Pular para o conteúdo principal

VIDA DE SANTO


Imagem: Domínio Público



Engana-se quem pensa que vida de santo é um infinito dolce far niente. Nem ao mais preguiçoso deles é dada a graça de ficar chupando chicabon eternidade afora. E aquele estereótipo de se recostar em nuvens, entre cânticos e cítaras, é mais coisa de anjo que de santo - e anjo de quadro barroco, idealizado e fora de contexto histórico.

Santo passa maus bocados, verdade seja dita. E nem por isso os devotos lhes tratam com o devido respeito, o respeito que o santo, justamente por ser santo, exige.

Por exemplo, esse estranho hábito terráqueo de entornar no mínimo 10% da cachaça no chão da venda, dizendo que é pro santo. Posso dizer com certeza que todos eles abrem mão da homenagem e passam muito bem sem ela. Se gostasse mesmo de água que passarinho não bebe, santo não seria santo. Muito pelo contrário.

Depois, tem outra: manda a Justiça Divina que, toda vez que se oferece algo pro santo, e não se especifica pra qual santo é o presente, a oferenda seja repartida por todos indistintamente. Vai daí que cada gole oferecido é dividido, em partes iguais, para a santosfera inteira. Sabendo-se que os santos são atualmente milhares, a cada um cabe geralmente uma gotinha de nada - e não é isso que vai desviar a santaiada do bom caminho. Até aí, nada de mais. Mas acontece que se a gente levar em conta que cada pinguço manda pra goela pelo menos uns três copos da marvada, e que só no Brasil temos milhões de alcoólatras, o estrago divino é grande, provocando em vários deles internações frequentes - quando não diárias. E as mais prejudicadas são as santas, que com um tiquinho de martini já estão trançando as pernas.

Outro problema sério são as imagens dos santos - tanto as pintadas quanto as esculpidas. Tem santo lá em cima que excomunga sem dó alguns dos displicentes artistas terrenos, pela falta de semelhança deles com as imagens que os representam. Esse tipo de episódio produz verdadeiras catástrofes estéticas. Outro dia mesmo toda a corte celeste saiu em passeata, com cartazes, faixas e gritos de guerra, protestando contra um lote de 250 estátuas de Santa Edwiges que saiu de fábrica com cara de Rita Cadilac. Um repulsivo sacrilégio, que merece punição exemplar. Para evitar novos contratempos, São Tomé propôs em assembleia a instituição do selo "Ver para Crer", que certifica a imagem beatificamente reconhecida, ou seja, aquela que tem a benção do respectivo santo e que guarda nítida semelhança com a sua figura dos tempos de carne e osso.

Além desse tipo de desrespeito, há também injustiças que agridem e irritam a turma de auréola. A maldosa e irônica expressão “Na descida todo santo ajuda” vem merecendo, de uns tempos para cá, um revide da parte dos ofendidos. Julgam eles que a frase denota uma certa acomodação, dando a entender que os santos têm braço curto e que não se empenham nas tarefas mais difíceis, onde só um milagre pode resolver a parada. “Não vamos ajudar mais na descida, ainda que o carro do sujeito esteja sem freio. Pois que se espafitem, aprendam a lição e vão para o inferno” desabafa um conhecido santo, que não quis se identificar.


© Direitos Reservados

Comentários

  1. M A R C E L O!!! Meu Deus do Céu!!! Onde ficam armazenadas poucas e boas feito essa crônica!! SENSACIONAL!! Olhe eu tive uma experiência dessas... renovaram o visual de Cristo fazendo-o parecer a um integrante de banda, com cabelos esvoaçantes e tudo... e, na tarefa com o botox remoçaram um outro, menos conhecido, recentemente empossado no ministério santificado, remoçando-o uns 30 anos para tentar conquistar a moçada de um educandário!! E, ai? Vale tudo meu amigo! Só mesmo uma passeata da "santaiada" exigindo direitos de privacidade!! kkkk...
    Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  2. José Carlos Carneiro11:49 AM

    O campo do que é tido como sagrado é deveras propício a interpretações das mais variadas vertentes. Mas levar tais observações e considerações a moldes divertidos sem ofender ou desmerecer a fé religiosa, não é para qualquer aventureiro. E nisso você faz escola.

    ResponderExcluir
  3. Ai, santo Cristo... o que faço diante do que leio? Peço aos anjos que te guardem, te mantenham cada dia mais inteligente, sabido e criativo... um beijo! Adorei! Beijo!

    ResponderExcluir
  4. Quer sdaber que santo foi? Só pode ser São benedito...

    ResponderExcluir
  5. Claudete Amaral Bueno4:25 PM

    Oi!
    Santo continua a ser bem humano, não????? rssssss
    Abraço e bom FDS
    Claudete

    ResponderExcluir
  6. Marco Antonio Rossi4:26 PM

    Boa tarde e um otimo final de semana.
    Gostei muito do tema de hoje, bem diferente...
    Abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  7. Clotilde Fascioni4:28 PM

    Muito bom Marcelo, dei boas risadas com seu texto. E pelo andar da carruagem você anda muito “espiritualizado” ultimamente, já que semana passada escreveu sobre a Catedral submersa.
    Abraços meu amigo virtual, tudo de bom para você e família.

    ResponderExcluir
  8. Marcelo4:29 PM

    Cabe aqui uma correção. A oferenda de bebida somente é válida para os santos do Copus Dei (o braço trêmulo da igreja alcoólica). Apenas cerveja e choop são aceitos pois esse negócio de beber o sangue do filho do Todo Poderoso é coisa de vampiro. Tudo bem que a cerveja nos remete à urina, nas deixa prá lá. Se beber não dirija.

    ResponderExcluir
  9. Zezinha Lins4:30 PM

    Puxa!!! Depois desse texto muita gente vai se esforçar AINDA MAIS para não ser Santo! Agora entendo todas as falcatruas dos políticos e dos não-políticos também. Ninguém quer ser Santo!!!
    Obrigada pelo sorriso de agora aqui no meu rosto, Marcelo. Depois de uma semana muito corrida, finalmente chego aqui atrás da Catedral Submersa e encontro a revolta dos santos. Ainda não conheço o conteúdo do texto anterior mas vou lá agora mesmo, bastante curiosa.
    Bjo!

    ResponderExcluir
  10. André Albuquerque4:46 PM

    E ainda existem os incautos que irritam o santo invocando um homônimo..rs,s.Parabéns por mais esta,que venha mais.Forte abraço.
    29.9.12

    ResponderExcluir
  11. Leda Valéria Supa Basile11:58 PM

    Sempre surpreendendo, impressionante. Adorei a "santaiada". Cada vez melhor. Abração!

    ResponderExcluir
  12. Ah, Marcelo, era o que me faltava vc inventar uma revolta "santa"!
    Pra mim são todos uns santinhos do pau oco!

    rsrsrs

    Um grande beijo!

    ResponderExcluir
  13. Élide Camargo Signorelli11:29 AM

    Ô, Marcelo, você é muito irônico! E o pior é que eu gosto disso! Já entrei no blog e li o texto da análise, claro. Que injustiça com o coitado do analista, que deve ser um esperançoso-otimista de marca maior já que está te esperando desde então. O Vida de Santo também é muito bom.

    ResponderExcluir
  14. Olá Marcelo!
    Eu não tinha me tocado na gravidade etílica dos fatos. O IBGE até divulgou uma pesquisa e de posse dos números e gráficos, até utilizei em provas de química orgânica. São Pedro andou em coma e aqui sofremos seca de muitos dias. E isso só para citar um exemplo! Muito bem lembrado! Agora, nesta época de rapidez de informações e notícias, acho justíssimo que se crie uma lei que exija a pré-aprovação das representações santas, pelos principais interessados! Assino em baixo!
    Ótimo texto! Beijos!

    ResponderExcluir
  15. Jota Effe Esse8:07 AM

    Meu apoio total a esse santo que não quis se identificar, a São Tomé,a todos os pinguços que bebem o conteúdo total da caneca, e deixam ao vendeiro a obrigação de reservar para os santos uma cota de seu estoque, e punição para quem não cumpre essa obrigação.. E parabéns a você, Marcelo, pelo excelente texto. Meu abraço.

    ResponderExcluir
  16. Jorge Cortás Sader Filho8:08 AM

    Como sempre, são passagens seguidas de outras da mais fina comicidade.
    Mas “desabafa um conhecido santo, que não quis se identificar”, realmente sobra…
    Parece notícia de pasquim policial.
    Abraço,

    ResponderExcluir
  17. Gina Soares8:09 AM

    Rss… Realmente nao ha santo que aguente!!!
    adorei!
    Bjs

    ResponderExcluir
  18. Lisette Feijó8:11 AM

    Sensacional bom domingo abraço Lisette.

    ResponderExcluir
  19. Sandra Nogueira8:12 AM

    Marcelo, meu amigo, só de imaginar a coitada da santa com a cara da Rita Cadilac já rolei de rir. Aí o pensamento voou solto e a vi vestindo o modelito, dos tempos da Buzina do Chacrinha, exposta sob uma réstia de luz num canto privilegiado da Igreja. E o santo que roda praga? Hilário. Vou espalhar esse texto, está bom demais.
    abraços

    ResponderExcluir
  20. Miriam Sales8:13 AM

    Kakakaká,adorei tudo.Ainda há pouco comprei uma Santa Bárbara,minha santinha do coração,cujo rosto se parecia muito com a de Fátima, a portuguesa.
    Que vida de santo n/ é mole eu já sabia,haja visto as queixas do meu anjo da guarda q/ n/ me aguenta mais.Agora,imagine os santos!
    bjs

    ResponderExcluir
  21. Minha Santa Rita dos Cadilaques sem freios! Será o Benedito, que esse São Marcelo não para de inventar? Sei quem é o santo que não quis se identificar; É um santo inquisitor que chupava sorvete chicabon para apagar-lhe o fogo, até o palito. Digo, o palito é para palitar os dentes, depois da cachaça. KKKKKKKKKKKKKKKKK

    ResponderExcluir
  22. Celi Estrada2:41 PM

    AH! até o SANTO está de saco cheio?
    Celi

    ResponderExcluir
  23. Antonio Fonseca2:42 PM

    Amigo Marcelo, depois desta crônica a Rita Cadilac vai querer indulgências para tentar, pelo menos, chegar à porta do céu, e a Santa Edwiges fará uma cruzinha no seu nome na lista do Divino.
    Mas eu ri demais! Foi ótima.

    ResponderExcluir
  24. Mara Narciso8:12 AM

    Entrou num mundo santificado, inventou palavra(santosfera), fez graça, e arrasou. Parabéns, Marcelo!

    ResponderExcluir
  25. Queria a sua habilidade de entrar em temas pantanosos com elegância. você é mestre para esse amigo desastrado. Exclamação!

    ResponderExcluir
  26. "Selo Ver para Crer" de São Tomé: genial idéia! Patenteie rápido senão eu pego!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…