Pular para o conteúdo principal

LIQUIDIFICADOR JETMASTER SUPERTURBO 3 VELOCIDADES






O fato é que John Boy Walton mal conseguia disfarçar seu entusiasmo com algumas das partes palpáveis de Tetê, aquela que sabia demais e não viu que o tempo passou, ainda que continuasse em ótima forma dentro do seu biquíni de bolinha amarelinha. Há tempos os comunistas deixaram de ser uma ameaça, de maneira que compra-se uma Rural Willys zero quilômetro nos revendedores autorizados com apenas alguns ordenados ganhos - contanto que esse ordenado seja de piloto da Panair, de delegado de polícia ou de funcionário de carreira do Banco do Brasil. O Rio, às três da tarde de sexta, está no mínimo duas doses de cuba-libre abaixo do que seria desejável, e confesso a você que não vejo inconveniência alguma em reservar uns cruzeiros novos para o casaco do Mappin. Se te interessar fala com a irmã do Pedro, o falsificador de carteirinhas, ela trabalha lá e te dará uma atenção especial. Eu posso jurar que vi um dos dedos do Redentor se mexendo. Por falar em dedos, não me parece crível a sua nota final do curso de datilografia. Minha velocidade é de 60 palavras por minuto e ninguém da turma, nem passando graxa nos mãos, conseguiria me alcançar em condições normais de temperatura e pressão. Mas deixa isso pra lá, vem pra cá, o que é que tem, até porque no momento um girassol da cor dos seus cabelos inventou de brotar do centro das terras de Jerônimo, o herói do sertão, para pousar nos ombros gelados do robô. Você sabe, aquele para sempre perdido no espaço e que passa todo dia antes do John Boy. Ok, cambio? Então boa noite, Mary Helen.


© Direitos Reservados

Comentários

  1. André Albuquerque3:55 AM

    Uma viagem por ícones de consumo,de permeio á cultura de massa com referenciais de um pretérito ainda imperfeito, porque consegue fornecer inspiração para uma narrativa ótima.Forte abraço Marcelo.

    ResponderExcluir
  2. Belvedere Bruno12:19 PM

    VC é o momento-relax. Obrigada, amigo!

    ResponderExcluir
  3. Marco Antonio Rossi12:20 PM

    Meu caro amigo, obrigado mais uma vez em me dar o privilegio de poder ler suas cronicas e me atrever a emitir um comentário. Um excelente fim de semana prolongado.
    Agora, de posse da cronica de hoje, estou me preparando para assistir Lanceiros de Bengala na Record (canal 7) e Lassie na Tupi(canal 4)........
    vou jantar e volto para a novela O Direito de Nascer....
    Um grande abraço e mais uma vez obrigado pelo exercico da lembrança para minha cabeça que recebe pela manha a famosa loção Sana Caspa ( a do macaquinho).
    Rossi

    ResponderExcluir
  4. Tranquilize-se Marcelo! Outros milagres eleitoreiros surgirão para "nossa alegria" e, assim no disfarce da independência das "peladas" no desfile oficial e, na energia elétrica mais barata (rodiasol nela...)haveremos de ouvir um novo grito, talvez não no Ipiranga, pois o mal cheiro é insuportável... De repente em um resort com "príncipes nus e outras Mary Helen"... orgasticamente em modernos "processadores... de frutas"...
    Abraço,
    Célia.

    ResponderExcluir
  5. Antonio Carlos Dayrell1:48 PM

    Cá estou. Obrigado MS
    Abraços. Dayrell

    ResponderExcluir
  6. Clotilde Fascioni2:21 PM

    Legal, uma volta ao passado na televisão do passado em 60 palavras por minuto. Abraços meu amigo virtual Marcelo.♥ Tudo de bom.♥

    ResponderExcluir
  7. Claudete Amaral Bueno3:54 PM

    Oi! rssss
    Eu acho que tem mais que 3 velocidades.......... o Jerônimo, eu adorei!!!! Era fã incondicional dele,da Aninha e do Moleque Saci! rssss
    Parabéns, como sempre! Recomendo, como diz uma amiga sua.....rsssssssss
    Um abraço!
    Claudete

    ResponderExcluir
  8. Marcelo, querido, estou eu aqui, na Praia dos Carneiros-PE, num lugar paradisíaco, e mesmo estando no paraíso, não poderia deixar de adentrar no seu paraíso de palavras e enredos adoráveis, superiores a duas doses extras de roska de morango, que saboreei na praia ao som da banda blitz, a mesma citada nas suas bem traçadas linhas... um bom fim de semana!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Praia dos Carneiros!!! Conheço esse lugar!!!

      Excluir
    2. Praia dos Carneiros, se alguém quiser ver:
      https://www.facebook.com/media/set/?set=a.2006505847097.2122599.1377188209&type=3&l=e5a49e955b

      Excluir
  9. Jorge Cortás Sader Filho1:19 AM

    Piloto da Panair? Raridade histórica, cruzeiros fora, casaco da Mappin, Rural Willys, e a frase de Bogart, adaptada à realidade carioca!
    Bateu o recorde, meu amigo.

    ResponderExcluir
  10. Celi Estrada7:16 AM

    Deixa prá lá, vem pra cá,o quer que tem...
    Obrigada,
    Celi

    ResponderExcluir
  11. Belo mosaico, Parabéns !

    ResponderExcluir
  12. Mas o que é isso? Li e reli o texto junto com o meu marido, aqui do ladinho. Olhandoa imgem do liquidificador, veio-nos aquela saudade no paladar. O leite batido ai, nesse liquidificador, era muito mais gostoso. A vitamina, quando não tinha frutas nenhuma para misturar ao leite, virava vitamina mesmo, leite com espuma, aquela que deixava bigodinho em nós. Ai que delícia que foi relembrar essa saudade, junto com o meu marido aqui do ladinho, gostoso segredo de um liquidificador.

    Abração, do meu marido e meu também!
    Ai, ganhou mais um leitor, heim!

    ResponderExcluir
  13. Isso é merchan do Windows com processador i7? Várias janelas abertas simultaneamente! Bacaníssimo!

    ResponderExcluir
  14. Núbia1:42 PM

    Tão rápido que mal consegui acompanhar. Um revival sarcástico mas de bom tom
    e muito divertido.
    Boa noite John Boy…
    Abração Marcelo.

    ResponderExcluir
  15. Meu Deus, é uma batida, uma vitamina televisiva!
    Tetê Carolina, filha de Ana Maria. Sim, eu me lembro delas. Fazíamos compras no Mappin e na Mesbla. Passávamos lá depois das nossas aulas de datilografia (e Tetê jamais conseguia sair do asdfg asdfg). Acho que é porque ficava pensando nos cabelos louros de Jonh Boy e aquela pinta no rosto. Eu, para falar a verdade, também. Tetê já era bem mais velha que eu (en ten deu?) e Ana maria toda envergonhada nos buscava em sua Rural ... Dizia que era fã de um tal de Jair Rodrigues e vivia perdida entre o vento solar e estrelas do mar. Tetê era filha do Coronel Saturnino Bragança e por isso, Ana maria vivia em Perigo, Perigo, Perigo! Mas sempre chegávamos antes de ouvir o boa noite Jonh Boy!
    * Minha mãe tinha um liquidificador igual à este, vermelho e branco! Que saudade!
    Bom resto de domingo, boa noite Jonh Boy!

    ResponderExcluir
  16. José Carlos Carneiro8:21 AM

    Com uma geringonça com tal recurso só podia dar em um produto final de grande valor agregado e moldado pela sua hábil imaginação.
    Abraço e boa semana.

    ResponderExcluir
  17. Gina Soares8:13 AM

    hahaha, me diverti lendo...
    estava precisando algo que tirasse um pouco as coisas do sério...
    Parabéns!!
    bjs

    ResponderExcluir
  18. Mara Narciso8:08 AM

    Um gostoso túnel do tempo que nem é do seu tempo. Você mal tinha saído dos coeiros, Marcelo. Fiquei contado os minutos para, enfim, ler sobre o magnífico liquidificador Jetmaster superturbo 3. Mas fomos enganados. Muito gostoso ler essas suas loucuras.

    ResponderExcluir
  19. Zezinha Lins8:56 AM

    Que legal, Marcelo!! Que viagem... Só entende esse papo quem viveu essa época. Perdidos no Espaço era o meu preferido ainda bem pequenina. Adorei!!

    ResponderExcluir
  20. Antônio Fonseca3:57 AM

    Lembrei-me do prefeito matuto duma destas cidades perdidas em algum cantão, quando encontrou, na capital, com o governador.
    Governador: Olá prefeito, como vai aquela zona rural?
    Prefeito: Ô dotor, a rural fundiu o motor e tivemos que arrumá. Agora a zona tava dando muito trabaio, nóis fechemos.
    Eu fechei a leitura desta curtinha crônica, rindo. Obrigado meu caro Marcelo.

    ResponderExcluir
  21. John Boy Walton... Até hoje lembro-me da música de abertura e do final de cada episódio: Boa Noite, John Boy! Muito legal o texto!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…