Pular para o conteúdo principal

LIÇÕES DE SATURNO




Fonte: nasa.gov



Há muito mais para se ver em Saturno além de seus estonteantes anéis. Tudo bem que flanar por eles, admirando seu colorido e sua plasticidade cósmica, é passeio obrigatório de qualquer ser humano em sua primeira viagem ao vizinho planeta. Os preços dos pacotes para lá, aliás, nunca estiveram tão convidativos. Mas a verdade é que os saturnianos têm muito a ensinar a nós, terráqueos, especialmente no que diz respeito à sustentabilidade coletiva.

A mesma lógica que tivemos ao conceber os edifícios de apartamentos, onde várias moradias se acomodam umas sobre as outras ocupando um só terreno, os saturnianos adaptaram às mais diversas aplicações cotidianas. E muito provavelmente a disposição dos seus anéis concêntricos e alinhados, dádiva natural do planeta, inspiraram as inovações ali implementadas.

É sabido que, embora muito maior que a Terra, Saturno padeceu durante milênios por problemas de espaço devido à alta densidade populacional. Mas a engenhosidade extra-terrestre criou prodígios estruturais capazes de intrigar nossos mais audazes inventores.

Para conhecer alguns deles, comece alugando um carro. Você verá que, mesmo na hora do rush, engarrafamentos inexistem. Para cada via expressa ou rodovia construída em terra firme (ou Saturno firme), eles empilham oito outras sobre ela. O resultado é um trânsito tranquilo, seguro e fluente, a ponto de algumas das pistas nem serem ocupadas totalmente pelos carros, o que faz a delícia dos satúrnicos teens e seus skates.

O sistema viário é um dentre muitos exemplos. Também a agricultura e a pecuária tiveram suas áreas multiplicadas por dez, vinte e até trinta, seguindo o mesmo princípio de empilhamento. Placas de solo especialmente formuladas para as lavouras e criações bovinas são produzidas da mesma forma que as nossas placas de grama, que cultivadas em viveiros são posteriormente transplantadas para seus lugares definitivos. A diferença é que tais placas de solo possuem pelo menos 4 metros de espessura, para suportarem o enraizamento das plantas e também o trânsito de agricultores e tratores sobre elas, quando suspensas. Assim, sobre um mesmo espaço, temos uma área aproveitável dezenas de vezes maior - permitindo inclusive que culturas diferentes sejam lavradas simultaneamente, e tal diversidade é um ótimo negócio para o homem do campo de Saturno. Entretanto, um problema ainda desafia os agrônomos siderais: algumas colheitadeiras, excessivamente pesadas, acabam por envergar e romper a placa de solo por onde passa, provocando um efeito-dominó sobre as placas abaixo dela. Árvores robustas e altas, como as sequóias, são utilizadas como colunas de sustentação entre um pavimento e outro. Ou seja, a concepção é totalmente ecológica e prioriza o aproveitamento da água: a rega do andar de cima, ao escorrer, faz as vezes da chuva para o andar de baixo e assim sucessivamente, até chegar ao solo propriamente dito.

Com estas e outras tecnologias, o bem-estar social é tamanho que Saturno vive hoje um Baby-Boom de ETzinhos. Templos religiosos, maternidades e cartórios de registro se empilham pelos quatro cantos do planeta para dar conta da demanda.



© Direitos Reservados

Comentários

  1. Pronto! Solução encontrada para todos os nossos problemas! Excelente! Mudando-me, já!
    [ ] Célia.

    ResponderExcluir
  2. Maravilha! Sempre sonhei em morar em Saturno e apreciar o horizonte listrado e colorido à minha frente. Lindo demais, né? Abrçs.♥

    ResponderExcluir
  3. Marco Antonio Rossi9:56 AM

    Bom final de semana.
    Só faltava os ourives bolarem alianças com os anéis de saturno.....
    Abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  4. E eu que pensava que já tinha visto de tudo, ou pelo menos imaginado, como ninguém pensou nisso antes? É tão simples... Mas aqui no planeta Terra, as pessoas também são empilhadas, de uma forma diferente,na vertical, é só observar os ônibus, as filas do SUS e por ai vai. Essa forma diferete de empilhammento vertical terráquio é um exemplo de modernidade surrealista, coisa chique!
    Marcelo... Vc é demais!!
    Um abraço!!

    ResponderExcluir
  5. Marcelo, impossível não viajar nesse mundo cósmico criado por você e os ETzinhos que se proliferam em seu cérebro e no planeta vizinho. Daí pesquei na net, e descobri que
    "Na mitologia SATURNO é o deus do tempo, no mapa astral mostra nossa capacidade de perseverar nos desafios, amadurecer nossas metas e assumir nossas responsabilidades. Ao contrário de Júpiter, Saturno representa os princípios do limite e restrição. É a atitude prática e realista diante da vida. É a disciplina e o dever, o planejamento e a lógica. É o planeta da experiência, da cautela e da ambição."

    Analisando isso e relendo seu post, agora está mais que provado que as rotas, anéis, rodovias e plantações empilhadas estão de acordo com os ideias do capricorniano nato.
    Eu que sou urana em sol e ascendente, não consigo viver com tanta terra (digo saturno) em meus pés. Gosto mesmo é do ar, da sua instabilidade, e da lua, em leão, claro....risos... beijo, querido!

    ResponderExcluir
  6. Jorge Cortás Sader Filho4:28 PM

    E dizer que Lula não fez nada disso aqui. Sem desculpa, ele vive no mundo de Saturno, por motivos óbvios.
    Começo a crer que ele não sabia nada do mensalão mesmo…
    Pegou de jeito, Marcelo.
    Abraço,
    Jorge

    ResponderExcluir
  7. Claudete Amaral Bueno12:26 AM

    Vc n/ quer ir morar lá, Marcelo??????
    É mto mais interessante que aqui!!!!!! rsssssssss
    Um abraço e feliz Dia dos Pais!!!!!!
    Claudete

    ResponderExcluir
  8. José Adriano Neves9:56 AM

    rsrsrsrsrs............muito bom mesmo esse sistema de aproveitamento de solo. Em sendo assim, da até pra afirmar com todas as letras que vão se os dedos e ficam os anéis!!!!! rsrs


    feliz dia dos pais........abs

    Adriano

    ResponderExcluir
  9. Uai, eu fico aqui nas montanhas de café e nem sei que já estão tão adiantados assim em Saturno... Meu sonho de consumo não é nem mais uma Ferrari VERMELHA... Era dar um rolé pela Terra, mas diante desta propaganda e marketing, eu estou seriamente pensando em economizar e fazer um tour pelos maravilhosos anéis. Alguma sugestão de agência de viagens? hahaha
    Ótimo!
    Um beijo!

    ResponderExcluir
  10. Está aí! Não vai demorar muito, com essa propagando eficiente, aparecer um ManéEt e querer revogar a Lei da Oferta e Procura dos anéis, muitos casamentos podem acabar descaracterizando o e. Não demora, fatará aliança por lá!
    Parabéns, moço inteligente!

    ResponderExcluir
  11. Da sua deliciosa viagem imaginativa, temo, e como temo, que um certo empreendedor daqui de SJ se inspire para lotear o planeta dos anéis. Tirando essa possível especulação cósmica, me deleitei aqui e aproveito saudar o amigo pelo Dia dos Pais.

    ResponderExcluir
  12. Jota Effe Esse1:30 AM

    E lá não tem político não? Porque onde tem, tem confusão, e vira bagunça. Meu abraço.

    ResponderExcluir
  13. André Albuquerque1:42 AM

    Ilustrativo (para mim) e bem humorado.Dizem que a Rita Lee esteve por lá.

    ResponderExcluir
  14. Lelena Terra Camargo8:12 AM

    Adoro a leveza, o senso de humor, que você coloca nos seus textos :)
    beijoss

    ResponderExcluir
  15. Maravilha Marcelo, com toda essa tecnologia desenvolvinista, por certo em Saturno não existe politica, ou seja corruptos e corruptores. bjs

    ResponderExcluir
  16. Antônio Fonseca8:01 AM

    Se tivesse político por lá, não estaria assim.
    Agora, me responda: Aqueles anéis coloridos são as luzes dos carros saturninos nessas autopistas? Se são é uma bela paisagem!
    Muito bem bolado o texto Sr. Marcelo, além de nos proporcionar uma bela leitura nos transporta ao espaço sideral.

    ResponderExcluir
  17. Gina Soares9:07 AM

    À luz da imaginação....
    lúdico... que bom seria, se assim fosse por aqui... rs

    ResponderExcluir
  18. Mara Narciso9:11 AM

    Ainda estou embasbacada com tamanha imaginação. Como aprendi ontem numa aula, original é quando a gente vai às origens para criar. Bem, bonito ou não, ir a Saturno eu não quero. Talvez via cinema, quem sabe um dia?

    ResponderExcluir
  19. Sensacional! Só essa sua mente supracriativa mesmo pra nos brindar com essa pérola de outro mundo.
    Lembrei da minha infância e das primeiras aulas de Ciências, onde sonhava andar de bicicleta pelos anéis do planeta em questão.

    Um bjão, Marcelo.

    ResponderExcluir
  20. Carlos Edu Bernardes12:42 AM

    Hehehe, genial!
    Fiquei imaginando quantas camadas teria um bolo de casamento lá!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…