Pular para o conteúdo principal

MC LUA INFELIZ

Ilustração: Thiago Cayres



- Sabe de uma coisa, Ray, você até que é um cara esperto. O seu defeito é pensar pequeno, e um sujeito com 52 anos não tem mais tempo de errar na vida. Aonde pensa que vai chegar com esse sanduichinho de dois hambúrgueres, alface, queijo, molho especial, cebola e picles no pão com gergelim? Pretende mesmo pagar a faculdade dos seus filhos com isso?

- Meta-se com o seu foguete que eu sei o que estou fazendo. Um dia, milhares de manés californianos, metidos a inventores como você, tentarão copiar a minha receita e não conseguirão fazer igual. Pode apostar.

- Bom, igual não vai ficar mesmo. Ruim assim, vai ser difícil. Por que não abraça um projeto maior, com alguma chance de futuro, meu caro? A corrida espacial está só engatinhando, e temos literalmente um universo de possibilidades para explorar. O primeiro desafio é a lua, e os engenheiros da Nasa certamente vão cair de quatro com o projeto do meu foguete. Olha só a maquete... não é linda?? Mal posso esperar a hora de vê-lo rasgando o céu.

- Lançamento por lançamento, fico com o meu em terra firme. Melhor uma McOferta na mão que dois foguetes voando.

- É, amigo, vejo que um abismo nos separa. Minha ambição está nas estrelas, e a sua numa chapa quente e cheia de gordura. Triste.

- Pois fique sabendo que seus astronautas levarão Big Macs desidratados a bordo para comerem na viagem. Isso se conseguirem sair vivos da plataforma de lançamento, porque é bem capaz da sua geringonça explodir antes do fim da contagem regressiva.

- Pense bem, homem. Hamburguerias e sanduíches como esse que você imagina eu conheço dezenas só aqui em San Bernardino. E com belas mocinhas de pernas de fora, que andam de patins servindo os carros, o que não é o caso da sua modesta baiuca. E esse nome, então, McDonald's? Diga-me qual o sentido disso? Seu nome é Ray Kroc, caramba. Você poderia ao menos batizar seu "come-e-morre" de Kroc's Burger, lembra comida crocante, não é mesmo? Se bem que, para ser bem sincero, esses seus hambúrgueres mais parecem umas borrachas com gosto de sabão de coco. Jamais permitiria que algum dos meus astronautas se aproximassem dessa gororoba insossa. Eu teria que abortar a missão em consequência de diarréia coletiva.

- Bom, em primeiro lugar você precisa achar quem queira se aventurar nessa lunática empreitada, pra depois se preocupar com uma improvável disenteria, não acha? Meus ingredientes serão todos selecionados, de fornecedores exclusivos. Particularmente, confio muito mais nos automovinhos de plástico que vou distribuir de brinde com o Mc Lanche Feliz do que na performance do seu foguete espacial.

- Você é mesmo um caso perdido, Ray. Se me permite um último palpite, essa mistura de sanduíche com batata frita não vai dar certo... 

Hoje, uma das mais controvertidas teorias da conspiração sustenta que o homem nunca foi à lua e que tudo foi armado em um estúdio fotográfico chinfrim pelo governo americano. Por outro lado, se fossem dispostos em fila, os Big Macs vendidos até agora no mundo somariam várias vezes a distância da Terra à lua.


© Direitos Reservados

Comentários

  1. Eli Muzamba7:43 AM

    Caro Marcelo, me espanta sua organização em toda semana postar algo.
    O mundo pedestre só nos dá bananas e novelas, e você continua devolvendo alegres flores.

    Parabéns!

    Muzamba

    ResponderExcluir
  2. Maria José Rezende12:04 PM

    Olá amigo. Lindo blog. Adorei as postagens. Parabéns. Beijos.

    ResponderExcluir
  3. André Albuquerque12:05 PM

    Num texto pleno de humor,a historia de um dos maiores negócios do mundo.Parabéns;eu , que pensava que a inovação de Kroc era a introdução na indústria da alimentação, do princípio da linha de montagem,de Henry Ford.Forte abraço.

    ResponderExcluir
  4. Seus textos sempre me alegram e perco um tempão tentando entender suas ironias... risos... quando as entendo, fico com fome... vou logo ali na esquina, comer um quarteirão com queijo, fritas e refrigerante de cola, óbvio, e mais depois parto para lua [show de Nando Reis]. Beijo, querido!

    ResponderExcluir
  5. Marketing por Marketing... fico com o meu lado vegetariano que já estava "escrito nas estrelas"... e o brinde (?)... tão somente a delícia de ler suas "irônicas e conclusivas" crônicas, século XXII; sim porque você enxerga longe, companheiro!!
    [ ] Célia.

    ResponderExcluir
  6. Marco Antonio Rossi2:52 PM

    Um exelente final de semana, meu amigo!
    Viva o Ronald!!!!!!!!
    até que um hamburguer seria uma otima pedida para o jantar de hoje a noite......
    Rossi

    ResponderExcluir
  7. Uma hipótese interessante que pode ser verdadeira. O homem não foi até a Lua.
    E agora? Manda mais dúvida, Marcelo!
    Abs. Jorge

    ResponderExcluir
  8. Marcelo, você pode não acreditar, mas eu jamais botei um Mc na boca, e creio que nunca botarei. Podem me chamar do que quiserem, mas é isso, e ponto. Meu abraço.

    ResponderExcluir
  9. Pois é, meu caro Marcelo, se eu tivesse que escolher entre o lanche e um passeio à Lua, escolheria o lanche. Temos muito o que fazer aqui na Terra para nos preocupar em conquistar a Lua. Deixa a Lua pra ser admirada pelos casais de namorados enquanto comem os Big Macs

    ResponderExcluir
  10. Claudete Amaral Bueno12:26 AM

    Brincando....brincando....vc falou umas verdades do lanchinho insosso, hein?????? rsssssssss
    Bom domingo!
    Claudete

    ResponderExcluir
  11. Caro Marcelo,
    Neste mundo, tudo depende das circunstâncias...Sempre torci o nariz para o Mc. Que me lembre, jamais provei um burguer. Mas, acredite, graças a um Mc próximo ao hotel em que fiquei em Londres, não passei fome...Ali encontrei o meu "matinho" diário,sem frescuras nem tempéros indesejáveis. Num dos meus almoços no Mc, levei um pedação de peixe frito, comprado numa portinhola qualquer, e mandei ver, junto com uma side salad e um suco de laranja. Foi um banquete! A questão de sobrevivência altera, e muito, o valor das coisas.
    Parabéns pela feliz abordagem! M. Inês Prado

    ResponderExcluir
  12. Você se supera, Marcelo! Gosto muito deste seu estilo! Misturar realidade com ficção é seu ponto forte! Não sei mais como lhe parabenizar! Parabéns!!!

    ResponderExcluir
  13. Bem... pelo que sim, pelo que não, sei que colaborei muito , por conta os meus filhos, para que os mcslanches conseguissem abraçar a Terra. Se aparecer um satélite Mcfelixsguassabis, sentirei-me como parte integrante dele.
    Vai ter criatividade assim lá na Lua, cara!

    ResponderExcluir
  14. José Palaveri4:21 PM

    Adorei a comparação. Obra de artista. Abraço. Palaveri.

    ResponderExcluir
  15. José Carlos Carneiro4:27 PM

    Uma maneira toda sua de fazer uma profunda análise comparativa entre a tecnologia de fazer o sanduiche que conquistou o mundo e gera fortunas para os donos e franquias e a outra, bem mais sofisticada, para obter conhecimentos sobre nosso satélite e outros astros. Pena que o Macdonalds é real, palpável, mata ou ilude a fome, é vilão da obesidade, mas está ao alcance das mãos. De que nos serviria saber mais sobre parte da nossa via láctea, se ainda não arrumamos solução para problemas bem mais elementares. Valeu, cara!

    ResponderExcluir
  16. Olá Marcelo!
    Entre tanta lua e sonho, o pé no chão, a barriga no fogão parece ter sido o voo mais longe... Mais um texto ótimo pra gente refletir um bocadim! Beijão procê!

    ResponderExcluir
  17. Olá Marcelo, estou mais para o cara do foguete do que para o inventor do "sabor" do famoso Mc. Muita coisa se inventou a partir desse sonho louco de visitar o nosso satélite, pelo menos em termos alimentos longa vida além de muitas outras invenções que seria impossível enumerar aqui. Quanto ao sanduba-mór apenas ganhamos em obesidade.
    Abrçs amigo, até semana que vem.

    ResponderExcluir
  18. Oi Marcelo,como vai? Obrigada por poder te ler. Você é GENIALÍSSIMO !!!E que metáforas !!!! :) Não sei porquê, mas esse seu McLua me lembrou o B.B.King,ops o Burguer King.:)
    Você sabia que o Mc utliza stylist food nos estúdios fotográficos para dar um "up" nas fotos das Mc Ofertas?Tudo a ver com o estúdio fotográfico dos americanos forjando a ida à Lua. Viajei...:)

    Estou dodói,com febre,mas rindo muito aqui,e com o olho bem atento te lendo. Boa noite!

    Um beijo, Marcelo.

    ResponderExcluir
  19. Carlos Edu Bernardes8:17 AM

    Boa Marcelo!
    E acho que o 'cara' dos foguetes aí devia ser amigo do Von Braun, nazi verdadeiramente pai da corrida espacial americana! Hehehehe

    Boa semana!

    ResponderExcluir
  20. e a circunferência das barrigas que eles trazem ida e volta e ida e volta e ida e volta várias vezes!

    ResponderExcluir
  21. Jorge Xerxes12:52 AM

    Marcelo,

    Gostei Muito de Seu Diálogo Imaginário!!!

    Criatividade e Bom Humor.

    Um Grande Abraço, Jorge

    ResponderExcluir
  22. Uma coisa é uma coisa e outra coisa pode ou nao ser a mesma coisa; assim, ipso facto , data vênia entre luas e mcs vamos levando a vidinha servidos por textos interessantes de pessoas com fertilidade de imaginação.

    ResponderExcluir
  23. Mara Narciso5:43 PM

    Nota mil. Boas e garantidas risadas e sem Big Mac.

    ResponderExcluir
  24. Núbia Nonato4:20 PM

    Idéias mirabolantes por vezes tropeçam nas próprias limitações, uma ideia simples
    bem executada geralmente ecoa. Como sempre mais um ótimo texto Marcelo.
    Abração e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  25. Antônio Fonseca4:21 PM

    Pois bem, aos olhos incrédulos serão vistos vários sucessos econômicos. Até o daquele cara que pegou um pedaço de arame de mais ou menos 15cm e afirmou aos amigos que ficaria podre de rico com ele. E ficou mesmo – inventou o clips. É assim mesmo; de onde não se espera é que sai.

    ResponderExcluir
  26. Esse texto é um combo perfeito pra este escriba obeso amante de trash food: tem as linhas big tasty do Marcelo falando da invenção fantástica do Ray Kroc. Uma Coca pra acompanhar?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…