancária não fica abalada. Não é autossuficiência, apenas enfrentamento da vida pela vida.
    Bj. Célia.

    ResponderExcluir
  7. Renata Miranda1:21 AM

    Nossa, ficou muito legal o blog, há tempos não lia por falta do mesmo.
    Aproveitei e me diverti muito! li12 de uma só tacada.
    By the way, voce conhece São João da Boa Vista? tenho parentes em Vargem Grande do Sul.
    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. oi Renata, como conterrâneo do Marcelo, vou me adiantar e responder: ele não só conhece, como NASCEU em São João da Boa Vista. Anda meio distante da terrinha, mas é um orgulho sanjoanense. ele é um legítimo súdito da Beloca. abs

      Excluir
  8. Gina Soares2:07 AM

    Já fui a um terapeuta que era exatamente assim.. E abandonei logo no inicio.
    Depois fui a uma outra, que fui durante quase 3 anos… Chegou um dia, que não recebendo a devida alta, pensei com meus botões: agora é minha vez. Quem vai cuidar da minha alma, do meu coração, vou ser eu mesma.. e recomecei sozinha…
    Foi bom… mas acho que fiz bem melhor para mim…
    Não discriminando os profissionais, que acho que um dia, todos deveriam na vida, ir a um.
    Mas a melhor das terapias, é você estar reunido com a família, com os amigos, rir, brincar, relaxar…. pode demorar, mas um dia tudo passa…. E já passou quase tudo….

    ResponderExcluir
  9. Jorge Cortás Sader Filho2:09 AM

    Eita, que todo analista é igual. Minha tia e madrinha era. Cobrona, foi chamada pelo próprio Getúlio para tratar da filha, alcoólatra e chegada em outras drogas, Alzira Vargas.
    Alice Marques dos Santos, foi aluna com Nise da Silveira do próprio Jung. É mole? Pensou que Getúlio ia encanar ela, quando atendeu o telefone no Pedro II, hospício, não é o colégio não.
    Certa ocasião, aqui em casa, durante um almoço, comentei que estava ficando velho, não era mais o antigo escalador e velejador. Não conseguia, pulando, atingir mais um spot externo, iluminava parte do jardim.
    Resposta imediata da madrinha: “Eu não pensaria assim não”. E eu: “Em que pensaria?”. “Quem bom que ainda tenho meu braço.”
    Ela falava, a minha querida Alice! Saudades…

    ResponderExcluir
  10. Nubia2:10 AM

    Vamos lá, primeiro fiquei imaginando você olhando para o teto
    com aquele silêncio de adaga lhe espetando e tive que rir do desfecho.
    Não posso nem dividir experiências, pois nunca fui a um terapeuta
    mas sei de alguns que o resultado foi quase catastrófico e outros
    leves e divertidos que reviram até a sua alma do avesso sem você sentir.
    Mais uma vez parabéns Marcelo por saber rir de si mesmo.
    Adorei. Abração

    ResponderExcluir
  11. Marcelo2:11 AM

    Marcelo por que você não iniciou a sessão dizendo ao Doutor que sua avó havia costurado o pijama do Getúlio?

    ResponderExcluir
  12. Elizete Lee6:32 AM

    É de loucos como você que o mundo precisa!! rárárá…

    ResponderExcluir
  13. Adorei, Marcelo! Primeiro amei o luxo do consultório do Dr. Freud, depois o texto.
    Perfeito, ri do início ao fim, ao mesmo tempo que me encantava com tamanho talento para escrever, para falar dessa situação que você viveu, e que estou vivendo.
    Sim, também estou entre um divã e uma analista, mas a minha fala, e nem sempre sinto vontade de voltar. Mas venho descobrindo coisas sobre mim, que sozinha jamais conseguiria. Não gosto da linha freudiana pura...E também já fiquei 2 sessões de 50 minutos em absoluto silêncio.querendo falar, e sem conseguir...Por que será???Rs,rs,rs...

    ResponderExcluir
  14. Olá Marcelo! Ótimo texto, como sempre! Olha, eu já desisti de me entender, porque acho que sou daquelas que nem Freud explica. Acho que ele não explica nada mesmo. Um grande amigo meu sempre me diz que adora deitar para 'escutar cabelo crescer' e até usa esta expressão em seus livros.Pois eu acho que esta é a melhor terapia. Mas , por outro lado, descobrir que gastou uma grana preta para ficar observando o analista te observar, foi um método válido para que pudesse acordar e correr atrás dos prejuízos, não acha? Bomdimaisdaconta sô! Beijão.

    ResponderExcluir
  15. Claudete Amaral Bueno9:33 AM

    AMEI!!!!

    Nunca fiz análise, pois eu imagino que seria tal e qual o descrito!! rsssssssss
    Parabéns, por "ler" m/ mente!
    Um abração e bom fim de domingo!
    Claudete

    ResponderExcluir
  16. Marta Rodrigues9:47 AM

    receber e ler seus textos, me fazem pensar seriamente em cancelar minhas assinaturas da Veja, Estadão e outros... uma gostosura!!! bj

    ResponderExcluir
  17. Jota Effe Esse3:55 PM

    Marcelo, por via das dúvidas eu nunca botei o pé na sala de um analista, e muito menos a cabeça no seu divã. Se eu não me entendo, quem vai me entender e explicar minhas neuroses sem que eu me abra pra ele? E eu não vou me abrir nem que a vaca tussa. Fechado já corro perigo, imagine aberto! Meu abraço.

    ResponderExcluir
  18. Ivana3:57 PM

    Muito legal seu blog, tem um visual bem diferente. Também sou blogueira e tenho diferentes blogs. Atualizo o da Academia Piracicabana de Letras, do Grupo Literário, mais o do Voinho (meu pai escritor), o Ser Vegetariano, pois sou vegetariana há mais de 30 anos, e mantenho um Bloguinho para crianças.
    Quando tiver um tempinho, visite-os!

    abraços e a gente se fala!

    "Se os matadouros tivessem paredes de vidro
    todos seriam vegetarianos."
    (Paul e Linda Mc Cartney)

    Visite meu blog sobre Vegetarianismo:
    http://serveg.blogspot.com/



    visite o Blog do Voinho
    http://aprendendocomovoinho.blogspot.com/

    visite o Blog Infantil
    http://bloguinho-infantil.blogspot.com/

    visite os blogs literários:
    http://golp-piracicaba.blogspot.com/
    http://academiapiracicabana.blogspot.com/
    http://centroliterariopiracicaba-clip.blogspot.com/

    outros blogs:
    http://amarnatureza.org.br/
    http://sosriosdobrasil.blogspot.com/search?q=Ivana+Maria+Fran%C3%A7a+de+Negri
    http://www.floraisecia.com.br/detalhe_artigo.php?id_artigo=629

    Eu uso sacola retornável

    ResponderExcluir
  19. Fiz análise por três meses, também, em 2001. Era parte obrigatória de uma especialização em Psicopedagogia. Não sinto falta dele, do analista, nem do seu divã. Não gostava do consultório que era situado numa clínica médica, com corredores imensos e frios e salas e antesalas com gente angustiada em busca de atendimentos e resultados. Creio que o mais bacana de uma análise é não te causar angústias. Por isso, escrevo.

    ResponderExcluir
  20. Quase que eu entrei no consultório e dei no doutor, pra ver se ele reagia. Brincadeirinha, só queria testar o potencial pacientífico dele.
    Aff!!! esses caras são uns porres.
    Tem mais problemas do que nós e ficam doidinhos pra arrumarem um trocado, o nosso, para pagarem as contas, as deles.
    Problemão!

    Ah, quer saber? Terapêutico mesmo é ler blogs, o teu por exemplo kkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  21. Djanira Pio8:05 AM

    Oi Marcelo, dei uma olhada em seu trabalho. Muito interessante, uma sátira ótima. Gostei. Tenha um bom dia, parece que chuvoso...e minhas roupas...
    Abraços, Djanira

    ResponderExcluir
  22. Lelena8:07 AM

    Marcelo, fez bem o ser de se espreguiçar e ir embora.
    Esse analista talvez tivesse um diploma. Não mais que isso.
    Talvez, tenha brincado de terapia.
    Análise implica três sessões por semana. Uma deve ser outra coisa.
    Que coisa não sei!
    Eu faço há mais de uma década. Poderia ter comprado um apartamento com o que já paguei.
    Preferi comprar um bem abstrato, escorregadio no começo.
    Muito sólido agora.
    Adorei a crônica :)
    Beijos
    Lelena

    ResponderExcluir
  23. Sandra Nogueira8:12 AM

    Marcelo, fiquei até com pena do sujeito rsrsrs analisar um cara inteligente e espirituoso como você já deve ser difícil, pior ainda quando está mudo. Cá para nós, o homem deve ter voltado para a terapia. mas, brincadeiras à parte é sempre um deleite ler seus textos. Abraços

    ResponderExcluir
  24. José Claudio - Cacá8:13 AM

    Ô, Marcelo, se bemque do jeito que andam as relações no mundo da casa, rua e trabalho, acho que nem precisa do psicanalista dizer qual a "linha" dele. É que para ser ouvido a gente está quase precisando pagar e aí, (se for só para ouvir mesmo), qualquer um serve. hahahahaha! Mais uma ótima, meu amigo! Abração. Paz e bem.

    ResponderExcluir
  25. Carlos Edu Bernardes3:00 PM

    Heehee.
    O texto arremeteu-me nos idos anos 80, quando um analista ficava me esperando para contar pra ele os livros do Carlos Castañeda.
    Foi uma piada o negócio.

    FABraços!

    ResponderExcluir
  26. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  27. Adriana Delfino4:47 PM

    Conferido!

    Sensacional!


    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  28. Celi Estrada2:35 AM

    Agradeço MARCELO, o texto é muito "cabeça".
    Obrigada,
    Celi

    ResponderExcluir
  29. Bom demaisss!!! Melhor ainda porque o personagem desistiu, se ele tivesse continuado sairia louco dali.

    A riqueza de detalhes dos seus textos encanta, Marcelo!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  30. Delícia de texto, Marcelo. Deu pra ver o gótico das letras dos diplomas. Deu pra ouvir a música detestável antes de chegar ao doutor. Deu pra ver a cara dele de desespero mudo: analista nele! Abração

    ResponderExcluir
  31. Isso eram sessões de tortura, definitivamente.
    Nunca fiz análise, mas bem que gostaria. Quem sabe um dia...

    bjo, Marcelo.

    ResponderExcluir
  32. Edir Araújo8:14 AM

    Eu também nunca fiz terapia, mas posso imaginar o pé no saco que é... (rs).
    Parabéns pelo texto, irônico e divertido. E no final das contas, o doutor ficou lá te esperando,né... Gozado que, por questão de ética talvez, eles nunca ligam pro cliente. Mas deve ter se lamentado. (rs)

    ResponderExcluir
  33. Mara Narciso8:16 AM

    Os meus trinta minutos semanais há dez anos e quatro meses não são tempo nenhum para o que eu gostaria de dizer. Falo todos os meus pensamentos da semana e mais não falo por não dar tempo. A minha psiquiatra fala um mísera frase ao se levantar para me indicar a porta. Tem um efeito impressionante. Não sei o motivo, mas a técnica que eu acredito ser também freudiana ortodoxa é libertadora. O resto é preconceito.

    ResponderExcluir
  34. Antônio Fonseca8:17 AM

    Pois bem amigo Marcelo. Li os comentários até aqui e percebi que muitos já foram aos psicólogos. Eu fui em trinta. E todos estão me esperando para a segunda seção. O médico cardiologista da empresa que trabalhei, me curou. Sabe como? Trancou-se comigo em um cômodo do setor médico e, em gritos, colocou-me abaixo de zero. Só não me xingou de santo e rapadura. Só sei que, no outro dia, eu não tinha mais nada. Era falta de vegonha na cara. Eu estava sendo levado por uma depressão. Sarei e estou assim até nos dias de hoje.

    ResponderExcluir
  35. Clarice Villac3:29 AM

    Pois é... a ortodoxia tem dessas coisas...

    Sua crônica nos leva a analisar muita coisa nesta vida. Valeu !

    ResponderExcluir
  36. Marcelo, já vivi uma situação inversa: o psicanalista falava pelos cotovelos e quase não me deixou falar. Pra variar, você viaja no humor com maestria, ou melhor, você sofre pra lavrar e nós é que usufruímos da viagem. sensacional!!!!!!

    ResponderExcluir
  37. Tinha mais de uma opção de escolha. Vim nessa, já havia falado.
    Falo de novo. Cria quem sabe, comenta quem tem juízo! Tá falado.
    Abraços

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…