Pular para o conteúdo principal

ESCOTILHAS D'ALÉM SEIOS





I

Os dados e projeções do relatório são válidos e consistentes, evidente que são. Preciso clarear um pouco mais o raciocínio para poder tomar uma decisão ponderada quanto às táticas de vendas, mas não consigo desviar os olhos das veias azuis dos seios dela. A verdade é que jamais imaginei que fabricar escotilhas pudesse abrir tantas portas, inclusive a dos encontros carnais e inconsequentes. O negócio vem superando as perspectivas mais otimistas, a ponto de haver desabastecimento em alguns nichos de alta demanda. Nem mesmo o recall que tivemos de fazer, para reparo em um imenso lote do modelo VY-340 com bolhas no vidro, conseguiu arranhar a boa imagem da nossa marca. Tanto que teremos de abortar nesse ano a tradicional campanha "Há quanto tempo você não troca sua escotilha?", pois não estamos dando conta dos pedidos.


II

Para os humanos, úberes são demasiadamente parecidos. Mas o mesmo diria o boi a respeito de suas vacas? Teriam os úberes para o boi o mesmo e intenso mistério que os seios têm para o homem? Escotilhas abrem portas e escancaram seios. Eis-me aqui com um par deles, miúdos e muito bem torneados, roubando minha atenção do mundo e do mercado dos barcos e navios, seios que abrem suas velas e me levam, de jangada, a ilhas insuspeitas. Que bom momento, pousar a cabeça entre um e outro. Oferecimento, Escotilhas Humbeldt. Para quem quer navegar com estilo.


III

Champagne caiu e manchou a última página do relatorio. Culpa dela, a mulher da vez, doidinha por afagos. Meti os pés pelas mãos, danem-se as escotilhas nesse espreguiçamento a bombordo. Uma escotilha por habitante, a meta para 2015. Powerpoints e mais powerpoints de margens brutas e lucros líquidos. Alianças com programas sociais do governo para abastecer todo o Centro-Oeste com modelos adaptados às condições de navegação e às embarcações pantaneiras. Escotilhas para gays, cheias de adornos, rebuscadas e coloridas. A cada um sua escotilha, gênero de primeira necessidade, bem de consumo de massa.


IV

De volta aos seios, de auréolas que lembram escotilhas. Não, não estou levando assuntos do trabalho para o âmbito pessoal: é flagrante a semelhança entre uma coisa e outra. E quanto mais escotilhas Humbeldt singram as águas, mais pares de seios se oferecem a mim nessa cama de iate. Ao rei das escotilhas, todo o estoque mundial de tapetes de vison, todas as lagostas criadas em cativeiro de restaurantes estrelados, todas as intenções de sequestro. Chegando agora no notebook a proposta de um grande centro atacadista para vender escotilhas em fardos de 12 unidades, a preços promocionais. Darei uma resposta na segunda. Até lá estarei entretido com outras coisas.



© Direitos Reservados

Comentários

  1. "À cada um sua escotilha", meu amigo Marcelo.
    Parabéns, tirou água puríssima de pedra, eu jamais venderia tão bem escotilhas nauticas. Abrçs♥♥

    ResponderExcluir
  2. O problema de nos presentear com suas viagens de textos e texturas é esse: sempre queremos compreender além-mar! Santa criatividade, Marcelo! Desculpa o "santa".. efeitos do mundo de Gotham City, que me deliciei ontem, em Batman... risos.. beijo!

    ResponderExcluir
  3. Mas que negócio é este de encontros carnais inconsequêntes? Não conheço nenhum por mais que dê bode.
    Quanto a seios...se existem coisas mais deliciosamente belos que eles, não sei-os.
    ( foi o que deu pra arumar...)

    ResponderExcluir
  4. Promocionais ou não, interessante que por aqui, no meu note, jamais chegam tais ofertas! Então, ficamos sedentos de generosos seios... Machos que o digam!
    [ ] Célia.

    ResponderExcluir
  5. Claudete Amaral Bueno3:21 PM

    Quanta imaginação, não, moço????????? rsssssssss
    Um abraço!
    Claudete

    ResponderExcluir
  6. André Albuquerque3:03 AM

    Quantos mundos vislumbramos pela escotilhas ? Leve,bem humorado e bem escrito.

    ResponderExcluir
  7. Jorge Cortás Sader Filho3:04 AM

    Escotilhas, seios, malaguetas com cabos em meia-volta, e estes seios podem não ser a parte superior torácica da mulher. Os marinheiros conhecem muito bem o nó ‘balso pelo seio’. E agora?
    Abraço, Marcelo.
    Jorge

    ResponderExcluir
  8. Marcelo11:25 PM

    Marcelo, ultimamente o único seio que me apetece é o de uma estátua a caminho do Horto Florestal aquí na ZN. É uma coisa indescritível. A moçoila da estátua está com um seio a mostra e com uma cara de safada que eu juro que se tivesse um jardim compraria a tal estátua. Vale a pena conferir e morrer de rir! Fica depois do posto de gasolina e antes do mármore.

    ResponderExcluir
  9. Cláudio Dalmonte8:18 AM

    Marcelo,
    Essa semana vc estava inspirado!!!!!!
    Abraços
    Cláudio

    ResponderExcluir
  10. Marco Antonio Rossi8:19 AM

    Bom dia e uma otima semana.
    o dificil é quando o seio parece um ovo frito........
    Abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  11. José Carlos Carneiro8:21 AM

    Segundo li outro dia numa revista, a cada três minutos é feita uma cirurgia para aumento dos seios femininos. E abundam peitos cada dia
    mais frondosos no país. Poderão dizer que o buraco é mais embaixo, mas que eles têm um quê de atrativo irresistível, não dá para negar.
    E as mulheres sabem disso e entram no bisturi. E os cirurgiões plásticos engordam suas contas.
    Muito oportuna sua matéria abordando tema e tramas com sua mente privilegiada. O lance do champanhe foi muito bem lembrado.
    Um abraço e boa semana.

    ResponderExcluir
  12. Gina Soares8:26 AM

    Acho que em muitos casos a escotilha não está tendo muita serventia…

    ResponderExcluir
  13. José Cláudio - Cacá8:27 AM

    E não é que o desenho deve ter levado em conta esse formato? Seria uma forma de aplacar a angustiante maré de abstinência dos marinheiros entre uma ancorada e outra? rsrs.

    Que fecundidade imaginativa boa a sua, Marcelo! abraço grande , paz e bem.

    ResponderExcluir
  14. Nato! Um ser nectônico! Literal vendedor e viajante de emulsões patrocinadas pela Helmann's ou concorrente! Mas cuidado, ficar vidrado, escotilhado em úberes assim, pode causar acidentes de percurso!
    Ótimo, viajou legal, meu amigo!
    Um beijo!

    ResponderExcluir
  15. Úberes são úberes, meu caro! Acho mesmo que os bois devem viajar naquelas velas, sonhando com as escotilhas e fingindo que estão só pastando de cabeça baixa com cara ingênua de boi.
    Adorei!

    ResponderExcluir
  16. Eu, heim! Esse negócio de escotilha e úbere me confundio a cabeça. Viajei pra além-mar e voltei seca,apesar de ter nadado de peito, voltei seca. Nadinha de peito! É bojo aqui! snif!

    ResponderExcluir
  17. Nubia Nonato8:12 AM

    Por vezes algum objeto ou figura nos rouba a atenção por sua
    semelhança por algo que nos adoça os olhos...capta, prende.
    Uma analogia interessante, mas tome cuidado para não se distrair.
    Abração!

    ResponderExcluir
  18. O que não se ver através da escotilha? Tudo! Depende de quem está por tras e da ilimitada imaginação de cada um.
    Um abraço, amigo Marcelo!!!

    ResponderExcluir
  19. Lisette Feijó8:08 AM

    Inspirado, abraço Lisette.

    ResponderExcluir
  20. Mara Narciso9:36 AM

    Estou aqui pensando na grave lacuna da minha existência:eu nunca tive uma escotilha. Aliás nem mesmo espiei por uma delas. Apenas as vi em filmes de piratas. Socorro

    ResponderExcluir
  21. Meu caro, essa escotilhíca crônica, cheia de lascívia e provocações, fez o meu domingo ser temperado com uma lembrança, vaga lembrança: Cassandra Rios.
    Claro que você é mais sutil, mas a temperatura das linhas evoca ela.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…