Pular para o conteúdo principal

A PRIMEIRA MAQUETE





- Eu quero que você me faça só a maquete, por enquanto.

- Tá certo, mas o senhor tem ideia do trabalho que isso vai dar? E se o projeto não for aprovado, já imaginou o tempo que eu vou perder? Meu negócio é carpintaria e marcenaria, essa história de maquete é servicinho de chinês, não é a minha praia.

- Mas não vai ter jeito, moço.  Quem encomendou o trabalho quer ter uma prévia pra ver se está tudo de acordo. Esse serviço é de muita responsabilidade. Eu diria até que o destino da humanidade depende dele.

- Sei não, acho que o senhor não regula bem da cabeça.

- Digamos que a minha sanidade mental não vem ao caso no momento...

- Mas espera um pouco, o que o senhor quer é uma arca ou um navio? Esse desenho que o senhor me trouxe parece mais um navio. Arca é como se fosse um baú, é pra organizar as tralhas dentro de casa. Ó só, tá aqui no pai dos burros: “Arca: caixa grande, geralmente de madeira, com tampa plana, usada para guardar roupas, objetos etc.”. Por falar em burro, tenho que fazer uma acomodação pra ele e sua burralda, não é mesmo?

- Sim, e pra todos os outros pares de bichos.

- E pra família inteira do senhor...

- É.

- O senhor me falou que tem que ter um casal de tudo quanto é bicho, insetos inclusive, certo? Pois o senhor vai ter problema com o casal de cupins. Primeiro pra saber qual é o macho e qual é a fêmea; segundo porque eles vão procriar dentro da arca e comer todo o madeiramento. Estou alertando agora porque de madeira eu entendo um bocado...

- Ok, meu amigo, mas eu preciso saber do prazo pra fazer a maquete...

- Por favor, me diga pelo menos o que o senhor quer fazer com isso.

- Não posso. Meu cliente me pediu sigilo absoluto sobre esse projeto.

- Mas que espécie de projeto é esse?

- Na verdade não é uma espécie de projeto, mas um projeto de todas as espécies.

- Hã??? Olha, quanto mais o senhor explica, mais eu não entendo nada.

- Deixa pra lá, eu preciso saber se você faz a maquete. Simples assim, meu amigo. Entendeu???

- Pelo tamanho do espaço reservado para o compartimento de comida, o senhor vai viajar com a bicharada uns quarenta dias, mais ou menos. Eu só queria saber como é que vai levar a embarcação até o rio ou o mar mais próximo... Nossa, tá muito mal contada essa história. Fora a confusão toda na cadeia alimentar. Se botar todo mundo junto, sem gaiola de separação, o senhor vai interferir no ciclo predatório. E bicho voador? Pomba, urubu, abelha, borboleta, vai ficar tudo voando misturado? Acho que o senhor faltou nessa aula de biologia, heim.

- Ai, ai, ai, dai-me paciência...

- Bom, pra começar o serviço eu vou precisar de um sinal...

(Trovão, raio)

- Tá bom esse sinal pra você?

- Que sinal? O senhor não me deu dinheiro nenhum por enquanto. E eu vou querer um bom adiantamento...

- Pelo amor  de Deus, anda logo com isso. Tá começando a chuviscar... olha, esquece a maquete e parte logo pra arca, depois eu me acerto com o meu cliente. Você é enrolado demais, parece que não quer pegar o serviço.

- Não é isso, não. Pegar o serviço eu pego, mas se começar a chover o prazo de entrega muda. Sabe como é, tem que parar tudo, recolher as ferramentas, esperar a chuva passar...


© Direitos Reservados

Comentários

  1. Carlos Edu Bernardes7:19 AM

    E nesse início de sábado, nada como um delicioso texto do amigo Marcelo Pirajá Sguassábia! "Na verdade não é uma espécie de projeto, mas um projeto de todas as espécies.". Muito bom!

    ResponderExcluir
  2. Clotilde Fascioni7:21 AM

    É, encomenda em cima da hora dá nisso…Abçs Marcelo.♥

    ResponderExcluir
  3. Paulo Ludmer7:55 AM

    Marcelo, cara

    quero agradecer a constante remessa de seus textos de boa qualidade para mim.
    quero parabenizar você pela produção constante, estilo e linguagem.
    não ando bem (desde que fui excluido dos mercados em 2006).
    mas avô, com saúde, organismo produtivo... sigo em frente.
    muita fartura e bonança para você.
    Paulo Ludmer

    ResponderExcluir
  4. José Carlos Carneiro7:56 AM

    Eu já havia lido uma ou outra crônica sobre Noé e sua Arca, mas a sua tem um recheio inovador e hilário. O lance do raio e do trovão foi supimpa de bom. Destaco ele, mas todo o diálogo é rico em criatividade. E o Nóe (e a bicharada) foi o primeiro homem de que se tem notícia e que foi salvo não pelo gongo, mas por um monte, o Ararat.

    ResponderExcluir
  5. Jorge Cortás Sader Filho9:19 AM

    Gostei do sinal. Um trovão.
    Noé deve ter bebido marafa braba, Marcelo!
    Abraço,
    Jorge

    ResponderExcluir
  6. Evelyne Furtado9:22 AM

    Ótimo, Marcelo! Esses marceneiros, rsrsrs.

    ResponderExcluir
  7. Nubia Nonato9:47 AM

    Ficou a dúvida se foi um devaneio ou profecia, um questionamento divertido e cheio de humor. Abração.

    ResponderExcluir
  8. E é assim até hoje, muita gente enrolada e enrolando na hora de costruir o "Projeto de todas as Espécies", o tempo passa, vem a chuva e as enchentes,vem o sol e a seca, aqui e ali.

    O mais interessante, Marcelo, além do humor maravilhoso, são as diferentes possibilidades de leitura que seus textos oferecem. Parabéns!!
    Bjo!

    ResponderExcluir
  9. Marco Antonio Rossi1:03 PM

    um otimo final de semana esperando que NOÈ não esqueça de nos convidar para passear na arca...........
    abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  10. Da série "diálogos improváveis"... risos... muito bom viajar pelas passagens bíblicas assim, com um misto de loucura e razão... abraço!

    ResponderExcluir
  11. De toda as as versões já lidas, inclusive na Literatura infantil, essa tua, Marcelo, foi a mais original.

    ResponderExcluir
  12. Semana passada choveu tanto em Salvador que vi a hora de precisar de uma dessas. Mas esse marceneiro tá enrolando Seu Noé...
    rsrsrs

    Um bjo, Marcelo.

    ResponderExcluir
  13. Claudete Amaral Bueno12:48 AM

    Maquetinha complicada, hein?????????? rsssssss
    Um abraço!
    Claudete

    ResponderExcluir
  14. Olá Marcelo! Me diverti bastante. Ainda bem que o projeto saiu mesmo com as demoras...Como eu sei? bem, estamos aqui né? Mas olha que este sinal deveria ter caído bem sobre a cabeça do cara... Um beijo!

    ResponderExcluir
  15. tá chovendo risos aqui, mas dessa tempestade eu não quero me proteger. ao contrário. abs

    ResponderExcluir
  16. Jota Effe Esse12:44 PM

    Gostei muito, Marcelo, mas fiquei preocupado, com toda essa dificuldade pra começar a canoa, acho que ela vai virar antes dos 40 dias (40 milênios no calendário do Senhor). Meu abraço.

    ResponderExcluir
  17. Se vier a chuva que vc espera, passa com a arca aqui em Araçatuba que eu quero subir.
    Belo texto.

    ResponderExcluir
  18. Marcelo8:19 AM

    Deus, não se preocupe com o prazo, pois o Aldo tá com um olho no início e outro no fim dos trabalhos. O Aldo não é o Raul Seixas mas é o início, o fim e o meio.

    ResponderExcluir
  19. José Cláudio - Cacá8:20 AM

    Eu não sei se o José já estava trabalhando nesta época, mas garanto que se o Noé tivesse contratado-o, o negócio ia sair supimpa, com maquete e tudo o mais. Dizem que o José era o carpiteiro de 9 entre 10 obras de vulto naquele tempo. rsrs.
    Abração, Marcelo e ótima semana.

    ResponderExcluir
  20. Evelyne Furtado1:18 AM

    Se depender do marceneiro a arca não sai, não. Estamos fritos frente ao dilúvio! Adorável, Marcelo! Bom fim de semana, meu amigo. Bjs

    ResponderExcluir
  21. Nubia - anuxia1:20 AM

    Com um dilúvio prestes a acontecer, para que a maquete
    senhor?!
    Ah! Gostei dos sinais enviados.
    Passeou Marcelo.
    Abração.

    ResponderExcluir
  22. Gina Soares1:21 AM

    Esse filme já passou antes…. rssss
    Só contrataram um enrolado…
    Adorei
    bjs

    ResponderExcluir
  23. Antônio Fonseca1:23 AM

    Conheço essa história desde as aulas de catecismo lá prás bandas de 1960. Eu era o aluno mais aplicado. E hoje vejo que nunca mereci esse título, pois, me esqueci de debater com minha catequista o perigo de ter, à bordo da arca, um casal de cupins. Perdi a oportunidade. E o pior de tudo; só fui tomar conhecimento do perigo lendo sua crônica, amigo Marcelo.

    ResponderExcluir
  24. Will Moraes1:58 AM

    Rsrs, Muito bom!!

    ResponderExcluir
  25. Tá aí, Marcelo, os cupins entraram, instalaram-se, procriaram e agora você nos deve mais esta crônica... Abração

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…