Pular para o conteúdo principal

POMPEIA, 10 MINUTOS ANTES




- Senhores membros do Conselho da Municipalidade, não há verbas no orçamento para o aquecimento das piscinas públicas. Todos os recursos da prefeitura foram alocados na reforma das bigas dos arrecadadores de impostos, até porque sem impostos recolhidos pontualmente não teremos dinheiro para mais nada, nem mesmo para o necessário aquecimento das piscinas.

- Questiono a colocação do Secretário de Finanças e sugiro que coloquemos em pauta uma sindicância para apurar esse repentino esvaziamento de receitas.

- A insinuação do colega é de extrema gravidade e coloca em cheque a honra...

- Um de cada vez, por favor, ordem na casa...

- Se me dão licença, quero reiterar minha opinião de que podemos, com alguns poucos milhares de moedas, implementar o projeto do engenheiro Tenório de aquecimento de água a partir da alta temperatura dos gases exalados na cratera do Vesúvio.

- Bom, pelo menos para alguma coisa esse monstro adormecido pode servir. A ideia me agrada, e não vejo porque não implementá-la nos termos expostos no projeto de lei apresentado pela bancada situacionista. Além disso, lembro aos colegas de casa que a medida tem alcance popular e estamos há poucos meses das próximas eleições.

- Alguns meses é muito tempo, o povo esquece fácil. Temos que anunciar a obra bem à véspera do pleito, para fazer a novidade render votos. Imagino que todos aqui concordam com este raciocínio.

- Nosso partido não vai compactuar com esse conchavo imoral, a menos que sejam reabertas as negociações para os cargos de segundo escalão. Nossa sigla vai emperrar tudo, caso permaneçam inflexíveis.




Os dois minutos derradeiros


- Relaxe. Jamais seremos descobertos, minha doce vereadora, todo mundo já foi embora. Morre aqui com a gente esta gentil troca de favores.

- Por César, o que não temos que fazer em benefício da coisa pública!

- Se me permite o aparte, acho que o termo correto no caso seria "coisa púbica".

- Ah, nobre representante do povo... já imaginou se entra alguém aqui agora?

- Confie em mim, só estamos nós dois no palácio. Espera aí, calma vereadora, devagar. Olha a mancha de batom na túnica...

- Esse seu vulcãozinho aí me parece mais extinto que o Vesúvio. Duvido que ele entre em erupção, ainda que lance mão de todo o arsenal erótico que tenho aqui na bolsa.

- Bom, tudo vai depender da habilidade da nobre colega de legislativo. Confio na sua capacidade empreendedora. Sinto que o chão treme quando a ilustre colega faz assim... Isso, continue.

- Que cheiro de enxofre, vereador, você está usando talco pra chulé?

- Inquestionavelmente, a vereadora sabe como quebrar o clima.

- Não me leve a mal não, coleguinha. É que o ar parece que está meio estra...

(...)


© Direitos Reservados

Comentários

  1. Gercio4:32 AM

    Muito bom Marcelo, seu texto mostra que nada muda. Passa o tempo, mas o homem não evolue. Parece até que isso ocorre no ano 2012...

    ResponderExcluir
  2. Marcelo! Muita risada diante da pornochanchada política em nosso país! Sempre as mesmas mazelas: - a busca do vulcão em erupção, de preferência... A cabeça pensante realmente mudou de lugar no corpo humano!
    [ ] Célia.

    ResponderExcluir
  3. Adorei!
    Nada mudou ao que parece, principalmente "em benefício da coisa pública".
    Abrçs, meu amigo virtual Marcelo.♥

    ResponderExcluir
  4. "monstro adormecido"... olha Marcelo, se não fosse por você, meus sábados também estariam adormecidos... risos... muito legal! Só não gostei mais porque fiquei imaginando como são os diálogos do Governo Dilma acerca da greve dos professores... a baixaria deve ser muito pior que o que acontece entre vereadores e vereadores... risos... beijo!

    ResponderExcluir
  5. Ah, que interessante ver os bastidores da política em Pompeia... e coitados desses dois, que nem chegaram às vias de fato. Seriam eles que figuram como peças de museu nos escombros da referida cidade? kkkkkkkkk
    Bom ler uma versão mais amena dos fatos.
    Um bjo, Marcelo.

    ResponderExcluir
  6. Marco Antonio Rossi2:50 PM

    BOM FINAL DE SEMANA.

    ESSA HISTÓRIA PARECE AQUELA QUE TERMINA EM PIZZA DE MOTEL EM UM PAÍS DA AMÉRICA DO SUL.......
    ABRAÇO
    ROSSI

    ResponderExcluir
  7. No Jardim de Abrantes , hoje como antes, a muvuca continua.Eu prefiro ver do que ser cego, ouvir do que ser surdo e ficar puto do que estar lá do outro lado...lá.

    ResponderExcluir
  8. Rafrajola6:54 PM

    Marcelão,
    Não sei quando vc escreveu isso, mas lembrei na hora da baixaria dos que andam LEWANDO um por fora pra empurrar o julgamento do Mensalão até o Carnaval...
    Abraços!

    ResponderExcluir
  9. Jorge Cortás Sader Filho12:25 AM

    Interessante. É exatamente assim que caminha a política nacional.
    Não vejo como ficção, mas realidade.
    Abraço,
    Jorge

    ResponderExcluir
  10. André Albuquerque3:10 AM

    Marcelo: Muito bem escrito, hilário do princípio ao fim, imagino que qualquer semelhança com alguns países abaixo da linha do Equador seja mera coincidência...Parabéns.

    ResponderExcluir
  11. às vésperas das eleições tudo pode acontecer, inclusive benefício ao povo, agora... Por raios e trovões... quando a coisa começava a ficar boa, vem essas infinitas reticências... como a nos dizer: Nas reticências encontramos de tudo...

    ResponderExcluir
  12. José Carlos Carneiro8:21 AM

    A história atual dos povos é como um decalque da história passada. Mudam os atores, mas pouco ou nada muda o enredo. Ao abordar essa realidade nua (Ah! A alcova!) e crua ( o cozimento virá depois), os meandros da política e seus artífices, você mesclou tudo de maneira a não faltar um só tempero. As menções à "coisa púbica" e a desqualificação do "Vesúvio" foram de arrasar.
    Um abraço e boa semana.

    ResponderExcluir
  13. Sandra Nogueira9:26 AM

    bom dia Marcelo, acabo de ler seu texto, que me fez pensar, claro, que em Pompéia a coisa já era assim. Deixe-me correr, estou sentido um cheiro estranho no ar....
    abraços
    Sandra

    ResponderExcluir
  14. Jota Effe Esse9:26 AM

    Até parece que estou dentro da "Gaiola de Ouro", ali na Cinelândia - Rio - RJ. Meu abraço.

    ResponderExcluir
  15. José Claudio - Cacá9:28 AM

    A eletricidade resolveu o problema do aquecimento muitos anos depois; já quanto aos poíticos e seus métodos, muito pouco ou quase nada mudou de lá pra cá; nem se der choque eles alteram o rumo das coisas. rsrs. Abração, Marcelo e ótima semana.

    ResponderExcluir
  16. Gina Soares8:01 AM

    Há algo no ar no reino da Pompéia... política e mau cheiro estarão sempre juntos...
    Retrato fiel.... bom dia!

    ResponderExcluir
  17. Celi Estrada2:42 PM

    Pena ainda estarmos engatinhando na democracia...
    Celi

    ResponderExcluir
  18. Mara Narciso12:31 AM

    Muito bem bolado. Os grandes momentos têm seus instantes iniciais e finais. A inspiração deve ter vindo do Bar Vesúvio, de Gabriela e Seu Nacib, ainda assim, é muita imaginação. E podemos confirmar que os políticos não mudaram nada,seja ontem, seja hoje. Os mesmos de sempre.

    ResponderExcluir
  19. Olá Marcelo!
    Que senso de humor heim?
    Olha que ali no planalto bem que poderia ter um vesuviozinho e acabar com certos acordos indecentes... Rsrsrs. Ótimo, como sempre!
    Um beijo!

    ResponderExcluir
  20. História com caricatura do nosso mundo político. E se isso vem numa embalagem que é um primor... risadas vulcânicas aqui, muitas.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…