Pular para o conteúdo principal

UNIVERSO PARALELO





Naqueles dias, o fake do Todo-Poderoso botou as manguinhas de fora e resolveu criar seu universo genérico, plano que acalentava há tempos. Pode-se argumentar que o termo "Universo", significando "todo, inteiro", não poderia comportar uma outra versão, qualquer que fosse ela, sob pena do vocábulo cair em descrédito. Mas não é a essa questão etimológica que vamos nos ater, pelo menos neste despretensioso relato.

Após um longo espreguiçamento, o godzinho de araque estalou os dedos, escovou os dentes, juntou todo o seu ímpeto empreendedor e partiu cheio de vontade para a intrincada missão. Começou concebendo o firmamento, que depois de ficar pronto demonstrou não ser firme o suficiente. Sim, amigos. O firmamento apresentava sérios e incontornáveis problemas de encaixe, não se fixava corretamente sobre o espaço infinito e jamais passaria pelo menos rigoroso dos controles de qualidade. Eram ainda visíveis rachaduras de natureza estrutural, evidenciando erros básicos de cálculo.

Nosso criador do mercado paralelo não se deixou abalar por esse primeiro contratempo e pôs-se a fazer as estrelas, tarefa que o manteve entretido por umas dezesseis longas horas, que teriam sido bem gastas se a empreitada chegasse a bom termo. Mas qual não foi sua surpresa ao constatar que todas elas nasceram cadentes (ou decadentes, como queiram), já que não paravam no já citado bambo firmamento.

É claro que o planeta Terra recebeu especial atenção do fake, que demonstrava o mesmo e incansável empenho em tudo o que executasse, desde o protótipo do abridor de latas até o ciclo das marés. Passou noites e mais noites em claro tentando dar forma ao cavalo de três orelhas e à rosa de pétalas não-despetaláveis (qualidade que, segundo ele, aumentaria em muito a vida útil das mesmas). Todavia, quanto mais tentava implementar aperfeiçoamentos às coisas do universo mais quebrava a cara em seu intento, revelando-se um verdadeiro trapalhão ao trocar as cores das verduras e legumes do tradicional verde para o vermelho, o azul e o rosa-choque, buscando com essa mudança despertar o interesse e a gula das crianças.

As anomalias de fabricação foram se perpetrando em série, como numa linha defeituosa de montagem. Feita também nas coxas, a água materializou-se na forma de H3O, trazendo com isso inconvenientes vários - dentre eles o mais básico e catastrófico, ou seja, o de não matar a sede em hipótese alguma.

Ao contrário do Todo-Poderoso de verdade, o deus postiço prometia a vida eterna mas não tinha a menor ideia de como entregar a mercadoria. O paraíso para os bons ficava só na promessa, uma espécie de título do governo com resgate em data imprecisa. Um precatório celeste, para ser mais exato – o que gerou uma série de processos junto aos órgãos de defesa do consumidor da época, movidos por centenas de milhares de crédulos lesados.


© Direitos Reservados

Comentários

  1. Bem se até por lá houve (ou há) trambiques e corrupções... fazer-se o quê?
    CPI no Todo Poderoso!
    [ ] Célia.

    ResponderExcluir
  2. Em pleno "inferno astral" o bloguito manda o seguinte recado: o todo-poderoso é único e não há como plagiá-lo. E estrelas cadentes ou decadentes são muito pequenas, diante do seu brilho, Marcelo! Parabéns, mais uma vez, por nos apresentar seu universo, tão viajandão, particular e lúdico!

    ResponderExcluir
  3. Genérico, fake e trapalhão esse Deus do Paraguai, né, Marcelo... quem não tem competência, não se estabelece. Fora, nota de três reais!

    ResponderExcluir
  4. Claudete Amaral Bueno2:53 PM

    Imaginativo, como sempre!
    Bom FDS
    Abraços,
    Claudete

    ResponderExcluir
  5. Vera Vinicius12:03 AM

    muito bom!

    ResponderExcluir
  6. Lisette Feijó12:04 AM

    Bom fim de semana abraço Lisette.

    ResponderExcluir
  7. Jorge Cortás Sader Filho12:05 AM

    Depois deste H3O, realmente o ‘godzinho’ não poderia ter feito nada que prestasse.
    Interessante. Conheço um cabra parecido…
    Abraço, Marcelo.

    ResponderExcluir
  8. Há há há há há! Se o godzinho inventar um outro tipo de risada, dou-lhe nas orelhas! Aliás, é tonto mesmo. Invenção melhor do que está para ser inventada, e a tempo carecemos isso, é a moeda de 1,99, a nossa verdadeira, que tudo é quase, mas nunca é 1,99. Quero ver inventar o troco depois!

    Abração, moço inteligente!

    ResponderExcluir
  9. André Albuquerque10:39 AM

    Marcelo: Texto enxuto, hilário, bem escrito.Aguardo mais.Forte abraço.

    ResponderExcluir
  10. Marco Antonio Rossi11:20 AM

    Bom dia e um otimo final de semana.
    Acho que o melhor era fazer umparcelamento do solo de marte, lotear e vender como condomínio fechado......
    abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  11. Ah, mas este 'Fake do Todo-Poderoso' é terminologia nova para mim. Incrível, totalmente antenada para as novas antenas e, este mundo genérico não deu certo provavelmente por inveja dos próprios fakes do fake. Essa tal de internet leva a esta miscelânea de termos e intenções. Mas , vamos considerar, um planeta como o nosso, feito no capricho, já dá trabalho, imagine um feito pelo avesso do avesso?
    Ótimo, Marcelo!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  12. O godzinho clone é uma troça das boas. fico imaginando o atendimento eletrônico do 0800 fake: "disque um pra falar da sua saúde, dois pra pedir mais dinheiro, três pro filho entrar na faculdade... 1.435.547 pra reclamar da falta de cor na abóbora... abs

    ResponderExcluir
  13. O universo genérico nao deve ser muito ruim pois tem as mesmas qualidades do universo de marca, mesma biodisponibilidade e que tais. Mesma zona, inclusive.
    Mas um universo pirata , feito com ingredientes via Itália ou China...epa! a menos que traga a Gina? ja era. a Rossana Podestá? ja era. A Sofia? já era. A Anna Magnani? cacete, já era

    Mas o seu texto é muiiito bom.parabéns

    ResponderExcluir
  14. Juliano9:50 AM

    logo vai moeda de R$ 1,99 !!!!!!

    Abs e boa semana !

    The "Original" Pangó !

    ResponderExcluir
  15. Gina Soares9:52 AM

    À luz da imaginação....
    lúdico... que bom seria, se assim fosse por aqui... rs

    ResponderExcluir
  16. José Cláudio - Cacá2:45 PM

    Na hora que os empreendedores imobiliários descobrirem isso, começará a venda e lotes. hahahahaha! Muito boa, Marcelo. Abração.

    ResponderExcluir
  17. Carlos Edu Bernardes12:40 AM

    Beleza, Marcelo!
    Esse godzinho aí deve estar satisfeito com a política brasileira!

    FABraços!

    ResponderExcluir
  18. Espero que esse "godzinho" não se candidate para as próximas eleições,ganharia disparado e infelizmente já tivemos esperiências demais nessa área.
    Abraços meu amigo virtual. Tudo de bom para você.♥♥

    ResponderExcluir
  19. Celi Estrada8:21 AM

    Até Deus ???
    3 reais, será real ? AH! AH! AH!
    Obrigada,
    Celi

    ResponderExcluir
  20. Mara Narciso1:35 AM

    Os precatórios e a entrega do produto foi o clímax da incompetência. Fazer o mundo real não é fácil. Imaginem o paraíso?

    ResponderExcluir
  21. Antônio Fonseca9:27 AM

    Pois é, meu caro Marcelo, em um conto meu, composto, há pelo menos, 15 anos eu tivera a ajuda do meu deuzinho quado morria de sede. De um arbusto, que do lado oposto ao meu, era todo seco, marronzinho mesmo, e do outro verde vivo viçoso e reluzente, saíam umas mangueirinhas transparentes onde escorria H2O. Graças ao deuzinho que era H2O, pois, do contrário coloriria meus cabelos tornando-os mais amarelecidos. De que me importa se meu crânio só comporta três fios bem fininhos e que, a dois metros lineares de distância, são mais imperceptíveis que as três orelhas do alazão passadas de liso pelo controle de qualidade uterina?
    Viajei, amigão.
    Abraços fraternos.
    Antônio Fonseca

    ResponderExcluir
  22. José Carlos Carneiro1:57 PM

    Desde quando me conheço por gente não havia lido tão profunda intervenção na concepção do universo por tais vias. É muito provável que, se conhecer-me por gente é opinião pessoal e intransferível, o barco deve ter passado por mim e não notei. Felizmente às vezes sou salvo pelo gongo e dessa vez quem me arremessou o bote salva-vidas foi você. Invencionice às pampas, mas calcada no que nos é ensinado, aprendemos ou deduzimos.
    Aliás, matemáticos, filósofos e assemelhados já andaram buzinando que no infinito as retas paralelas se encontram. Como ainda não consigo separar o que é finito do que é infinito, tudo para mim tem cores chamativas, como as das pétalas que você inventou.
    Um abraço.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…