Pular para o conteúdo principal

BIG BAD


Imagem: Domínio Público



"The Clock Tower", a torre que abriga o Big Ben, agora chama-se "Elizabeth Tower" - em homenagem aos 60 anos de reinado da Rainha Elizabeth. Talvez isso explique o fato da torre ter entortado 26 centímetros do dia para a noite. É como se o prédio estivesse se curvando em reverência à monarca, demonstrando seu respeito e gratidão pela fama conquistada. Porém, estando fora do eixo, fica a pergunta: conseguirá o Big Ben manter a histórica pontualidade, com o mecanismo do relógio penso para um dos lados? Que credibilidade terá o mais célebre dos marcadores de horas daqui pra frente, com seus ponteiros vacilantes e nada confiáveis?

O solo argiloso das margens do Tâmisa, as obras do metrô abaixo do parlamento britânico e falhas estruturais da construção, de 1858, são possíveis causas apontadas para o fenômeno. Não acredito em nenhuma delas, e tenho motivos para formular minha particular teoria da conspiração.

Creiam-me: há uma escavação em progresso nos seus pilares subterrâneos, capitaneada pelo Príncipe Harry e com o apoio logístico da Al-Qaeda. O plano é simples e maquiavélico. O buraco que irá deixar a torre sem sustentação prossegue sendo cavado em ritmo lento, madrugada após madrugada, pelos terroristas infiltrados como manobristas de estacionamento da Câmara dos Lordes, e assim continuará a empreitada até a morte da rainha, provavelmente por causas naturais.

Uma vez morta a figura máxima da Dinastia Windsor, o processo de escavação do alicerce será interrompido, para colocação de algumas toneladas de dinamite no lugar da terra retirada. Aproximando-se o cortejo fúnebre da Abadia de Westminster, onde certamente Elizabeth será enterrada, o perverso Harry, a uma distância segura tanto da torre quanto da igreja, ordenará via walk-talk a derrubada do monumento no exato instante em que passarem perto dele os Príncipes Charles e William, que antecedem Harry na linha de sucessão.

A rainha estará duplamente morta, William e Charles fora do páreo pelo trono e boa parte do primeiro e do segundo escalões da família real também estará dizimada, o que fará de Harry o legítimo rei - sem nenhuma possibilidade de contestação. Em seguida, começarão as investigações para apurar as responsabilidades pelo atentado. O novo rei descumprirá o combinado com a Al Qaeda e entregará para a polícia inglesa, através de denúncias anônimas, todos os terroristas envolvidos no imbroglio. Amaldiçoados pela mídia e pela opinião pública, contarão toda a verdade mas cairão no descrédito ao tentarem difamar Harry, o agora enlutado e solitário habitante de Buckingham.


© Direitos Reservados


Comentários

  1. Meu amigo, essa sua conspiração é digna de filme épico... risos... quase certa a minha ida para congresso na Unicamp! Te avisarei... um abraço!

    ResponderExcluir
  2. Olá, Marcelo, pelas bandas aristocráticas... há muitas outras coisas "fora do eixo"... são festinhas... topless... vento esvoaçantes em certos vestidos... Os tempos mudaram... que certos "reinados" se preparem para "novos tempos"... sem Bing Ben ou Bad...
    Abraço,Célia.

    ResponderExcluir
  3. Clotilde Fascioni11:40 AM

    Cuidado com profecias; elas podem acontecer, meu amigo. Penso que você está levando em conta a longevidade dos legitimos “sangue azuis” da Inglaterra e quando o acontecido acontecer (?!) Até você já terá ido para o camarote imperial assitir de cima e do melhor lugar.
    Adorei o texto, um dia saberei escrever assim, provavelmente na próxima encarnação ainda.
    Abrçs♥ e tudo de bom.♥

    ResponderExcluir
  4. Buenas…eu não duvido de mais nada. Arquitetações maquiavélicas e outrora mirabolantes são bem possíveis.
    Não vou assinar embaixo por medo de me comprometer, .
    Abração Marcelo e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  5. Élide Camargo Signorelli11:43 AM

    Hum, mirabolante....(engraçada essa palavra, mirabolante).

    ResponderExcluir
  6. Odete Baltazar11:44 AM

    Gostei do fantasioso conto "policial".
    beijosssssssss
    odete

    ResponderExcluir
  7. Marco Antonio Rossi11:52 AM

    Boa tarde! otimo final de semana!
    Só faltou escrever que ele estará desfilando com o ultimo modelo do I30.
    Abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  8. Misericórdia! A culpa não cairá nem na Al Qaeda , nem no Harry. Quem montou todo o esquema a ser seguido foi o Marcelo, o Sguassabia. Plano Sguassombroso, meu caro Marcelo. Sguassombroso.
    Somos todos testemunhas do que acontecerá ali, logo ali no futuro.
    Em breve "As testemunhas de Sguassabia"
    Título porreta, acha não !? KKKKKKK

    ResponderExcluir
  9. Claudete Amaral Bueno12:47 AM

    Marcelo:
    Vc foi discípulo de Agatha Cristie?????????? Parece!
    Um abraço! Passe longe da Abadia......
    Claudete

    ResponderExcluir
  10. Marco Bastos12:52 AM

    Isso merece esse meu terceto:
    Irmãos de sangue
    nas torres o big bang
    e entra o big bem
    no bang bang
    pois nada como os bons laços de família e a lealdade das cadeias sucessórias, a tempo e à hora. rs.
    Muito bom, Marcelo, sempre criativo.
    abraços.

    ResponderExcluir
  11. Jorge Cortás Sader Flho12:53 AM

    O nome já está escolhido. Sua Majestade Harry Potter II .
    Bem, foi o que ouvi dizer…
    Abraço, Marcelo.
    Jorge

    ResponderExcluir
  12. Marcelo12:53 AM

    Na verdade os pedreiros da Al-Qaeda estão se empenhando em remover paredes não estruturais da “The Clock Tower” para a realização de um treinamento e não ocorrerá nenhum comprometimento da estrutura. O procedimento é fiscalizado pelo Milton Mal Cimento.

    ResponderExcluir
  13. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  14. Sandra Nogueira12:56 AM

    Surpreendente Marcelo. Muita gente se perguntará:por quê não pensei nisso antes? E Harry, agora descoberto, terá que usar o plano B sob pena de ser execrado pela imprensa brasileira. Texto adorável, como diria Elizabeth II.
    abração

    ResponderExcluir
  15. André Albuquerque12:59 AM

    Criativo , original,;que seria da História universal sem as teorias conspiratórias ? Quem sabe,não teríamos o primeiro monarca a monitorar seu reino pelo twitter?Forte abraço, Marcelo.

    ResponderExcluir
  16. Wilson Miranda10:39 AM

    E Camilla Parker? Continuará viva? Dá um fim nela também. Por favor!!!'

    ResponderExcluir
  17. José Carlos Carneiro10:40 AM

    Meu comentário sobre seu inovador texto tem algo a ver com a data de hoje - 07/10/2012 - na qual, neste ano, praticamos o nobre dever da escolha dos nossos edis e prefeitos. A eleição, na minha ótica, e desde quando nos obrigam a votar, contém uma só palavra que resume muito bem o que que é esse "faz de conta que acredita que eu faço de conta que cumprirei": ZONA. Favor entender zona como o retrato fiel, em qualquer interpretação, daquilo que não só beira, mas lambe o chão pútrido do mundo da politicalha. Há excessões, ora essa! Sem dúvida, mas, se o caro leitor ainda não se deu conta, fique sabendo que a corda sempre arrebenta do lado mais fraco, principalmente se ela esteve sujeita aos dentes de ratazanas de bueiros.
    Pô, José! Vá lá, desabafe, ainda que não vá resolver nada tecer comentários sobre política. Comece a rir logo cedo ao se lembrar que seu título de eleitor de nada vale se você não apresentar também um documento com foto. Então, para não colecionar inutilidades, pode tranquilamente jogar no lixo o seu título.
    Que saco! Essa dupla empolgação, uma de origem em mim, outra provavelmente originada de suspeitas de um anjo que me foi designado, fizeram-me pôr de lado a apreciação sobre a cônica do meu caro Marcelo. Pois é, cara! Aceite aquela costumeira evasiva de "antes tarde do que nunca".
    Não sei se em razão da zona na qual me meti ou se meu cérebro foi atacado por uma nova avaria, ao ler "big bad" me vieram à memória Edgard Allan Poe, Alfred Hitchcock e José Mojica Marins. Que maravilha! Mistérios, suspenses, horrores, trevas, masoquismo e ficção refinada. Perdi o domínio sobre minhas decisões e num repente esse imbloglio todo de pensamentos desconexos estava virando cambalhotas numa centrífuga. Quando parou seu giro maluco, olhou para mim e perguntou:
    - Quer que eu traduza o resultado?
    Caso eu escrevesse que pedi a ela que matasse minha curiosidade, é provável que você me tachasse de um maluco em vias de adentrar na próxima fase. Como acredito que centrífugas não falam e peço um monte para que acredite em mim, fico, de verdade e por sólidas razões, com a convicção de que seu "big bad" teve um pouco de inspiração nas três personalidades que mencionei. Mas creio que nunca entenderei como é a manifestação desses ímpetos.
    Em resumo: A mesmice ou baboseiras explícitas são comuns em quase todas as mídias. As cidades pequenas ou médias não fogem à essa "regra", parece uma questão cultural. Resta-me saber que, uma vez por semana, um texto novo e inovador pinta na minha "telinha"

    ResponderExcluir
  18. Meu caro Marcelo!
    Este plano mirabolante tem que chegar ao conhecimento da Scotland Yard e até mesmo a Iterpol! Harry? Quem diria... Mas eu acho é que a torre se curvou diante do peso da idade e das responsabilidades... Rsrsrs.
    Mais uma interessante diversão!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  19. Risomar Fasanaro8:25 AM

    Que imaginação!!! tudo é possível, e não seria a primeiora vez que pessoas são assassinadas para que outras assumam o poder. Parabéns pelo belo texto, Marcelo. Beijo

    ResponderExcluir
  20. Lelena Terra Camargo8:25 AM

    clock clock clock
    quero ver em que dia essa coisa explode!!
    beijoss

    ResponderExcluir
  21. Antonio Fonseca8:26 AM

    Se esta profecia se concretizar, ou será o início da 3ª guerra mundial, ou então o fim dos tempos. Como estão dizendo por aí que o mundo acabará no dia 21 de dezembo próximo, quem sabe não está para se realizar suas premonições?
    Marcelo, só você mesmo!

    ResponderExcluir
  22. Myria Pereira8:32 AM

    Ola Marcelo, estive visitando você, parabéns pelo talento víu!
    Miria Pereyra
    Escritora, Ambientalista, Diretora Regional de Alternativos Culturais, Colunista de Jornais, Profissional da Saúde, Pesquisadora e Poeta Del Mundo

    ResponderExcluir
  23. Marcelo, 10 para sua imaginação, mas zero para a probabilidade de que isso venha a acontecer. Meu abraço.

    ResponderExcluir
  24. Bom dia!
    Eu "caí" aqui mais ou menos de paraquedas... quando vogava pelo espaço Net.
    Achei este "conto policial" do melhor!
    Até nos fez esquecer do início do post, a inclinação do "Big". Será por isso que os ingleses já não sabem "a quantas andam"? :)

    Gostei deste espaço. Vou voltar tão breve quanto possível.

    Uma boa semana. Beijinhos

    ResponderExcluir
  25. Mara Narciso9:14 AM

    Bom enredo para uma novela e quem sabe, caia bem na vida real? (como um infame - ao acaso e não intencional - trocadilho).

    ResponderExcluir
  26. J.C. Lyra1:51 PM

    Boa, Sir Arthur Conan Doyle

    ResponderExcluir
  27. Nossa, Marcelo! Demorei um pouco, mas cheguei a tempo de me atualizar antes do início da 3a. guerra!! Ufa!
    Abração

    ResponderExcluir
  28. !!!!!!!!!!!!!! vou ali buscar um fish and chips em sua homenagem!!!!!!!!!!!!!! arrasando nas conjecturas detetivescas!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  29. A música de fundo pode ser "A View to a Kill" do Duran Duran. O príncipe Harry falando no walk-talk é cinematográfico!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…