Pular para o conteúdo principal

ME DÁ UM AUTÓGRAFO?



Andy Warhol









O maior colecionador de autógrafos da cidade de Antuérpia vivia, estranhamente para alguém de quem se esperaria hábitos de paparazzo, como um ermitão em sua casa de 4 cômodos - um deles reservado exclusivamente ao seu imenso acervo. Ao todo eram mais de cinco mil. Não autógrafos, mas categorias de. E estas eram cada vez mais específicas. Cantores, por exemplo, eram separados em canhotos e destros, loiros e morenos, acima e abaixo de 1,70 m, com ou sem sinais evidentes de anomalias anatômicas, circuncidados ou não.

Uma das categorias mais bizarras era a de "Obstetras de Celebridades", onde se elencavam o autógrafo do médico responsável pelo parto de Idi Amin Dada, o ditador facínora de Uganda, e o da parteira de James Dean, uma ruiva nascida no Estado de Massachusetts. Dizia ele que, na impossibilidade de conseguir o autógrafo de grandes personalidades, não menos significativo seria obter a assinatura daqueles que trouxeram tais figuras ao mundo, para o bem ou para o mal.

O fato de ser natural de Antuérpia, referência mundial na lapidação de diamantes, rendeu a ele o autógrafo do sobrinho-neto de Antoine Salisantè, assistente do lapidador que deu a forma final a um dos mais belos topázios de Elizabeth Taylor. A gema pode ser admirada em belíssimo colorido cinemascope nos vinte minutos finais do filme Cleópatra, estrelado pela atriz e grande sucesso do ano de 1963.

O terreno religioso reserva alguns dos mais preciosos exemplares da coleção. Como o de uma mulher, Genoveva, descendente da quadragésima nona geração de São Dimas - também conhecido como "O bom ladrão", aquele criminoso crucificado ao lado de Jesus Cristo e que se converteu minutos antes do suspiro final. Outro autógrafo raríssimo é o do responsável pela emissão do atestado de óbito de Albino Luciani, o Papa João Paulo I, morto após 33 dias de pontificado em circunstâncias mais do que suspeitas.

 Destaque especial merecem as categorias “Maquinistas de Trem” (223 autógrafos), “Mendigos” (397) e “Gandulas” – setor da coleção subdividido em “Gandulas de jogos terminados em empate”, “Gandulas de jogos terminados em cobranças de pênaltis” e “Gandulas de jogos televisionados pela RTP – Rádio e Televisão de Portugal”.

Sabe-se que o acervo ganhou importante incremento quando de uma exposição de Andy Warhol em Nova York, no início dos anos 70. Na ocasião, nosso incansável colecionador matou dezenas de notáveis coelhos com uma cajadada só, ao conseguir roubar o livro de visitas do evento. Nele constavam nomes de primeira grandeza, como John Lennon, Robert de Niro, Mario Puzo, Ted Turner e Muhammad Ali. As páginas com as assinaturas célebres foram cuidadosamente retalhadas com estilete; uma vez subtraídos todos os nomes que interessavam, e mais parecendo um queijo suíço, o livro foi devolvido aos organizadores da exposição.

No momento, dedica-se o nosso herói a buscar os autógrafos de James Watt, Alessandro Volta e André-Marie Ampère, vultos que emprestaram seus nomes ao universo da eletricidade, cunhando respectivamente os tão utilizados termos Watt, Volt e Ampère.



© Direitos Reservados 

Comentários

  1. Em instâncias completamente diferentes... ah! como corri em áureos tempos, atrás de autógrafos de celebridades... De nada me serviram. Sequer perdi tempo em colecioná-los... ainda bem!!
    [ ] Célia.

    ResponderExcluir
  2. Por certo o cara tinha tempo e dinheiro de sobra para estas especialidades nada corriqueiras, incluindo o roubo do livro, que poderia ter lhe rendido uma cela quadrada em lugar do seu simples comodo de quatro peças.bjs

    ResponderExcluir
  3. Por falar em autógrafos, quando vai lançar um livro com suas crônicas? Vou estar na fila, aguardando loucamente!! Um beijo, querido!

    ResponderExcluir
  4. Belo roteiro imaginário, onde a imaginação encontra um espelho, para se imaginar! O cenário está perfeito, a ilustração, beleza! Abraço

    ResponderExcluir
  5. Marcelo, seu texto me fez lembrar de uma coisa que fazíamos qdo adolescentes. Se fôssemos a alguma exposição, ou mesmo em visitas comuns a museus, nunca assinávamos nosso nome verdadeiro, mas sempre nomes de ídolos mortos, como Jim Morrison, Janis Joplin, James Dean. kkkkkkkk
    Ainda bem que não fomos à exposição de Warhol, senão a veracidade dos autógrafos seria contestada.

    Um beijo, querido.

    ResponderExcluir
  6. Claudete Amaral Bueno12:52 PM

    O dos cantores circuncidados ou não....foi DEMAIS!!!!!!!!!rsssssss
    Só vc mesmo!
    Um abração! Parabéns!
    Claudete

    ResponderExcluir
  7. Marcelo, me dá um autógrafo?

    ResponderExcluir
  8. Carlos Edu Bernardes12:31 AM

    Muito bom!

    ResponderExcluir
  9. Marco Antonio Rossi12:50 PM

    Bom dia e um otimo final de semana....

    gostaria de saber se ao lado dos autógrafos ele também colecionou as figurinhas carimbadas das personalidades.....
    Abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  10. André Albuquerque12:52 PM

    E não é que o colecionador também colecionou seus quinze minutos de fama ? Cada qual com sua sina ou cada doido com sua mania . Bem escrito, original, engraçado . Parabéns, por esse e tantos outros.

    ResponderExcluir
  11. como sempre, linhas apuradas, bem humoradas, criativas... o autor, se marqueteiro fosse, teria quilométricas filas de sedentos por um autógrafo. abs

    ResponderExcluir
  12. Clotilde Fascioni8:09 AM

    Hahahah adorei, só ficou faltando na lista o de brasileiros “ilustres”.
    Abrçs.♥

    ResponderExcluir
  13. Belvedere Bruno8:11 AM

    Genial, como todos os seus textos!

    ResponderExcluir
  14. Jorge Cortás Sader Filho8:11 AM

    Não sou chegado a autógrafos, mas uma mistura de Capone, Bush Filho, Putin, Lula, eita, estou esquecendo alguém, socorro!
    E vamos empurrando pedra ladeira acima, Marcelo.
    Até. Jorge

    ResponderExcluir
  15. Miriam Sales8:12 AM

    Um tempo sem vir aqui é tempo perdido.
    Vou tentar enviar para o moço colecionador o autógrafo do Cachoeira,o mecenas geral da República,de preferência aposto num cheque de alguns milhões.
    Que achas?
    D,pergunte ao meu querido Sader se ele me apoia nessa empreitada.rsss
    bjks nada reticentes

    ResponderExcluir
  16. Marcelo8:13 AM

    Fiquei sem palavras. Estou viajando na maionese etílica do ermitão dos quatro cômodos e procurando um porto para atracar.

    ResponderExcluir
  17. Mara Narciso9:58 AM

    Você brilha em muitos estilos, e seu humor é uma graça(risos). Adorei a maluquice da vez. Imagino-o pensando uma frase publicitária e ver surgindo aos poucos uma nova ideia para crônica. Sei que você, Marcelo, não escreve sorrindo, mas deve ler as nossas ilações de fãs, achando graça. Ou não é?

    ResponderExcluir
  18. Núbia3:38 PM

    Creio eu que existe doido pra tudo. Eu particularmente
    jamais fiquei em frente ao Projac tentando alguma assinatura, mas
    há quem fique. Imagina, encontrar num lixão da vida as unhas do
    Zé do Caixão por exemplo, se bem que, acho que estas estão bem guardadas
    que nojo...
    Muito legal Marcelo! Abração.

    ResponderExcluir
  19. Fiquei pensando nos autógrafos que fiz questão de ter este ano na Flip, enfrentando quilômetros de filas. E nos do ano passado... Esses fariam parte de uma nova "categoria", vou propor a ele.
    Abração

    ResponderExcluir
  20. Tanto quanto a Zezinha Lins: "Marcelo, me dá um autógrafo"?
    Mas eu vou te contar, heim!? Tem cidadão sem tempo pra tudo, não?
    Faltaram os autógrafos dos que só assinavam com o polegar KKKKKK
    Ou o maluco dos 4 cômodos era preconceituoso?
    Amei !

    ResponderExcluir
  21. Ah, mas este cara é um exemplo de organização total! E lá em cima, teve mais esta ideia luminosa... Só você mesmo , heim? Ótimo! Beijo.

    *O TP está de comemorações, apareça!

    ResponderExcluir
  22. Leda Basile6:03 PM

    Marcelo, desculpe a ausência mas já voltei pra dizer que acho incrível e fantástica sua cachola. De onde tira tantas ideias criativas? Cada texto é melhor que o outro. Esse dos autógrafos está demais! Beijão da eterna fã.

    ResponderExcluir
  23. Lisette Feijó3:15 AM

    Tudo é possível…
    Abraço Lisette.

    ResponderExcluir
  24. Maurício3:45 AM

    Ola Marcelo. Adorei o post. Queria compartilhar um metodo de publicação gratuita , fácil e de
    qualidade. Grato pela sua atencao.

    ResponderExcluir
  25. Elizete Lee10:58 AM

    Tudo é possível nesse mundo bizarro.
    Depois que foi leiloado um pedaço de torrada deixada pelo casal real britânico; as celebridades terão que tomar mais cuidado ao deixarem seus dejetos pelos quartos de hotéis.

    ResponderExcluir
  26. Antonio Fonseca10:59 AM

    Agora, na era digital, esse colecionador de autógrafos vai precisar de um arquivo eletrônico. Daí a minha pergunta: o Maluf, Zé Dirceu, Delúbio e a corja do CN, teriam um escaninho nesse arquivo?
    Responder

    ResponderExcluir
  27. Gosto muito das citações de personagens perdidos no tempo e no espaço. Não sabia que São Dimas era aquele ladrão ao lado de Jesus. Muito bom!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…